Emerson, Lake and Palmer

Posted in Programas with tags on 11/07/2019 by Art Rock

“Boa noite, no programa hoje teremos um pouco dos últimos trabalhos da fase clássica do power-trio mais emblemático do progressivo: o Emerson, Lake and Palmer.


Naturalmente não vamos apresentar o E.L.P., afinal ele é um grupo conhecido de todo bom fã de rock em geral e do prog. rock em particular… e também é uma presença frequente neste programa, tanto em sua fase mais celebrada como nos trabalhos que marcaram o seu retorno e até as partidas prematuras de Keith Emerson e de Greg Lake…

Por isso hoje vamos nos concentrar nos derradeiros álbuns da primeira fase do grupo, quando estavam entre os mais importantes grupos de rock do mundo e realizavam tours cujos shows eram verdadeiros eventos, concentrando a atenção da mídia e muitas vezes atraindo tanto elogios como críticas.

Essa época foi marcada por uma dupla de álbuns bem sucedidos, mas que já evidenciava uma certa ruptura… o primeiro foi o duplo “Workd Vol. 1”, de 77, em que cada um dos integrantes do grupo produziu um lado, sem nada a ver com os demais e com ênfase para partes orquestrais com exceção para a parte de Greg Lake… e essa falta de coesão só ficaria mais aparente no álbum seguinte, “Works Vol. 2”… que foi lançado ainda em 77 e que vocês vão poder conferir nessa primeira parte do programa.

Vocês ouviram o E.L.P. com “Tiger in a Spotlight”, “When the Apple Blossoms in the Windmills of your Mind I’ll be your Valentine”, depois foi “Brain Salad Surgery”, “Watching Over You”, “I Believe in Father Christmas”, “Honky Tonk Train Blues” e “Show me the Way to go Home”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um álbum do Emerson, Lake & Palmer que tem a dúbia distinção de ter uma capa considerada entre as piores da história do rock… “Love Beach” de 78.

Os fãs não tinham ficado muito impressionados com o álbum “Works Vol. 2”, pois, embora não fosse necessariamente uma seleção de faixas ruins, ele na verdade reunia muitas composições e gravações que haviam sobrado de trabalhos anteriores, dando a nítida impressão de que o trio estava passando por uma crise criativa.

E, além disso, eles também estavam passando por problemas financeiros devido à malograda ideia da mega-excursão norte americana de 77, que acabaria só em fevereiro de 78 e cobriria 120 shows, a maioria com casa lotada, mas que ficou longe de ser um sucesso… pois Keith Emerson tinha resolvido levar uma orquestra completa, juntamente com um coral… no fim, a tour quase levou o grupo à falência, apesar do acompanhamento orquestral ter sido abandonado depois do antológico show de 26 de agosto no Olympic Stadium de Montreal, para quase 80 mil pessoas.

Ainda que tenha sido um sucesso de público, a excursão foi um fracasso financeiro e eles resolveram que seu próximo trabalho devia ser bem menos ambicioso… eles se reuniram no estúdio de Keith Emerson, nas Bahamas, e o resultado foi “Love Beach”, que muitos ignoraram até pela capa, com a foto dos três numa pose digna de um álbum de Frankie Avalon, com Annette Funicello e a Turma da Praia… mas, como vocês vão poder conferir, esse trabalho podia não ser genial, mas não era tão ruim quanto parecia.

Com o Emerson, Lake & Palmer vocês ouviram “Canario (from Fantasia Para un Gentilhombre)” e a suite “Memoirs of an Officer and a Gentleman”.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… tenham uma boa noite e até a semana que vem.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ELP

BG – BULLFROG

1. TIGER IN A SPOTLIGHT – 4:35

2. WHEN THE APPLE BLOSSOMS IN THE WINDMILLS OF YOUR MIND I’LL BE YOUR VALENTINE – 3:59

3. BRAIN SALAD SURGERY – 3:11

4. WATCHING OVER YOU – 3:56

5. I BELIEVE IN FATHER CHRISTMAS – 3:19

6. HONK TONK TRAIN BLUES – 3:12

7. SHOW ME THE WAY TO GO HOME – 3:31

BG – SO FAR TO FALL

TOTAL – 25:42

ELP

BG – TASTE OF MY LOVE

8. CANARIO (FROM FANTASIA PARA UN GENTILHOMBRE) – 4:00

9. MEMOIRS OF AN OFFICER AND A GENTLEMAN – 20:15

BG – FOR YOU

TOTAL: 24:15

TOTAL GERAL – 49:57

Ouça o Art Rock com Emerson, Lake and Palmer que foi ao ar no dia 06/07/2019, clicando aqui.

Lucifer’s Friend

Posted in Programas with tags on 05/07/2019 by Art Rock

“Boa noite, hoje teremos no programa um grupo lendário que voltou à atividade em 2015 e está mostrando que também reencontrou sua criatividade… o Lucifer’s Friend.

Apesar de ser um grupo alemão, o Lucifer’s Friend nunca chegou a ser incluído no panorama do krautrock… ele pertence na verdade à primeira geração do rock pesado, onde as distorções e microfonias psicodélicas se cruzavam com fraseados de blues e até pitadas de jazz…

Essa história começa no final dos anos 60, quando o guitarrista Peter Hesslein, o tecladista Peter Hecht e o baixista Dieter Horns ainda estavam no grupo The German Bonds… na época, eles conheceram o vocalista inglês Jonh Lawton que tinha se mudado para a Alemanha depois de uma tour com o seu grupo Stonewall… e eles resolveram juntar forças, criando o Asterix em 1970, mas logo mudariam de nome…

A voz poderosa e a poética sombria de John Lawton combinaria com o tom angustiante… e o nome não poderia ser melhor: Lucifer’s Friend… aparecendo como pichação na capa do 1º. álbum, que parece saída de um filme do expressionismo alemão… e antes que alguém viesse dizer que eles imitavam o Led Zeppelin, foi o Led que plagiou a faixa “Ride in the Sky”, transformando-a na clássica “Immigrant Song”… vamos conferir um pouco desse brilhante álbum de estreia do Lucifer’s Friend.

Vocês ouviram “Ride in the Sky”, “Keep Goin’”, “Toxic Shadows”, “Lucifer’s Friend” e “Satyr’s Dance” com o Lucifer’s Friend.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos dar um salto de quase meio século, trazendo o álbum de 2019 do Lucifer’s Friend…

No começo dos anos 70 e com uma série de belos álbuns, o Lucifer’s Friend parecia estar destinado a se tornar o grande nome do rock pesado alemão… mas aí, em 76, John Lawton aceitou a oferta de voltar para a Inglaterra e substituir David Byron como vocalista do Uriah Hepp… os álbuns seguintes teriam Mike Starrs do Collosseum II nos vocais, mas o clima mais comercial não seria bem recebido.

Em 81 Lawton voltaria para o álbum “Mean Machine”, mas o grupo havia perdido a sua identidade… e o mesmo aconteceu em 94 com uma tentativa de retorno que renderia o álbum “Sumo Grip”… a volta para valer teria que esperar um bom tempo, enquanto rolavam muitos outros projetos…

Só em 2015 John Lawton se reuniu a Peter Hesslein e Dieter Horns e eles começaram a se apresentar em festivais como o Sweden Rock Festival, além de gravar quatro faixas inéditas para a coletânea “Awakening”… o silêncio havia sido rompido e logo saía o álbum “Too Late to Hate”, seguido em 2019 por “Black Moon”… e é um pouco dessa nova fase do Lucifer’s Friend que vocês vão poder conferir nessa segunda parte do programa de hoje.

Com o Lucifer’s Friend vocês ouviram “Jokers & Fools”, “When Children Cry”, “Brothes Without a Name”, “Black Moon”, “Passengers” e “Taking it to the Edge”.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… tenham uma boa noite e até a semana que vem.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LUCIFER’S FRIEND

BG – FREE BABY

1. RIDE IN THE SKY – 2:54

2. KEEP GOIN’ – 5:25

3. TOXIC SHADOWS – 7:00

4. LUCIFER’S FRIEND – 6:13

5. SATYR’S DANCE – 3:17

BG – ALPENROSE

TOTAL – 24:48

LUCIFER’S FRIEND

BG – I WILL BE THERE

6. JOKERS & FOOLS – 4:22

7. WHEN CHILDREN CRY – 4:23

8. BROTHERS WITHOUT A NAME – 3:21

9. BLACK MOON – 4:08

10. PASSENGERS – 5:32

11. TAKING IT TO THE EDGE – 3:48

BG – THIS TIME

TOTAL: 25:34

TOTAL GERAL – 50:22

Ouça o Art Rock com Lucifer’s Friend que foi ao ar no dia 29/06/2019, clicando aqui.

Angra & Shaman

Posted in Produto Nacional, Programas with tags , on 27/06/2019 by Art Rock

“Boa noite, o Art Rock de hoje vai trazer um pouco do talento de um grande vocalista do rock nacional, que sempre navegou entre o metal e a progressividade e que deixou a nossa realidade em junho de 2019, com apenas 47 anos de idade.

Estamos nos referindo a André Matos, paulista que começou no rock quando tinha 13 anos no grupo Viper, com quem se firmaria como um dos mais promissores vocalistas do rock pesado nacional, principalmente depois do álbum “Theatre of Fate” de 1989… que ganhou repercussão internacional, mas acabaria sendo seu último trabalho com eles por um longo tempo, pois suas influências clássicas o levaram a sair para completar seus estudos musicais, estudando composição e orquestração.

A partir de então André se dedicaria a um novo grupo, o Angra, que lançaria em 93 o álbum de estreia “Angels Cry”, onde mergulhavam em uma rica mistura de elementos em que o heavy metal, a música clássica e até elementos da musicalidade brasileira podiam se encontrar… e eles repetiriam a dose nos trabalhos seguintes: “Holy Land” de 96 e “Fireworks” de 98…

A essa altura André já tinha alcançado um grande destaque… mas ele deixaria o grupo no ano 2000 juntamente com o baixista Luis Mariutti e o baterista Ricardo Confessori… o Angra se reformularia e seguiria em frente com outra formação… só que isso vai ficar para outro programa, nessa primeira parte vamos trazer um pouco da primeira fase do grupo, quando André Matos ainda era seu vocalista e tecladista.

Vocês ouviram o Angra com “Carry On”, “Stand Away”, “Holy Land” e “The Shaman”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Nós vamos continuar lembrando a passagem pelo nosso plano da realidade do vocalista e tecladista André Matos, que seguiu viagem em junho de 2019.

A princípio Andre Matos, Luis Mariutti e Ricardo Confessori chegaram a pensar em continuar usando o nome Angra, mas acabaram adotando Shaman por sugestão de Luis Mariutti, que se lembrou da faixa The Shaman, que André havia composto para o álbum “Holy Land”… e, para completar o time, eles chamaram o irmão de Luis, Hugo Mariutti para a guitarra.

Essa formação lançaria o álbum “Ritual” em 2002, que foi muito bem recebido tanto pela crítica como pelo público… eles seguiram em uma tour mundial que duraria mais de um ano, teria grande repercussão e renderia o CD/DVD ao vivo “Ritualive”… e em 2005 seria a vez de “Reason”, com o grupo adotando por um tempo a grafia Shaaman para evitar problemas legais… mas no fim veio a ruptura e André seguiria em frente, levando consigo os irmãos Mariutti para acompanha-lo em sua carreira solo.

O álbum “Time to be Free” sairia em 2007 e seria seguido de outros dois trabalhos solo muito bem recebidos… além disso André ainda se envolveu em projetos como o supergrupo Symphonia e voltou  a se reunir tanto com o Viper como com o Shaman… e a sua agenda estava como sempre lotada quando ele subitamente atravessou a barreira do hiperespaço e começou uma nova viagem em 8 de junho de 2019…

Com o Shaman vocês ouviram “For Tomorrow”, “Fairy Tale”, “Reason” e “Rogh Stone”.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… mas nós vamos antes fechar com mais um momento da carreira de André Matos, a faixa “Living for the Night”, com o Viper, gravada ao vivo e extraída do álbum “To Live Again” de 2015… tenham uma boa noite e até a semana que vem.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ANGRA

BG – NEVER UNDERSTAND

1. CARRY ON – 5:03

2. STAND AWAY – 4:55

3. HOLY LAND – 6:26

4. THE SHAMAN – 5:23

BG – WUTHERING HEIGHTS

TOTAL – 21:47

SHAMAN

BG – RITUAL

5. FOR TOMORROW – 6:46

6. FAIRY TALE – 6:55

7. REASON – 4:41

8. ROUGH STONE – 4:58

BG – TIME WILL COME

9. VIPER – LIVING FOR THE NIGHT – 5:34

TOTAL: 28:20

TOTAL GERAL – 50:07

Ouça o Art Rock com Angra & Shaman que foi ao ar no dia 22/06/2019, clicando aqui.

Arc & Universe

Posted in Programas with tags , on 24/06/2019 by Art Rock

“Boa noite, hoje teremos um programa com dois grupos que não tiveram uma longa carreira, desaparecendo depois de um único álbum lançado…

Vamos começar com o Arc, um grupo que surgiu a partir do Skip Bifferty, que chegou a lançar alguns singles e um álbum homônimo pela RCA em 68… na sua formação estavam presentes o guitarrista John Turnbull e o tecladista Mick Gallagher e eles acabaram resolvendo se reunir com outros músicos para produzir três faixas para o programa “Top Gear” da BBC Radio 1 de março de 1971…

O novo grupo se chamaria Arc e contava ainda com o baixista Tom Duffy e o baterista David Montgomery… e a sua apresentação na rádio chamou a atenção da Decca, levando ao lançamento, ainda em 71, do álbum “…at this” em que mostravam uma sonoridade coesa, onde se podia reconhecer claramente o talento e a experiência de seus integrantes… mas eles não chegariam a desenvolver sua própria identidade.

Seu antigo colega do Skip Bifferty, o vocalista Graham Bell, incentivou o grupo a mudar de direção, assumindo os vocais e também levado a uma mudança de nome… e ainda em 71 eles lançariam o álbum “Bell and Arc”, que seria prontamente ignorado… eles se separariam e seguiriam carreiras movimentadas em outros grupos e também nas bandas de apoio de grandes nomes do rock… mas vamos conferir um pouco do que poderiam ter sido, com o seu único registro… o álbum “…at This”…

Vocês ouviram o Arc com “Let Your Love Run Through”, “Great Lager Street”, “Hello, Hello, Monday”, “Perfectly Happy Man” e “You’re in the Garden”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer outro grupo quase esquecido, que só seria realmente conhecido através dos catálogos de relançamentos em CD das gravadoras especializadas em raridades…

Estamos nos referindo a outro grupo britânico, o Universe, um dos muitos que tentaram se firmar no rico cenário do rock do começo dos anos 70… e seria também no ano de 1971 que eles tiveram a sua chance… e de uma forma muito incomum, pois eles não chegaram a conseguir um contrato com gravadora, na verdade registraram o seu som por um daqueles acidentes que parecem saídos de roteiro de cinema.

Como muitos outros grupos, o Universe sobrevivia na base de apresentações em lugares pequenos e fazendo curtas excursões para tocar no circuito underground do continente europeu… o dinheiro não era muito, mas a ideia era tentar divulgar o trabalho e quem sabe ser ouvido por alguém de algum selo especializado alemão ou escandinavo… e uma noite a sua camionete quebrou e eles se viram perdidos no meio da Noruega.

Sem ter onde dormir, eles pediram ajuda na casa de um senhor que, por coincidência, era o dono do pequeno selo norueguês Experience Records… e como não tinham dinheiro, os garotos pagaram a hospitalidade gravando uma série de faixas para o seu benfeitor… o álbum “Universe” seria lançado em apenas 200 cópias, muitas sem capa, e se tornaria uma das maiores raridades, quase uma lenda, para os colecionadores de bandas obscuras… e é um pouco dessa avis rara que vocês vão conferir nessa segunda parte do Art Rock de hoje…

Vocês ouviram com o Universe: “Twilight Winter”, “Cocaine”, “Universe” e “The Annexe”.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… tenham uma boa noite e até a semana que vem.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ARC

BG –IT’S GONNA RAIN

1. LET YOUR LOVE RUN THROUGH – 4:58

2. GREAT LAGER STREET – 4:00

3. HELLO, HELLO, MONDAY – 7:16

4.  PERFECTLY HAPPY MAN – 6:01

5. YOU’RE IN THE GARDEN – 4:53

BG – AN EAR AGO

TOTAL – 27:06

UNIVERSE

BG – SHADOWS OF THE SUN

6. TWILIGHT WINTER – 6:35

7. COCAINE – 6:38

8. UNIVERSE – 3:28

9. THE ANNEXE – 6:13

BG – WAITING FOR THE SUMMER

TOTAL: 22:54

TOTAL GERAL – 50:00

Ouça o Art Rock com Arc & Universe que foi ao ar no dia 15/06/2019, clicando aqui.

It Bites

Posted in Programas with tags on 14/06/2019 by Art Rock

“Boa noite, no programa de hoje vamos atender ao nosso grande amigo e super nerd Roberson Nunes, que nos contou recentemente sobre o fim anunciado de um dos decanos do neo-prog inglês, o grupo It Bites.

Já trouxemos no programa esse grupo da primeira geração do movimento neo-progressivo dos anos 80, mas como faz muito tempo, vamos lembrar que eles se reuniram na cidade de Egremont, em 82, e seus fundadores foram o baixista Dick Nolan, o baterista Bob Dalton, o guitarrista Francis Dunnery e o tecladista John Beck…

No começo, eles eram uma banda pop e tocavam covers de grupos new wave, mas essa fase semiprofissional não duraria muito tempo… depois de uma breve separação, eles voltariam a se reunir em 84, se mudaram para Londres e começaram a compor material próprio, acabando por conseguir um contrato com a Virgin Records e ter de cara um hit com a faixa “Calling All the Heroes”, do seu segundo compacto.

Animados, eles lançariam em 86 o álbum “The Big Lad in the Windmill” de 86… mas seria com o trabalho seguinte, “Once Around the World” de 88, que o grupo se voltaria para o rock progressivo, contando com a ajuda do grande Steve Hillage na produção… vamos conferir um pouco dessa fase do It Bites, quando ainda contavam com Francis Dunnery na guitarra e vocal…

Vocês ouviram o It Bites, com “You’ll Never Go to Heaven”, “Plastic Dreamer” e “Onnce Around the World”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Vamos continuar trazendo o It Bites, que desapontou os seus fãs em 2019 ao anunciar que estavam encerrando atividades depois de uma longa carreira que teve duas fases bem distintas…

Quando Francis Dunnery deixou o It Bites em 1990 o grupo seguiu em frente, mas eles só conseguiram lançar um álbum ao vivo antes de decidirem mudar de nome para tentar começar de novo… no fim isso não foi uma boa ideia e eles acabaram se separando e seguindo caminhos diferentes.

Só em 2003, eles voltaram a se encontrar em um show de Francis Dunnery e resolveram se reunir novamente, mas o guitarrista não seguiu em frente com os seus velhos companheiros, em vez disso, eles chamariam o guitarrista e vocalista John Mitchell para completar o time… essa nova fase renderia dois ótimos trabalhos: os álbuns “The Tall Ships” de 2008 e “Map of the Past” de 2012…

Embora o grupo continuasse a excursionar e lançar álbuns ao vivo, “Map of the Past” acabaria sendo o seu último registro de estúdio… era um álbum conceitual, explorando a passagem do tempo por meio das imagens congeladas em velhas fotos de um álbum de família… vamos conferir um pouco desse que seria o derradeiro trabalho do It Bites…

Vocês ouviram com o It Bites as faixas “Wallflower”, “Map of the Past”, “The Big Machine”, “Meadow and the Stream” e “Exit Song”.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… tenham uma boa noite e até a semana que vem.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

IT BITES

BG – ROSE MARIE

1. YOU’LL NEVER GO TO HEAVEN – 7:13

2. PLASTIC DREAMER – 3:54

3. ONCE AROUND THE WORLD – 14:50

BG – BLACK DECEMBER

TOTAL – 25:57

IT BITES

BG – FLAG

4. WALLFLOWER – 4:51

5. MAP OF THE PAST – 4:37

6. THE BIG MACHINE – 5:18

7. MEADOW AND THE STREAM – 6:42

8. EXIT SONG – 1:43

BG – THE LAST ESCAPE

TOTAL: 23:11

TOTAL GERAL – 49:08

Ouça o Art Rock com It Bites que foi ao ar no dia 08/06/2019, clicando aqui.

REPRISE: Steve Howe

Posted in Programas with tags on 07/06/2019 by Art Rock

Olá ouvintes do Art Rock! O programa de 01-06-2019, foi um reprise com o Steve Howe! Confiram este programa clicando aqui!

Vocês também podem acessar o link do programa diretamente aqui.

 

Frumpy & Atlantis

Posted in Programas with tags , on 28/05/2019 by Art Rock

“Boa noite, hoje teremos um programa voltado para o krautrock, começando com o Frumpy, um dos grandes grupos alemães do começo dos anos 70…

Já trouxemos outras vezes o Frumpy aqui no Art Rock, mas sempre vale lembrar que ele surgiu em Hamburgo a partir do grupo folk The City Preachers, que havia sido criado pelo músico irlandês John O’Brien-Docker em 65… na época, era comum para músicos britânicos tentarem a sorte no continente, e a Alemanha era um dos países mais concorridos, pela força do cenário musical local.

Os City Preachers acabaram se separando em 68, mas Inga Rumpf, que era a vocalista do grupo, resolveu continuar usando o nome em seu próprio projeto, que chegou a contar com outra vocalista… nada menos que a genial Dagmar Krause (futura Slapp Happy e Henry Cow), com quem Inga gravaria o álbum “I.D. Company” em 70.

Em meio a essas idas e vindas, os City Preachers ressurgiriam em 1970 como Frumpy… e além de desmazelado, o nome ainda era um anagrama do sobrenome de Inga… e a formação incluía o tecladista francês Jean-Jacques Kravetz que dominou a sonoridade no primeiro álbum, visto que eles não tinham guitarrista, algo que só mudaria em 71 com a entrada de Rainer Baumann… vamos conferir um pouco dessa fase inicial com faixas de “All Will be Changed” de 70 e “Frumpy 2” de 71.

Vocês ouviram o Frumpy com “Life without pain”, “Morning”, “Barroque”, “Floating, part 2” e “How the Gypsy was Born”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar agora com um descendente direto do Frumpy, o Atlantis… que era praticamente o mesmo grupo, mas com outro nome.

Apesar do impacto que havia causado no cenário do prog alemão, o Frumpy começou a ter problemas no início de 72, com a saída de uma de suas forças criativas, o tecladista Jean-Jacques Kravetz… os demais integrantes seguiram em frente e terminaram de gravar o álbum “By the Way”, com o tecladista Erwin Kama… mas Kravetz resolveu voltar e aí foi a vez do guitarrista Rainer Baumann querer sair…

Eles fizeram um concerto de despedida, encerrando a primeira fase do Frumpy… mas, pouco depois, Inga, Jean-Jacques e o baixista Karl-Heinz Schott reapareceriam com o seu novo grupo, o Atlantis, que teria uma sonoridade mais direta e uma proposta mais abrangente, incluindo elementos de hard rock e pop e outras mudanças de direção musical até encerrar atividade em 76.

Considerada uma das grandes cantoras do rock alemão, tanto pela sua voz como pela intensidade de sua interpretação, Inga seguiria em frente com trabalhos solo e outros projetos… o Frumpy voltaria a se reunir no final dos anos 80 e lançaria mais dois álbuns de estúdio e um ao vivo… mas eles ficam para outro programa, hoje vamos fechar com um pouco dos dois primeiros álbuns do Atlantis.

Vocês ouviram “Big Brother”, “Maybe it’s Useless”, “Living at the End of Time” e “Fighter of Truth” com o Atlantis.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação são de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com, ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… tenham uma boa noite e até a semana que vem.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

FRUMPY

BG – INDIAN ROPE MAN

1. LIFE WITHOUT PAIN – 3:48

2. MORNING – 3:23

3. BARROQUE – 7:37

4. FLOATING, PART 2 – 1:24

5. HOW THE GYPSY WAS BORN – 8:50

BG – TIME MAKES WISE

TOTAL – 25:02

ATLANTIS

BG – LET’S GET ON THE ROAD AGAIN

6. BIG BROTHER – 5:08

7. MAYBE IT’S USELESS – 3:41

8. LIVING AT THE END OF TIME – 9:08

9. FIGHTER OF TRUTH – 6:18

BG – WORDS OF LOVE

TOTAL: 24:15

TOTAL GERAL – 49:17

Ouça o Art Rock com Frumpy & Atlantis que foi ao ar no dia 25/05/2019, clicando aqui.