Arquivo de fevereiro, 2009

Traffic

Posted in Programas with tags on 23/02/2009 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos trazer um dos grandes grupos do rock inglês, que começou na psicodelia e seguiu viagem pelo progressivo… o genial Traffic.

Fundado em 67, o Traffic surgiu quando Steve Winwood deixou o Spencer Davies Group e chamou Jim Capaldi, Dave Mason e Chris Wood para um novo projeto, com uma proposta mais ligada ao nascente movimento psicodélico… e eles fizeram sucesso logo de cara com o compacto “Paper Sun”… mas foi só no começo de 68, com o lançamento do primeiro álbum, “Mr. Fantasy”, que o grupo realmente decolou, apesar da saída inesperada de Dave Mason.

mrfantasy

O álbum chegou aos primeiros lugares das paradas inglesas e também das americanas… onde saiu a princípio com um nome diferente e contendo outras faixas, coisa que se tornaria uma marca do grupo e um problema para os fãs e colecionadores… aliás essas mudanças e idas e vindas seriam também uma marca registrada do Traffic… o próprio Dave Mason voltaria a tempo de participar do álbum “Traffic” de 68, mas sairia novamente antes do fim do ano…

traffic1

E, para a surpresa de muitos, o grupo anunciou a separação no começo de 69… enquanto Steve Winwood embarcava em sua gloriosa aventura com o genial Blind Faith, junto de Eric Clapton… mas essa é uma outra história, por hoje a gente vai ficar com o Traffic… e, para abrir o programa, nós selecionamos faixas da sua fase psicodélica, extraídas dos álbuns “Mr. Fantasy”, “Traffic” e “Last Exit”…

lastexit

Vocês ouviram “Heaven is in your mind”, ‘Dear Mr. Fantasy”, “Coloured Rain”, “Feeling Allright”, “(Roamin’ thro’ the gloamin with) 40.000 Headmen” e “Medicated Goo”, com o grande Traffic.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer mais um pouco do grande grupo inglês Traffic… que, como o próprio nome anunciava, teve uma carreira de muitas idas e vindas.

Depois de sua curta experiência com o Blind Faith, Steve Winwood ficou devendo discos para a gravadora… e acabou chamando Jim Capaldi e Chris Wood para ajudar… e o resultado foi que o Traffic renasceu, lançando em 70 o genial álbum “John Barleycorn”, que mostrava o grupo experimentando linguagens com a ajuda dos novos integrantes: o americano Jim Gordom, o ex-Family Ric Grech, que havia tocado com Winwood na Ginger Baker’s Airforce, e outro ex-Airfoce, o percussionista Reebop Kwaku Baah.

johnbarleycorn

Até Dave Mason voltaria a se apresentar com o Traffic em sua nova fase… e eles lançariam álbuns antológicos como “The Low Spark of High Heeled Boys” e “Shoot Out at the Fantasy Factory”, onde exploravam uma sonoridade mais elaborada, misturando elementos para atingir uma síntese particular, que caminhava cada vez mais para o paradigma progressivo.

thelowspark

Infelizmente, o grupo acabou sendo deixado de lado no final dos anos 70, com os integrantes seguindo em carreiras solo de muito sucesso, mas acabando por se perder pouco a pouco em meio à mesmice do pop rock… e em 94 Winwood e Capaldi reformariam o grupo para um álbum e uma excursão que chegou até a contar com uma aparição na 2ª. Edição do Woodstock, mas que não foi muito adiante… vamos fechar o programa com faixas da segunda fase do Traffic… ainda nos anos 70.

shootout

Vocês ouviram o Traffic, com “John Barleycorn (must die)”, “Rainmaker” e “Roll right Stones”…

Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem com a Paraná Educativa… 97,1. Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado…

Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Set list:

TRAFFIC

BG – SHANGAI NOODLE FACTORY

1. HEAVEN IN YOUR MIND – 4:20

2. MR FANTASY – 5:42

3. COLOURED RAIN – 2:44

4. FEELING ALRIGHT – 4:19

5. FORTY THOUSAND HEADMEN – 3:14

6. MEDICATED GOO – 3:40

BG – PAPER SUN

TOTAL – 23:59

TRAFFIC BIS

BG – GLAD

7. JOHN BARLEYCORN (MUST DIE) – 6:27

8. RAINMAKER – 7:53

9. ROLL RIGHT STONES – 11:47

BG – HIDDEN TREASURE

TOTAL – 26:07

GRAND TOTAL – 50:06

Ouça o Art Rock com Traffic, que foi ao ar no dia 22/02/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Sopro Difuso

Posted in Produto Nacional with tags on 18/02/2009 by Artrock

A banda Sopro Difuso tem atuado no cenário musical curitibano desde 2002.  Suas composições misturam elementos do rock progressivo, popular, erudito e uma infinidade de ritmos musicais, construindo uma identidade musical marcante e única. Destaque ainda, para as letras das canções, repletas de poesia.

Em 2003 o Sopro Difuso lançou seu primeiro Demo com 6 faixas, que também pode ser ouvido no site da banda: http://soprodifuso.com.br/

image403

Fonte: Site Oficial

Veja mais sobre o Sopro Difuso em:

http://soprodifuso.com.br/
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=791003

Buffalo Springfield & Poco

Posted in Programas with tags , on 16/02/2009 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos começar trazendo o Buffalo Springfield, para homenageaer o seu baterista Dewey Martin, que deixou nossa descolorida realidade no começo desse mês.

buffalospringfield

Canadense, Walter Milton Dwayne Midkiff, começou sua carreira em Nashville, antes de se mudar para Los Angeles em meados dos anos 60, chegando a tocar com os Dillards antes de conhecer Neil Young e Stephen Stills… com quem formaria, juntamente com Richie Furay e Bruce Palmer, o genial Buffalo Springfield… um dos grupos mais influentes do rock americano dos anos 60.

again

Como os Byrds, o Buffalo Springfield investiria em uma amálgama onde a linguagem do folk e do rock se encontravam sem concessões, com letras marcantes e engajadas… em uma combinação que, infelizmente, não teve tempo de se desenvolver… pois o grupo teria vida curta, lançando apenas 3 álbuns, antes da separação em 68.

lasttimearound

Mas seus integrantes continuariam ativos em outros projetos… os mais importantes sendo, é claro, as carreiras solo de Neil Young e Stephen Stills e as suas colaborações com David Crosby e Graham Nash no super-grupo Crosby, Stills, Nash & Young… mas o legado do Buffalo Springfield foi muito além… e para lembrar o batera Dewey Martin, nós selecionamos faixas dos seus três únicos álbuns: “Buffalo Springfield” de 66, “Again” de 67 e “Last Time Around” de 68.

Vocês ouviram o Buffalo Springfield com “For what’s worth”, “Nowadays Clancy can’t even sing”, “Mr. Soul”, “Bluebird”, “Expecting to fly”, “Broken Arrow” e “I am a child”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um outro membro da família do Buffalo Springfield… o Poco, de Ritchie Furay e Jim Messina…

Depois de terminarem praticamente sozinhos as últimas gravações do derradeiro álbum do Buffalo Springfield, Ritchie Furay e Jim Messina resolveram continuar trabalhando juntos e tentar um novo projeto, recrutando Rusty Young para a guitarra steel, George Grantham para a bateria e Randy Meisner para o baixo… e o nome de escolha seria Pogo, mas eles foram processados logo de cara pelo criador dos quadrinhos de mesmo nome e acabaram mudando uma letra para se livrar do problema.

poco

E seria como Poco que eles lançariam em 69 o seu primeiro álbum, “Picking up the pieces”, que mostrava uma direção mais voltada ao country rock… um caminho que dominava o rock americano do período, desde os Byrds (pós Gram Parsons) até os Flying Burrito Brothers… e o Poco se tornaria um dos mais duradouros grupos a explorar as veredas da country music…

Mas, para o nosso programa, nós selecionamos material de um dos trabalhos mais experimentais do grupo, o álbum “Poco”, de 1970… que incluía uma genial Jam session de mais de quinze minutos, antecipando o que Jim Messina iria explorar alguns anos mais tarde em sua parceria com Kenny Loggins no Loggins & Messina… e naturalmente nós não poderíamos deixar de fora esse raro momento viajante do Poco…

Vocês ouviram “Hurry up”, “Don’t let it pass bye” e “Nobody’s Fool / El tonto de nadie regressa”, com o Poco.

Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem com a Paraná Educativa… 97,1. Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado…

Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Set list:

BUFFALO SPRINGFIELD

BG – ROCK AND ROLL WOMAN

1.    FOR WHAT IT’S WORTH – 2:41

2.    NOWADAYS CLANCY CAN’T EVEN SING – 3:28

3.    MR SOUL – 2:52

4.    BLUE BIRD – 4:29

5.    EXPECTING TO FLY – 3:44

6.    BROKEN ARROW – 6:09

7.    I AM A CHILD – 2:23

BG – KIND WOMAN

TOTAL – 25:46

POCO

BG – YOU BETTER THINK TWICE

8.    HURRY UP – 4:06

9.    DON’T LET IT PASS BYE – 2:33

10.    NOBODY’S FOOL / EL TONTO DE NADIE REGRESSA – 18:25

BG – ANYWAY BYE BYE

TOTAL – 25:04

GRAND TOTAL – 50:50

Ouça o Art Rock com Buffalo Springfield & Poco, que foi ao ar no dia 15/02/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Laurie Anderson

Posted in Programas with tags on 09/02/2009 by Artrock

“Boa noite, hoje vamos trazer uma das grandes figuras da música alternativa contemporânea, a genial Laurie Anderson, que esteve no Brasil em Setembro do ano passado com a sua tour “Homeland”.

Laurie começou sua carreira nas artes plásticas, foi professora de arquitetura egípcia e história da arte no City College de Nova York… e passou a dedicar-se à apresentações performáticas em festivais de arte a partir de 1973… nada que parecesse indicar que chegaria ao topo das paradas no começo da década seguinte, com o hit “Superman”, de seu álbum “Big Science”, de 1982.

bigscience

A carreira musical começou como evolução natural de sua visão multimídia da arte… e ela lançou em 81 o seu primeiro álbum, o duplo “You’re the guy I want to share my Money with”, em colaboração com John Giorno e William Burroughs… mas o que ninguém esperava era que seu disco seguinte atingisse em cheio a sensibilidade pop, chegando ao 2º. lugar na Inglaterra, para espanto de todos, inclusive da própria Laurie Anderson.

Sem ser exatamente um trabalho comercial, “Big Science” mostrou muito bem como nunca havia desaparecido o espaço para uma música mais elaborada… só o interesse das gravadoras em divulgá-las… e nós selecionamos esse álbum para abrir o programa de hoje, juntamente de “Mister heartbreak”, de 84, em que Laurie Anderson ainda teria as colaborações de duas grandes figuras do prog. rock… Peter Gabriel e Adrian Bellew…

Vocês ouviram Laurie Anderson com “Big Science”, “Born never asked”, “Sharkey’s Day” e “Gravity’s Angel”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um pouco da fase atual de Laurie Anderson… que se casou com Lou Reed em abril do ano passado, depois de 16 anos de uma relação que só eles entendem.

Depois de “United States Live”, uma caixa de quatro discos em que registrava suas lendárias performances multimídia de 7 horas de duração, Laurie Anderson foi deixando de ser cortejada pela indústria musical, apesar de se manter produtiva, tanto em trabalhos de estúdio como nas suas elaboradas tours, produções de vídeo e cinema e até CD-ROMS… sempre conservando a expressão plural da sua arte, sem restringir-se a rótulos como cantora, compositora ou instrumentista.

misterheartbreak

Uma vez Lou Reed declarou que nunca entendeu como ela funcionava, o que não o impediu de colaborar no álbum “Bright Red”, que ainda contava com Brian Eno na produção… e, mais recentemente, Lou andou participando da nova tour de Laurie Anderson… para o álbum “Homeland”, que ainda não saiu, mas que já está sendo promovido em shows pelo mundo todo.

Ela veio para o Brasil no ano passado… e agora está preparando o lançamento do álbum “Homeland”, em que trabalha com a ironia habitual com essa América que sobrou ao final da Era Bush… e que vai levar algum tempo para ser transformada… e enquanto a gente espera pelo novo álbum dessa artista singular… vamos ouvir um pouco do duplo “Live at Town Hall”, de 2002… gravado em New York, duas semanas depois do 11 de setembro.

liveaattownhall

Vocês ouviram “Pieces and parts”, “Strange Angels”, “Broken”, “Life on a string”, “Slip away” e “Love among the sailors” com Laurie Anderson.

Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem com a Paraná Educativa… 97,1. Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado…
Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Set list:

LAURIE ANDERSON

BG – FROM THE AIR

1. BIG SCIENCE – 6:27

2. BORN NEVER ASKED – 5:01

3. SHARKEY’S DAY – 7:48

4. GRAVITY’S ANGEL – 6:06

BG – EXCELENT BIRDS

TOTAL – 25:22

SLY & THE FAMILY STONE

BG – PUPPET MOTEL

1. PIECES AND PARTS – 3:44

2. STRANGE ANGELS – 4:56

3. BROKEN – 3:38

4. LIFE ON A STRING – 3:12

5. SLIP AWAY – 5:36

6. LOVE AMONG THE SAILORS – 3:58

BG – STATUE OF LIBERTY

TOTAL – 25:04

GRAND TOTAL – 50:26

Ouça o Art Rock com Laurie Anderson, que foi ao ar no dia 08/02/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Osibisa, Sly & The Family Stone

Posted in Programas with tags , on 03/02/2009 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos um programa para celebrar a ascensão do novo imperador, em Washington… trazendo um pouco do lado mais psicodélico e delirante da black music dos anos 60-70… com dois grupos que marcaram época.

osibisa

Claro que haverá muito tempo para críticas e desapontamentos, mas isso fica para mais tarde… por hora vamos entrar no espírito da Era Obama, começando com um grupo genial que representa o lado mais viajante da música africana… o grande Osibisa, fundado em Londres em 69 por Teddy Osei, Marc Tontoh e Sol Amarfio (todos de Gana), juntamente com músicos de outros países africanos e também do Caribe… uma complexa colagem de sons e ritmos, dominada por uma mensagem de puro otimismo.

O nome do grupo vem da palavra osibisaba, do idioma fante, que significa highlife, um estilo popular em Gana, misturando jazz e ritmos africanos… mas o Osibisa ia além, com texturas de órgão hammond, fraseados de guitarra e climas psicodélicos… e, para completar, as capas mágicas do grande Roger Dean, trazendo a mascote do grupo, o elefante com asas de borboleta…

woyaya1

O Osibisa chegou a investir na dance music nos anos 80, retornando depois para a Africa e montando um estúdio dedicado a promover o trabalho de novos grupos… mas eles voltariam a se reunir em 96 e, desde então, permanecem em atividade… apesar de terem diminuído seu ritmo de excursões depois que Teddy Osei sofreu um derrame, o que não impede de continuar trabalhando… e para o programa de hoje nós selecionamos faixas dos seus dois primeiros álbuns… “Osibisa” e “Woyaya”, ambos de 1971.

Vocês ouviram “Beautiful Seven”, “Dawn”, “Listen to the people” e “Spirits up Above”, com o Osibisa dos irmãos Teddy Osei e Marc Tontoh.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

A gente volta já…

E agora vamos trazer um dos grandes grupos dos anos 60, dono de uma das mais contundentes mensagens pela integração racial em plena era da discriminação e da luta pelos direitos civis nos Estados Unidos… Sly & The Family Stone.

stand1

Esse grupo lendário reunia homens e mulheres, negros e brancos, funk e rock, rhythm & Blues e psicodelia… tudo em uma amálgama única na história do rock, que ainda trazia uma poética sem meias palavras, cuja mensagem visceral e pioneira se tornaria referência décadas depois, quando a black music voltou a se dedicar à crítica social e a buscar letras mais politizadas…

Sly Stone era originalmente Sylvester Stewart e nasceu no Texas, de onde sua família se mudou nos anos 50… e foi em San Francisco que ele começou sua carreira como disc-jockey… e participou de alguns grupos, antes de formar a Family Stone em 67, lançando ainda naquele ano o seu primeiro álbum… “A Whole New Thing”… seguido em 68 por “Dance to the Music”… ao mesmo tempo em que seus shows causavam polêmica devido à sua formação inter-racial… chocando muito mais que as bandas hippies californianas.

Hoje em dia os Estados Unidos podem ter um presidente afro-americano… mas, naquela época, os negros eram cidadãos de segunda-classe na assim chamada “terra da oportunidade”… e, enquanto o governo americano lutava sua guerra no Vietnã… grupos como Sly & The Family Stone se engajavam numa guerra por direitos iguais… e sua arma seriam álbuns essenciais como “Stand!”, de 69, e “There’s a Riot Going On”, de 71… que nós selecionamos para essa segunda parte do Art Rock de hoje.

thereisariot

Vocês ouviram “I want to take you higher”, “Don’t call me nigger, whitey”, “Sing a simple song”, “Luv n’haight” e “Just like a baby”, com Sly & the Family Stone.

Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem com a Paraná Educativa… 97,1. Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Set list:

OSIBISA

BG – RABIATU

1.    BEAUTIFUL SEVEN – 6:43

2.    DAWN – 7:03

3.    LISTEN TO THE PEOPLE – 4:22

4.    SPIRITS UP ABOVE – 7:15

BG – MUSIC FOR GONG GONG

TOTAL – 25:23

SLY & THE FAMILY STONE

BG – I GET HIGH ON YOU

1.    I WANT TO TAKE YOU HIGHER – 5:24

2.    DON’T CALL ME NIGGER, WHITEY – 6:01

3.    SING A SIMPLE SONG – 3:57

4.    LUV N’HAIGHT – 4:04

5.    JUST LIKE A BABY – 5:12

BG – EVERYBODY IS A STAR IN TIME

TOTAL – 24:38

GRAND TOTAL – 50:01

Ouça o Art Rock com Osibisa, Sly & The Family Stone, que foi ao ar no dia 01/02/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *