Arquivo para dezembro, 2012

Especial 15 anos

Posted in Programas with tags , , on 24/12/2012 by Artrock

“Boa noite, o Art Rock está entrando no ar, trazendo uma hora com o melhor do rock progressivo, uma das mais criativas tendências do rock e que, ao contrário do que muitos pensam, continua em plena atividade…

Pois é, com essas palavras, 15 anos atrás, eu, Vidal Costa, e o meu amigo Beto Bittencourt, demos início a uma viagem que não imaginávamos que duraria tanto tempo… na época o Art Rock fazia parte do horário de Todos os Caminhos do Rock, junto com outros programas que dominavam as noites de sexta-feira…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

No começo a nossa “hora progressiva” era dividida em três blocos… mas isso mudaria com o tempo, assim como os horários em que o programa foi apresentado e até a sua duração, que chegou a ser de apenas meia hora por um breve período… mas, desde o começo, algumas coisas foram constantes… entre elas a nossa dedicação, e é claro o tema do programa, com o insuperável King Crimson.

E nós vamos começar esse programa especial trazendo justamente essa faixa clássica do álbum “Larks’ tongues in aspic”… um dos clássicos do King Crimson, que acabou de ser relançado em uma edição que é um verdadeiro presente de Natal para os fãs… uma caixa com 15 discos (!!) reunindo todas as gravações do álbum… vamos conferir um pouco de uma das versões alternativas desse que é o tema do Art Rock, que tem nos acompanhado nesses anos todos…

Vocês ouviram “Larks’ tongues in aspic” com o King Crimson, faixa título de um dos melhores álbuns do grupo… aqui em uma versão alternativa extraída da box set “Larks’ tongues in aspic: the complete recordings”, lançada em 2012.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora como é nosso aniversário e o Natal também está se aproximando, vamos trazer um dos presentes do ano… o álbum “Americana” do grande Neil Young.

Americana

Desde o começo o Art Rock sempre optou por reconhecer uma visão ampla da progressividade, reconhecendo não a miopia de um progresso de mão única, mas antes a ideia da pangressão em todas as direções… recuperando a matriz da música progressiva nos ano 60, quando o folk rock e o country conviviam com o nascente heavy metal… banjos e mandolins ecoavam ao lado das primeiras investidas eletrônicas… e as guitarras distorcidas passaram a poder ser ouvidas junto das orquestras sinfônicas.

E se há alguém que sempre convergiu as linguagens no mundo do rock… é o indestrutível Neil Young… que lançou em 2012 sua grande homenagem a essa música que surgiu na encruzilhada dos anos 60, com um álbum onde a força do grupo Crazy Horse aparece intacta, torcendo clássicos tradicionais em versões que lhes conferem uma renovada dimensão contestadora.

O velho Neil vai do country ao gospel… mas ele deixa uma surpresa para o fim: uma versão para “God Save the Queen”, que nos lembra que, como canadense, ele é um súdito de sua majestade… no vídeo, a rainha é mostrada vestida como Miss Liberty… mas Neil Young não podia deixar por menos e, nessa versão, o hino britânico aparece junto a “My country ‘tis of thee”, o primeiro hino americano, que usava a mesma música, mas com a letra composta por Samuel Francis Smith em 1831…

Queen Elizabeth Miss Liberty - Shepard-Fairey

Vocês ouviram “Clementine”, “Tom Dula”, “Gallows Pole”, “High Flyin’Bird”, “Wayfarin’Stranger”e “God Save the Queen”… com Neil Young.

O Art Rock de aniversário e de Natal fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pelos 15 anos de audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… e já que o mundo não acabou no dia 21, só nos resta dizer: até a semana que vem… mas vamos encerrar esse programa especial com um bônus, a primeira faixa que nós tocamos aqui no Art Rock… “America”, com o glorioso The Nice de Keith Emerson.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

KING CRIMSON

BG – LARKS TONGUES IN THE ASPIC (Part II)

1. LARKS TONGUES IN THE ASPIC (Part I – alternate version) – 11:12

BG – BOOK OF SATURDAY

TOTAL – 11:12

NEIL YOUNG

BG – OH SUSANNAH

2. CLEMENTINE – 5:42

3. TOM DULA – 8:13

4. GALLOWS POLE – 4:15

5. HIGH FLYIN’ BIRD – 5:30

6. WAYFARIN’STRANGER – 3:07

7. GOD SAVE THE QUEEN – 4:08

BG – JESUS’ CHARIOT

TOTAL – 30:55

THE NICE

8. AMERICA – 6:05

TOTAL GERAL – 48:07

Ouça o Art Rock com o Especial 15 anos que foi ao ar no dia 22/12/2012, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Anúncios

Ravi Shankar

Posted in Programas with tags on 17/12/2012 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos lembrar um dos nomes mágicos da música contemporânea, o grande Ravi Shankar, que por sua obra, deve ter deixado para trás o ciclo dos renascimentos e sua sutil essência já se reencontrou com Brama.

Ravi-Shankar-Live-At-The-Monte-504205

Nascido em 1920, Ravi Shankar já tinha uma longa carreira quando George Harrison conheceu o seu som através dos Byrds e acabou por introduzir a cítara no rock com a canção “Norwegian Wood” do álbum “Rubber Soul” dos Beatles… era o ano de 65, e logo muitos outros grupos estavam experimentando com instrumentos indianos, compondo faixas que, mais tarde, seriam descritas como raga rock.

Em 66, enquanto Brian Jones dos Rolling Stones também decidia tocar cítara na faixa “Paint it Black”, George Harrison viajava para a Índia para estudar com Shankar… que, a essa altura, estava se tornando uma celebridade em todo o mundo… em pouco tempo ele seria uma das referências para o nascente rock psicodélico, se apresentando no Monterrey Pop Festival ao mesmo tempo que ganhava um Grammy por sua colaboração com o violinista Yehudi Menuhin.

Ainda em 67 a Danelectro lançaria a primeira eletric sitar, tornando ainda mais presente o instrumento no mundo do rock… Traffic, The Kinks, The Mamas & The Papas, The Animals, The Incredible String Band, The Moody Blues… e até os Monkees, o Shocking Blue e muitos outros… todos foram influenciados por Ravi Shankar… e nós vamos começar trazendo um pouco da sua passagem pelo Festival de Monterrey.

Vocês ouviram Ravi Shankar com “Raga Bhimpalasi”… na abertura do sábado, dia 18 de junho de 1967… o terceiro e último dia do Monterrey Pop Festival.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar trazendo um pouco do som de Ravi Shankar, que deixou o nosso plano da realidade no último dia 11 de dezembro…

Passages

Ao final dos anos 60, Shankar já era reconhecido como o maior expoente da música indiana e celebrado pelos roqueiros em todo o mundo, que o conheciam graças à sua influência nas obras de tantos grupos, desde os grandes nomes até artistas mais obscuros… mas a sua produção sempre havia sido ligada à música erudita, e ele se distanciaria gradualmente do mundo do rock depois de sua participação no “Concert for Bangladesh” de George Harrison…

Ele tinha problemas cardíacos desde os anos 70, mas nunca se retirou formalmente do mundo da música, continuando a gravar e excursionar, incluindo trabalhos com sua filha Anoushka Shankar, com quem ele realizaria seu último concerto, em 4 de novembro de 2012.

Para fechar esse programa, nós selecionamos uma das suas muitas colaborações, o álbum “Passages”, de 1990, que ele gravou com o genial Philp Glass… esse trabalho mescla as estruturas complexas da música indiana com arranjos orquestrais e climas minimalistas, criando um cruzamento único de linguagens… fiquem com um pouco de mais essa mostra da universalidade da música de Pandit Ravi Shankar…

Vocês ouviram “Sadhanipa”, “Ragas in minor scale” e “Meetings along the edge”, com Ravi Shankar e Phillp Glass… e vamos avisar os nossos ouvintes que, no próximo dia 18, nosso programa estará completando 15 anos ininterruptos no ar… por isso nosso próximo programa será um especial de aniversário.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

RAVI SHANKAR

BG – DUN (DADRA AND FAST TEENTAL)

1. RAGA BHIMPALASI – 26:35

BG – DUN (DADRA AND FAST TEENTAL)

TOTAL – 26:35

RAVI SHANKAR

BG – PRASHANTI

1. SADHANIPA – 8:36

2. RAGAS IN MINOR SCALE – 7:37

3. MEETINGS ALONG THE EDGE – 8:11

BG – CHANNELS AND WINDS

TOTAL – 24:24

TOTAL GERAL – 50:59

Ouça o Art Rock com o Ravi Shankar que foi ao ar no dia 15/12/2012, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Pallas

Posted in Programas with tags on 03/12/2012 by Artrock

“Boa noite, hoje vamos atender ao pedido do nosso ouvinte Welber, que nos pediu um programa com um dos decanos do neo prog dos anos 80, o grande Pallas.

pallas-sentinel

Surgido em Aberdeen, na Escócia, o grupo se chamava originalmente Rainbow, mas foi obrigado a mudar de nome devido ao então recém-nascido grupo de Ritchie Blackmore… buscando inspiração da mitologia grega, eles adotariam o nome Pallas, uma das designações da deusa Atena… e lançariam uma série de demos e um EP, enquanto procuravam se consolidar em meio ao mercado musical britânico da virada para a década de 80.

Era uma época em que a Inglaterra estava dominada pelo Furação Punk, e grupos com orientação progressiva não tinham mais a mesma aceitação, por isso demoraria algum tempo para o Pallas lançar o seu primeiro álbum propriamente dito… o genial “The Sentinel” de 84, um verdadeiro marco do neoprog, atualizando o formato do disco conceitual para falar da Atlântida em uma realidade futurista, e reafirmar a ideia de que o avanço tecnológico não é garantia contra a decadência… antes pelo contrário.

Apesar de ter sofrido intervenções da gravadora, para se tornar um produto mais vendável, o álbum ainda assim se tornaria um clássico do prog. rock dos anos 80, impressionando já a partir da capa, desenhada pelo grande Patrick Woodroffe… e o Pallas parecia destinado a ser colocado na vanguarda neoprogressiva, junto de grupos como o IQ, o Marillion e o Pendragon… mas a sua carreira ainda passaria por altos e baixos… vamos conferir um pouco do seu genial álbum de estreia…

Vocês ouviram o Pallas com “Rise and fall”, “Eastwest”, “Atlantis” e “Ark of infinity”… trechos da “Atlantis Suite”, do album “The Sentinel”, na sua versão restaurada em CD, que foi totalmente remasterizada e alterada pelo grupo, restituindo o seu conceito original, que havia sido perdido durante a produção do LP de 84.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar trazendo um pouco do Pallas, que lançou em 2011 o álbum “XXV”, que já é considerado por muitos como o melhor de sua carreira…

pallas-xxv

Já em meio às tours do álbum “The Sentinel”, o Pallas sofreria com a saída do vocalista Euan Lowson, uma das figuras chave do grupo, com sua performance visual reminiscente das teatralidades de Peter Gabriel… ele deixaria a música de lado e seria substituído por Alan Reed, ex-vocalista do Abel Ganz… com quem eles gravariam o EP “Knightmoves” de 85, seguido pouco tempo depois pelo álbum “The Wedge”…

A partir daí o Pallas lançaria singles, EPs e até fitas cassete, tentando se manter em atividade… só depois do álbum “Beat the Drum” de 99 é que eles começaram a se encontrar… com os álbuns “The Cross & the Crucible” e “The Dreams of Men”, e a box set “Mythopoeia”… mas o grupo continuava a se manter à parte, se apresentando com frequência, mas sem alcançar grande repercussão junto à mídia musical.

Porém, depois da inesperada saída do vocalista Alan Reed, o Pallas pareceu se reencontrar… retomando o tema do clássico “The Sentinel”, o grupo integrou sua sonoridade com elementos do prog. contemporâneo e criou um novo trabalho conceitual à altura de seu álbum de estreia… e o novo vocalista, Paul Mackie aparece perfeitamente integrado com os demais integrantes, principalmente o guitarrista Niall Mathewson… vamos conferir um pouco desse novo trabalho do Pallas.

Vocês ouviram “Falling down”, “Monster”, “XXV” e “Sacrifice” com o Pallas…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

PALLAS

BG –ARRIVE ALIVE

1. RISE AND FALL – 6:08

2. EASTWEST – 5:00

3. ATLANTIS – 8:06

4. ARK OF INFINITY – 7:05

BG – SHOCK TREATMENT

TOTAL – 26:21

PALLAS

BG – THE ALIEN MESSIAH

1. FALLING DOWN – 7:29

2. MONSTER – 6:20

3. XXV (PART I) – 6:08

4. SACRIFICE – 4:22

BG – YOUNG GOD

TOTAL – 24:19

TOTAL GERAL – 50:40

Ouça o Art Rock com o Pallas que foi ao ar no dia 01/12/2012, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *