Arquivo de outubro, 2010

Museo Rosenbach

Posted in Programas with tags on 26/10/2010 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos um programa com um dos mais celebrados grupos italianos dos anos 70… o Museo Rosenbach.

Formado em 71, o grupo foi o resultado da união do La Quinta Strada com o Il Sistema… e, originalmente, seguia o padrão das bandas progressivas italianas do período, usando o nome Inaugurazione Del Museo Rosenbach… uma homenagem ao autor e editor alemão Otto Rosenbach, que foi escolhido pelo significado poético do seu nome… Rosenbach, que significa “regato das rosas” em alemão…

Em 1973 eles lançariam o seu primeiro álbum, o genial “Zarathustra”, que se tornaria uma verdadeira referência no prog. sinfônico italiano… apesar de terem sido acusados, na época, de estarem fazendo apologia ao fascismo por colocar a imagem de Mussollini na colagem da capa, e também pela própria temática do álbum, centrada no clássico “Assim Falou Zarathustra” de Nietzsche…

Infelizmente, a formação inicial logo se separou, depois de algumas apresentações lendárias, como no Festival Nuove Tendenze, em Nápoles, ainda em 73… e eles teriam sido um daqueles grandes grupos de um disco só… mas trabalhos inéditos e gravações ao vivo acabariam sendo lançados em CD… além de edições especiais de “Zarathustra”… e foi esse álbum seminal que nós selecionamos para a primeira parte do Art Rock de hoje.

Vocês ouviram a suite “Zarathustra” e também faixa “Degli Uomini”… ambas do álbum de estreia do genial Museo Rosenbach.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir mais um pouco do Museo Rosenbach que voltaria a se reunir nos anos 90, seguindo o sucesso dos relançamentos em CD pela gravadora Musea.

Depois da separação nos anos 70, somente o baterista Giancarlo Golzi manteve-se ativo e bem sucedido no mundo da música, entrando para o grupo Matia Bazar, que faria sucesso no cenário do pop-rock italiano… mas ele voltaria a se envolver com o progressivo quando seu velho colega, o baixista Alberto Moreno, o convidou para reformar o Museo Rosenbach em meados dos anos 90.

A nova formação contaria ainda com o guitarrista Marco Balbo, o tecladista Marioluca Bariona e os vocais de Andrea Biancheri… e eles passaram um longo tempo entre os ensaios e algumas apresentações para sentir a reação do público… só no ano 2000 o Museo Rosenbach voltaria a gravar, lançando o álbum “Exit”, onde o rock sinfônico deu lugar a um progressivo mais tradicional, mas muito bem recebido pelos fãs do grupo.

Eles se manteriam ativos nos anos seguintes… mas Giancarlo Golzi acabaria voltando mais tarde para o Matia Bazar, e o Museo só teria mais um registro nessa segunda fase: sua participação no álbum triplo baseado no épico finlandês “Kalevala”, para o qual gravaram a suíte “Flower of Revenge”… mas esse projeto de 2003 fica para outro Art Rock, por hora vamos fechar com faixas do álbum “Exit”, que marcou o breve retorno do Museo Rosenbach.

Você ouviram o Museo Rosenbach com as faixas “Exit”, “In Equilibrio”, “Iluse Le Intenzioni”, Il Re Del Circo”, “Exit Strum” e “Um Porto nel Sole”… faixas de seu álbum “Exit”, lançado no ano 2000.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

MUSEO ROSENBACH

BG – DELLA NATURA

1. ZARATHUSTRA – 20:42

2. DEGLI UOMINI -4:05

BG – DELL’ETERNO RITORNO

TOTAL – 24:47

MUSEO ROSENBACH

BG – TUAREG ABANDONATI

1. EXIT – 1:36

2. IN EQUILIBRIO – 4:45

3. ILUSE LE INTENZIONI – 5:09

4. IL RE DEL CIRCO – 7:30

5. EXIT STRUM – 1:46

6. UN PORTO NEL SOLE – 4:37

BG – LOVE

TOTAL – 25:23

Total geral: 50:10

Ouça o Art Rock com o Museo Rosenbach que foi ao ar no dia 19/09/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ELO & Peter Frampton

Posted in Programas with tags , on 18/10/2010 by Artrock

“Boa noite, vamos começar o programa de hoje prestando uma homenagem ao violoncelista Mike Edwards, da Eletric Light Orchestra, que deixou o nosso plano da realidade no dia 3 de setembro… e de uma forma completamente inusitada.

Ele foi membro da formação clássica do grupo, tendo entrado para substituir Hugh McDowell… que saíra junto com Roy Wood para formar o Wizard… e, nos anos seguintes, Mike se tornaria uma das figuras mais emblemáticas da fase áurea da ELO, graças ao seu estilo bombástico no cello, que combinava perfeitamente com a concepção de Jeff Lynne e se tornava ainda mais importante nas apresentações ao vivo, em que ele chegava a ser foco das famosas pirotecnias sempre presentes nos shows.

Nos solos, ele chegava a usar uma laranja para tocar o seu cello… que, ainda por cima, explodia no clímax do show… mas sua contribuição foi muito além disso, ajudando a compor a tapeçaria sonora da Eletric Light Orchestra, onde os arranjos complexos e grandiosos ajudavam a atravessar as barreiras entre a música pop e a erudita, conferindo ao grupo uma posição singular no mundo do rock… que ele ocuparia até sua bem sucedida, mas desastrosa, participação no musical Xanadu de Olívia Newton John… em 1980.

Mas Mike Edwards já havia deixado o grupo nessa época… ele saiu em 75, continuando seu trabalho como instrumentista, além de suas outras atividades como devoto do guru Rajneesh, usando nome Swami Deva Pramada… ele estava em sua camionete, nos arredores de sua casa, em Devon, quando um fardo de feno rolou colina abaixo e o esmagou… parece incrível, mas foi isso mesmo… só nos resta lembrar a sua figura endiabrada, que escolheu uma forma bizarra para deixar a nossa insípida realidade.

Vocês ouviram com o Eletric Light Orchestra as faixas “From the Sun to the World”, “Ocean Breakup/King of the Universe”, “New World Rising/Ocean Breakup”, “Showdown” e “Boy Blue”…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir um dos grandes guitarristas do final dos anos 60, que se tornou um dos fenômenos da música pop dos 70 e está voltando a surpreender depois de um longo tempo no ostracismo… o velho menino loiro do rock… Peter Frampton.

Ele já chamava a atenção como uma das promessas da guitarra em 66, quando  ainda tinha 16 anos e era guitarrista do grupo The Herd… e esta foi uma promessa que pareceu realizar-se quando ele fundou em 68 o grande Humble Pie junto de Steve Marriot dos lendários Small Faces… e nos anos seguintes eles lançariam álbuns clássicos como “As safe as yesterday is”, “Humble Pie” e “Town and Country”…

Mas a imagem radiante do jovem Frampton, com seus cachinhos dourados, acabou vencendo… ele deixou o grupo para se tornar um astro da música pop… e lançaria em 76 o álbum “Frampton comes alive!” que se tornaria o disco ao vivo mais vendido da história, uma posição que manteria por décadas… enquanto a imagem de Peter como grande guitarrista se perdia, afogada pelo seu estrondoso sucesso.

Mas toda a glória é efêmera… e o sucesso foi sucedido pelo esquecimento, e muitos já o contavam como um nome perdido do rock dos anos 60/70… até ele lançar em 2006 o álbum “Fingerprints”… considerado um dos discos do ano e ganhador do Grammy de Melhor Álbum Instrumental… e é esse trabalho excepcional que nós selecionamos para o Art Rock de hoje… o seu lançamento mais recente, o excelente álbum, “Thank you Mr. Churchill”… fica para outro programa.

Você ouviram Peter Frampton com “Boot it up”, “Black Hole Sun”, “Float”, “Cornerstones”, “Double Nickles” e “Souvenirs de nos pere”… faixas do genial “Fingerprints”, ganhador do Grammy de Melhor Álbum Instrumental de 2006.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado…

Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ELO

BG – 10538 0VERTURE

1. FROM THE SUN TO THE WORLD – 7:16

2. OCEAN BREAKUP – KING OF THE UNIVERSE – 4:07

3. NEW WORLD RISING – OCEAN BREAKUP – 4:07

4. SHOWDOWN – 4:12

5. BOY BLUE – 5:19

BG – LAREDO TORNADO

TOTAL – 25:01

FRAMPTON

BG – BLOWING SMOKE

1. BOOT IT UP – 3:27

2. BLACK HOLE SUN – 5:26

3. FLOAT – 4:04

4. CORNERSTONES – 3:13

5. DOUBLE NICKLES – 3:49

6. SOUVENIRS DE NOS PERES – 4:57

BG – IDA Y VUELTA

TOTAL – 24:56

Total geral: 49:57

Ouça o Art Rock com o ELO & Peter Frampton que foi ao ar no dia 12/09/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Caravan & Gong

Posted in Programas with tags , on 13/10/2010 by Artrock

“Boa noite, hoje vamos atender o pedido do nosso ouvinte Sérgio Visentin que visitou o blog do programa em https://artrock.wordpress.com… e pediu para a gente fazer um programa com o grande Caravan, um dos fundadores do chamado Canterbury Sound…

O Caravan descendia do Wilde Flowers, que era um verdadeiro quem é quem do som de Canterbury, que contava em sua formação com Kevin Ayers, Robert Wyatt, Pye Hastings, Hugh e Brian Hopper e Richard e Dave Sinclair… e foi depois da separação desse grupo lendário que 4 dos seus integrantes – Hugh, Dave, Richard e Pye – resolveram formar o Caravan, que logo se tornou uma verdadeira sensação na Swingin’ London… em 1968.

Mas eles só começariam a alcançar alguma repercussão fora do circuito de bares londrinos depois do seu segundo álbum, “If I Could do it Again, I’d do it All Over You”, de 70… a partir de então, o Carvan se manteria como um dos grupos mais originais do prog. inglês, misturando não apenas elementos das mais diferentes linguagens musicais em uma combinação própria, mas também incluindo pitadas de um humor e ironia que se tornariam as suas marcas registradas.

O grupo teve muitas formações e acabou se separando no final dos anos 70… mas reuniu-se novamente em 1990 para o que deveria ser apenas uma aparição especial na televisão, mas acabou se tornando um retorno para valer… eles lançaram trabalhos de estúdio como “The Battle of Hastings” de 95 e “The Unauthorized Breakfast Item” de 2003… mas nós selecionamos para o program de hoje faixas do álbum “Caravan” de 68 e também de “In the Land of Grey and Pink”, de 71…

Vocês ouviram com o Caravan, “Place of my own”, “Ride”, “Magic Man”, “Winter Wine” e “In the land of grey and pink”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vocês vão ouvir uma das surpresas do ano de 2009… um lançamento de estúdio do grande Gong… retornando com uma formação de primeira e continuando a sua lendária trilogia de álbuns dos anos 70…

Esse decano do prog. e do space rock dos anos 60 & 70… surgiu quando o guitarrista australiano Daevid Allen teve problemas com o seu visto de permanência na Inglaterra e se mudou para a França… deixando o seu primeiro grupo, o grande Soft Machine… mas ele já tinha ideias para um novo projeto: o incomparável Gong, lançando em 71 o primeiro álbum, “Camembert Electrique”… onde já havia indícios da viagem a um pacífico planeta habitado pelos Octave Doctors, Radio Gnomes e Pothead Pixies…

Os nomes dos habitantes do Planeta Gong são uma metáfora para músicos, divulgadores e ouvintes… o triângulo de personagens aos quais se junta o protagonista Zero the Hero…formando o núcleo dos álbuns que formariam a genial Radio Gnome Trilogy… mas o grupo teria muitas fases diferentes, experimentando com o jazz-rock e chegando a se desmembrar em vários sub-grupos como o Mother Gong, o Gongzilla e o Planet Gong… uma verdadeira família de grupos progressivos.

A família Gong continua na ativa… e o álbum conceitual “2032”, lançado em 2009, nos conta do retorno dos Octave Doctors, representantes do Planeta Gong, para uma visita à Terra, seguindo o último relatório de Zero para encontrar um mundo que mudou muito… e para contar esse novo capítulo da história, Daevid Allen chamou novamente membros da formação clássica do grupo, como Steve Hillage, Gilli Smyth, Miquette Giraudy, Mike Howlett e Didier Malherbe… uma viagem  imperdível…

Você ouviram o Gong com “The Year 2032”, “Guitar Zero”, “The Gris Gris Girl”, “Wave and A Particle” e “Portal”… faixas extraídas do álbum “2032” de 2009.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

CARAVAN

BG – GOLF GIRL

1. PLACE OF MY OWN – 4:08

2. RIDE – 3:45

3. MAGIC MAN – 4:02

4. WINTER WINE – 7:36

5. IN THE LAND OF GREY AND PINK – 4:59

BG – LOVE TO LOVE YOU (AND TONIGHT PIGS WILL FLY)

TOTAL – 24:30

GONG

BG – DIGITAL GIRL

1. THE YEAR 2032 – 5:39

2. GUITAR ZERO – 4:55

3. THE GRIS GRIS GIRL – 6:29

4. WAVE AND A PARTICLE – 2:05

5. PORTAL – 7:08

BG – ESCAPE CONTROL DELETE

TOTAL – 26:16

Total geral: 50:46

Ouça o Art Rock com o Caravan & Gong que foi ao ar no dia 05/09/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Blue Öyster Cult & Magnum

Posted in Programas with tags , on 04/10/2010 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos no programa dois grupos de hard prog. da geração dos anos 70… ambos ainda em plena atividade quarenta anos depois.

Vamos começar com uma lenda do rock americano, que surgiu em 67 com o nome de Soft White Underbelly… mas já contavam com o grande guitarrista Donald “Buckdharma” Roeser e com o baterista Albert Bouchard… e tinham Sandy Pearlman e Richard Meltzer cuidando da produção e compondo as letras psicóticas que se tornariam a sua marca registrada.

Eles acabaram mudando de nome primeiro para Oaxaca e depois para Stalk-Forest Group, quando o vocalista Eric Bloom entrou para a formação… mas foram encarnações de vida curta… só em 71 nasceria a sua versão definitiva, usando um nome ainda mais misterioso: The Blue Öyster Cult… e adotando toda uma simbologia e rituais herméticos, que hoje pareceriam saídos de um livro de Dan Brown… e que foram o suficiente para eles se tornaram uma sensação nos gloriosos anos 70.

O culto continuaria crescendo, atraindo até a colaboração de figuras como Pati Smith e Stephen King, que os ajudaria a se recuperar de uma fase difícil no final dos anos 80… atualmente eles continuam estão na estrada, incluindo shows antológicos junto de outros veteranos como o Foghat e o Aerosmith… e, para hoje, nós selecionamos faixas dos álbuns “Fire of Unknown Origin” de 81 e “Imaginos” de 88.

Vocês ouviram com o Blue Öyster Cult as faixas “Veteran of the psychc wars”, “Vengeance (the pact)”, “Joan Crawford”, “Imaginos” e “Blue Öyster Cult”…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora nós vamos trazer outro grande sobrevivente… o Magnum, grupo de Birmingham que surgiu em meados dos anos 70 e continua em plena atividade nessa primeira década do século XXI.

Desde o seu primeiro álbum, “Kindom of Madness” de 78, o Magnum sofreu comparações com o grupo americano Kansas, por suas vocalizações e pela atmosfera de seus discos… e ele sempre tentou manter uma atitude diferente dentro do rock britânico, com faixas que misturavam momentos progressivos com riffs pesados e que influenciariam muito do que viria a ser chamado de heavy melódico.

Enquanto outros grupos de sua geração declinaram nos anos 80, o Magnum só fez aumentar em popularidade, com trabalhos muito bem recebidos e de bastante sucesso dentro do mercado europeu… só no final da década de 90 é que eles ameaçaram se separar, anunciando uma tour de despedida… mas foi só um alarme falso, pois voltariam a se reunir em 2001, lançando no ano seguinte o álbum “Breath of Life”.

Eles ainda contam com o seu vocalista original, Bob Catley e também com o guitarrista e vocalista Tony Clarkin… e o seu álbum de 2009 foi “Into the valley of the Moon King”, mas eles anunciaram mais um trabalho para 2011… “The Visitation”… que vai ficar para outro Art Rock… por hoje vocês ficam com faixas do álbum de estreia do grupo e também de “Magnum 2”, de 79…

Com o Magnum, vocês ouviram “In the Beginning”, “Kingdom Of Madness”, “Invasion”, “Lords of Chaos” e “Great Adventure”.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado…

Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

BLUE ÖYSTER CULT

BG – I AM THE ONE YOU WARNED ME OF

1. VETERAN OF THE PSYCHIC WARS – 4:49

2. VENGEANCE (THE PACT) – 4:40

3. JOAN CRAWFORD – 4:53

4. IMAGINOS – 5:44

5. BLUE ÖYSTER CULT – 7:16

BG – SOLE SURVIVOR

TOTAL – 27:22

MAGNUM

BG – THE BRINGER

1. IN THE BEGINNING – 7:35

2. KINGDOM OF MADNESS – 4:24

3. INVASION – 3:18

4. LORDS OF CHAOS – 3:21

5. GREAT ADVENTURE – 4:53

BG – REBORN

TOTAL – 23:35

Total geral: 50:57

Ouça o Art Rock com o Blue Öyster Cult & Magnum que foi ao ar no dia 29/08/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Wandula & THZ Studio

Posted in Produto Nacional, Programas with tags , on 01/10/2010 by Artrock

“Boa noite, vamos começar o programa de hoje com um grupo que é um dos melhores exemplos do rock alternativo de Curitiba, o genial Wandula…

Criado em 99, o Wandula surgiu quando o tecladista Marcelo Torrone ainda estava no grupo Plêiade… ele tinha acabado de lançar seu primeiro álbum solo, “Pianoworks”, e resolveu chamar seu colega de grupo, o vocalista e guitarrista Claudio Pimentel para fazerem umas experiências… o mesmo que já vinha fazendo com a interprete e instrumentista Edith de Camargo, de origem suíça, mas radicada no Brasil.

Os três acabariam se unindo em um novo grupo… o Wandula, que é diminutivo polonês para o nome Wanda, e que procuraria se definir não por uma sonoridade específica, mas pelo princípio da exploração das possibilidades da música, misturando elementos de origens distintas, indo de Erik Satie a Kurt Weill e de Nick Drake e Pearls Before Swine a Nick Cave e Cocteau Twins… uma alquimia própria, que nunca sossega em um estilo ou época e sempre envolve o ouvinte de forma surpreendente.

Eles lançaram o álbum “Wandula” em 2002, seguido de um trabalho ao vivo em 2005 e do duplo “La Récréation” em 2007… atualmente, só Marcelo e Edith continuam da formação original… mas, apesar das mudanças, a sonoridade permaneceu viva e multiforme… como agora, com a saída temporária do guitarrista Rafael Martins, que foi substituído pela violista Ana Paula Cervelinni… e eles estão começando a preparar um novo disco… mas, para hoje, nós selecionamos material mais antigo…

Vocês ouviram com o Wandula as faixas “Love Tears”, “Tenho os olhos abertos no escuro”, “Rocambolesco”, “Sobre a mesa um fim de século”, “Moedas de açúcar”, “Noturna” e “Paisagem Progressiva #1”… faixas extraídas do álbum “Wandula”, de 2002.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora nós vamos trazer um lançamento que tem o objetivo de divulgar o trabalho de bandas com repertório próprio, mas sem muita visibilidade na mídia.

A coletânea que vamos divulgar nessa segunda parte do programa é a segunda de uma série que surgiu de uma iniciativa do produtor musical Nilton Andrade, um profissional que vem atuando na cena musical curitibana desde a década de 90, e tem se dedicado a apoiar os grupos novos e também aqueles que, apesar de já ter alguma experiência, não conseguiram se inserir no mercado através de contratos com as grandes gravadoras.

Para tentar minimizar esse problema, a ideia foi produzir coletâneas reunindo várias bandas, representando diferentes estilos de rock e tendo como referência a existência de uma produção de material próprio, garantindo assim a originalidade do projeto e também o comprometimento dos músicos envolvidos com suas propostas individuais.

Além da coletânea “Universo Pop & Rock THz Studio – Vol.1”, lançada em 2007, foram organizados eventos para divulgar as bandas vinculadas ao projeto… e agora está para sair mais um lançamento da série, reunindo faixas de oito bandas que se apresentarão em Curitiba, no próximo dia 18 de setembro, as 22hs, no espaço “A Casa do Tal”, na Av. Brasília 5086… promovendo a nova coletânea: “THz Studio – Vol.2”.

Vocês ouviram o TeraHertZ com “Mundo Inconstante”, os Expressonantes com “Mente Louca”, Alysson Rodrigues com “Noite em claro”, Ganbiaha com “Mais dias menos dias” e, para fechar, o Javali Banguela com “Jardim dos Mortos” e “Tempo que for”.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado…

Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

WANDULA

BG – LA MAISON DE L’ARAIGNÉE DE LA MEA

1.LOVE TEARS – 2:25

2.TENHO OS OLHOS ABERTOS NO ESCURO – 3:20

3.ROCAMBOLESCO – 2:46

4.SOBRE A MESA UM FIM DE SÉCULO – 4:09

5.MOEDAS DE AÇUCAR – 4:24

6.NOTURNA – 3:16

7.PAISAGEM PROGRESSIVA #1 – 4:48

BG – SOM NOVO

TOTAL – 25:08

THZ Studio

BG – DETALHES – TAKEOFF

1.MUNDO INCONSTANTE – TERAHERTZ – 4:16

2.MENTE LOUCA – EXPRESSONANTES – 5:27

3.NOITE EM CLARO – ALYSSON RODRIGUES – 4:01

4.MAIS DIAS MENOS DIAS – GAMBIAHA – 4:20

5.JARDIM DOS MORTOS – JAVALI BANGUELA – 4:09

6.TEMPO QUE FOR – JAVALI BANGUELA -3:44

BG – AMANHÃ PODE SER SIM – ALYSSON RODRIGUES

TOTAL – 25:57

Total geral: 51:05

Ouça o Art Rock com o Wandula THZ Studio que foi ao ar no dia 29/08/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *