Camel

“Boa noite, hoje vamos atender ao pedido de um dos nossos ouvintes mais assíduos, o Welber, que sugeriu um programa com um grupo que a gente não traz faz algum tempo no nosso programa, o grande Camel.

Formado em 71, o Camel surgiu a partir do trio The Brew, que já contava com o guitarrista Andrey Latimer, o baterista Andy Ward e o baixista Doug Fergusson… mas foi só com a entrada do tecladista Peter Bardens que o grupo tomou forma definitiva, mudando de nome e conseguindo em 72 um contrato com o selo Decca para o lançamento do álbum “Camel”, em 73… o primeiro de longa e prestigiada carreira.

Mas eles só sairiam do anonimato a partir do ambicioso álbum conceitual “Snow Goose”, de 75, inspirado na obra de Paul Galico… que chamaria a atenção com suas suítes orquestradas e levaria a um lendário concerto no Royal Albert Hall de Londres, juntamente com a London Symphony Orchestra…

E o sucesso no cenário progressivo continuaria com os clássicos “Moonmadness” de 76 e “Rain Dances” de 77… a despeito das mudanças de formação, com a entrada de dois ex-Caravan… Richard e Dave Sinclair, para o baixo e para os teclados… mas, embora tenha seguido em frente no começo dos anos 80, o grupo acabou se separando depois da ambiciosa tour registrada no duplo ao vivo “Pressure Points”, de 84… confiram um pouco da fase mais celebrada do Camel…


Vocês ouviram “Lady Fantasy”, “Chord change” e “Highways to the Sun”, com o Camel…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar pedindo carona nas caravanas do deserto para trazer o som do grande grupo inglês Camel, que voltaria à atividade nos anos 90… e parece ter sobrevivido à crise recente devido à problemas de saúde de Andrew Latimer.

O último álbum de estúdio da primeira fase do Camel seria “Stationary Traveller” de 84… que mostrava o grupo cedendo às pressões da gravadora por um trabalho mais comercial… o sucesso de faixas como “Refugee” ajudou o grupo a tentar uma excursão que trouxe de volta Mel Collins e Peter Bardens, ao lado de novos integrantes como Ton Schepenzeel (ex-Kayak)… mas no fim eles acabaram se separando…

Só em 91 Andrew Latimer ressuscitaria o Camel, depois de ganhar uma briga na justiça pelo uso do nome… o resultado foi o álbum conceitual “Dust and Dreams”, inspirado no clássico “As Vinhas da Ira” de John Steinbeck… e a partir daí o grupo voltou a gravar e excursionar com frequência, chegando até a se apresentar no Brasil em 2001…

Andrew Latimer sofreria um transplante de medula óssea em 2007 devido à uma doença no sangue… mas, felizmente, ele se recuperou e anunciou em 2010 que já estava trabalhando em um novo álbum com o Camel… mas isso fica para outro Art Rock… por hoje vamos fechar com faixas de dois de seus melhores trabalhos de sua segunda fase… os álbuns “Harbour of tears” de 96 e “Rajaz”, de 1999…

Vocês ouviram o Camel com as faixas “Coming of Age”, “Lost and found”, “Rajaz” e “Shout”…

O Art Rock fica por aqui… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Rádio Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado…

Até a semana que vem…”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

CAMEL

BG – ANOTHER NIGHT

1. LADY FANTASY – 12:45

2. CHORD CHANGE – 6:44

3. HIGHWAYS OF THE SUN – 4:31

BG – FREEFALL

TOTAL: 24:00

CAMEL

BG – THREE WISHES

4. COMING OF AGE – 7:22

5. LOST AND FOUND -5:38

6. RAJAZ – 8:15

7. SHOUT – 5:16

BG – STRAIGHT TO MY HEART

TOTAL – 26:31

GRAND TOTAL – 50:31

Ouça o Art Rock com o Camel que foi ao ar no dia 23/01/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Anúncios

9 Respostas to “Camel”

  1. Paulo de Abreu Junior Says:

    Tenho todos os albuns (gravação de estúdio)dessa lendária banda inglesa. Divido o trabalho dele em duas fases, a primeira com o admirável tecladista Pete Bardens, e a segunda sem ele no qual ele tinha projetos solos, o que mais danificou foi saídas e entradas de músicos de outras bandas, de notar como vai perdendo a essência e a beleza musical que foi a marca registrada, já que era de selo menos comercial. No album “Harbour of Tears”, considero como o renascimento da banda pois vinha de vários fracassos anteriores e problemas internos com músicos, esse album junto com “Snow Goose” sendo os melhores de toda discografia do grupo.

  2. Augusto da Veiga Says:

    Caros, vcs tem apresentado a essência do Rock Progressivo. Os últimos programas tem sido muito gratificantes. Todos muito lindos! Calorosos parabéns a todos pelo magnífico trabalho.

  3. Luiz Fernando Motta Says:

    Curto muito o som do Gary Moore.
    Já tinha ouvido falar do Grupo Colloseum II, mas não tinha ouvido ainda.
    Muito bom!!!
    E parabéns ao Bog.

  4. Walber França Says:

    Fico igual criança fuçando os programas de voces!!!! Camel é magico! Parabéns Art Rock por divulgar trabalhos excelentes como esse.

    Walber França

  5. Vidal Says:

    Obrigado Walber… é sempre bom saber que os ouvintes estão gostando do programa… ainda mais nessa versão online, pois vai muito mais longe. Comentários como o seu é que fazem com que a gente continue em frente, valeu!

  6. […] Olá ouvintes do Art Rock! O programa da semana passada (dia 26-01-2013), foi um reprise com o Camel. Confiram o programa reprisado, clicando aqui. […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: