Arquivo para maio, 2009

Colosseum

Posted in Programas with tags on 26/05/2009 by Artrock

“Boa noite, hoje no programa teremos um lançamento que resgata o registro dos shows da reunião, nos anos 90, do colosso do jazz rock, o grande Colosseum.

Formado na Inglaterra, o Colosseum chamou logo a atenção pela força das suas lendárias apresentações ao vivo e por álbuns clássicos como “Those About to Die”, “Daughter of Time” e “Valentyne Suite”… todos mostrando uma amálgama perfeita da estrutura de composição livre e improvisação do jazz com uma energia que beirava o nascente heavy-metal… tudo sobre a liderança do genial baterista Jon Hiseman…

themeforareunion

Veterano da banda de Arthur Brown, da Graham Bond Organization e dos Bluesbreakers de John Mayall, Jon Hiseman já era um dos mais respeitados bateras ingleses quando resolveu montar o Colosseun… e entre os músicos que integrariam o grupo em suas várias formações estariam outros grandes nomes como Dick Heckstall-Smith no sax, Dave Greenslade nos teclados, Chris Farlowe nos vocais e Clem Clempson, futuro Humble Pie, na guitarra.

O Colosseum se separou no começo dos anos 70, mas ele teria descendentes memoráveis como o Tempest, o Greenslade e o próprio Colosseum II… e eles se reuniriam novamente nos anos 90, lançando desde então alguns excelentes álbuns de estúdio e ao vivo… o mais recente dos quais é “Theme for a Reunion”, que nós selecionamos para o programa de hoje…

Com o Colosseum vocês ouviram “Elegy” e as três partes de “Valentyne Day’s Suite”…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos continuar trazendo um pouco do álbum “Theme for a Reunion”, o novo registro ao vivo do grande Colosseum.

A reunião do grupo em 94 era originalmente apenas para alguns concertos, mas a química entre os músicos da formação clássica acabou sendo mais forte e, depois de um álbum ao vivo e um DVD registrando a tour de retorno, eles seguiram em frente e lançariam em 97 o álbum “Bread and Circuses”… seu primeiro trabalho de estúdio em 25 anos…

Depois disso eles se mantiveram ativos, com seus próprios grupos e também com o Colosseum… que voltaria em 2003 com o álbum “Tomorrow’s blues”… mas sofreria pouco depois uma grande perda, quando Dick Heckstall-Smith atravessou a barreira do hiper-espaço em 2004… sendo substituído a partir de então pela mulher de Jon Hiseman, a saxofonista Barbara Thompson.

Em 2005 sairia outro álbum ao vivo… e o grupo entraria em recesso, devido aos problemas de saúde de Barbara Thompson… mas nós vamos fechar o programa com um pouco mais do novo duplo, “Theme for a Reunion”, que trouxe pela primeira vez uma edição completa e sem cortes do celebrado show de retorno do Colosseum, gravado em Colônia, na Alemanha, em 1994.

Vocês ouviram “Theme for na imaginary western”, “Stormy Monday blues” e “Skelington”… com o grande Colosseum.

Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa… 97,1.

Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado…

Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

COLOSSEUM

BG – THOSE ABOUT TO DIE

1. ELEGY – 5:15

2. THE VALENTYNE DAY’S SUITE 1 – 5:40

3. THE VALENTYNE DAY’S SUITE 2 – 5:17

4. THE VALENTYNE DAY’S SUITE 3 – 9:55

BG – ROPE LADDER TO THE MOON

TOTAL – 26:07

COLOSSEUM

BG – LOST ANGELS

5. THEME FOR AN IMAGINARY WESTERN – 6:29

6. STORMY MONDAY BLUES – 5:28

7. SKELINGTON – 12:37

BG – WALKING IN THE PARK

TOTAL – 24:34

Total geral: 50:41

Ouça o Art Rock com Colosseum, que foi ao ar no dia 24/05/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Anúncios

Jefferson Starship

Posted in Programas with tags on 19/05/2009 by Artrock
“Boa noite, hoje teremos um programa com um dos grandes grupos do rock americano, que quase se perdeu nos anos 80 graças a trabalhos comerciais, mas que se recuperou e voltou a lançar álbuns excelentes, o último dos quais acabou de sair…
Estamos nos referindo ao Jefferson Starship, um descendente direto do grande Jefferson Airplane, verdadeiro sinônimo do rock psicodélico… que começaria sua metamorfose de avião em nave espacial quando o guitarrista Paul Kantner lançou o seu primeiro álbum solo… “Blows Against the Empire”… um trabalho seminal que reuniu membros do Aiplane, Grateful Dead, Quicksilver Menssanger Service e até Crosby, Stills, Nash e Young… entre outros.
Esse verdadeiro quem é quem da psicodelia seria batizado de Jefferson Starship, e a idéia era que evoluísse para o conceito da Planet Earth Rock and Roll Orchestra… mas é uma outra história… no fim o nome Jefferson Starship acabaria reaparecendo em 1974, quando Jorma Kaukonen e Jack Casady saíram do Aiplane para se dedicar somente ao grupo Hot Tuna… deixando Paul Kantner, Marty Balin e Grace Slick para levar o grupo adiante.
E nos anos seguintes o Jefferson Starship lançaria álbuns clássicos como “Dragon Fly”, “Red Octopus” e “Earth”… antes que seus membros fundadores começassem a ser gradualmente expulsos do grupo, que foi se tornando cada vez mais comercial… terminando por se tornar só Starship depois que Paul Kantner saiu em 1984… essa seria uma fase negra que não iria durar muito… mas vamos começar ouvindo um pouco do momento em que essa idéia nasceu, no genial “Blows Against the Empire”, de 1970…
Com Paul Kantner & The Jefferson Starship vocês ouviram “Let’s Go Together”, “Sunrise”, “Hijack”, “Have you seen the stars tonight” e “Starship”…
A gente volta já…
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
E agora vamos trazer um pouco do novo álbum do Jefferson Starship… “Jefferson’s Tree os Liberty”, um trabalho totalmente acústico que mostra o grupo em grande forma, depois de quase 8 anos de silêncio.
Paul Kantner havia recuperado os direitos do nome e voltado com o Jefferson Starship ainda nos anos 90, reunindo Marty Balin e Grace Slick para os vocais e também o baixista do Airplane, Jack Casady… além de novos integrantes, como as vocalistas Diana Mangano e Darby Gould, que substituiriam Grace quando ela decidiu se aposentar… e o resultado seriam álbuns excelentes como “Deep Space/Virgin Sky” de 95, “Windows of Heaven” de 98 e “Across the Sea of Suns” de 2001…
Mas, se esse retorno já não tinha recebido muita divulgação, as coisas só ficaram piores depois do 11 de setembro… pois a mensagem pacifista e libertária do velho Jefferson não combinava nada com as práticas do governo Bush, e o grupo esteve entre os muitos que ficaram sem contrato… só agora em 2008 eles conseguiram retomar o projeto desse álbum acústico, voltando às raízes com versões para clássicos folk de Phil Ochs, Bob Dylan, Woody Guthrie até Fairport Convention… além de novas composições.
E o grupo cresceu com a volta do guitarrista David Freiberg e a entrada de mais uma vocalista, Cathy Richardson… além dos mandolins do grande David Grisman… quanto ao nome, ele foi inspirado na célebre frase de Thomas Jefferson… “A árvore da liberdade tem de ser regada às vezes com o sangue dos patriotas e dos tiranos”… e não é o patriotismo daqueles que morrem em guerras inúteis, mas sim daqueles que enfrentam a loucura dos poderosos para poderem ser livres…
Vocês ouviram “Wasn’t that a time”, “Follow the drinking gourd”, “Sainty Anno”, “I ain’t marching anymore”, “Genesis Hall”, “On the threshold of fire” e “Surprise”, essa última uma faixa oculta, não presente nos créditos, com o vocal da grande Grace Slick.
Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa… 97,1.
Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
SET LIST:
JEFFERSON STARSHIP
BG – MAU MAU (AMERIKON)
1. LET’S GO TOGETHER – 4:23
2. SUNRISE – 1:54
3. HIJACK – 8:18
4. HAVE YOU SEEN THE STARS TONIGHT? – 3:43
5. STARSHIP – 7:08
BG – A CHILD IS COMING
TOTAL – 25:26
JEFFERSON STARSHIP (THE NEXT GENERATION)
BG – IN A CRISIS
6. WASN’T THAT A TIME – 2:58
7. FOLLOW THE DRINKING GOURD – 3:04
8. SANTY ANNO – 3:14
9. I AIN’T MARCHING ANYMORE – 3:13
10. GENESIS HALL – 3:14
11. ON THE THRESHOLD OF FIRE – 4:49
12. SURPRISE – 4:53
BG – KISSES SWEETER THAN WINE
TOTAL – 25:25
Total geral: 50:51
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *vcvcv”Boa noite, hoje teremos um programa com um dos grandes grupos do rock americano, que quase se perdeu nos anos 80 graças a trabalhos comerciais, mas que se recuperou e voltou a lançar álbuns excelentes, o último dos quais acabou de sair…
Estamos nos referindo ao Jefferson Starship, um descendente direto do grande Jefferson Airplane, verdadeiro sinônimo do rock psicodélico… que começaria sua metamorfose de avião em nave espacial quando o guitarrista Paul Kantner lançou o seu primeiro álbum solo… “Blows Against the Empire”… um trabalho seminal que reuniu membros do Aiplane, Grateful Dead, Quicksilver Menssanger Service e até Crosby, Stills, Nash e Young… entre outros.
Esse verdadeiro quem é quem da psicodelia seria batizado de Jefferson Starship, e a idéia era que evoluísse para o conceito da Planet Earth Rock and Roll Orchestra… mas é uma outra história… no fim o nome Jefferson Starship acabaria reaparecendo em 1974, quando Jorma Kaukonen e Jack Casady saíram do Aiplane para se dedicar somente ao grupo Hot Tuna… deixando Paul Kantner, Marty Balin e Grace Slick para levar o grupo adiante.
E nos anos seguintes o Jefferson Starship lançaria álbuns clássicos como “Dragon Fly”, “Red Octopus” e “Earth”… antes que seus membros fundadores começassem a ser gradualmente expulsos do grupo, que foi se tornando cada vez mais comercial… terminando por se tornar só Starship depois que Paul Kantner saiu em 1984… essa seria uma fase negra que não iria durar muito… mas vamos começar ouvindo um pouco do momento em que essa idéia nasceu, no genial “Blows Against the Empire”, de 1970…
Com Paul Kantner & The Jefferson Starship vocês ouviram “Let’s Go Together”, “Sunrise”, “Hijack”, “Have you seen the stars tonight” e “Starship”…
A gente volta já…
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
E agora vamos trazer um pouco do novo álbum do Jefferson Starship… “Jefferson’s Tree os Liberty”, um trabalho totalmente acústico que mostra o grupo em grande forma, depois de quase 8 anos de silêncio.
Paul Kantner havia recuperado os direitos do nome e voltado com o Jefferson Starship ainda nos anos 90, reunindo Marty Balin e Grace Slick para os vocais e também o baixista do Airplane, Jack Casady… além de novos integrantes, como as vocalistas Diana Mangano e Darby Gould, que substituiriam Grace quando ela decidiu se aposentar… e o resultado seriam álbuns excelentes como “Deep Space/Virgin Sky” de 95, “Windows of Heaven” de 98 e “Across the Sea of Suns” de 2001…
Mas, se esse retorno já não tinha recebido muita divulgação, as coisas só ficaram piores depois do 11 de setembro… pois a mensagem pacifista e libertária do velho Jefferson não combinava nada com as práticas do governo Bush, e o grupo esteve entre os muitos que ficaram sem contrato… só agora em 2008 eles conseguiram retomar o projeto desse álbum acústico, voltando às raízes com versões para clássicos folk de Phil Ochs, Bob Dylan, Woody Guthrie até Fairport Convention… além de novas composições.
E o grupo cresceu com a volta do guitarrista David Freiberg e a entrada de mais uma vocalista, Cathy Richardson… além dos mandolins do grande David Grisman… quanto ao nome, ele foi inspirado na célebre frase de Thomas Jefferson… “A árvore da liberdade tem de ser regada às vezes com o sangue dos patriotas e dos tiranos”… e não é o patriotismo daqueles que morrem em guerras inúteis, mas sim daqueles que enfrentam a loucura dos poderosos para poderem ser livres…
Vocês ouviram “Wasn’t that a time”, “Follow the drinking gourd”, “Sainty Anno”, “I ain’t marching anymore”, “Genesis Hall”, “On the threshold of fire” e “Surprise”, essa última uma faixa oculta, não presente nos créditos, com o vocal da grande Grace Slick.
Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa… 97,1.
Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
SET LIST:
JEFFERSON STARSHIP
BG – MAU MAU (AMERIKON)
1. LET’S GO TOGETHER – 4:23
2. SUNRISE – 1:54
3. HIJACK – 8:18
4. HAVE YOU SEEN THE STARS TONIGHT? – 3:43
5. STARSHIP – 7:08
BG – A CHILD IS COMING
TOTAL – 25:26
JEFFERSON STARSHIP (THE NEXT GENERATION)
BG – IN A CRISIS
6. WASN’T THAT A TIME – 2:58
7. FOLLOW THE DRINKING GOURD – 3:04
8. SANTY ANNO – 3:14
9. I AIN’T MARCHING ANYMORE – 3:13
10. GENESIS HALL – 3:14
11. ON THE THRESHOLD OF FIRE – 4:49
12. SURPRISE – 4:53
BG – KISSES SWEETER THAN WINE
TOTAL – 25:25
Total geral: 50:51
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

“Boa noite, hoje teremos um programa com um dos grandes grupos do rock americano, que quase se perdeu nos anos 80 graças a trabalhos comerciais, mas que se recuperou e voltou a lançar álbuns excelentes, o último dos quais acabou de sair…

Estamos nos referindo ao Jefferson Starship, um descendente direto do grande Jefferson Airplane, verdadeiro sinônimo do rock psicodélico… que começaria sua metamorfose de avião em nave espacial quando o guitarrista Paul Kantner lançou o seu primeiro álbum solo… “Blows Against the Empire”… um trabalho seminal que reuniu membros do Aiplane, Grateful Dead, Quicksilver Menssanger Service e até Crosby, Stills, Nash e Young… entre outros.

blowsagainstheempire

Esse verdadeiro quem é quem da psicodelia seria batizado de Jefferson Starship, e a idéia era que evoluísse para o conceito da Planet Earth Rock and Roll Orchestra… mas é uma outra história… no fim o nome Jefferson Starship acabaria reaparecendo em 1974, quando Jorma Kaukonen e Jack Casady saíram do Aiplane para se dedicar somente ao grupo Hot Tuna… deixando Paul Kantner, Marty Balin e Grace Slick para levar o grupo adiante.

E nos anos seguintes o Jefferson Starship lançaria álbuns clássicos como “Dragon Fly”, “Red Octopus” e “Earth”… antes que seus membros fundadores começassem a ser gradualmente expulsos do grupo, que foi se tornando cada vez mais comercial… terminando por se tornar só Starship depois que Paul Kantner saiu em 1984… essa seria uma fase negra que não iria durar muito… mas vamos começar ouvindo um pouco do momento em que essa idéia nasceu, no genial “Blows Against the Empire”, de 1970…

Com Paul Kantner & The Jefferson Starship vocês ouviram “Let’s Go Together”, “Sunrise”, “Hijack”, “Have you seen the stars tonight” e “Starship”…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um pouco do novo álbum do Jefferson Starship… “Jefferson’s Tree os Liberty”, um trabalho totalmente acústico que mostra o grupo em grande forma, depois de quase 8 anos de silêncio.

Paul Kantner havia recuperado os direitos do nome e voltado com o Jefferson Starship ainda nos anos 90, reunindo Marty Balin e Grace Slick para os vocais e também o baixista do Airplane, Jack Casady… além de novos integrantes, como as vocalistas Diana Mangano e Darby Gould, que substituiriam Grace quando ela decidiu se aposentar… e o resultado seriam álbuns excelentes como “Deep Space/Virgin Sky” de 95, “Windows of Heaven” de 98 e “Across the Sea of Suns” de 2001…

treeofliberty

Mas, se esse retorno já não tinha recebido muita divulgação, as coisas só ficaram piores depois do 11 de setembro… pois a mensagem pacifista e libertária do velho Jefferson não combinava nada com as práticas do governo Bush, e o grupo esteve entre os muitos que ficaram sem contrato… só agora em 2008 eles conseguiram retomar o projeto desse álbum acústico, voltando às raízes com versões para clássicos folk de Phil Ochs, Bob Dylan, Woody Guthrie até Fairport Convention… além de novas composições.

E o grupo cresceu com a volta do guitarrista David Freiberg e a entrada de mais uma vocalista, Cathy Richardson… além dos mandolins do grande David Grisman… quanto ao nome, ele foi inspirado na célebre frase de Thomas Jefferson… “A árvore da liberdade tem de ser regada às vezes com o sangue dos patriotas e dos tiranos”… e não é o patriotismo daqueles que morrem em guerras inúteis, mas sim daqueles que enfrentam a loucura dos poderosos para poderem ser livres…

Vocês ouviram “Wasn’t that a time”, “Follow the drinking gourd”, “Sainty Anno”, “I ain’t marching anymore”, “Genesis Hall”, “On the threshold of fire” e “Surprise”, essa última uma faixa oculta, não presente nos créditos, com o vocal da grande Grace Slick.

Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa… 97,1.

Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

SET LIST:

JEFFERSON STARSHIP

BG – MAU MAU (AMERIKON)

1. LET’S GO TOGETHER – 4:23

2. SUNRISE – 1:54

3. HIJACK – 8:18

4. HAVE YOU SEEN THE STARS TONIGHT? – 3:43

5. STARSHIP – 7:08

BG – A CHILD IS COMING

TOTAL – 25:26

JEFFERSON STARSHIP (THE NEXT GENERATION)

BG – IN A CRISIS

6. WASN’T THAT A TIME – 2:58

7. FOLLOW THE DRINKING GOURD – 3:04

8. SANTY ANNO – 3:14

9. I AIN’T MARCHING ANYMORE – 3:13

10. GENESIS HALL – 3:14

11. ON THE THRESHOLD OF FIRE – 4:49

12. SURPRISE – 4:53

BG – KISSES SWEETER THAN WINE

TOTAL – 25:25

Total Geral: 50:51

Ouça o Art Rock com Jefferson Starship, que foi ao ar no dia 17/05/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Genesis

Posted in Programas with tags on 12/05/2009 by Artrock
“Boa noite, no programa de hoje vamos trazer um dos grandes nomes do progressivo, o grande Genesis na época de seu líder original, o genial Peter Gabriel.
Esse grupo dispensa, é claro, maiores apresentações, pois é um dos nomes essenciais do prog. inglês, presente na própria fundação da linguagem progressiva no final dos anos 60 e acabando por se tornar um dos exemplos do seu auge como proposta… e também depois das muitas mudanças que o estilo sofreria nas décadas seguintes, procurando sobreviver em meio a uma realidade mercadológica que passou a ignorar tudo que não fosse comercial.
Mas isso seria bem mais tarde, depois da saída de Peter Gabriel, quando o grupo foi gradualmente passando a ser dominado pelo baterista e futuro hit maker Phil Collins, que tomaria o controle definitivo quando outra figura dominante, o guitarrista Steve Hackett, resolveu sair também no final dos anos 70.
Tudo isso estava distante na gênese deste grande grupo… e nós selecionamos para essa primeira parte do programa este período formador representado pelos seus dois primeiros álbuns… “From Genesis to Revelation”, lançado em 1969, e “Trespass”, que sairia em 1970…
Com o Genesis vocês ouviram “The Serpent”, “Am I Very Wrong”, “In The Wilderness”, “The Conqueror”, “White Mountain” e “Dusk”.
A gente volta já…
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
E agora vamos trazer mais um pouco do grande Genesis, na época de sua formação clássica, quando Phil Collins era apenas um grande baterista… e só cantava quando Peter Gabriel deixava.
Foi graças às alugações e ao lirismo de Peter Gabriel que o Genesis atingiu o seu ponto mais alto, tanto no aspecto criativo como enquanto fenômeno de mídia, causando um grande impacto com sua poética única, combinada com a riqueza teatral de suas apresentações ao vivo que marcariam época e influenciariam muitos outros grupos desde então.
Tanto a tradição progressiva italiana como o neo-prog dos anos 80 seriam tributários do legado do Genesis… e não seriam os únicos… isso seguiria até mesmo para outras famílias do rock, embora em muitos casos tenha se mesclado também com outras abordagens teatrais, algumas das quais haviam sido influências para os delírios do próprio Peter Gabriel.
E para fechar o programa essa vamos trazer uma daquelas coisas que só chegaram a nós recentemente, e através das vantagens abertas pela internet… um registro ao vivo no estádio de Wembley, em Londres, durante a lendária tour de 75… época do lançamento do álbum duplo “The Lamb Lies Down on Brodway”… o derradeiro trabalho com Peter Gabriel e um dos discos indispensáveis de qualquer coleção progressiva.
Vocês ouviram com o Geneis “The Grand Parade Of Lifeless Packaging”, “Back In N.Y.C.”, “Hairless Heart”, “Counting A Time”, “Carpet Crawlers” e “The Light Dies Down On Brodway”.
Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa… 97,1.
Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *
SET LIST:
GENESIS FROM GENESIS TO REVELATION / TRESPASS
1. THE SERPENT – 4:38
2. AM I VERY WRONG – 3:31
3. IN THE WILDERNESS – 3:28
4. THE CONQUEROR – 3:40
5. WHITE MOUNTAIN – 6:43
6. DUSK – 4:14
TOTAL – 25:58
GENESIS WEMBLEY 75
7. THE GRAND PARADE OF LIFELESS PACKAGING – 3:04
8. BACK IN N.Y.C. – 6:08
9. HAIRLESS HEART – 2:35
10. COUNTING A TIME – 3:55
11. CARPET CRAWLERS – 5:43
12. THE LIGHT DIES DOWN ON BRODWAY – 3:32
TOTAL – 24:49
Total geral: 50:47
Ouça o Art Rock com Genesis, que foi ao ar no dia 10/05/2009, clicando aqui.
* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

“Boa noite, no programa de hoje vamos trazer um dos grandes nomes do progressivo, o grande Genesis na época de seu líder original, o genial Peter Gabriel.

Esse grupo dispensa, é claro, maiores apresentações, pois é um dos nomes essenciais do prog. inglês, presente na própria fundação da linguagem progressiva no final dos anos 60 e acabando por se tornar um dos exemplos do seu auge como proposta… e também depois das muitas mudanças que o estilo sofreria nas décadas seguintes, procurando sobreviver em meio a uma realidade mercadológica que passou a ignorar tudo que não fosse comercial.

from_genesis_to_revelation

Mas isso seria bem mais tarde, depois da saída de Peter Gabriel, quando o grupo foi gradualmente passando a ser dominado pelo baterista e futuro hit maker Phil Collins, que tomaria o controle definitivo quando outra figura dominante, o guitarrista Steve Hackett, resolveu sair também no final dos anos 70.

Genesis-Trespass-Front

Tudo isso estava distante na gênese deste grande grupo… e nós selecionamos para essa primeira parte do programa este período formador representado pelos seus dois primeiros álbuns… “From Genesis to Revelation”, lançado em 1969, e “Trespass”, que sairia em 1970…

Com o Genesis vocês ouviram “The Serpent”, “Am I Very Wrong”, “In The Wilderness”, “The Conqueror”, “White Mountain” e “Dusk”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer mais um pouco do grande Genesis, na época de sua formação clássica, quando Phil Collins era apenas um grande baterista… e só cantava quando Peter Gabriel deixava.

Foi graças às alugações e ao lirismo de Peter Gabriel que o Genesis atingiu o seu ponto mais alto, tanto no aspecto criativo como enquanto fenômeno de mídia, causando um grande impacto com sua poética única, combinada com a riqueza teatral de suas apresentações ao vivo que marcariam época e influenciariam muitos outros grupos desde então.

gabriel-lamb lies down live

Tanto a tradição progressiva italiana como o neo-prog dos anos 80 seriam tributários do legado do Genesis… e não seriam os únicos… isso seguiria até mesmo para outras famílias do rock, embora em muitos casos tenha se mesclado também com outras abordagens teatrais, algumas das quais haviam sido influências para os delírios do próprio Peter Gabriel.

E para fechar o programa essa vamos trazer uma daquelas coisas que só chegaram a nós recentemente, e através das vantagens abertas pela internet… um registro ao vivo no estádio de Wembley, em Londres, durante a lendária tour de 75… época do lançamento do álbum duplo “The Lamb Lies Down on Brodway”… o derradeiro trabalho com Peter Gabriel e um dos discos indispensáveis de qualquer coleção progressiva.

Vocês ouviram com o Geneis “The Grand Parade Of Lifeless Packaging”, “Back In N.Y.C.”, “Hairless Heart”, “Counting A Time”, “Carpet Crawlers” e “The Light Dies Down On Brodway”.

Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa… 97,1.

Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

GENESIS FROM GENESIS TO REVELATION / TRESPASS

1. THE SERPENT – 4:38

2. AM I VERY WRONG – 3:31

3. IN THE WILDERNESS – 3:28

4. THE CONQUEROR – 3:40

5. WHITE MOUNTAIN – 6:43

6. DUSK – 4:14

TOTAL – 25:58

GENESIS WEMBLEY 75

7. THE GRAND PARADE OF LIFELESS PACKAGING – 3:04

8. BACK IN N.Y.C. – 6:08

9. HAIRLESS HEART – 2:35

10. COUNTING A TIME – 3:55

11. CARPET CRAWLERS – 5:43

12. THE LIGHT DIES DOWN ON BRODWAY – 3:32

TOTAL – 24:49

Total GERAL: 50:47

Ouça o Art Rock com Genesis, que foi ao ar no dia 10/05/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

UFO & Wishbone Ash

Posted in Programas with tags , on 05/05/2009 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos no programa dois grandes sobreviventes do rock inglês, começando com o grande UFO, que voltou à atividade nos anos 90 e continua firme desde então.

O Unidentified Flying Object foi formado no final dos anos 60 por Phil Moog e e Pete Way, e começou como um grupo de boogie rock e blues inspirado no lado mais viajante do genial John Mayall, mas eles logo foram fazendo o seu disco voador subir cada vez mais alto, principalmente devido às alugações do guitarrista Mick Bolton… e as suas tendências para o space rock se tornariam dominantes nos primeiros trabalhos do grupo.

ufo-2-flying

Isso iria mudar a partir do seu quarto álbum, quando a entrada de Michael Schenker levou o UFO a se orientar para o rock pesado propriamente dito… onde alcançariam muita repercussão em meados dos anos 70, até começar a perder terreno no final da década, acabando por se separar em 83… e passar os anos seguintes com cada qual cuidando de um projeto diferente.

Mas a segunda formação do grupo voltou a se reunir na década de 90, lançando álbuns excelentes, e eles seguiram em frente mesmo depois que Michael Schenker resolveu deixar novamente o grupo… ele seria substituído pelo virtuoso Vinnie Moore, mas permaneceriam 3 membros da formação original: Phil Moog, Paul Raymond e Andy Parker… e eles estão com um novo trabalho, o álbum “Visitor”… mas ele fica para outro programa, por hoje vamos ouvir dois momentos do começo sideral da carreira do velho disco voador…

Vocês ouviram com o U.F.O. as faixas “Star Storm” e “Silver Bird” de seu álbum “UFO 2 – Flying”, último registro de estúdio do grupo com o seu primeiro guitarrista, Mick Bolton.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um grupo dos anos setenta que teve alguns períodos de silêncio, mas nunca encerrou atividades e continua inabalável, o Wishbone Ash.

Fundado no final da década de 60 pelo baterista Steve Upton e pelo baixista e vocalista Martin Turner, o grupo usou os nomes Empty Vessels e Tanglewood, até a entrada dos guitarristas Ted Turner e Andy Powell, que dariam forma definitiva ao som… só então eles adotaram o nome Wishbone Ash e deram início a uma longa carreira, com muitas fases diferentes, mas sempre ocupando um lugar a meio caminho entre o heavy e o prog.

livedates3

E o seu som característico, acabaria sendo uma grande influência para os grupos de heavy metal surgidos no final dos anos setenta e oitenta… como o grande Iron Maiden, também usuário das guitarras dobradas que eram a marca registrada do velho Wishbone… para não falar do inconfundível ritmo… a sua “cavalgada”, que o Iron também adotaria.

Atualmente, Andy Powell mantém o grupo na ativa, com álbuns e tours freqüentes… seu mais recente disco de estúdio foi “The Power of Eternity”, de 2007… mas desde então houve o lançamento de mais um trabalho ao vivo, “Then Again”, mantendo a tradição de sempre oferecer um registro das apresentações do grupo, que costumam ser antológicas… e para o programa de hoje nós selecionamos faixas de “Live Dates III”, de 2001.

Vocês ouviram com o Wishbone Ash, “Errors Of My Way”, “Leaf and Steam” e “Phoenix”…

Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa… 97,1.
Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado…

Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

UFO

BG – PRINCE KAJUKU

1. STAR STORM- 18:55

2. SILVER BIRD – 6:55

BG – THE COMING OF PRINCE KAKUKU

TOTAL – 25:50

WISHBONE

BG – COME IN FROM THE RAIN

3. ERRORS OF MY WAY – 6:00

4. LEAF AND STREAM – 4:18

5. PHOENIX – 14:16

BG – PERSEPHONE

TOTAL – 24:34

GRAND TOTAL: 50:24

Ouça o Art Rock com UFO & Wishbone Ash, que foi ao ar no dia 03/05/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *