Arquivo para outubro, 2009

Transatlantic & Porcupine Tree

Posted in Programas with tags , on 28/10/2009 by Artrock

“Boa noite, antes de começar o programa nós gostaríamos de deixar um aviso da parte do grupo Syd Bach… um veterano do progressivo curitibano dos anos 80 que voltou à atividade e está precisando de um baterista… e se você é um batera com inspiração progressiva e está interessado é só entrar em contato com o Nico pelo e-mail valvulado@hotmail.comou pelo telefone 9988-1828.

E agora vamos seguir com o programa de hoje, que será com um dos mais importantes super-grupos progressivos da atualidade… o genial Transatlantic… que foi formado em 99, como um projeto do baterista Mike Portnoy do Dream Theatre e do vocalista e tecladista Neal Morse do Spock’s Beard… e, inicialmente, deveria ter o guitarrista Jim Matheos do Fates Warning… mas ele não pôde participar e quem acabou entrando para o projeto foi o veterano Roine Stolt, do Flower Kings e do grupo prog. sueco Kaipa.

bridgeacrossforever

 

Para completar o time eles chamaram o baixista Pete Trewavas do Marillion… e o resultado desse encontro foi uma mistura das mais diversas tendências progressivas que se cristalizaram em dois álbuns “SMPT” de 2000 e “Bridge Across Forever” de 2001… mas, infelizmente, apesar da boa repercussão, o Transatlantic não foi muito além disso.

Em 2003, Neal Morse anunciou que iria se dedicar a um prog. rock cristão, deixando tanto o Spock’s Beard como o Transatlantic… e grupo acabaria se separando… mas eles voltaram a se reunir no começo de 2009, e o resultado foi o álbum conceitual “The Whirlwind”… que a gente vai trazer aqui em outro programa… por hoje fiquem com uma suíte genial, extraída de “Bridge Across Forever”, de 2001.

Vocês ouviram o Transatlantic com a suíte “Duel with the Devil”, do álbum “Bridge Across Forever”, de 2001

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um dos melhores grupos da geração progressiva inglesa dos 90… o Porcupine Tree.

Formado em 1987, o Porcupine Tree era para ser uma brincadeira do guitarrista e vocalista Steven Wilson, do No-Man… no estilo do Spinal Tap… uma gozação sobre um super-grupo fictício dos anos 70… e ele inventou a biografia e discografia completas, além compor e gravar algumas músicas… que acabaram sendo descobertas, o que forçou Steven a encarar a coisa toda a sério, lançando em 92 o álbum “On the Sunday of Life”.

deadwing

No fim, o Porcupine Tree se tornaria um grupo de verdade, contando com o baixista Collin Edwin, o baterista Chris Maitland e o tecladista Richard Barbieri, ex-Japan… e eles estão em atividade até hoje, com mais de uma dúzia de álbuns de estúdio e uma posição de prestígio entre as grandes bandas progressivas atuais… algo que Steven Wilson nem poderia imaginar quando começou essa história, há mais de 20 anos.

O Porcupine Tree está com um novo álbum… “The Incident”, que acabou de sair… e eles estão em plena tour mundial, com casas lotadas, mostrando que, às vezes, as brincadeiras podem virar algo muito sério… e para o programa de hoje nós selecionamos faixas do álbum de 2005, o excelente “Deadwing”…

Vocês ouviram o Porcupine Tree com “Deadwing”, “The Start of Something Beautiful” e “Glass arm shattering”.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1…
Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado…

E vamos lembrar mais uma vez que o grupo Syd Bach, um veterano do prog. curitibano dos anos 80, está voltando à atividade e a procura de um baterista… o contato é com o Nico pelo e-mail valvulado@hotmail.comou pelo telefone 9988-1828… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

TRANSATLANTIC

BG – SUITE CHARLOTTE PIKE

1.    DUEL WITH THE DEVIL – 26:44

BG – STRANGER IN YOUR SOUL

TOTAL: 26:44

PORCUPINE TREE

BG – SHALOW

1.    DEADWING – 9:46

2.    THE START OF SOMETHING BEAUTIFUL – 7:40

3.    GLASS ARM SHATERING – 6:19

BG – SHE’S MOVED ON

TOTAL – 23:45

Total geral: 50:29

Ouça o Art Rock com Transatlantic & Porcupine Tree, que foi ao ar no dia 18/10/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Anúncios

Grupo Syd Bach procura baterista

Posted in Produto Nacional on 24/10/2009 by Artrock

O grupo Syd Bach, um veterano do progressivo curitibano dos anos 80, está voltando à atividade e procura um baterista… vocês podem conferir um pouco do som do grupo neste link Syd Bach e, se você é um batera com inspiração progressiva e está interessado é só entrar em contato com o Nico pelo e-mail valvulado@hotmail.com ou pelo telefone (041)9988-1828.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Phil Manzanera & 801

Posted in Programas with tags , on 18/10/2009 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos trazer um guitarrista que foi um dos responsáveis por mostrar que o glitter, ou glam rock também sabia ser progressivo… o grande Philip Geoffrey Targett-Adams, mais conhecido como Phil Manzanera.

diamondhead

Nascido em Londres, mas com ascendência colombiana, Phil Manzanera viajou com por toda a América Latina quando ainda era pequeno, mas passou a adolescência em Londres, envolvendo-se no movimento progressivo sem muito sucesso até conseguir o lugar de David O’List (ex The Nice) no recém criado Roxy Music… um grupo que marcaria época misturando uma sonoridade requintada com o visual carregado de suas figuras centrais… o vocalista Brian Ferry e o tecladista Brian Eno.
Logo a sua performance na guitarra o transformaria em outra estrela do Roxy Music, que se tornou um dos grandes nomes do rock inglês dos anos 70… mas Phil Manzanera sempre se manteve ativo fora do grupo… com trabalhos solo e projetos paralelos, além de se envolver com produção e colaborações com seus muitos amigos… que são realmente numerosos demais para citar e podem ser descritos como um quem é quem do rock nas últimas décadas…

Para essa primeira parte do programa nós selecionamos faixas de seu primeiro álbum solo, “Diamond Head”, de 75… em que o guitarrista contou com uma banda de apoio de peso, incluindo o grande Robert Wyatt do Soft Machine e Bill MacCormick do Matching Mole… além de seus colegas Brian Eno, Andy MacKay e Paul Thompson do Roxy Music, e também de Eddie Jobson do Curved Air e John Wetton do King Crimson… que também já haviam integrado o Roxy.

Vocês ouviram Phil Manzanera com “Diamond Head”, “Miss Shapiro”, “East of Echo”, “Lagrima” e “Alma”.

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um dos primeiros projetos de Phil Manzanera fora do Roxy Music… o grupo 801…

Formado em 76, logo depois da separação do Roxy Music, 801 reunia Brian Eno e Phil Manzanera, assim como os amigos Francis Monkman do Curved Air e Bill MacCormick do Matching Mole, que havia tocado com Phil no Quiet Sun e também no seu álbum solo… e na bateria estava Simon Phillips, que se tornaria um dos mais prolíficos bateras da história, tocando do jazz (com Stanley Clarke) ao heavy metal (com o Judas Priest) e do prog. (com Mike Oldfield) ao hard rock (com The Who).

Listen Now

O nome desse projeto de vida curta foi inspirado em um verso da faixa “The True Wheel”, do álbum “Taking Tiger Mountain” de Brian Eno… se bem que as iniciais da expressão inglesa Eight-Nought-One soletram o sobrenome de Brian… e uma alugação dessas é o tipo de exercício mental que ele poderia ter imaginado… ainda mais nos bons e velhos anos 70.

801live

O projeto começou como uma reunião de estúdio, mas ela resultaria em uma série de apresentações celebradas no Reading Festival… e um show no Queen Elizabeth Hall de Londres, que seria gravado e lançado no antológico álbum “801 live”, de 76… seguido em 77 pelo disco de estúdio “Listen Now”… infelizmente, o grupo não seguiria em frente, mas a sua curta carreira resultou em momentos memoráveis…

Vocês ouviram “TNK”, “East of Asteroid”, “Island”, “Initial Speed” e “Remote Control”… com o 801, um descendente do Roxy Music que teve vida curta.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1…

Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

PHIL MANZANERA

BG – FRONTERA

1. DIAMOND HEAD – 4:26

2. MISS SHAPIRO – 6:32

3. EAST OF ECHO 5:52

4. ALMA – 6:48

BG – THE FLEX

TOTAL: 23:38

801

BG – LAW AND ORDER

1. TNK – 6:09

2. EAST OF ASTEROID – 4:57

3. ISLAND – 5:19

4. INITIAL SPEED – 4:46

5. REMOTE CONTROL – 4:28

BG – BLUE GREY

TOTAL – 25:39

Total geral: 49:17

Ouça o Art Rock com Phil Manzanera & 801, que foi ao ar no dia 11/10/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Ozric Tentacles & Fruitcake

Posted in Programas with tags , on 11/10/2009 by Artrock

“Boa noite, vamos começar o programa de hoje com, o Ozric Tentacles, um grupo inglês surgido em pleno movimento neo-progressivo, mas que só se tornou realmente conhecido muito tempo depois, durante os anos 90…

arborescence

Fundado em 83, o Ozric Tentacles perma¬neceu no circuito de bares underground de Londres durante muitos anos, chegando a lançar 6 álbuns completos apenas em fita cassete… distribuídos aos interessados depois de seus apresentações… foi só em 1990 que eles conseguiram um contrato de verdade, lançando seu primeiro CD, “Erpland”, que muitos consideram o primeiro do chamado movimento Crusty… nome que os ingleses deram para a investida neo-hippie da década passada.

Com o tempo o guitarrista Ed Wynne foi assumindo a liderança do grupo, mas mesmo assim o som continuou cruzando fraseados de guitarra e teclados e mesclando influências que vão do rock lisérgico ao eletrônico, passando é claro pelo progressivo e até new age em alguns momentos… e seus alguns de seus primeiros trabalhos chegaram a ser lançados em CD, quando o grupo se tornou um dos grandes do prog. dos anos 90.

strangeitude

Já tendo passado dos 25 anos de estrada, o Ozric Tentacles continua em plena atividade, e seu trabalho mais recente é o álbum “The Yum Yum Tree”, em que o grupo acrescenta mais influências eletrônicas ao seu som, sem perder é claro as raízes progressivas… mas esse novo trabalho dos Ozrics fica para outro programa, para hoje nós selecionamos faixas de seus álbuns “Strangeitude” de 91, e “Arborescence” de 94.

Você ouviram “Sploosh!”, “Live Trobbe”, “Al-Salooq” e “Miriapod” com o Ozric Tentacles.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um grupo norueguês da geração progressiva dos anos 90… o Fuitcake.

As origens do grupo estão com o baterista Pål Søvic e com o baixista e tecladista Tore Bø, que montaram em 1990 o Stinking Rich… que passaria por muitas mudanças antes de ter material para gravar um primeiro disco… a essa altura eles já haviam eles adotado o nome The Fool, mas acabariam trocando mais uma vez, e seria como Fruitcake que eles gravariam o álbum “The Fool Tapes”, lançado por um selo local norueguês em 92, em uma edição de apenas 500 cópias.

howtomakeit

Assumindo os vocais, Søvic acabou colaborando para encaixar som do grupo em uma categoria diferente de seus colegas escandinavos do Ånglagard ou do Anekdoten… procurando em vez disso uma síntese mais rica em aspectos melódicos e climas de teclado e guitarras… mas, infelizmente, a carreira do Fruitcake continuaria conturbada pelas constantes mudanças de formação, como a que foi causada pela saída do guitarrista Steffen Holthe, para o serviço militar.

Apesar das mudanças de pessoal, a proposta continuou a mesma graças à liderança de Pål Søvic… e, depois de quase desaparecer em 97, o grupo se estabilizou… lançando a partir de então quatro ótimos álbuns… nós selecionamos para o programa de hoje faixas do seu segundo trabalho, “How to Make it”, de 94… que foi o primeiro a contar com uma boa distribuição e chamou a atenção para o som do Fruitcake.

Vocês ouviram o Fruitcake com “How to make it?”, “Inside our place”, “Fly away”, “Stone of light”, “Earl grey” e “The inflated man”.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1…

Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

OZRIC TENTACLES

1. SPLOOSH! – 6:28

2. LIVE TROBBE – 7:16

3. AL-SALOOQ – 5:03

4. MIRIAPOD – 6:00

TOTAL: 24:47

FRUITCAKE

1. HOW TO MAKE IT? – 3:38

2. INSIDE OUR PLACE – 3:28

3. FLY AWAY – 7:30

4. STONE OF LIGHT – 4:36

5. EARL GREY – 3:05

6. THE INFLATED MAN – 3:02

TOTAL – 25:19

Total geral: 50:06

Ouça o Art Rock com Ozric Tentacles & Fruitcake, que foi ao ar no dia 04/10/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Peter, Paul & Mary & David Crosby

Posted in Programas with tags , on 06/10/2009 by Artrock

” Boa noite, no programa de hoje vamos prestar nossa homenagem a Mary Travers… uma das vozes dos anos 60, que resolveu ultrapassar os limites do espaço normal no último dia 16 de setembro, aos 72 anos.

peterpaul&mary

A folk music americana passou por muitos momentos de ascensão, mas talvez o mais importante tenha sido o que ocorreu no início dos anos 60, quando jovens músicos lideraram um movimento que mudaria a história, marcando por sua poética engajada todos os sons daquela era conturbada, incluindo é claro, o rock and roll… e na linha de frente daquela geração folk estava essa voz cristalina que agora se calou… uma das indissociáveis partes do genial trio Peter, Paul & Mary.

seewhattomorrowbrings

Formado por Peter Yarrow, Noel Paul Stookey e Mary Travers… o trio surgiu em New York em 1961… e, na época, foram o mais celebrado grupo folk desde os lendários Weavers de Pete Segger… e também foram uma das forças americanas a resistir à chamada british invasion e ao reinado dos quatro cabeludos de Liverpool… oferecendo temas sérios e politizados, que contrastavam com sua imagem rica em otimismo e bom humor e dominada por aquela bela loira de olhos sonhadores.

album1700

Depois de uma década de sucesso, influenciando o rock pelo viés da consciência política, eles seguiram caminhos separados… só nos anos 80 voltariam a se reunir, mantendo a partir de então uma presença constante, como decanos do movimento folk… eles voltariam a gravar, apresentando especiais de TV e seguindo em tours freqüentes nos últimos anos… mas agora, sem Mary Travers, serão mais um fragmento estilhaçado do século XX, que fica cada dia mais distante…

asongwillrise Mary Travers

Vocês ouviram Peter, Paul & Mary com “500 miles”, “Puff the magic Dragon”, “Man come into Egypt”, “Very last day”, “Don’t thing twice it’s alright”, “Motherless child”, “Rising of the Moon” e “Leavin’on a jet plane”… dos álbuns “Peter, Paul & Mary”, “Moving”, “In the Wind”, “A song will rise”, “See what tomorrow brings” e “Album 1700”.

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um pouco da carreira solo de outra figura lendária do folk rock americano… o genial David Crosby…
Claro que a sua voz e o seu visual inconfundíveis dispensam maiores apresentações, afinal tanto os Byrds como o Crosby, Stills & Nash estão entre os grupos seminais da história do rock… e permanecem influentes até os dias de hoje… mas David Crosby ainda manteve uma carreira solo que resultou em alguns momentos memoráveis, em meio a seus outros trabalhos, muito mais famosos.

itsallcomingbacktomenow

Ele começou nos Les Baxter Balladeers, antes de formar o grupo The Jet Set em 64, com Jim McGuinn e Gene Clarke… depois eles se tornariam os Byrds e o resto é história conhecida… mas ele só lançaria o seu primeiro disco solo em 71… o genial “If I could only remember my name”, que contava com um verdadeiro quem é quem do rock americano como convidados e foi muito bem sucedido… infelizmente isso não significou uma série de grandes trabalhos posteriores.

Crosby passou por um período difícil no final dos anos 70, devido a problemas com as drogas… e isso só ficou pior com a ascensão do conservadorismo na Era Reagan… ele acabaria sendo preso, e só em 89, depois de voltar a gravar com o Crosby, Stills & Nash, ele voltaria a lançar trabalhos solo… e ele continua em atividade e tão polêmico como sempre… vamos ouvir um pouco do seu álbum ao vivo “It’s all coming back to me now”, de 95.

Vocês ouviram David Crosby com “Cowboy Movie”, “Long Time Gone” e “Wooden Ships” …

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1…
Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem. ”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

PETER PAUL & MARY

BG – TINY SPARROW

1.     500 MILES – 2:48
2.     PUFF THE MAGIC DRAGON – 3:27
3.     MAN COME INTO EGYPT – 2:19
4.     VERY LAST DAY – 2:33
5.     DON’T THINK TWICE IT’S ALRIGHT – 3:17
6.     MOTHERLESS CHILD – 3:43
7.     RISING OF THE MOON – 3:37
8.     LEAVIN’ ON A JET PLANE – 3:31

BG – A’SOALIN’

TOTAL: 25:15

DAVID CROSBY
BG – THOUSAND ROADS
1.     COWBOY MOVIE -9:08
2.     LONG TIME GONE – 5:41
3.     WOODEN SHIPS – 10:37

BG – RUSTY AND BLUE

TOTAL – 25:26

Total geral: 50:41

Ouça o Art Rock com Peter, Paul & Mary & David Crosby, que foi ao ar no dia 27/09/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *