Arquivo para agosto, 2011

The Doors & Jim Morrison

Posted in Programas with tags , on 23/08/2011 by Artrock

” Boa noite, no programa de hoje nós vamos atender a pedidos dos nossos ouvintes online e trazer um pouco de um dos  um dos mais importantes grupos dos anos 60… The Doors…


Em 1985, Valdir Montanari lançou seu livro “O Rock Progressivo”, uma referência obrigatória para quem gostava de prog. rock em uma época em que não havia internet…  e nesse trabalho ele surpreendeu muita gente por incluir o grupo The Doors… mas, na verdade, a dimensão da poética única desse grupo e o seu impacto como fenômeno cultural, transcendem em muito os limites das definições rígidas de estilos musicais.

Os Doors nasceram em 65, em Los Angeles, com a reunião de quatro estudantes de cinema da Universidade de Berkeley… o tecladista Ray Manzarek, o guitarrista Robby Krieger, o baterista John Densmore e o vocalista Jim Morrison… dono de uma grande voz e também de uma sensibilidade poética que ia de Rimbaud e Baudelaire… até Walt Whitman e Robert Frost… sem deixar de lado, é claro, a inquietude beatnick…

Desde o primeiro álbum sua música já aparecia cheia de imagens líricas, mas perturbadoras, principalmente para a conservadora cultura americana… algo que ficava ainda mais claro nos polêmicos shows do grupo… e a sonoridade dos Doors era única na era psicodélica, devido à ausência de um baixista, que levava os teclados de Ray Manzarek a uma posição dominante, junto do vocal de Jim Morrison… para essa primeira parte do programa nós selecionamos faixas dos álbuns “Strange Days”, “Morrison hotel” e “L.A. Woman”…

Vocês ouviram The Doors com as faixas “Strange days”, “When the music is over”, “Waiting for the Sun” e “L. A. Woman”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E E nós vamos continuar trazendo um pouco do genial grupo americano The Doors, que continua um fenômeno forte hoje, quase 40 anos depois que Jim Morrison deixou nosso plano da realidade.


O nome do grupo havia sido tirado do livro “As portas da percepção” de Aldous Huxley… mas era também uma citação da célebre frase do grande William Blake, um dos maiores poetas da língua inglesa… que nos lembrava que “quando as portas da percepção forem abertas, todas as coisas parecerão aos homens tal como verdadeiramente são… infinitas.”

Muitos já tentaram decifrar o impacto do grupo, como o cineasta Oliver Stone em seu filme “The Doors”… mas a maioria das narrativas se perde em meio ao moralismo ou a superficialidade… na verdade eles eram uma amálgama de uma época em que o rock, realmente, progredia em todas as direções… infelizmente, a viagem do seu genial vocalista terminaria em 3 de julho de 1971, pouco tempo depois de deixar os Doors…

Eles lançariam mais dois álbuns antes de se separar em definitivo no ano seguinte… e só voltariam em 2002 com Ian Astbury do grupo The Cult nos vocais e, depois de 2007, com outros vocalistas… mas, além disso, sairia em 2010 o premiado documentário “When you’re Strange”… e, em 2011, Ray Manzarek surpreenderia com o grande álbum “Translucent Blues”, junto do guitarrista Roy Rogers… só que isso fica para outro Art Rock, para fechar o programa de hoje nós selecionamos “An American Prayer”, o álbum com poemas de Jim Morrison musicados pelos Doors…

Vocês ouviram Jim Morrison com “Ghost Song”, “Newborn awakening”, “Black polished chrome”, “Latino chrome”, “Stoned immaculate”, “Curses and invocations”, “An American prayer”, “An hour of magic”, “Freedom exists”, “A feast of friends” e “The ghost song”.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

THE DOORS

BG – FIVE TO ONE

1.    STRANGE DAYS – 3:07

2.    WHEN THE MUSIC IS OVER – 10:55

3.    WAITING FOR THE SUN – 3:59

4.    L.A. WOMAN – 7:49

BG – RIDERS ON THE STORM

TOTAL – 25:50

JJIM MORRISON

BG – ROADHOUSE BLUES

1.    GHOST SONG – 2:51

2.    NEWBORN AWAKENING – 2:26

3.    BLACK POLISHED CHROME – 1:08

4.    LATINO CHROME – 2:15

5.    STONED IMMACULATE – 1:33

6.    CURSES AND INVOCATIONS – 1:58

7.    AN AMERICAN PRAYER – 3:04

8.    AN HOUR OF MAGIC – 1:18

9.    FREEDOM EXISTS – 0:20

10.    A FEAST OF FRIENDS – 2:11

11.    THE GHOST SONG – 5:16

BG – ROADHOUSE BLUES

TOTAL – 24:17

TOTAL GERAL: 50:07

Ouça o Art Rock com o The Doors & Jim Morrison que foi ao ar no dia 23/07/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Anúncios

Steve Hackett & John Wetton

Posted in Programas with tags , on 23/08/2011 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje nós vamos começar atendendo ao nosso ouvinte Augusto da Veiga… e trazendo um pouco do grande guitarrista Steve Hackett, que manteve uma prolífica carreira solo depois que deixou o Genesis em 77.

Claro que Stephen Richard Hackett é uma figura bem conhecida de todo bom roqueiro e mais ainda dos prog. rockers… isso desde os tempos em que comandava as guitarras do grande Genesis… mas a sua carreira solo é reúne trabalhos que mergulham nas mais diversas possibilidades sonoras da guitarra, um instrumento que ele domina como poucos.

Já trouxemos Steve Hackett várias vezes no nosso programa, desde seus clássicos primeiros álbuns “Voyage of the Acolyte” de 75 e “Please don’t touch” de 78, até seus trabalhos dos anos 90… mas para o programa de hoje nós selecionamos um pouco de seu álbum de 2009, “Out of the tunnel’s mouth”, o primeiro depois do final de seu casamento de mais de 30 anos com a artista plástica brasileira Kim Poor.

O álbum mostra toda a técnica impecável de Steve Hackett, somada com a melancolia do momento que havia passado, envolvido nos processos legais para o divorcio… e tendo ao seu lado o apoio de alguns amigos de peso, como o baixista Chris Squire do Yes e também Anthony Phillips… o guitarrista original do Genesis, que Hackett substituiu em dezembro de 1970…

Vocês ouviram Steve Hackett com “Fire on the Moon”, “Nomads”, “Emerald and Ash” e “Still Waters”, faixas de seu álbum “Out of the tunnel’s mouth”, de 2009…

A gente volta já.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

 E agora vamos trazer mais um lançamento de 2011… “Raised in Captivity”, o novo álbum solo de um dos grandes baixistas e vocalistas do prog. inglês… o onipresente John Wetton.


Com uma carreira que começou nos distantes anos 60, John Wetton é um dos nomes mais constantes da história do rock… dono de um currículo no mínimo invejável… Family, King Crimson, Uriah Heep, Roxy Music, Wishbone Ash, UK, Asia, iCon e Qango, para não falar na sua carreira solo e nas suas participações em trabalhos de várias gerações de músicos tanto no prog. como no pop, no folk e até no heavy metal…

Na década passada ele experimentou bons e maus momentos, envolvendo-se com inúmeros projetos, incluindo um retorno com a formação clássica do Asia, que levaria não apenas a tours de grande sucesso, mas também ao álbum “Phoenix” e a uma excursão conjunta com o Yes… mantendo um ritmo incessante que acabaria levando a uma crise e uma cirurgia cardíaca, que não afetou em nada a sua energia e vontade de trabalhar.

Recuperado física e musicalmente, John Wetton voltaria a gravar e excursionar ainda naquele ano… e ele continuaria firme desde então… o álbum “Raised in Captivity” é uma combinação eclética de sons e estilos, e reúne um pequeno grupo de amigos… nada de mais… apenas Steve Hackett, Mick Box, Steve Morse, Eddie Jobson, Tony Kaye, Geoff Downes, Billy Sherwood… e o próprio Robert Fripp!

Vocês ouviram John Wetton com “Lost for words”, “The human condition”, “Steffi’s ring”, “The Devil and the opera house” e “Mighty Rivers”, que teve o vocal de Anneke Van Giersbergen do grupo holandês The Gathering e a Orquestra Sinfônica de Seattle…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

STEVE HACKETT

BG – TUBEHEAD

1.    FIRE ON THE MOON – 6:11

2.    NOMADS – 4:31

3.    EMERALD AND ASH – 8:59

4.    STILL WATERS – 4:36

BG – GHOST IN THE GLASS

TOTAL – 24:18

JOHN WETTON

BG – RAISED IN CAPTIVITY

1.    LOST FOR WORDS 4:59

2.    THE HUMAN CONDITION – 5:22

3.    STEFFI’S RING – 2:37

4.    THE DEVIL AND THE OPERA HOUSE – 6:51

5.    MIGHTY RIVERS – 5:20

BG – WE STAY TOGETHER

TOTAL – 25:11

TOTAL GERAL: 49:29

Ouça o Art Rock com o Steve Hackett & John Wetton que foi ao ar no dia 16/07/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Yes

Posted in Programas with tags on 15/08/2011 by Artrock

” Boa noite, no programa de hoje nós vamos trazer o novo trabalho de um dos decanos do rock progressivo, o grande Yes… com o recém lançado álbum “Fly from here”.


Naturalmente o Yes dispensa quaisquer apresentações, pois é uma carta marcada em qualquer baralho progressivo… e presença obrigatória na discoteca de qualquer um que tenha interesse no rock em geral e no prog. em particular… mas já fazia algum tempo que eles não lançavam nada novo, e o álbum “Fly from here” marca também um momento de mudanças para o grupo, com a entrada de um novo vocalista… Benoît David.

Com o brilhante álbum “Magnification”, de 2001, o Yes havia resgatado sua sonoridade clássica, retomando os contatos com Rick Wakeman para as excursões que se seguiram, em especial a tour de 35 anos do grupo, em 2004… mas, apesar do entusiasmo dos fãs, a realidade é que o álbum tinha sido um fracasso de vendas, a despeito de ser um dos melhores trabalhos do Yes desde a sua fase áurea.

Sem querer correr novos riscos, o vocalista Jon Anderson estava relutante em gravar um novo álbum de estúdio… ao contrário dos outros integrantes, que queriam aproveitar o bom momento com o sucesso das tours mundiais… e, para completar, Jon Anderson teve problemas de saúde, e eles tiveram de conseguir um substituto para a excursão de 2008… foi o começo da crise que levaria a novas mudanças no grupo… e também ao seu retorno com o álbum “Fly from here”… vamos conferir um pouco desse novo trabalho do Yes.

Vocês ouviram o Yes com a faixa “Fly from here”, uma suíte em seis partes que é a faixa título do seu novo álbum, marcando o início de mais uma fase na longa carreira desse grande grupo…

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos trazer mais um pouco do novo álbum do Yes… “Fly from here”… o primeiro registro do grupo sem Jon Anderson, desde o malogrado “Drama” de 1980.

A tour de 2008-2009, denominada “In the Present”, contava com o vocalista Benoît David, ex-Mystery… que tinha impressionado Steve Howe e Chris Squire por sua performance no grupo Close to the Edge… uma banda cover do Yes… e ele não foi a única mudança no grupo, que agora contava com os teclados de Oliver Wakeman, no lugar do pai Rick… que preferiu manter distância do projeto…

No começo, todos insistiam que era uma substituição temporária, mas o clima com Jon Anderson foi se agravando… quando ele se recuperou, saiu em uma tour junto com Rick Wakeman… e, a essa altura, os membros remanescentes do Yes já estavam confirmando Benoît David como o novo vocalista do grupo… ao mesmo tempo que anunciavam estar preparando material para um novo álbum.

E o disco sairia finalmente em 2011, mostrando um Yes renovado, mas diferente… e as mudanças não acabaram, pois, depois do lançamento do disco, Geoff Downes assumiu os teclados no lugar de Oliver Wakeman… e como Trevor Horn já está cuidando da produção, o Yes está de novo com a formação do álbum “Drama”… e é só esperando para ver no que isso vai dar, mas enquanto isso vamos ouvir mais um pouco de “Fly from here”…

Vocês ouviram o Yes com “The man you always wanted me to be”, “Life on a film set”, ‘Hour of need”, “Into the storm” e “Tempus fugit”, que é uma faixa do álbum “Drama” de 1980…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

YES

BG – INTO THE STORM

1.    FLY FROM HERE – 23:52

BG – SOLITAIRE

TOTAL – 23:52

YES

BG – DOES IT REALLY HAPPEN?

1.    THE MAN YOU ALWAYS WANTED ME TO BE – 5:07

2.    LIFE ON A FILM SET – 5:01

3.    HOUR OF NEED – 3:07

4.    INTO THE STORM – 6:54

5.    TEMPUS FUGIT – 5:16

BG – MACHINE MESSIAH

TOTAL – 25:25

TOTAL GERAL: 49:17

Ouça o Art Rock com o Yes que foi ao ar no dia 09/07/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Styx

Posted in Programas with tags on 10/08/2011 by Artrock

” Boa noite, hoje teremos um programa com um dos grandes grupos do chamado pomp rock, o Styx…


Na verdade o termo pomp rock surgiu como forma de diferenciar as bandas progressivas inglesas das americanas, em parte devido ao apelo mais comercial que muitos identificavam em grupos como o Kansas ou o próprio Styx… mas, embora não fosse uma expressão muito elogiosa, o termo pegou e acabou se tornando quase uma definição do prog. rock americano, apesar dos protestos dos fãs mais radicais.

E a verdade é que esse tipo de som realmente teve uma grande repercussão no rock americano dos anos 70… e o Styx foi um dos grupos mais bem sucedidos, com sua mistura de elementos progressivos com melodias contagiantes, construídas em meio a arranjos complexos e solos de teclado e guitarra… uma sonoridade que já estava presente em seus primeiros trabalhos.

O grupo se chamava originalmente The Tradewinds, mudando para TW4 em 65… mas nessa época eles eram só estudantes com um grupo amador… foi só em 72 que eles se tornaram o Styx… com uma formação que incluía o tecladista e vocalista Dennis DeYoung, os irmãos Chuck e John Panozzo, no baixo e bateria e o guitarrista e vocalista James Young… vamos conferir um pouco dos álbuns “Equinox” de 75 e “Crystal Ball” de 76…

Vocês ouviram “Light up”, “Mother dear”, “Born for adventure”, “Put me on” e “This old man”… com o Styx…

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar trazendo um pouco da fase clássica do Styx… que foi dos poucos grupos do rock da década de 70 a não sofrer com as mudanças do mercado musical no começo dos anos 80…

Na verdade a fase mais consagrada do Styx começaria com seu álbum de 77… “The Grand Illusion” e seguiria por uma série de álbuns de grande sucesso comercial, culminando no álbum conceitual “Paradise Theater” de 1980 e na opera-rock “Killroy was here” de 83, que chegou a doAdicionar uma imagemminar as FMs, graças ao hit “Mr. Roboto”… um daqueles momentos em que o sucesso acaba por marcar um grupo e prejudicar seus trabalhos seguintes.

Em 84 eles lançariam o álbum ao vivo “Caught in the act”, já sem o guitarrista e vocalista Tommy Shaw… e, a partir daí, os outros membros do grupo seguiriam com uma série de projetos solo… só em 1990 o Styx voltaria com “Edge of the century”, mas apesar de bem recebido o álbum não garantiu um retorno definitivo do grupo, que tentaria novamente em 1999 com “Brave New World”… o último disco a contar com Dennis DeYoung.

Atualmente James J.Y. Young e Tommy Shaw mantém vivo o grupo, que continua em atividade… e, em 2011, eles anunciaram uma tour conjunta com o Yes… mas, para essa segunda parte do programa nós selecionamos faixas dos clássicos álbuns “The Grande Illusion” de 77 e “Pieces of Eight” de 78…

Vocês ouviram o Styx com “The Grand Illusion”, “Castle Walls”, “The message”, “Lords of the Rings”, “Blue collar man” e “Pieces of eight”.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

STYX

BG – LONELY CHILD

1. LIGHT UP – 4:17

2. MOTHER DEAR – 5:25

3. BORN FOR ADVENTURE – 5:12

4. PUT ME ON – 4:56

5. THIS OLD MAN – 5:11

BG – MIDGNIGHT RIDE

TOTAL – 25:01

STYX

BG – MAN IN THE WILDERNESS

1. THE GRANDE ILLUSION – 4:36

2. CASTLE WALLS – 6:00

3. THE MESSAGE – 1:08

4. LORDS OF THE RINGS – 4:33

5. BLUE COLLAR MAN – 4:05

6. PIECES OF EIGHT – 4:44

BG – SING FOR THE DAY

TOTAL – 25:06

TOTAL GERAL: 48:42

Ouça o Art Rock com o Styx que foi ao ar no dia 02/07/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Bob Johnson Peter Knight & Christopher Lee

Posted in Programas with tags , on 02/08/2011 by Artrock

” Boa noite, hoje teremos no programa dois trabalhos que representam momentos diferentes na história do rock… mas ambos com uma ligação improvável: a participação de uma figura genial… o ator inglês Christopher Lee.


E nós vamos começar com “The King of Elfland’s Daughter”, de Bob Johnson & Pete Knight, ambos membros do grande grupo folk Steeleye Span… um trabalho inspirado na célebre novela de Lord Dunsany, publicada em 1924, que e considerada por muitos como precursora de toda a literatura de fantasia contemporânea… inclusive, é claro, o insuperável “Senhor dos Anéis” de J.R.R. Tolkien.

O livro de Lord Dunsany conta a historia de Alveric, que é mandado à terra dos elfos para convencer o Rei élfico a lhe dar a mão de sua filha Lirazel… o que se segue é uma história de mágica que ecoou por décadas e influenciou não apenas Tolkien, mas também C.S. Lewis e muitos outros… e, nos anos 70, renderia esse belo trabalho que teria a participação de Frank Miller, Chris Farlowe, Mary Hopkin, P.P. Arnold, Alexis Korner, Chris Spedding e Ray Cooper…

E, além desses grandes nomes do rock, esse álbum conceitual também contava com a narração de Christopher Lee, que ainda participava como o Rei dos Elfos… e essa não seria a sua única aventura no mundo do rock… como veremos na segunda parte do programa de hoje… mas confiram primeiro um pouco de “The King of Elfland’s Daughter”, de Bob Johnson & Pete Knight.

Vocês ouviram “The Request”, “Lizarel”, “Alveric’s Journey”, “Through Elfland”, “The rune of the Elf King”, “The coming of the Troll” e “Too Much Magic”, faixas do album conceitual “The King of Elfland’s Daughter” de Bob Johnson & Pete Knight.

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um trabalho para mostrar que Christopher Lee, que foi sagrado cavaleiro em 2009, está longe de se aposentar… a opera rock “Charlemagne: by the sword and the cross”.

Lançada em 2010, essa obra única reúne duas bandas e mais uma orquestra de 100 integrantes sob a regência de Marco Sabiu… e baseia-se na vida do Imperador Carlos Magno, que é interpretado pelo próprio Christopher Lee… e essa nem é a sua primeira investida no campo do heavy & prog metal, pois havia gravado com grupos como The Tolkien Ensemble da Dinamarca e, mais recentemente, o Rhapsody of Fire da Itália, com quem gravou três álbuns…

Sir Christopher nunca foi um ator de poucos papeis, apesar de inicialmente ter sido conhecido por sua marcante interpretação do Conde Drácula nos clássicos da produtora inglesa Hammer… mas ele continuou acumulando grandes personagens, e se tornaria uma figura emblemática do cinema de ficção e fantasia, com sua participação no “Senhor dos Anéis” e em “Star Wars”.

Aos 89 anos, ele continua muito ativo e o álbum conceitual “Charlemagne” não apenas ganharia prêmios internacionais, como foi muito bem sucedido e já rendeu apresentações ao vivo e também uma continuação, prometida para 2011… confiram um pouco dessa nova empreitada do incansável Christopher Lee…

Vocês ouviram Sir Christopher Lee, aos 89 anos, com as faixas “King of the Franks”, “The Iron Crown of Lombar”, “Bloody veredict of Verden” e “Starlight”.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

THE KING OF ELFLAND’S DAUGHTER

BG – WITCH

1. THE REQUEST – 2:50

2. LIZAREL – 3:09

3. ALVERIC’S JOURNEY – 4:21

4. THROUGH ELFLAND – 3:31

5. THE RUNE OF THE ELF KING – 1:54

6. THE COMING OF THE TROLL – 3:42

7. TOO MUCH MAGIC – 2:55

BG – JUST ANOTHER DAY OF SEARCH

TOTAL – 22:22

CHRISTOPHER LEE

BG – OVERTURE

1. KING OF THE FRANKS – 7:14

2. THE IRON CROWN OF LOMBAR – 8:11

3. BLOODY VEREDICT OF VERDUN – 6:15

4. STARLIGHT – 4:40

BG – FINALE

TOTAL – 26:20

TOTAL GERAL: 48:42

Ouça o Art Rock com o Bob Johnson Peter Knight & Christopher Lee que foi ao ar no dia 25/06/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *