Arquivo para janeiro, 2010

Quaterna Requiem & Kaisen

Posted in Produto Nacional, Programas with tags , on 23/01/2010 by Artrock

“Boa noite… hoje no programa faremos uma de nossas freqüentes passagens pelo progressivo nacional, começando com o genial grupo carioca Quaterna Réquiem.

Fundado no final da década de 80, o Quaterna surgiu depois da dissolução do grupo Vitral, a partir de uma iniciativa de dois irmãos, a tecladista Elisa Wiermann e o baterista Cláudio Dantas, que eram interessados pela música de câmara e pelo rock progressivo… e chamaram para completar o time o violinista Kleber Vogel, o guitarrista e violonista Jones Júnior e o baixista Marco Lauria.

Apesar dos cinco integrantes, eles mantiveram o nome, que havia sido idéia de Cláudio e que significa “o descanso dos quatro”… e, com uma formação estabilizada, gravaram em 1990 o álbum “Velha Gravura”, que se tornaria um marco do progressivo nacional, mostrando a sobrevivência e vitalidade desse tipo de som em uma época em que a mídia musical do país há muito já o considerava coisa do passado.

O álbum seria lançado em CD em 92… e eles se mantiveram muito ativos nos anos 90, apesar de algumas mudanças de formação… em 94 lançariam mais um trabalho de estúdio, “Quasimodo”… que seria seguido, cinco anos mais tarde, pelo CD “Livre”, registrando um show gravado ao vivo no Scala do Rio de Janeiro, em 1997… e é desse disco que nós selecionamos as faixas para essa primeira parte do programa de hoje.

Vocês ouviram com o Quaterna Réquiem as faixas “Fanfarra” e “Quasimodo”…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar na família do Quaterna Réquiem, trazendo o som de um dos filhotes do grupo, o Kaizen…

Este grupo instrumental, formado em 92, foi uma iniciativa do virtuoso violinista Kleber Vogel, que havia deixado o Quaterna Réquiem e desejava seguir em frente com uma proposta progressiva… e resolveu partir de uma idéia que estava embutida no nome escolhido… Kaizen… um conceito japonês que significa “o constante aprimorar do trabalho”.

Violinista de formação clássica, Kleber Vogel participou da Orquestra Sinfônica Brasileira, e também da Filarmônica do Rio de Janeiro, além da Orquestra de Câmara da da Universidade Federal do Rio de Janeiro… atividades que o orientaram em direção do lado mais sinfônico do progressivo… o que é sensível no único registro de estúdio do Kaizen, o álbum “Gargula” de 94.

Kleber voltaria para o Quaterna Réquiem em 2002, e lançaria em 2003 o álbum “À Mão Livre”, com a tecladista Elisa Wiermann… e ele também participaria do show de comemoração dos 15 anos do grupo, em agosto de 2004 no Centro Cultural Justiça Federal, no Rio de Janeiro, que seria registrado no DVD Quaterna Réquiem, lançado em 2006… mas nós vamos fechar com faixas do seu projeto de vida curta dos anos 90… o grupo Kaizen.

Vocês ouviram com o Kaizen as faixas “Abertura”, “Gargula”, “Noturno” e “Kaizen”… todas do álbum “Gargula” de 94.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1…
Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

QUATERNA RÉQUIEM

1.FANFARRA – 5:41

2.QUASIMODO – 19:03

TOTAL – 24:44

KAIZEN

3.ABERTURA – 4:42

4.GARGULA – 5:56

5.NOTURNO – 6:22

6.KAIZEN – 9:10

TOTAL: 25:10

Total geral: 49:54

Ouça o Art Rock com Quaterna Requiem & Kaisen que foi ao ar no dia 17/01/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Anúncios

Mostly Autumn

Posted in Programas with tags on 23/01/2010 by Artrock

“Boa noite… no programa de hoje vamos trazer o som de um dos grandes representantes da geração progressiva britânica dos anos 90… o Mostly Autumn…

Fundado no final da década de 90, o grupo centrou-se em torno do floydiano guitarrista Bryan Josh e da genial Heather Findlay, que além de também tocar guitarra era uma vocalista muito talentosa, misturando a força e o alcance com momentos de muita delicadeza… e conferindo ao Mostly Autumn um toque folk, que já estava presente no primeiro álbum, “For All We Shared” de 98…

E esse lado só ficaria mais evidente quando excursionaram como banda de apoio do Blackmore’s Night, o grupo folk de Ritchie Blackmore, no ano 2000… a partir de então eles alcançaram maior destaque, acabando por assinar com o selo Classic Rock Productions,  o que ajudou a garantir a sua ascensão no cenário progressivo do rock inglês…

Eles continuam em plena atividade e mantendo a mesma proposta, apesar de algumas mudanças de formação nos últimos anos… mas vamos começar trazendo um pouco do álbum “Passengers” de 2003 e também de “Storm Over Still Water” de 2005… o último a contar com a formação clássica do grupo, antes da saída da flautista Angela Goldenthorne, que seria substituída por Anne-Marie Helder…

Vocês ouviram com o Mostly Autumn as faixas “Another Life”, “Bitterness Burnt”, “Caught in a Fold”, “Heart Life” e “Storms Over Still Water”…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar trazendo o som do Mostly Autumn, agora com o seu trabalho mais recente, o álbum “Glass Shadows”, lançado em 2009.

A atual formação do grupo começou a tomar forma em 2007, durante a gravidez da flautista Angela Goldenthorne, que chamou uma colaboradora freqüente,  Anne-Marie Helder (ex-Karnataka) para substituí-la por uns tempos… e ela acabou se tornando um membro permanente do Mostly Autumn depois da saída de Angela algum tempo depois…

Outras mudanças ocorreram em 2007, com a saída do segundo guitarrista Liam Davison e do baterista Andrew Jennings… mas a sonoridade do grupo não foi comprometida para o álbum “Glass Shadows”, que continua combinando os diálogos entre o vocal cristalino de Heather Findlay, os teclados de Iain Jennings e a guitarra e vocal de Brian Josh…

Além do Mostly Autumn, os integrantes do grupo mantém iniciativas paralelas, como o Breathing Space de Iain Jennings, que já lançou três álbuns, e a dupla Odin Dragonfly, que Heather formou com Angela Gordon… mas isso fica para outro Art Rock… para fechar o programa de hoje nós selecionamos faixas do álbum “Glass Shadows”…

Vocês ouviram o Mostly Autumn com “Fireside”, “The Second Hand”, “Flowers for Guns”, “Unoriginal Sin” e ‘Paper Angels”…

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1…
Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

MOSTLY AUTUMN

BG – BLACK RAIN

1.ANOTHER LIFE – 4:36

2.BITTERNESS BURNT – 4:57

3.CAUGHT IN A FOLD – 3:50

4.HEART LIFE – 5:50

5.STORMS OVER STILL WATER – 7:39

BG – GHOST IN DREAMLAND

TOTAL – 26:52

MOSTLY AUTUMN

BG – UNTIL THE STORY ENDS

6.FIRESIDE – 5:12

7.THE SECOND HAND – 4:32

8.FLOWERS FOR GUNS – 4:22

9.UNORIGINAL SIN – 5:13

10.PAPER ANGELS – 4:23

BG – TEARING AT THE FAERYTALE

TOTAL: 23:42

Total geral: 50:34
Ouça o Art Rock com Mostly Autumn que foi ao ar no dia 10/01/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Alan Parsons Project & Mike Oldfield

Posted in Programas with tags , on 09/01/2010 by Artrock

“Boa noite… no programa de hoje vamos prestar uma homenagem à metade mais criativa do Alan Parsons Project, o compositor e músico escocês Eric Woolfson… que deixou o nosso plano da realidade no dia 2 de dezembro de 2009.

Eric encontrou Alan Parsons na cantina dos estúdios da Abbey Road em 74… na época Alan havia alcançado uma posição de destaque por seu trabalho como engenheiro de som do álbum “The Dark Side of the Moon” do Pink Floyd… e ele convidou Eric para se tornar o seu manager e os dois começaram assim uma parceria que duraria muitos anos…

Bem sucedidos em seus trabalhos na área de produção… os dois acabaram se voltando para uma idéia de Alan, um trabalho conceitual em cima da obra de Edgar Alan Poe… e o resultado foi o surgimento de um grupo singular… uma dupla que estava mais interessada nos aspectos criativos da música, na produção e engenharia de som dentro do estúdio, do que em apresentações ao vivo… o Alan Parsons Project.

Na verdade, apesar do nome e do foco sobre a figura de Alan Parsons, Eric Woolfson sempre foi o compositor da maior parte do material do grupo, além de letrista e vocalista, contribuindo também como manager da empreitada… e, depois que eles se separaram, ainda produziria musicais de grande sucesso… como “Freudiana” e “Gaudi”… mas, para o programa de hoje, nós selecionamos faixas dos álbuns ‘I Robot” de 77 e “Pyramid” de 78.

Vocês ouviram o Alan Parsons Project com “I Robot”, “Some Other Time”, “Total Eclipse”, “Genesis Ch. 1 Vs. 32”, “One More River” e “Hypergammaspaces”.

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um pouco de uma lenda bem viva do prog. rock inglês… o grande Mike Oldfield… um dos mais bem sucedidos músicos progressivos dos anos 70.

Naturalmente, Mike Oldfield dispensa quaisquer apresentações, pois é presença obrigatória em qualquer discoteca progressiva… mas nem todos os seus trabalhos tiveram a mesma repercussão do genial “Tubular Bells”, de 1971… e hoje nós selecionamos um destes trabalhos menos conhecidos deste músico inglês.

Nos anos 80, Mike Oldfield estava, como muitas estrelas do prog. rock, tentando manter-se em atividade em meio aos interesses das gravadoras, que preferiam investir em efemérides pop e em banalidades dançantes… e o álbum “Discovery”, de 84, combinava arranjos sofisticados de sintetizadores, guitarras e até mandolins com uma sensibilidade ainda um tanto voltada para o pop rock…

Além dos vocais da sua colaboradora freqüente, Maggie Reilly, Mike Oldfield também contou neste disco com a ajuda de figuras de peso como o baterista Simon Phillips, um veterano de muitos grupos… e, apesar de não ter tido muita repercussão fora da Inglaterra, o álbum “Discovery” conseguiu chegar aos primeiros lugares das paradas inglesas, pavimentando o caminho para a premiada trilha para “The Killing Fields”, que Mike lançaria ainda em 84…

Vocês ouviram Mike Oldfield com “To France”, “Poison Arrows”, “Crystal Glazing” e “The Lake”…

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1…

Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ALAN PARSONS PROJECT

BG – BREAKDOWN

1. I ROBOT – 6:02

2. SOME OTHER TIME – 4:05

3. TOTAL ECLIPSE – 3:13

4. GENESIS CH. 1 VS. 32 – 3:25

5. ONE MORE RIVER – 4:17

6. HYPERGAMMASPACES – 4:21

BG – WHAT GOES UP

TOTAL – 25:23

MIKE OLDFIELD

BG – DISCOVERY

1. TO FRANCE – 4:38

2. POISON ARROWS – 3:58

3. CRYSTAL GAZING – 3:03

4. THE LAKE – 12:10

BG – TRICKS OF THE LIGHT

TOTAL – 23:49

Total geral: 49:12

Ouça o Art Rock com Alan Parsons Project & Mike Oldfield que foi ao ar no dia 03/01/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Tempest & UFO

Posted in Programas with tags , on 06/01/2010 by Artrock

“Boa noite, hoje vamos começar com o lado mais folk do progressivo, mas dessa vez não será com uma banda inglesa e sim americana… embora não tenha nada a ver com o folk rock do seu país…

Estamos falando do genial grupo californiano Tempest… fundado em 1988 e sempre centrado em torno dos vocais e mandolin de Lief Sorbye, um norueguês radicado nos Estados Unidos… além da bateria do cubano Adolfo Lazo… sendo os dois os únicos membros constantes nesses vinte anos de estrada, que estão sendo comemorados com o lançamento de um álbum duplo, CD/DVD… o 12º. trabalho nessa longa carreira…

Apesar de ser um grupo americano, a liderança de Lief Sorbye garantiu uma sonoridade européia para o Tempest, com álbuns onde exploram a música tradicional inglesa e nórdica, sem deixar de lado o rock que, como sempre, funciona como elemento de fusão… um terreno neutro onde as tradições musicais mais distintas podem se encontrar e dialogar sem problemas.

Nos seus trabalhos mais recentes, o grupo recuperou um de seus membros originais, o rabequeiro Michael Mullen… além de um novo guitarrista, o inglês James Crocker, ex- Equation… com isso, o Tempest se configura cada vez mais como um grupo internacional… e para o programa de hoje nós selecionamos faixas do seu álbum “Balance”, de 2001.

Vocês ouviram o Tempest abrindo com uma velha canção pirata… “Captain Ward”, depois foi uma cover para “Iron Lady”, do grande Phill Ochs… e, na seqüência, as faixas “Two Sisters, “Villenman”, “Battle Mountain Breakdown” e “Royal Oak”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir um pouco de um dos sobreviventes do rock inglês dos anos 70, o grande UFO, de Phil Mogg, Pete Way e Michael Schenker…

Fundado em 1969, o UFO começou como uma banda de space rock, misturando um boogie psicodélico visceral com temáticas siderais que se estendiam em faixas longas e cheias de viradas, dominadas pela guitarra de Michael Bolton… mas essa formação só se tornou um grande sucesso no Japão e na Alemanha… e foi justamente graças a um alemão, o guitarrista Michael Schenker, que a espaçonave iria decolar…

Saindo do Scorpions, Michael entrou para o UFO em 73… e os quatro discos seguintes seriam todos clássicos do rock da década de 70… formando a base de uma carreira que continuaria mesmo depois da saída do virtuoso guitarrista alemão em 79… mas não seria por muito tempo, pois logo o grupo se separaria… e seriam precisos mais de 15 anos para eles se encontrarem de novo.

Em 93 a formação clássica do UFO se reuniu para ajudar o vocalista Phil Mogg, que estava endividado… e o resultado foi um grande álbum de retorno… o genial “Walk on Water”… mas a gente já trouxe esse disco aqui no programa… e o novo álbum, lançado no ano passado fica para outro dia… por hoje vocês ficam com um pouco do duplo ao vivo de 2003… “Live on Earth”… gravado em Viena na Áustria, mostrando que é preciso mais do que acidentes de percurso para derrubar um disco voador…

Vocês ouviram o UFO com faixas do álbum “Live on Earth”… o velho disco voador ao vivo no planeta Terra… primeiro foi “Venus”, uma faixa da nova fase do grupo… e depois as clássicas “Doctor Doctor” e “Rock Botton”.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1…
Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… té a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

TEMPEST

BG – DANCE OF THE SAND WITCHES

1.    CAPTAIN WARD – 3:44

2.    IRON LADY – 4:38

3.    TWO SISTERS – 5:26

4.    VILLENMANN – 4:35

5.    BATTLE MOUNTAIN BREAKDOWN – 2:55

6.    ROYAL OAK – 4:00

BG – OLD MAN FLINT

TOTAL – 25:18

UFO

BG – LIGHTS OUT

7.    VENUS – 5:23

8.    DOCTOR DOCTOR – 6:02

9.    ROCK BOTTON – 12:58

BG – SHOOT SHOOT

TOTAL – 27:18

grand total – 49:41

Ouça o Art Rock com Tempest & UFO que foi ao ar no dia 27/12/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *