Arquivo para janeiro, 2011

Saturnalia & Bob Dylan

Posted in Programas with tags , on 26/01/2011 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos nosso programa especial de fim de ano, começando pela celebração da divina Saturnália… e com um grupo inglês que também era devoto do glorioso deus Saturno…

Io Saturnalia! Saturne, pater sanctissime… Saturno, o frio e sombrio, o fraco e cansado, o sábio e solitário… o impenetrável e invencível Pai Tempo, que a tudo e a todos devora… em seu nome existe a festa que anuncia o final dos anos e que seria a inspiração para membros do grupo Horse, que estavam querendo se aventurar em um novo projeto com a ajuda do grande Keith Relf dos Yardbirds…

O grupo Saturnalia seria formado por Adrian Hawkins e Aletta nos vocais, Rod Roach na guitarra, Richard Houghton no baixo e Tom Crompton na bateria… e eles lançariam seu lendário primeiro álbum, “Magical Love”, em 1969… atraindo a atenção de todo mundo não apenas pelo seu som, fortemente influenciado pelo Jefferson Airplane e outras bandas psicodélicas americanas, mas também pela capa genial do antigo LP.

O álbum tinha um encarte fantástico… e ainda por cima o vinil foi o primeiro picture-disc 3D… mas, infelizmente, a tour encerrada em grande estilo no Rainbow Theatre de Londres não foi um sucesso, e eles acabaram se separando pouco depois… seu único disco seria relançado em 73… e, com o tempo se tornaria peça de colecionador… um fragmento de uma época em que o amor ainda parecia estar prestes a voltar a ser a linguagem universal… como nas antigas orgias da verdadeira Saturnalia.

Com o Saturnalia vocês ouviram “Magical love”, “And I have loved you”, “Winchester Town”, “Traitor” e “Dreaming”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos continuar com o nosso especial de fim de ano… lembrando uma outra festa… o Natal… ou melhor: o Natalis Solis Invicti, o Nascimento do Invencível Deus Sol… que, como todos sabem, se comemora no dia 25 de Dezembro…

Seja como aniversário do Sol Triunfante, de Mitra ou de Cristo… o dia 25 de Dezembro vem sendo celebrado há muito tempo… e para lembrar essa data festiva nós selecionamos um álbum que pegou o mundo do rock de surpresa quando foi lançado em 2009… o álbum natalino de um certo Robert Allen Zimmerman, que todo mundo conhece por outro nome… Mr. Bob Dylan!

Naturalmente que Bob Dylan dispensa maiores apresentações… mas o ano de 2009 marcou um momento bem ativo, com dois lançamentos marcantes… primeiro foi o álbum “Together Through Life”, que contou com a participação de Robert Hunter, o genial letrista do Grateful Dead… e depois, quando o ano já estava para acabar, o surpreendente “Christmas at the Heart”, um álbum inteiro só com temas natalinos…

Na verdade, discos de natal são comuns e muitas figuras importantes do rock já lançaram trabalhos assim… mesmo assim é inesperado ver o velho poeta, responsável por momentos de lucidez inigualável na sua música, gravando algo assim… ainda mais porque, embora já tenha mudado de religião muitas vezes, Bob Dylan é de origem judaica… mas é claro que esse é um álbum perfeito para se dizer: Felix dies Natalis!

Vocês ouviram Bob Dylan com “Do you hear what I hear”, “I’ll be home for Christmas”, “Christmas blues”, “O’come all ye faithfull”, “Have yourself a merry little Christmas”, “Silver bells”, “The First Noel” e “O’litlle town of Bethlehen”.

O Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que é produzido pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado…

Boas festas e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

SATURNALIA

BG – STEP OUT OF LINE

1. MAGICAL LOVE – 4:33

2. AND I HAVE LOVED YOU – 3:20

3. WINCHESTER TOWN – 8:00

4. TRAITOR – 4:35

5. PRINCESS AND THE PEASANT BOY – 3:33

6. DREAMING – 2:42

BG – SHE BRINGS ME PEACE

TOTAL: 26:43

BOB DYLAN

BG – CHRISTMAS SONG

1. DO YOU HEAR WHAT I HEAR – 3:03

2. I’LL BE HOME FOR CHRISTMAS – 2:55

3. CHRISTMAS BLUES – 2:55

4. O’ COME ALL YE FAITHFULL (ADESTE FIDELES) – 2:49

5. HAVE YOURSELF A MERRY LITTLE CHRISTMAS – 4:06

6. SILVER BELLS – 2:36

7. THE FIRST NOEL – 2:31

8. O’LITTLE TOWN OF BETHLEHEN – 2:18

BG – LITTLE DRUMMER BOY

TOTAL – 20:18

GRAND TOTAL – 49:56

Ouça o Art Rock com o Saturnalia & Bob Dylan que foi ao ar no dia 26/12/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Pink Floyd & Genesis

Posted in Programas with tags , on 25/01/2011 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos no programa dois momentos marcantes do prog. inglês, com grupos que são presença obrigatória na discoteca de qualquer um que goste de rock… não importando o estilo ou a época.

E vamos começar com um dos trabalhos mais celebrados do decano da psicodelia inglesa… o álbum “Atom Heart Mother”, do grande Pink Floyd… que foi lançado em 1970 e seria o responsável por marcar o início do que seria a ascensão definitiva do grupo ao megaestrelato que alcançariam depois daquele que seria um dos discos mais importantes da história do rock, e um dos mais vendidos da história da música… o genial “The Dark Side of the Moon” de 73…

Na época de “Atom Heart Mother”, o Floyd já era cultuado, e eles estavam investindo alto, gravando pela primeira vez em uma mesa de oito canais… coisa rara naqueles tempos… e também foi o primeiro a receber mais tarde o tratamento quadrafônico… o resultado foi um álbum clássico, com uma sonoridade rica e elaborada, principalmente na faixa título… e é claro com a sua inesquecível capa mostrando a vaca Lulubelle… ideia do genial designer Storm Thorgerson…

O nome do disco, e também da impressionante suíte que dominava o lado A do vinil, foi inspirado em uma matéria do Evening Standard que descrevia uma mulher que iria receber um marca-passo movido a bateria atômica… uma invenção que, como o álbum “Atom Heart Mother”, veio de uma época distante, em que, por estranho que pareça, o futuro parecia muito mais perto…

Vocês ouviram o Pink Floyd com a genial suíte “Atom Heart Mother”…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora teremos outro grupo essencial do prog. inglês dos anos 70… o grande Genesis, que chegou a ser uma quase unanimidade de crítica e público durante a fase em que Peter Gabriel era a sua força criativa.

Claro que o Genesis também dispensa maiores apresentações, ainda mais na época de Peter Gabriel, em que o grupo não apenas fez parte da fundação da própria linguagem progressiva, no final dos anos 60, mas também se firmaria como um dos grandes representantes do estilo… tanto pela força da sua música quanto pela sua poética singular e pela criação de apresentações inesquecíveis em seus shows…

Mais tarde o grupo teria que mudar muito para sobreviver em meio a uma realidade mercadológica que passou a ignorar tudo que não fosse comercial… mas isso seria durante a era do seu segundo líder, o baterista e futuro hit maker Phil Collins, que tomaria o controle definitivo quando a outra figura dominante, o guitarrista Steve Hackett, resolveu sair também no final dos anos 70.

E para o programa de hoje nós selecionamos faixas do genial álbum “Foxtrot” de 72… dando ênfase para a épica “Supper’s Ready”… uma suíte em sete partes cujo momento culminante era representado no palco pela figura de Gabriel erguendo um longo tubo de luz negra como se fosse uma espada… anos antes de George Lucas inventar os sabres de luz de “Guerra nas Estrelas”…

Vocês ouviram o Genesis com “Time table” e “Supper’s Ready”, ambas do genial album “Foxtrot”, de 72…

O Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado…

Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

PINK FLOYD

BG – FAT OLD SUN

1. ATOM HEART MOTHER – 23:36

BG – SUMMER OF 68

TOTAL: 23:36

GENESIS

BG – WATCHER OF THE SKIES

1. TIME TABLE – 4:47

2. SUPPER’S READY – 22:58

BG – GET THEM OUT BY FRIDAY

TOTAL – 27:45

GRAND TOTAL – 51:21

Ouça o Art Rock com o Pink Floyd & Genesis que foi ao ar no dia 19/12/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Klaus Schulze & Amon Düül II

Posted in Programas with tags , on 24/01/2011 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje nós vamos trazer uma raridade da família do Tangerine Dream… com um dos seus mais famosos integrantes, o genial Klaus Schulze.

Apesar de ter pertencido a uma das formações iniciais do Tangerine Dream, junto de Edgar Froese e Conrad Schnitzler, Klaus Schulze foi baterista apenas no álbum de estreia do grupo, “Eletronic Meditation” de 69… depois ele deixaria o Tangerine para fundar o Ash Ra Tempel e começar também uma prolífica carreira solo, que continua até hoje… e com lançamentos frequentes, tanto ao vivo como de estúdio.

Além de sua parceria com Lisa Gerard do Dead Can Dance, ele também lançou um álbum triplo ao vivo “Big in Japan”, que contém dois CDs e um DVD e saiu em 2010…juntamente com mais quatro edições da sua série “La Vie Electronique”… mas, para hoje, nós selecionamos um trabalho diferente… a sua trilha sonora para o clássico pornô “Body Love”, do diretor Lasse Braun.

Lançada em 77, essa trilha é de uma época em que o cinema erótico e pornográfico ainda não havia voltado a ser perseguido, como seria a partir dos anos 80, quando acabou sendo restrito à indústria dos vídeos… hoje DVDs… perdendo assim o reconhecimento que chegou a ter na década de 70… quando um compositor de cinema como Alden Shuman podia criar a bela trilha para “The Devil in Miss Jones” e Klaus Schulze não via nenhum problema em compor os temas eletrônicos de “Body Love”…

Vocês ouviram com Klaus Schulze com “Stardancer” e “Blanche”, faixas extraídas da trilha do filme “Body Love”, em que ele contou com a ajuda de Harald Grosskopf do Wallenstein & Ash Ra Tempel…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nesta segunda parte do programa teremos um grande sobrevivente do rock alemão… que manteve sua identidade através das décadas e não se deixou abalar pelo desinteresse das grandes gravadoras.

Estamos nos referindo ao Amon Düül 2, que foi formado no final dos anos 60 por John Wienzierl, Chris Karrer e Renate Schnaup, quando resolveram deixar o grupo underground Amon Düül, famoso por seus álbuns impenetráveis onde a música era um veículo para expressar a mais pura busca liberdade em jam-sessions viajantes… mas, apesar da dissidência, eles resolveram continuar usando o nome em seu novo grupo, que mergulharia fundo no nascente universo da música progressiva…

O Amon Düül 2 alcançaria repercussão logo nos seus primeiros álbuns e em pouco tempo seria considerado um dos mais representativos grupos do progressivo alemão do início dos anos 70, com uma sonoridade complexa, recheada de texturas melódicas e com temáticas que iam do existencial à ficção científica… sem fazer concessões e, claro, sem nunca conseguir algum retorno comercial por seus esforços.

Nos anos 80, John Weinzierl chegou a trabalhar na Inglaterra, junto de Dave Anderson e Bob Calvert, ex-membros do grande Hawkwind… mas ele reformaria o Amon Düül 2 na década de 90, primeiro para uma série de concertos, mas acabando por voltar a gravar trabalhos de estúdio… o último dos quais, “Be as Such”, saiu em 2009… mas ele fica para outro programa… hoje vocês vão ouvir faixas do álbum “Live in London”, do distante ano de 1973…

Vocês ouviram o Amon Düül 2 com “Archangels thunderbird”, “Eye shaking king”, “Soap shop rock” e “Race from here to your ears”…

O Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado…

Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

KLAUS SCHULZE

BG – P.TO.

1. STARDANCER – 13:43

2. BLANCHE – 11:27

BG – P.TO.

TOTAL: 25:31

AMON DÜÜL II

BG – RESTLESS SKYLIGHT

1. ARCHANGELS THUNDERBIRD – 3:19

2. EYE SHAKING KING – 6:17

3. SOAP SHOP ROCK – 7:36

4. RACE FROM HERE TO YOUR EARS – 7:18

BG – IMPROVISATION ON GULP A SONATA

TOTAL – 24:29

GRAND TOTAL – 50:00

Ouça o Art Rock com o Klaus Schulze & Amon Düül II que foi ao ar no dia 12/12/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Mensagem aos nossos ouvintes

Posted in Programas on 24/01/2011 by Artrock

Olá ouvintes,

Vínhamos recebendo constantes avisos do serviço de aramazenamento dos links do programa, de que estávamos divulgando a pirataria. Mas como sempre explicamos, apenas fazemos upload dos programas que vão ao ar na rádio, em uma versão de baixa resolução, junto com toda a mixagem do programa. Nossa postura é contra a qualquer atitude de pirataria. Nosso intuito é apenas divulgar o programa Art Rock!

Injustamente nossa conta foi deletada, os links foram todos perdidos. Para não perdemos o nosso trabalho, iremos fazer o upload de todos os programas novamente em outro serviço de compartilhamento. Pedimos a paciência de todos, aos poucos todos os links serão atualizados.

Agradecemos a compreensão,

Equipe do Art Rock

Mars Volta & Muse

Posted in Programas with tags , on 14/01/2011 by Artrock

“Boa noite, hoje vamos trazer dois exemplos do progressivo atual… começando com um supergrupo que foi formado no Texas em 2001, mas atualmente está radicado no México… The Mars Volta.

Com um nome inspirado em uma mistura de ficção científica e Federico Fellini, o grupo surgiu a partir do De Facto… uma dissidência do At the Drive In… de onde saíram as duas figuras centrais do Mars Volta: o multi-instrumentista porto-riquenho Omar Rodrígues-López e o vocalista californiano Cedric Bixler-Zavala… e eles lançaram em 2001 o seu primeiro trabalho… o EP “Tremulant”.

Mas foi em 2003 que o Mars Volta ganhou reconhecimento, com o lançamento do primeiro álbum, o genial “De-Loused in the Comatorium”… um trabalho conceitual em torno do tema da luta interior do personagem Cerpin Taxt, mergulhado em um estado de coma… e o disco teve uma grande resposta de crítica e público, chegando a ser considerado um dos lançamentos do ano e valendo a indicação de banda revelação…

Mantendo o ritmo, eles têm lançado álbuns a intervalos regulares… todos conservando a mesma sonoridade complexa que lhes valeu o Grammy de melhor performance de hard rock de 2008, pela faixa “Wax Simulacra” do álbum “The Bedlam in Goliath”… mas, para o programa de hoje, nós selecionamos material dos dois primeiros trabalhos do Mars Volta…

Com o Mars Volta vocês ouviram “Eriatarka”, “Cygnus, Vismund Cygnus” e “The Widow”…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir outro exemplo do prog. contemporâneo… desta vez da velha Inglaterra… o Muse…

O grupo surgiu no circuito amador da cidade de Teignmouth, no sudoeste do Reino Unido… já contendo Matthew Bellamy, Christopher Wolstenholme e Dominic Howard na sua formação… e passou por vários nomes antes de se fixar em Muse e mudar-se para Londres para tentar a sorte em 1994, depois de ganharem uma disputa com bandas locais e sentirem que talvez pudessem levar a carreira musical a sério…

No começo eles conseguiram projeção graças a alguns EPs… e, depois de um contrato com o selo americano Maverick Records, lançaram em 99 o seu primeiro álbum, “Showbiz”, que já dava destaque para a guitarra e os vocais de Matthew Bellamy, mas ainda não mostrava tudo que o grupo iria explorar nos trabalhos seguintes, “Origin of Symmetry” de 2001 e “Absolution” de 2003.

Para o programa de hoje, nós selecionamos faixas do álbum “Black Holes and Revelations”, que surpreendeu ao fazer bastante sucesso nos dois lados do Atlântico, e do trabalho de 2009, “The Resistance”, que também foi muito elogiado, tanto pela sua riqueza melódica como pelo instrumental… especialmente na genial suíte “Exogenesis”…

Vocês ouviram “Kknights of Cydonia”, “United States of Eurasia” e “Exogenesis Symphony”, com o Muse…

O Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado…
Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

MARS VOLTA

BG – ROULETTE DARES

1. ERIATARKA – 6:23

2. CYGNUS, VISMUND CYGNUS – 13:02

3. THE WIDOW – 5:51

BG – DRUNKSHIP OF LANTERS

TOTAL: 25:36

MUSE

BG – MK ULTRA

1. KNIGHTS OF CYDONIA – 6:06

2. UNITED STATES OF EURASIA – 5:47

3. EXOGENESIS SYMPHONY (I, II & III) – 12:51

BG – UPRISING

TOTAL – 24:44

GRAND TOTAL – 50:20

Ouça o Art Rock com o Mars Volta & Muse que foi ao ar no dia 05/12/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Mott the Hoople & Roxy Music

Posted in Programas with tags , on 01/01/2011 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos no programa dois exemplos do lado mais sofisticado do glitter ou glam rock, começando com um grupo que surgiu nos anos 60… o grande Mott the Hoople de Ian Hunter…

Nascido em Hereford, na Inglaterra, em 68, eles se chamavam originalmente Silence, e já contavam com o guitarrista Mick Ralphs, o tecladista Verden Allen, o baixista Overend Watts e o baterista Dale Griffin… mas foi só com a entrada do vocalista Ian Hunter que o grupo realmente tomou forma, adotando o nome Mott the Hoople, tirado do romance de Willard Manus…

No começo o seu som buscava uma abordagem radical e amplificada de folk rock, com pitadas de psicodelia, mas com o tempo, e a ajuda do amigo David Bowie, o Mott the Hoople acabaria se tornando uma lenda do glam rock… fazendo sucesso nos dois lados do Atlântico e vendendo milhões de cópias de álbuns clássicos como “All the Young Dudes” de 72 e “Mott” de 73…

Eles se separariam em 1978, quando já usavam o nome de British Lions e não tinham mais nenhum membro da formação original… mas, para essa primeira parte do programa, nós selecionamos faixas do começo de sua carreira, extraídas do álbum de estreia, “Mott the Hoople” de 69 e de “Mad Shadows” de 70… e também do seu trabalho mais celebrado, o genial “All the Young Dudes”…

Com o Mott the Hoople vocês ouviram “At the Crossroads”, “Rock and Roll Queen”, “Thunderbuck Ram”, “All the Young Dudes”… e, para fechar, a versão original da clássica “Ready for Love”, que se tornaria um grande sucesso no grupo que o guitarrista Mick Ralphs montaria mais tarde… o Bad Company.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Agora teremos outro grande grupo dos anos 70 que mesclava a estética do glam rock com um som de natureza complexa e genial, o Roxy Music.

Nas suas origens o Roxy Music inspirou-se nas viagens do art rock dos anos 60, misturando elementos de pop-art com as linguagens visuais do cinema noir com uma proposta musical rica, que se formava no diálogo entre os vocais de Brian Ferry, a guitarra de Phil Manzanera, o sax de Andy MacKay e os teclados de Brian Eno…

O som do Roxy era uma amálgama de estilos que iam do vaudeville ao eletrônico… e mesmo a saída de Brian Eno, que foi substituído por Eddie Jobson do Curved Air, não chegou a comprometer a proposta do grupo, que nunca perdeu o seu prestígio com a crítica e os fãs… algo que ficou bem demonstrado com o impacto do seu retorno triunfal no ano 2000.

O que era para ser apenas uma rápida excursão com alguns shows acabou se tornando uma tour mundial que duraria dois anos… e só terminaria em outubro de 2001, com uma apresentação lendária no Hammersmith Odeon de Londres… mas, para o programa de hoje, nós selecionamos faixas de dois de seus melhores álbuns… “Stranded” de 73 e “Country Life” de 74…

Vocês ouviram “Street Life”, “A song for Europe”, “The Thrill of it All”, “A really good time” e “Prairie Rose”… com o Roxy Music.

O Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado…

Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

MOTT THE HOOPLE

BG – SOFT GROUND

1. AT THE CROSSROADS – 5:33

2. ROCK AND ROLL QUEEN – 5:10

3. THUNDERBUCK RAM – 4:47

4. ALL THE YOUNG DUDES – 3:32

5. READY FOR LOVE – 6:48

BG – SWEET JANE

TOTAL: 25:50

ROXY MUSIC

BG – THREE AND NINE

1. STREET LIFE – 3:29

2. A SONG FOR EUROPE – 5:45

3. THE THRILL OF IT ALL – 6:24

4. A REALLY GOOD TIME – 3:46

5. PRAIRIE ROSE – 5:12

BG – TRIPTYCH

TOTAL – 24:36

GRAND TOTAL – 50:26

Ouça o Art Rock com o Mott the Hoople & Roxy Music que foi ao ar no dia 28/11/2010, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *