The Herd & Judas Jump

Posted in Programas with tags , on 04/03/2021 by Art Rock

Boa noite… no programa de hoje vamos trazer um grande grupo do rock inglês que se tornaria mais conhecido por seus descendentes, especialmente por um deles, o genial Humble Pie…

Estamos nos referindo ao grupo The Herd, que surgiu em 65 e que no ano seguinte já havia se tornado uma sensação no rock inglês com aquela que seria a sua formação clássica: Andy Bown nos teclados e vocais, Gary Taylor no baixo, Andrew Steele na bateria e, é claro, a sua estrela adolescente, o carismático guitarrista e vocalista Peter Frampton, que na época tinha apenas 16 anos…

Dono de um talento precoce, Peter Frampton chamava a atenção nos shows do grupo, e a sucessão de singles bem sucedidos abriu caminho para que eles fossem escolhidos para abrir os shows do grande Jimmy Hendrix Experience em 68… e ainda naquele ano saía o seu álbum de estreia do Herd: “Paradise Lost”…

A essa altura, Peter Frampton já era um autêntico teenage idol, adorado pelas multidões… e o menino loiro não estava nem um pouco satisfeito com isso, pois achava que ninguém notava o seu talento como músico… no fim ele acabou saindo ainda em 68 para formar o grande Humble Pie com Steve Marriot… o Herd não duraria muito depois disso… vamos conferir um pouco do som desse grupo efêmero, mas importante do rock britânico.

Com The Herd vocês ouviram “From the Underworld”, “Impressions of Oliver”, “Paradise Lost”, “On your Own”, “Sweet William”, “I can Fly” e “Understand Me”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um outro descendente do grupo The Herd que, ao contrário do Humble Pie, não teve uma longa e bem sucedida carreira, apesar da qualidade do seu som…

Estamos nos referindo ao Judas Jump, que foi formado por Andy Brown com outro ex-The Herd, o baterista Henry Spinetti, e tendo ainda o saxofonistsa Allan Jones ex-Amen Corner, o vocalista Adrian Williams e o baixista Charlie Harrison… e desde o começo eles tinham ideias ambiciosas, indo além da estética do pop e da psicodelia para buscar pitadas de influência do nascente rock progressivo.

Andy Brown se manteve como a figura central do grupo… e eles chegaram a ganhar alguma repercussão na mídia, merecendo uma capa da prestigiada revista inglesa NME,a New Musical Express… o álbum “Scorch” sairia em 1970 e ainda naquele ano o Judas Jump seria o grupo escolhido para abrir do lendário Festival da Ilha de Wight…

Mas a capa pouco inspirada do trabalho de estreia, seguida de complicações contratuais para o lançamento do álbum nos Estados Unidos e até o temperamento de Andy Brown, que chegou a colocar o seu próprio vocal sobre os de Adrian Williams nas gravações de estúdio… tudo isso contribuiu para o fim prematuro do Judas Jump… e é um pouco do único registro do grupo que selecionamos para a segunda parte do programa de hoje…

Com o Judas Jump vocês ouviram “John’s Brown Body”, “Rockin’Chair”, “Purple God”, “Bossa Jump”, “Run for your Life”, “Cully”, “Primerose Lady” e “Scorch”…

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de áudio de Araly Moser… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você faz downloads do conteúdo do programa e também deixa o seu recado… e agora você também pode curtir novamente o programa acessando o site https://paranaeducativa.pr.gov.br clique no link “podcast” e selecione “Art Rock” para escutar ou baixar o programa… tenham uma boa noite e até a semana que vem…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

THE HERD

BG – MISS JONES

  1. FROM THE UNDERWORLD – 3:18
  2. IMPRESSIONS OF OLIVER – 4:47
  3. PARADISE LOST – 3:37
  4. ON YOUR OWN – 3:19
  5. SWEET WILLIAM – 2:10
  6. I CAN FLY – 3:13
  7. UNDERSTAND ME – 2:30

BG – OUR FAIRY TALE

TOTAL – 23:14

JUDAS JUMP

BG – BEER DRINKING WOMAN

  1. JOHN’S BROWN BODY – 3:26
  2. ROCKIN’CHAIR – 2:56
  3. PURLE GOD – 3:09
  4. BOSSA JUMP – 4:30
  5. RUN FOR YOUR LIFE – 3:39
  6. CULLY – 2:34
  7.  PRIMEROSE LADY – 4:34
  8. SCORCH – 1:30

BG – CRY-DE-CRY

TOTAL – 26:17

TOTAL GERAL: 49:31

Ouça o Art Rock com o The Herd & Judas Jump que foi ao ar no dia 27/02/2021, clicando aqui.

Return to Forever

Posted in Programas with tags on 25/02/2021 by Art Rock

Boa noite… hoje vamos lembrar outro grande viajante do multiverso que passou um tempo em nossa mísera realidade e voltou para os planos infinitos no começo de 2021… o genial Chick Corea…

Esse músico lendário do jazz já era bem conhecido quanto iniciou o projeto que nós escolhemos para trazer hoje aqui ano Art Rock… foi no distante ano de 1971, e ele reuniu um grupo com o baixista Stanley Clarke, os músicos brasileiros Airto Moreira e Flora Purin, e o saxofonista Joe Farrell… eles lançariam o álbum Return to Forever, mas essa primeira formação se separaria depois do álbum “Light as a Feather” de 73…

Chick Corea havia tocado com o grande Miles Davies nos álbuns “In a Silent Way” de 69 e “Bitches Brew” de 70, mas ele mesmo dizia que havia se influenciado mais pela Mahavishnu Orchestra de John McLaughlin para mudar a direção do Return to Forever para o jazz fusion… Airto Moreira, Flora Purin, e Joe Farrell deixaram o grupo e eles seriam substituídos pelo guitarrista Bill Connors e pelo baterista Lenny White para o álbum “Hymn of the Seventh Galaxy” de 73… 

Mergulhando no fusion, Corea manteve a força da sua expressividade e também conseguiu um grande impacto no cenário musical… o álbum seguinte “Where Have I Known You Before” de 74 incorporava o som de sintetizadores… e a saída de Bill Connors acabou contribuindo, pois ele seria substituído pelo então jovem virtuoso Al Di Meola, fechando assim a chamada formação clássica do grupo… vamos conferir um pouco dessa fase inicial do Return to Forever… 

Vocês ouviram o Return to Forever com “Hymn to the Seventh Galaxy”, “After the Cosmic Rain”, “Vulcan Worlds” e “Earth Juice”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Vamos continuar trazendo um pouco do legado do Return to Forever, para lembrar Chick Corea, um músico genial que vai fazer falta na nossa árida realidade.

Em 76 o Return to Forever lançaria o ultimo álbum com a sua formação clássica, o brilhante “Romantic Warrior”, que foi um sucesso de crítica e público, mas também marcaria a saída de Lenny White e Al Di Meola… Chick Corea decidiu dar uma nova guinada no grupo, chamando de volta o saxofonita Joe Farrell e trazendo um quarteto de sopro para acompanhamento, junto com os vocais da sua mulher Gayle Moran, que havia sido membro da Mahavishnu Orchestra. 

Apesar das mudanças, o álbum foi bem sucedido, mas acabaria sendo o último registro de estúdio do Return to Forever… o grupo ainda lançaria o quádruplo ao vivo “Return to Forever Live: The Complete Concert” em 78… e eles voltariam a se reunir muitas vezes, incluindo retornos com Lenny White e Al Di Meola, mas infelizmente novas gravações de estúdio seriam esparsas…

O último trabalho do grupo foi “Forever” de 2011, um álbum ao vivo contando com uma formação alternativa, sem Al Di Meola e tendo Chaka Khan e Jean-Luc Ponty como convidados… a tour daquele ano tinha o guitarrista Frank Gambale e a banda de Dweezil Zappa cuidava da abertura… Chick Corea mantinha muitos outros projetos e colaborações… mas foi em 2021, aos 50 anos do Return to Foverer, que o velho mestre retornou finalmente para a eternidade… e assim, houve simetria…

Com o Return to Foverer vocês ouviram “Medieval Overture”, “The Romantic Warrior”, “Magestic Dance” e “The Magician”… faixas de “Romantic Warrior” de 76.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de áudio de Araly Moser… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você faz downloads do conteúdo do programa e também deixa o seu recado… e agora você também pode curtir novamente o programa acessando o site https://paranaeducativa.pr.gov.br clique no link “podcast” e selecione “Art Rock” para escutar ou baixar o programa… tenham uma boa noite e até a semana que vem… 

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

RETURN TO FOREVER

BG – CAPTAIN SEÑOR MOUSE

  • HYMN TO THE SEVENTH GALAXY – 3:32
  • AFTER THE COSMIC RAIN – 8:26
  • VULCAN WORLDS – 7:52
  • EARTH JUICE – 3:47

BG – SPACE CIRCUS

TOTAL – 23:37

RETURN TO FOREVER

BG – SORCERESS 

  • MEDIEVAL OVERTURE – 5:12
  • THE ROMANTIC WARRIOR – 10:46
  • MAGESTIC DANCE – 5:00
  • THE MAGICIAN – 5:25

BG – DUEL OF THE JESTER AND THE TYRANT

TOTAL – 26:22

TOTAL GERAL: 49:59

Ouça o Art Rock com o Return to Forever que foi ao ar no dia 20/02/2021, clicando aqui.

Galadriel

Posted in Programas with tags on 16/02/2021 by Art Rock

Boa noite… hoje no programa teremos dois excelentes grupos de épocas, estilos e continentes diferentes, mas que usaram o mesmo nome… Galadriel, a dama élfica, mais bela do que todas as gemas que se ocultam sob a Terra, senhora dos elfos de Lothlórien.

O uso nome da personagem do “Senhor dos Anéis” de Tolkien não é incomum no mundo do rock… e vamos começar com um grupo australiano surgido em 69 a partir da banda pop House of Bricks, que contava com o guitarrista Garry Adams e o baterista Doug Bligh… eles se juntariam ao baixista Mick Parker, ao guitarrista Gary Lothian e ao vocalista John “Spider” Scholten…

Com essa formação eles adotariam o nome Galadriel e conseguiram lançar o seu primeiro compacto em 71, assinando um contrato com a Polydor Records e lançando ainda naquele ano um álbum homônimo que mostrava uma sonoridade promissora, onde elementos de blues e jazz se misturavam com pitadas de hard rock…

Mas eles não iriam muito longe… ainda tentariam gravar um segundo álbum, mas em 72 já haviam se separado e o seu único trabalho se tornaria uma raridade disputada pelos colecionadores… isso até ser lançado em CD em 95… e é um pouco desse fragmento quase perdido do rock australiano do começo dos anos 70 que vocês vão ouvir a partir de agora…

Vocês ouviram o Galadriel australiano com “Such a Fool”, “Girl of Seventeen”, “She Left her Love”, “Standing in the Rain”, “Mind Games” e “One day in Paradise”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos mudar de década e também dar a volta ao mundo, que apesar dos rumores continua sendo redondo, para trazer outro grupo que usou o nome Galadriel…

Estamos nos referindo ao grupo progressivo espanhol surgido em 85 de uma iniciativa do vocalista Jesús Filardi e do tecladista David Aladro… juntos, eles reuniram os guitarristas Manolo Macia e Manolo Pancorbo (que também tocava baixo) e o baterista Alcides “Cidon” Trindade… lançando em 86 uma fita demo com 3 faixas intitulada “La Escalinata”, que preparou o terreno para o primeiro álbum, lançado dois anos depois.

 “Muttered Promises from an Ageles Pond” seria lançado em 88… um belo trabalho que marcaria o cenário progressivo espanhol com influências do Yes combinadas com um pouco da sonoridade do prog italiano… e em 92, eles lançariam “Chasing the Dragonfly”, que já não contava com David Aladro e mostrava o grupo procurando uma sonoridade própria, algo que tomaria forma no seu álbum de 97, “Mindscapers”…

Mas esse foi o fim da primeira fase do Galadriel… eles se separariam e passariam 11 anos sem gravar novos trabalhos… só em 2008 voltariam com “Calibrated Collision Course”… um excelente álbum de retorno, que nós já trouxemos aqui no Art Rock… por isso, para o programa de hoje, nós vamos nos concentrar nos álbuns iniciais desse excelente grupo espanhol…

Vocês ouviram o Galadriel espanhol com “Lagada”, “Virginal”, “Nunca de Noche” e “Senshi”…

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de áudio de Araly Moser… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você faz downloads do conteúdo do programa e também deixa o seu recado… e agora você também pode curtir novamente o programa acessando o site https://paranaeducativa.pr.gov.br clique no link “podcast” e selecione “Art Rock” para escutar ou baixar o programa… tenham uma boa noite e até a semana que vem…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

GALADRIEL

BG – AMBLE ON

  1. SUCH A FOOL – 3:13
  2. GIRL OF SEVENTEEN – 4:44
  3. SHE LEFT HER LOVE – 3:51
  4. STANDING IN THE RAIN – 3:31
  5.  MIND GAMES – 5:38
  6. ONE DAY IN PARADISE – 5:25

BG – THINGS TO COME

TOTAL – 26:20

GALADRIEL

BG – TO DIE IN AVALON

  1. LAGADA – 9:00
  2. VIRGINAL – 2:34
  3. NUNCA DE NOCHE – 3:13
  4. SENSHI – 9:18

BG – MERCILESS TIDES

TOTAL – 24:05

TOTAL GERAL: 50:25

Ouça o Art Rock com o Galadriel que foi ao ar no dia 13/02/2021, clicando aqui.

Acid Moon & Ozric Tentacles

Posted in Programas with tags , on 15/02/2021 by Art Rock

Boa noite… vamos trazer hoje mais dois lançamentos de 2020, começando com um jovem grupo israelense influenciado pelos sonhos coloridos da psicodelia, o Acid Moon and The Pregnant Sun…

Formado em Telaviv, esse grupo conseguiu lançar em julho de 2020 o seu primeiro e, até o momento, único álbum… “Speakin’ of the Devil”, em que exploram as múltiplas possibilidades da sonoridade psicodélica, com ecos que vão de Jefferson Airplane até a fase mais viajante dos Rolling Stones… sem deixar de lado influências mais recentes.

A história do Acid Moon and The Pregnant Sun começou com o power-trio The Great Machine, que contava com Omer Haviv na guitarra e vocal, seu irmão Aviran no baixo e vocal e Michael Izaky na bateria, guitarra e vocal… o som deles estava mais para stoner rock, mas já tinha influências psicodélicas… e eles lançariam 3 álbuns, além de um EP e uma coletânea, marcando o cenário do rock israelense…

Mas, a partir de 2015 eles desenvolveram em paralelo, um projeto mais claramente voltado para o som psicodélico, reunindo mais dois guitarristas, dois percussionistas e um tecladista, para incorporar elementos típicos da riqueza sonora dos anos 60… e o resultado acabaria sendo o Acid Moon and The Pregnant Sun… e em 2020 eles finalmente lançaram o seu álbum de estreia, que vocês vão poder conferir a partir de agora…

Vocês ouviram o Acid Moon and The Pregnant Sun com “I Love You”, “Speaking of the Devil”, “Wide” e “Sparrow”…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir uma sugestão do nosso amigo Almir Octávio… o novo trabalho do Ozric Tentacles, grupo que já trouxemos muitas vezes no programa e que está aí com o álbum “Space for the Earth”…

Vale a pena lembrar que o Ozric Tentacles surgiu em 83, a partir da iniciativa dos irmãos Ed e Roly Wynne… e no começo eles tentaram ganhar notoriedade se apresentando em festivais no Reino Unido e também no circuito de bares underground, onde divulgavam o seu som e conseguiam recursos para se manter em atividade e até gravar fitas demo antes de conseguir lançar um CD…

Por isso, embora tenham surgido em plena era do movimento neo-progressivo, eles são mais associados ao prog dos anos 90, época em que seus álbuns conseguiram mais reconhecimento… trabalhos como “Espland” de 90, “Strangeitude” de 91 e “Jurassic Shift” de 93 estabeleceram o grupo no cenário musical britânico e também o firmaram internacionalmente, garantindo a sua sobrevivência pelas décadas seguintes, principalmente por terem o seu próprio selo, a Dovetail Records…

O guitarrista e tecladista Ed Wynne acabaria se tornando o único membro constante do Ozric Tentacles… e a sua liderança se mantém no álbum “Space for the Earth”, que ele produziu e foi lançado em outubro de 2020… esse é o terceiro álbum a contar com a participação de Silas Neptune, filho de Ed, nos teclados… confiram essa nova obra de uma força viva do lado mais espacial da psicodelia britânica…

Com o Ozric Tentacles vocês ouviram “Humbolt Currant”, “Climbing Plants” e “Space for the Earth”.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de áudio de Araly Moser… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você faz downloads do conteúdo do programa e também deixa o seu recado… e agora você também pode curtir novamente o programa acessando o site https://paranaeducativa.pr.gov.br clique no link “podcast” e selecione “Art Rock” para escutar ou baixar o programa… tenham uma boa noite e até a semana que vem…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ACID MOON AND THE PREGNANT SUN

BG – SAVE ME

  1. I LOVE YOU – 3:57
  2. SPEAKING OF THE DEVIL – 8:53
  3. WIDE – 5:59
  4.  SPARROW – 7:28

BG – BRIGHT SKY AT NIGHT

TOTAL – 26:17

OZRIC TENTACLES

BG – STRIPEY CLOUDS

  • HUMBOLT CURRANT – 8:58
  • CLIMBING PLANTS – 7:05
  • SPACE FOR THE EARTH – 7:36

BG – HARMONIC STEPS

TOTAL – 23:39

TOTAL GERAL: 49:56

Ouça o Art Rock com o Acid Moon & Ozric Tentacles que foi ao ar no dia 06/02/2021, clicando aqui.

Steve Hackett

Posted in Programas with tags on 03/02/2021 by Art Rock

Boa noite, no programa de hoje teremos o novo trabalho de uma das figuras mais respeitadas do mundo do prog. rock, o genial guitarrista Steve Hackett!

Todo bom prog head conhece esse guitarrista lendário desde os seus tempos como integrante do glorioso Genesis na sua fase mais celebrada… e para esse programa vamos começar trazendo um dos seus trabalhos mais queridos do público brasileiro… “Bay of Kings” de 83, cujo nome é uma homenagem a Angra dos Reis, no Rio de Janeiro…

Steve Hackett foi um dos muitos músicos ingleses a ter uma relação muito forte com o Brasil… já no seu primeiro álbum solo, “Voyage of the Acolyte” de 76, ele contou com a riqueza da pintura da artista plástica brasileira Kim Poor, que seria responsável pelas capas de muitos de seus trabalhos e com quem ele casaria em 81… e os dois permaneceriam juntos por 26 anos.

Voltado para a guitarra acústica, o álbum “Bay of Kings” foi recusado pelo selo Charisma Records, forçando Hackett a mudar a gravadora e lançar o trabalho por um selo independente, a Lamborghini Records… e, além de Steve Hackett na guitarra e teclados, ainda participavam Nick Magnus nos teclados e sintetizador e, como sempre, o irmão de Steve, John Hackett, na flauta e teclados…

Vocês ouviram Steve Hackett com “Bay of Kings”, “The Journey”, “Kim”, “St. Elmo’s Fire”, “Petropolis”, “The Barrenland” e “Calmaria”

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora nós vamos trazer um pouco do novo álbum de Steve Hackett, “Under a Mediterranean Sky”, que acabou de sair e você já vai poder conferir aqui no Art Rock.

Como “Bay of Kings”, que vocês ouviram na primeira parte do programa, este novo trabalho se Steve Hackett mostra o seu lado acústico, contando também com partes orquestradas… deixando um pouco de lado o formato do seu álbum anterior, “At the Edge of Light”, de 2019…

“Under a Mediterranean Sky” foi lançado no começo de 2021 e mostra que Steve Hackett, além do seu talento e criatividade inesgotáveis, também tem a energia para continuar produzindo sem parar, mesmo em plena pandemia… mesclando arranjos orquestrais com partes elaboradas na guitarra acústica, ele teve como tema de fundo um tributo à atmosfera do mundo mediterrâneo, da histórica capital da ilha de Malta às praias da Riviera e ao quente e seco sopro do Siroco vindo do Saara…

Acompanhando Hackett nessa viagem sonora estão Roger King nos teclados, Christine Townsend no violino, John Hackett na flauta, Rob Townsend na flauta e sax, Malik Mansurov no tar (o alaúde persa) e Arsen Petrosyan no duduk (o oboé armênio)… e o resultado, vocês vão poder conferir a partir de agora…

Vocês ouviram Steve Hackett com “Mdna (The Walled City)”, “Sirocco”, “Joie de Vivre”, “Lorato” e “The Call Of The Sea”…

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de áudio de Araly Moser… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você faz downloads do conteúdo do programa e também deixa o seu recado… e agora você também pode curtir novamente o programa acessando o site https://paranaeducativa.pr.gov.br clique no link “podcast” e selecione “Art Rock” para escutar ou baixar o programa… tenham uma boa noite e até a semana que vem…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

STEVE HACKETT

BG – MARIGOLA

  1. BAY OF KINGS – 4:57
  2. THE JOURNEY – 4:15
  3. KIM – 2:25
  4. ST. ELMO’S FIRE – 3:09
  5. PETROPOLIS – 2:46
  6. THE BARRENLAND – 3:47
  7. CALMARIA – 3:24

BG – SECOND CHANCE

TOTAL – 24:42

MARILLION

BG – ADRIATIC BLUE

  1. MDNA (THE WALLED CITY) – 8:45
  2. SIROCCO – 5:14
  3. JOIE DE VIVRE – 3:41
  4. LORATO – 2:30
  5. THE CALL OF THE SEA – 4:45

BG – SCARLATTI SONATA

TOTAL – 24:55

TOTAL GERAL: 49:37

Ouça o Art Rock com o Steve Hackett que foi ao ar no dia 30/01/2021, clicando aqui.

Marillion

Posted in Programas with tags on 25/01/2021 by Art Rock

Boa noite, hoje teremos no programa um dos grupos sobreviventes da geração neo-progressiva dos anos 80, o Marillion…

Como é presença habitual no nosso programa, não vamos precisar apresentar o Marillion… além do mais, ele é um dos grupos que melhor representa o movimento neo-prog, que eles ajudaram a lançar quando ainda se chamavam Silmarillion, em homenagem à obra do genial Tolkien… na virada dos anos 70 para os 80.

Em 81 eles encurtaram o nome para Marillion, e nas décadas seguintes eles se tornariam um nome importante do rock inglês, ganhando destaque na sua fase com o vocalista Fish e depois seguindo em frente quando ele foi substituído por Steve Hogarth em 89… e, quando essa mudança ocorreu, ninguém poderia imaginar que o grupo continuaria em atividade constante, sem nunca perder a sua força, nos 30 anos seguintes…

Vamos começar com faixas do 13º. trabalho do grupo, o álbum “Marbles” de 2004, que foi financiado pelo próprio Marillion, com os fãs financiando a campanha publicitária para o lançamento e a divulgação… além da edição normal, foi produzida uma edição dupla disponível apenas em pré-order pelo site do grupo e que só seria lançada oficialmente em 2017…

Vocês ouviram o Marillion com “The Invisible Man”, “Marbles I”, “The Only Unforgivable Thing” e “Marbles II”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar trazendo o Marillion, que se mantém ativo graças em grande parte às suas bem sucedidas estratégias de apoio junto de seus muitos fãs…

Apesar das mudanças estilísticas, o grupo nunca perdeu seu vínculo com o progressivo, com álbuns mais ou menos direcionados para o paradigma do prog rock… e o trabalho que selecionamos para a segunda parte do programa foi um dos que teve mais repercussão entre seus lançamentos recentes.

Quando foi anunciado em 2015 era simplesmente “M18”, mas o título final acabaria sendo “F.E.A.R.”, que quer dizer medo, mas que era na verdade um acrônimo para “Fuck Everyone and Run”… e como sempre eles utilizaram um sistema de pré-venda com os fãs para arrecadar os fundos para a produção…

Lançado em 2016, o álbum acabaria alcançando os primeiros lugares das paradas, algo que não acontecia desde “Clutching at Straws” de 87, o último registro do grupo com Fish nos vocais… esse belo trabalho mostra a força do Marillion em sua maturidade… e isso eles também mostraram em 2020, pois não fizeram protestos negacionistas… em vez disso, voltaram a acionar a ajuda do seu fã clube, mas desta vez para arrecadar dinheiro para ajudar seus roadies e equipes de som, prejudicados pela ausência de shows devida à pandemia… uma lição de consciência dos velhos decanos do neo-prog.

Vocês ouviram “El Dorado II – The Gold”, “El Dorado IV – Fear”, “The Leavers III – Vapour Trails In The Sky”, “The New Kings I – Fuck Everyone And Run”, “The New Kings IV – Why Is Nothing Ever True?” e “Tomorrow’s New Country”, com o Marillion.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de áudio de Araly Moser… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você faz downloads do conteúdo do programa e também deixa o seu recado… e agora você também pode curtir novamente o programa acessando o site https://paranaeducativa.pr.gov.br clique no link “podcast” e selecione “Art Rock” para escutar ou baixar o programa… tenham uma boa noite e até a semana que vem…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

MARILLION

BG – FANTASTIC PLACE

  1. THE INVISIBLE MAN – 13:38
  2. MARBLES I – 1:43
  3. THE ONLY UNFORGIVABLE THING – 7:13
  4. MARBLES II – 2:03

BG – GENIE

TOTAL – 24:36

MARILLION

BG – LIVING IN FEAR

  1. EL DORADO II – THE GOLD – 6:13
  2. EL DORADO IV – FEAR – 4:08
  3. THE LEAVERS III – VAPOUR TRAILS IN THE SKY – 4:49
  4. THE NEW KINGS I – FUCK EVERYONE AND RUN – 4:22
  5. THE NEW KINGS IV – WHY IS NOTHING EVER TRUE? – 3:24
  6. TOMORROW’S NEW COUNTRY – 1:48

BG – WHITE PAPER

TOTAL – 24:44

TOTAL GERAL: 49:20

Ouça o Art Rock com o Marillion que foi ao ar no dia 23/01/2021, clicando aqui.

Rick Wakeman

Posted in Programas with tags on 25/01/2021 by Art Rock

Boa noite, no programa de hoje vamos trazer uma das boas notícias de 2020, o novo álbum do velho mago dos teclados: Rick Wakeman…

Claro que não há fã de progressivo que não conheça Rick Wakeman, tanto por seus insuperáveis trabalhos com o grande Yes como por uma carreira solo que já se estende por cinco décadas e que continua tão ativa como nos tempos de seus trabalhos mais famosos… ainda que atualmente ele mantenha um perfil mais modesto, sem as monumentais tours mundiais dos anos 70.

Rick é bem ativo nas redes, mantendo sempre um diálogo com os fãs… mas ele não se aposentou como muitos outros de sua geração, investindo tanto na colaboração com seus antigos companheiros do Yes, álbuns homenageando os amigos ausentes, projetos inacabados e, é claro, aumentando a sua já impressionante discografia solo, com lançamentos anuais desde 2017…

Na época, ele foi um dos que respondeu com mais intensidade às muitas perdas que o mundo do rock havia sofrido em 2016, incluindo muitos de seus amigos pessoais… e isso foi o catalizador para que ele retomasse o ritmo de seus anos mais prolíficos… e, para essa primeira parte do programa, nós selecionamos faixas de dois trabalhos de uma dessas fases, os álbuns “1984” de 81 e “Cost of Living” de 83…

Vocês ouviram Rick Wakeman com “The Room”, “Robotman”, “1984”, “Gone But not Forgotten”, “Happening Man” e “Shakespeare Run”.

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um pouco do álbum de 2020 de Rick Wakeman: “The Red Planet”, que saiu em junho, apesar das dificuldades causadas pela pandemia…

Rick anunciou em 2019 que estava preparando esse novo trabalho inspirado no planeta Marte, e os que o acompanham através do seu canal do youtube, por exemplo, puderam seguir as diversas fases de produção do álbum, que contém oito faixas originais, cada uma dedicada a um ponto diferente da paisagem marciana.

Com uma carreira que começou nos anos 60, passou por grupos lendários, colaborações geniais nos mais diversos estilos do rock, Rick Wakeman é uma daquelas figuras que nunca saíram totalmente de cena, mesmo quando passou por períodos de pouca expressão no cenário musical britânico.

E na paisagem devastada de 2020, é bom ver que esses nomes de peso do progressivo resolveram não se acomodar nem usar a desculpa da crise para ficar sem ação… gravado com a English Rock Ensamble, o disco retoma a inspiração espacial de trabalhos clássicos como “No Earthly Connection” de 76 ou do mais recente “Out There” de 2003… confiram um pouco desse belo trabalho do velho mestre…

Vocês ouviram “Ascreus Mons”, “Tharsis Tholus”, “Olympus Mons” e “The North Plain”… com Rick Wakeman. O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de áudio de Araly Moser… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você faz downloads do conteúdo do programa e também deixa o seu recado… e agora você também pode curtir novamente o programa acessando o site https://paranaeducativa.pr.gov.br clique no link “podcast” e selecione “Art Rock” para escutar ou baixar o programa… tenham uma boa noite e até a semana que vem…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

RICK WAKEMAN

BG – JULIA

  1. THE ROOM – 4:16
  2. ROBOTMAN (1984) – 3:56
  3. 1984 – 6:30
  4. GONE BUT NOT FORGOTTEN – 3:42
  5. HAPPENING MAN – 3:36
  6. SHAKESPEARE RUN – 3:27

BG – ONE FOR THE ROAD

TOTAL – 25:27

RICK WAKEMAN

BG – ARSIA MONS

  1. ASCREUS MONS – 5:53
  2. THARSIS THOLUS – 6:17
  3. OLYMPUS MONS – 5:21
  4. THE NORTH PLAIN – 6:53

BG – PAVONIS MONS

TOTAL – 24:25

TOTAL GERAL: 49:52

Ouça o Art Rock com o Rick Wakeman que foi ao ar no dia 16/01/2021, clicando aqui.

REPRISE: Eloy

Posted in Programas with tags on 21/12/2020 by Art Rock

Olá ouvintes do Art Rock! O programa de 04-12-2020, foi um reprise com o Eloy!
Confiram este programa clicando aqui!

Vocês também podem acessar o link do programa diretamente aqui.

REPRISE: Cosmic Skull & Villagers

Posted in Programas with tags , on 30/11/2020 by Art Rock

Olá ouvintes do Art Rock! O programa de 28-11-2020, foi um reprise com o Cosmic Skull & Villagers!
Confiram este programa clicando aqui!

Vocês também podem acessar o link do programa diretamente aqui.

Ayreon

Posted in Programas with tags on 23/11/2020 by Art Rock

Boa noite, no programa de hoje vamos trazer o mais recente lançamento de um dos nomes mais importantes do metal progressivo: o grupo Ayreon, do multi-instrumentista holandês Arjen Lucassen.

Já trouxemos o Ayreon outras vezes no programa… mas não custa lembrar que se trata de um projeto surgido em meados dos anos 90, centrado em torno de Arjen Lucassem, como um veículo para expressar a sua incansável criatividade através de uma série de álbuns complexos, normalmente no formato da ópera-rock e contando com convidados famosos.

A temática da ficção científica se combina perfeitamente com esse tipo de produção, e os álbuns costumam ser ambientados em um universo comum, no qual os personagens interpretados pela seleção de convidados especiais têm a suas histórias contadas em longas suítes interligadas que são lançadas com bastante preparação prévia na mídia e por meio das redes, que servem para aproximar os numerosos fãs do grupo.

E o álbum duplo “Transitus” não foge à regra, exceto por sua ambientação, que não fez uso do mundo em que se desenrolam a maioria dos trabalhos conceituais do Ayreon, preferindo em vez disso mergulhar em cenários que deixam de lado o scifi para abraçar a atmosfera gótica de um século XIX onde o real convive com o sobrenatural… vamos conferir essa nova ópera-rock de Arjen Lucassen…

Com o Ayreon vocês ouviram “Fatum Horrificum”, “Daniel’s Descent into Transitus”, “Listem to my Story”, “Two Worlds Now One” e “Dumb Piece of Rock”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar com o novo álbum do Ayreon, o duplo “Transitus”, que saiu também em uma edição especial e ainda com o lançamento simultâneo de uma graphic novel do ilustrador chileno Félix Vega.

A ópera-rock acompanha o personagem Daniel em uma aventura post-mortem que conta com os vocais de Tommy Karevick (do Kamelot), Cammie Gilbert (do Oceans of Slumber), Simone Simons (do Epica), Caroline Westendorp (ex-The Charm the Fury), Dianne van Giersbergen (do Ex Libris) e até Dee Snider (do Twisted Sister)…

Além de Arjen Lucassen, o álbum ainda conta com uma banda de apoio de peso e também com a participação dos grandes guitarristas Joe Satriani e Marty Friedman… mas vale destacar outro convidado especial… o lendário ator inglês Tom Baker, que interpretou a 4ª. encarnação do personagem principal na cultuada série Doctor Who, nos anos 70… e é até hoje lembrado com carinho pelos fãs desta que é a mais antiga série de ficção da história, com uma produção que se estende por mais de 5 décadas!

O álbum “Transitus” foi lançado em 25 de setembro de 2020 e mostra como esse projeto de Arjen Lucassen se mantem como uma das constantes do prog metal europeu, chegando a mais de vinte anos de atividade, sem perder nada do seu caráter ambicioso e tampouco de seu potencial criativo…

Vocês ouviram o Ayreon com “Condemned Without a Trial”, “Hopelessly Slipping Away”, “This Human Equation”, “Message From Beyond”, “Abby in Transitus” e “The Great Beyond”.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de áudio de Araly Moser… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você faz downloads do conteúdo do programa e também deixa o seu recado… e agora você também pode curtir novamente o programa acessando o site https://paranaeducativa.pr.gov.br clique no link “podcast” e selecione “Art Rock” para escutar ou baixar o programa… tenham uma boa noite e até a semana que vem…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

AYREON

BG – TALK OF THE TOWN (INSTRUMENTAL)

  1. FATUM HORRIFICUM – 10:23
  2. DANIEL’S DESCENT INTO TRANSITUS – 2:40
  3. LISTEN TO MY STORY – 4:03
  4. TWO WORLDS NOW ONE – 4:06
  5. DUMB PIECE OF ROCK – 4:13

BG – OLD FRIEND (INSTRUMENTAL)

TOTAL –25:25

AYREON

BG – DANIEL’S FUNERAL (INSTRUMENTAL)

  1. CONDEMNED WITHOUT A TRIAL – 3:50
  2. HOPELESSLY SLIPPING AWAY – 4:28
  3. THIS HUMAN EQUATION – 4:19
  4. MESSAGE FROM BEYOND – 5:21
  5. ABBY IN TRANSITUS – 3:02
  6. THE GREAT BEYOND – 2:49

BG – INFERNO (INSTRUMENTAL)

TOTAL: 23:49

TOTAL GERAL – 49:14 

Ouça o Art Rock com o Ayreon que foi ao ar no dia 21/11/2020, clicando aqui.