Arquivo para setembro, 2011

Yardbirds & Andromeda

Posted in Programas with tags , on 29/09/2011 by Artrock

” Boa noite, no programa de hoje nós vamos trazer dois grandes exemplos dos anos finais da era psicodélica na Inglaterra… começando com um dos mais importantes grupos da história do rock… The Yardbirds.

Essa verdadeira escola de guitarristas surgiu nos arredores de Londres, em 1963, quando o vocalista Keith Relf e o baixista Paul Samwell-Smith ainda estavam no Metropolitam Blues Quartet e se reuniram com o guitarrista/baixista Chris Dreja e com o baterista Jim McCarty… eles resolveram mudar de nome, tornando-se, a partir de então, The Yardbirds… e começando a se apresentar na região, ainda com o seu guitarrista-líder original, Top Topham…

E se você nunca ouviu falar dele, é porque ele foi substituído por um menino que iria longe… um tal Eric Clapton, que deixaria o grupo em 65, depois do álbum “Five Live Yardbirds”, para integrar os Bluesbreakers de John Mayall… para o seu lugar ele indicaria um amigo… um garoto chamado Jimmy Page, que indicaria outro amigo… um certo Jeff Beck… e, com isso, pelo grupo acabaram passando três dos maiores guitarristas de todos os tempos…

Beck & Page tocariam juntos até o final de 66… depois disso Jeff Beck sairia para a carreira solo e os Yardbirds continuariam como um quarteto até a separação em 68… o blues amplificado e as explorações psicodélicas seriam levadas para um lado ainda mais pesado no próximo projeto de Jimmy Page… o Led Zeppelin… mas essa é uma outra história… por hoje nós ficamos com faixas do clássico álbum “Little Games” de 67…

Vocês ouviram os Yardbirds com “Smile on me”, “White summer”, “Glimpses”, “Drinking muddy water”, “No excess baggage”, “Only the blackrose”, “Goodnight sweet Josephine” e ‘Little Games”…

O Art Rock volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir um grupo que teve vida curta, mas também esteve entre os grandes momentos do hard psicodélico da virada dos anos 60 para os 70… o genial Andromeda.

Esse trio foi formado em 68 pelo grande guitarrista e vocalista John Cann (ex-The Attack), juntamente com o baixista e vocalista Mick Hawksworth e com o baterista Ian McClane… e eles fizeram alguma sensação no Middle Earth e no Marquee Club de Londres, chegando a aparecer no programa Top Gear da BBC antes de assinar com a RCA em 69…

A sonoridade mostrava bem a transição entre o paradigma psicodélico e o nascente rock progressivo, centrando-se no trabalho de guitarra de John Cann, que impressionou muita gente… mas não foi o suficiente para garantir a sobrevivência do Andromeda, em meio ao cenário repleto de novos grupos, todos disputando para conseguir se firmar.

O único album do Andromeda seria lançado em 69… e o grupo se separaria em 1970, com Mick Hawksworth seguindo para o Ten Years After, enquanto John Cann iria integrar o Atomic Rooster e faria uma pequena alteração no seu nome, passando a ser conhecido como John Du Cann e montando outros projetos nos anos seguintes… vamos ouvir um pouco desse ótimo exemplo de um grande grupo de um disco só…

Vocês ouviram o Andromeda com “Too old”, “Turn to dust”, “I can stop the Sun”, “When to stop” e “Return to Exodus”, que foi uma adaptação do tema de Ernest Gold para o célebre filme de Otto Preminger, de 1960.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

THE YARDBIRDS

BG: THINK ABOUT IT

1. SMILE ON ME – 3:17

2. WHITE SUMMER – 3:57

3. GLIMPSES – 4:25

4. DRINKING MUDDY WATER – 2:53

5. NO EXCESS BAGGAGE – 2:32

6. ONLY THE BLACK ROSE – 2:53

7. GOODNIGHT SWEET JOSEPHINE – 2:47

8. LITTLE GAMES (BBC SESSIONS) – 2:24

BG: LITTLE SOLDIER BOY

TOTAL: 25:08

ANDROMEDA

BG: THE REASON

1. TOO OLD – 5:00

2. TURN TO DUST – 6:53

3. I CAN STOP THE SUN – 2:11

4. WHEN TO STOP – 8:43

5. RETURN TO EXODUS – 2:29

BG: SEE INTO THE STARS

TOTAL – 25:16

TOTAL GERAL: 50:24

Ouça o Art Rock com o Yardbirds & Andromeda que foi ao ar no dia 24/09/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Anúncios

Youngbloods & Gandalf

Posted in Programas with tags , on 29/09/2011 by Artrock

” Boa noite, no programa de hoje vamos trazer dois grupos bem diferentes, mas ambos representando o rock psicodélico da Costa Leste dos Estados Unidos…

Vamos começar com o lendário grupo The Youngbloods… que surgiu em 65 como um duo folk formado pelo vocalista e baixista Jesse Colin Young e pelo guitarrista Jerry Corbitt, mas que logo cresceu com a entrada de Lowell “Banana” Levinger para o piano e Joe Bauer para a bateria… e eles chegaram a usar o nome Jesse Colin & The Youngbloods, mas acabaram encurtando quando assinaram com a RCA Records, lançando um single e o seu primeiro álbum em 1967.

O desinteresse da gravadora levou o álbum “The Youngbloods” a passar despercebido, mas isso mudou dois anos depois, quando o radialista Dam Ingram usou a faixa “Get Together” para uma promoção da rádio AM DWABC de Nova York… em poucos dias o som contagiante e a mensagem pacifista levaram a faixa ao topo das paradas… e os Youngbloods saíram do anonimato… seus álbuns começaram a ganhar destaque, inclusive o primeiro, que foi relançado com o nome “Get Together”…

A saída de Jerry Corbitt para a carreira solo levou Lowell Levinger a assumir a guitarra, mas o grupo acabaria gravando seu último registro de estúdio em 72… eles voltariam a se apresentar juntos algumas vezes, mas apenas ao vivo… seus integrantes seguiram em frente e tanto Jesse como Jerry continuam em plena atividade, com trabalhos recentes… mas, para o programa de hoje, nós selecionamos faixas dos clássicos álbuns “The Youngbloods” de 67 e “Elephant Mountain” de 69…

Vocês ouviram os Youngbloods com o hino “Get Together”, depois foi “The other side of this life”, “Foolin’around”, “Four in the morning”, “All over the World”, “Sham”, “Quicksand” e a genial “Darkness, Darkness”, um belo mas sombrio epitáfio para a geração psicodélica.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir uma verdadeira joia oculta da psicodelia americana… o Gandalf…

Na verdade esse grupo no início usava o nome The Rahgoos, ainda no começo dos anos 60… e já contava com o guitarrista Peter Sando e o baixista Bob Muller… só em 67 entrariam o tecladista Frank Hubach e o baterista Dave Bauer… e eles já eram celebrados no circuito de bares da Costa Leste, quando chamaram a atenção de produtores da Capital Records, que ofereceram um contrato com a condição de que mudassem de nome.

E, como o batera Dave Bauer estava lendo “O Hobbit” na época, ele acabou sugerindo o nome do mago Gandalf… uma citação tolkienesca que não tinha muito a ver com o som do grupo, mas agradou a gravadora… o suficiente para que eles gravassem um álbum genial… mas, infelizmente, foi outro grande trabalho que permaneceria engavetado por quase de dois anos… e a primeira prensagem ainda sairia com o disco errado!

No fim o erro foi retificado, mas a essa altura as chances do grupo já haviam desaparecido… só mesmo a locutora Alison Steele, a lendária “Nightbird” da FM WNEW tentou promover o Gandalf em seu programa nas madrugadas de Nova York… com o tempo, o álbum se tornaria uma relíquia de colecionadores da era psicodélica, até o seu relançamento em CD… confiram um pouco dessa promessa frustrada dos anos 60…

Vocês ouviram o Gandalf com “Golden earrings”, “Hang on to a dream”, “You upset the grace of living”, “Can you travel in the dark alone”, “Nature boy”, “Me about you” e “I watch the Moon”.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

YOUNGBLOODS

BG – SUNLIGHT

1. GET TOGETHER – 4:39

2. THE OTHER SIDE OF THIS LIFE – 2:31

3. FOOLIN’AROUND – 2:52

4. FOUR IN THE MORNING – 2:54

5. ALL OVER THE WORLD – 3:16

6. SHAM – 2:46

7. QUICKSAND – 2:43

8. DARKNESS, DARKNESS – 3:50

BG – DON’T PLAY GAMES

TOTAL – 25:31

GANDALF

BG – SCARLET RIBBONS

1. GOLDEN EARRINGS – 2:49

2. HANG ON TO A DREAM – 4:18

3. YOU UPSET THE GRACE OF LIVING – 2:32

4. CAN YOU TRAVEL IN THE DARK ALONE – 3:08

5. NATURE BOY – 3:08

6. ME ABOUT YOU – 4:40

7. I WATCH THE MOON – 3:54

BG – NEVER TOO FAR

TOTAL – 24:45

TOTAL GERAL: 50:26

Ouça o Art Rock com o Youngbloods & Gandalf que foi ao ar no dia 13/08/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Cartoon

Posted in Produto Nacional, Programas with tags on 22/09/2011 by Artrock

” Boa noite, hoje nós teremos mais uma vez no programa a presença da nossa amiga Ana Barbara Vicentin… e o que nós vamos ouvir hoje, Ana Barbara…

Boa noite, no programa de hoje trazemos um dos grandes expoentes do rock independente no Brasil, a banda mineira Cartoon, que está atuando desde 1995 e tem um som que é a combinação perfeita entre o rock, a música clássica e a música brasileira. Unindo instrumentos exóticos como esraj, sitar e tabla aos tradicionais baixo, guitarra, bateria e teclados, o grupo criou um estilo próprio que tem emocionado plateias em shows que são verdadeiras viagens ao mundo da música.

Além de tocar vários instrumentos, os músicos ainda cantam, trazendo uma riqueza e variedade de timbres e sons. E é nos shows que o Cartoon mostra o seu verdadeiro potencial, tanto pelo carisma dos seus integrantes quanto pela sua técnica impecável, a sensibilidade, bom humor e improviso… com um repertório de músicas próprias e também surpresas, como os “Bachthoven’s theme” (arranjo do grupo para trechos da nona sinfonia de Beethoven e Jesus, alegria dos homens de Bach).

Em 1999 o Cartoon lançou seu primeiro CD, intitulado “martelo”, ganhando inúmeros elogios de crítica e público, não só pelas músicas que atestam a qualidade e criatividade propostas pela banda, mas também pela beleza e originalidade do encarte. Este álbum atingiu uma vendagem excepcional para uma banda independente e se tornou um marco na produção do rock mineiro.

Vocês ouviram as faixas “Fechadura” do CD Martelo, e as faixas “Thor’s hammer”, “The Storm Before The Silence” e “Treatment with mercury” do CD Estribo.

O Art Rock volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nesta segunda parte do programa continuamos com o grupo mineiro Cartoon, que lançou em 2002, o que muitos consideraram a 1ª. legítima Ópera Rock brasileira,  intitulada “Bigorna”.

Nesse trabalho, o grupo se baseou em uma interpretação livre e bem humorada da lenda do rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda… e, junto com o CD, foi confeccionada uma revista em quadrinhos que ilustra toda a história da Ópera Rock… e com isso eles conquistaram vários prêmios, entre eles o “Best of 2002” do site Rock Progressivo Brasil, como melhor banda, melhor disco e melhor encarte, na eleição do público e do site.

O álbum ainda recebeu elogios de sites de Rock internacionais como da Itália, EUA, Suécia, Chile, etc.…  e eles não ficaram por aí… o seu mais recentemente trabalho foi lançado em abril de 2008 e chama-se “Estribo”, finalizando a trilogia que lida com os três ossículos responsáveis pela audição humana. Este disco mostra um Cartoon ainda mais maduro e vem trazendo uma ótima repercussão para o grupo dentro e fora do Brasil.

Com inúmeras apresentações na bagagem, o Cartoon já participou de importantes festivais como o Rio Art Rock no Rio de Janeiro, o Roça in roll de Varginha, o Psicodália em Santa Catarina e o Camping Rock em Itabitrito, entre outros. Agora, o grupo segue apresentando o show “Trilogia”, divulgando os três primeiros trabalhos e se preparando para o lançamento do quarto ainda este ano.

Vocês ouviram “From the hands of God”, “King’s Song”, “Show me where love lives”, “The Warning” e “The Last Battle”, faixas do CD Bigorna.

Art Rock fica por aqui, agradecendo a presença da Ana Barbara Vicentin, que produziu e apresentou o programa de hoje, que, como sempre, teve a edição de áudio de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná 97.1… visite o Blog do programa em https://artrock.wordpress.com… administrado aqui pela nossa amiga Ana Barbara… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

CARTOON

BG: ABERTURA

1.    FECHADURA – 7:29

2.    THOR’S HAMMER – 5:09

3.    THE STORM BEFORE THE SILENCE– 6:52

4.    TREATMENT WITH MERCURY – 5:58

BG: TENHO TODOS OS GALHOS DA MINHA ÁRVORE VOLTADOS PARA O SOL

TOTAL: 25:30

CARTOON

BG: PROLOGUE

1.    FROM THE HANDS OF GOD (3:48)

2.    KING’S SONG (3:38)

3.    SHOW ME WHERE LOVE LIVES (2:33)

4.    THE WARNING (5:52)

5.    THE LAST BATTLE (9:30)

BG: IN THE GATES OF HELL

TOTAL – 25:20

TOTAL GERAL: 50:50

Ouça o Art Rock com o Cartoon que foi ao ar no dia 17/09/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Renaissance

Posted in Programas with tags on 22/09/2011 by Artrock

“Boa noite, vamos começar o programa de hoje atendendo a pedidos e trazendo um grupo que começou com um filhote dos Yarbirds, mas que se transformaria em um dos mais bem sucedidos nomes do rock progressivo dos anos 70… o Renaissance.

 Na sua origem, o grupo foi formado em 69 por Keith Relf e Jim McCarty, ambos ex-membros dos Yardbirds, juntamente com a irmã de Keith, Jane Relf… e o resultado foi uma mudança radical de seu estilo de som, pois o blues psicodélico dava lugar ao folk com pitadas progressivas… e o chegaram a fazer sensação na Inglaterra do início dos anos 70… mas, surpreendentemente, Keith e Jane acabaram deixando o projeto, que seguiu em frente com uma nova vocalista.

E a escolhida, Annie Haslam, se transformaria em uma das grandes vozes do rock inglês dos anos 70, graças em parte ao seu alcance raro de três oitavas, mas também à sonoridade onírica produzida pela combinação de sua voz com a guitarra de Michael Dunford, os teclados de John Tout e a bateria de Terry Sullivan… uma combinação que renderia trabalhos clássicos como “Ashes are Burning” de 73 e “Scheherazade” de 75… entre outros.

Como muitos outros, o grupo seria uma vítima das mudanças do mercado musical no final dos anos 70, com a ascensão do punk rock e da disco music… e acabaria encerrando atividades em 83… Annie Haslam seguiria a carreira solo, que ela já havia começado com o álbum “Annie in Wonderland” de 77… mas nós vamos começar trazendo um pouco do genial álbum “Turn of the cards” de 74…

Vocês ouviram com o Renaissance, as faixas “Things I don’t understand”, “I think of you” “Cold is being” (que é uma adaptação do Adágio em Sol menor de Albinoni)… e, por último, “Mother Russia”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir um pouco do álbum de retorno do Renaissance, durante a década de 90 do século passado…

Depois de uma luta contra o câncer, Annie Haslam, Michael Dunford e John Tout se reuniram novamente em 1998, gravando no ano seguinte o álbum “Tuscany”, que seria lançado no ano 2000 e contava com os teclados adicionais de Mickey Simmonds e ainda tinha como baixista ninguém menos do que Roy Wood, uma das grandes figuras do rock inglês, fundador dos grupos The Move, Eletric Light Orchestra e The Wizzard…

O álbum foi muito bem recebido na época, mas a demora no seu lançamento terminou por prejudicar o retorno do Renaissance, que acabou conseguindo somente fazer uma tour, antes que seus integrantes tivessem que seguir para outras atividades e projetos… como registro, ficou o álbum duplo “In the Land of the Rising Sun: Live in Concert”… que seria o último trabalho do grupo por muito tempo.

Só em 2009 Anne e Michael anunciaram que iriam voltar para uma excursão comemorando os 40 anos do Renaissance… e eles não se separaram logo depois, lançando em 2010 o EP “The Mystic And The Muse” e anunciando uma nova tour para 2011… mas para fechar o programa nós selecionamos faixas do disco de retorno do grupo… o álbum “Tuscany”, que  foi gravado ainda em 1999, mas só seria lançado mais de um anos depois…

Vocês ouviram o Renaissance com “Pearls of wisdom”, “Eva’s Pond”, “Dear landseer”, “The race” e “One thousand roses”…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

RENAISSANCE

BG – RUNNING HARD

1.      THINGS I DON’T UNDERSTAND – 9:29

2.      I THINK OF YOU – 3:04

3.      COLD IS BEING – 3:01

4.      MOTHER RUSSIA – 9:19

BG – THE BLACK FLAME

TOTAL – 24:53

RENAISSANCE

BG – LIFE IN BRAZIL

  1.       PEARLS OF WISDOM – 4:23
  2.        EVA’S POND – 3:41
  3.        DEAR LANDSEER – 5:20
  4.       THE RACE – 4:59
  5.       ONE THOUSAND ROSES – 7:11

BG – IN THE SUNSHINE

TOTAL – 25:33

TOTAL GERAL: 50:26

Ouça o Art Rock com o Renaissance que foi ao ar no dia 06/08/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

King Crimson ProjeKct & Tony Levin Band

Posted in Programas with tags , on 02/09/2011 by Artrock

“Boa noite, hoje vamos trazer no programa dois fragmentos recentes de uma das mais celebradas famílias do prog. rock… a linhagem de Robert Fripp, do King Crimson.

E vamos começar com o novo álbum que Fripp acabou de lançar com outros membros da família Crimson… Mell Collins no sax, Tony Levin no baixo e o ex-Porcupine Tree Gavin Harrison na percussão… e, para fechar o time, os vocais, a guitarra base e o guzheng de Jakko Jakszyk… que, além de ter sido membro do grupo pop Level 42, também participou do lendário The Lodge, que reunia membros do Henry Cow, Slapp Happy, Art Bears e Golden Palominos…

Jakko havia trabalhado com Gavin Harrison em outras ocasiões, como no projeto Kings of Oblivion de Frank Zappa… e quando Gavin entrou para o King Crimson em 2008 ele não demorou a apresentar o amigo a Robert Fripp… mas o resultado desses contatos só iria se cristalizar mais tarde, com o álbum “A Scarcety of Miracles”, que foi lançado agora em maio de 2011…

A sonoridade desse trabalho está bem diferente do estilo pesado e dos riffs neuróticos do King Crimson, beirando em certos momentos o pop-prog… e isso já levou Robert Fripp a declarar que esse novo projeto tem só o gene crimsoniano, mas é algo totalmente novo… o JFC, isto é: Jakszyk, Fripp & Collins… e o álbum surpreende pelos climas suaves, com a guitarra evitando a posição dominante… um novo som que só em certos momentos lembra o grande Rei Escarlate.

Vocês ouviram “A scarcety of miracles”, “The price we pay”, “Secrets” e “The other man”, com Jacszyk, Fripp & Collins… um novo ProjeKct do velho King Crimson.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir uma investida daquele que foi o mais duradouro baixista do King Crimson, o genial Tony Levin…


A carreira desse grande baixista começa nos anos 70, mas ele só chegou a chamar a atenção quando entrou em 77para a banda solo de Peter Gabriel, com quem manteria uma longa colaboração… isso mesmo depois de ter passado a integrar também o King Crimson, na segunda fase, nos anos 80, junto de Bill Bruford, Adrian Belew e Robert Fripp… mas ele continuaria sendo um prolífico músico de estúdio, trabalhando com muitos grupos… incluindo até o Yes e o Pink Floyd.

Ele não diminuiria o ritmo… nem mesmo quando o King Crimson voltou à atividade na década de 90… além de retornar como o baixista do grupo, ele ainda participaria de muitos dos ProjeKcts crimsonianos que surgiriam a partir de então… e também não deixaria de lado seus outros interesses, dando início a uma carreira solo com o álbum  “World Diary”, lançado em 1996.

Para essa segunda parte do programa de hoje, nós selecionamos um pouco do seu quarto trabalho solo, o álbum “Double Expresso”, um CD duplo lançado em 2002 e que reúne gravações ao vivo com a Tony Levin Band… que contava nessa época com o baterista Jerry Marotta, o guitarrista Jesse Gress e o mago Larry Fast, do Synergy e Nektar, nos teclados…

Vocês ouviram a Tony Levin Band com “Geronimo”, “Apollo”, “Elephant Talk” (que foi uma cover do King Crimson) e “The Fifth Man”…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

KING CRIMSON PROJEKCT

BG – THE LIGHT OF DAY

1. A SCARCETY OF MIRACLES – 7:26

2. THE PRICE WE PAY – 4:47

3. SECRETS – 7:47

4. THE OTHER MAN – 5:59

BG – THIS HOUSE

TOTAL – 26:01

TONY LEVIN

BG – PHOBOS

1. GERONIMO – 3:28

2. APOLLO – 8:45

3. ELEPHANT TALK – 5:51

4. THE FIFTH MAN – 5:56

BG – PETER GUNN

TOTAL – 24:00

TOTAL GERAL: 50:01

Ouça o Art Rock com o King Crimson ProjeKct & Tony Levin Band que foi ao ar no dia 30/07/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *