Arquivo para março, 2013

Glass Hammer

Posted in Programas with tags on 26/03/2013 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos um programa com um dos grandes grupos do prog. rock americano da atualidade, que acabou de emprestar o seu vocalista para ocupar a posição que era de Benoit David no Yes…

perelandra

Estamos nos referindo ao grupo Glass Hammer, que foi formado em Chattanooga, no Tennessee, em 1992, em torno dos multi-instrumentistas Fred Schendel e Steve Babb (que na época usava o nome Stephen DeArqe)… mas, na verdade eles não tinham a intenção de criar um grupo de rock, e sim de produzir um álbum conceitual, baseado nas aventuras do personagem Aragorn do Senhor dos Anéis de Tolkien.

on to evermore

Porém, “Journey of the Dunadan” foi um sucesso nas vendas pela internet, o que acabou motivando a dupla, que resolver levar o grupo adiante, mantendo uma carreira prolífica onde a marca sempre foi o diálogo criativo entre Babb e Schendel, únicos membros constantes entre as muitas formações do Glass Hammer, cujos álbuns de estúdio são gravados por músicos que nem sempre participaram das excursões…

chronometree

A sonoridade do grupo combina a rica construção melódica com a temática dominada pelo fascínio confesso pela literatura de fantasia, que já estava presente em seu primeiro trabalho e continuaria no disco seguinte, “Perelandra”, de 95, em que se focaram na “Trilogia Espacial” e nas “Crônicas de Nárnia”, ambas obras de C.S. Lewis… vamos ouvir um pouco desse álbum, de “On to Evermore de 98 e também de “Chronometree”, lançado no ano 2000 e contou com o guitarrista Arjen Lucassen como convidado.

Vocês ouviram “Lliusion”, “The conflict”, “Chronotheme” e “Chronoverture”… com o Glass Hammer.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos trazer mais um pouco do som do grupo americano Glass Hammer, que comemorou em 2012 vinte anos de carreira e continua em plena forma.

if

Desde o começo o Glass Hammer sempre teve muitos vocalistas, que às vezes eram a própria dupla Schendel & Babb… mas, além deles, também assumiram os vocais Michelle Young, Brad Marler, Susie Bogdanowicz e Carl Groves… só a partir do álbum “If” de 2010 é que Jon Davison (ex-Sky Cries Mary) entraria para o grupo, junto com o guitarrista Alan Shikoh… e o resultado foi um redirecionamento para uma sonoridade mais próxima do synphonic rock.

cor cordium

Em 2011 eles lançariam “Cor Cordium”, cujo nome foi tirado de um poema de Algernon Swinburne, um dos mais laureados autores ingleses do período vitoriano… e nesse álbum a sonoridade do grupo mostrava ainda mais semelhanças com o Yes, que na época estava envolvido com a produção de “Fly from here”, com o vocalista Benoit David… mas, em fevereiro de 2012, Benoit seguiu o caminho de Jon Anderson… uma doença respiratória o impediu de seguir em uma tour, e ele foi substituído.

perilus

O timbre da voz de Jon Davison era o ideal e ele passaria a integrar o Yes ainda em 2012, sendo anunciado para a “Three Album Tour” de 2013, e também para a participação do Yes no cruzeiro progressivo “Cruise to the Edge”… mas as gravações do grupo com esse vocalista ficam para outro Art Rock… por hoje vamos fechar com um pouco mais do Glass Hammer, tendo Jon Davison como vocalista…

Vocês ouviram “Beyond Within”, “One heart” e “In that lonely place”… faixas extraidas dos álbuns “If” de 2010, “Cor Cordium” de 2011 e “Perilus” de 2012… com o Glass Hammer.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

GLASS HAMMER

BG – HEAVEN

ILUSION – 9:05

THE CONFLICT – 5:46

CHRONOTHEME – 4:42

CHRONOVERTURE – 6:00

BG – TIME MARCHES ON

TOTAL – 25:33

GLASS HAMMER

BG – GRACE THE SKIES

BEYOND WITHIN – 11:46

ONE HEART – 6:23

IN THAT LONELY PLACE – 6:10

BG – TOWARD HOME WE FLED

TOTAL – 24:19

TOTAL GERAL – 49:52

Ouça o Art Rock com o Glass Hammer que foi ao ar no dia 23/03/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Anúncios

Peter Banks & Clive Burr

Posted in Programas with tags , on 19/03/2013 by Artrock

” Boa noite, no programa de hoje vamos trazer um pouco das carreiras de outros dois viajantes que resolveram seguir para outros planos do multiverso em 2013… começando pelo genial Peter Banks, o primeiro guitarrista do Yes.

twosidesofpeterbanksNascido em Londres, em 1947, Peter Banks conheceu Chris Squire quando entrou para o grupo The Syn, que chegou a lançar compactos durante a sua fase psicodélica, em 1967, mas não duraria muito tempo… depois da separação, Banks e Squire se juntariam a um jovem grupo com um nome horrível… Mabel Greer’s Toyshop… lá eles encontrariam um vocalista chamado Jon Anderson e, felizmente, acabariam mudando de nome… e assim nascia um futuro decano do rock progressivo… o Yes.

Peter Banks seria instrumental na formação da sonoridade do grupo nos seus dois primeiros álbuns… aliás, tinha sido sua a ideia de adotar o nome Yes… mas ele sairia em 1970, junto com o tecladista Tony Kaye… e, em 71, eles iniciariam o grupo Flash, que lançaria três excelentes álbuns antes de encerrar atividades em 73… época em que sairia seu primeiro álbum solo… e depois, Peter ainda integraria o grupo Empire.

A partir dos anos 90, Peter faria participações como convidado em inúmeros projetos… só em 2004 ele formaria um novo grupo, o Harmony in Diversity… mas esse seu trabalho mais recente fica para outro Art Rock, por hoje vamos lembrar essa grande figura progressiva com faixas do álbum “Two Sides of Peter Banks” de 73, que contava com John Wetton, Steve Hackett e Phill Collins como convidados…

Vocês ouviram “Knights / The Falcon / The Bear”, “Battles”, “Last Eclipse” e “Stop that!”, com Peter Banks.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora nós vamos trazer um viajante que trilhava os caminhos mais pesados do mundo do rock… Clive Burr, outro músico inquieto, que participou de muitos grupos e resolveu atravessar a barreira do hiperespaço em 2013.

desperado-bloodiedbutunbowed

Também nativo de Londres, Clive Burr nasceu em 57 e começou sua carreira como baterista em meados dos anos 70, chegando a tocar no grupo Samson antes de entrar para o Iron Maiden, com quem gravaria os três primeiros álbuns, antes de sair em 82, sendo substituído por Nicko McBrain… e, curiosamente, ele foi justamente para o lugar que era de Nicko no grupo francês Trust.

Mas ele nunca ficou muito tempo em um só lugar… entre um e outro trabalho com o Trust ele formaria o Clive Burr’s Escape, que mudaria o nome para Stratus e lançaria em 84 o álbum “Throwing Shapes”… e esse foi só um de muitos projetos e grupos, como Gogmagog, Elixir, Desperado, Praying Mantis e outros… em alguns casos sem chegar a ser membro oficial e aparecendo apenas como convidado…

Diagnosticado com esclerose múltipla, Clive Burr recebeu o apoio dos amigos do Iron Maiden, que fizeram concertos para ajudá-lo… mesmo de cadeira de rodas, ele participava dos shows da Clive Aid, uma entidade voltada à realização de shows para levantar fundos para as vítimas da doença… vamos lembrá-lo com faixas do álbum “Bloodied but unbowed” do grupo Desperado, com Dee Snider e Bernie Tormé…

Vocês ouviram “Hang ‘em High”, “The Maverick”, “The heart is a lonely hunter”, “There’s no angels here” e “Emaheevul”… com o Desperado, um supergrupo que acabou por que a Elektra Records se recusou a lançar o seu álbum em 88, quando ele foi gravado… ele só seria editado em 96…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

PETER BANKS

BG – GET OUT OF MY FRIDGE

KNIGHTS / THE FALCON / THE BEAR – 6:13

BATTLES – 1:38

LAST ECLIPSE – 2:28

STOP THAT! – 13:45

BG – BEYOND THE LONELIEST SEA

TOTAL – 24:05

CLIVE BURR (DESPERADO)

BG – SEE YOU AT SUNRISE

HANG ‘EM HIGH – 4:53

THE MAVERICK – 5:06

THE HEART IS LONELY HUNTER – 7:12

THERE’S NO ANGELS HERE – 4:57

EMAHEEVUL – 4:28

BG – SON OF A GUN

TOTAL – 26:37

TOTAL GERAL – 50:42

Ouça o Art Rock com o Peter Banks & Clive Burr que foi ao ar no dia 16/03/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

 

Ten Years After & Alvin Lee

Posted in Programas with tags , on 13/03/2013 by Artrock

” Boa noite, hoje, como não poderia deixar de ser, teremos um programa dedicado a um dos gênios da guitarra, o incomparável Alvin Lee… que deixou o nosso plano da realidade na direção de outro Tempo e outro Espaço…

Alvin Lee - Still on the road to freedom

Graham Alvin Barnes nasceu em Nottingham na Inglaterra em 1944, e começou sua carreira com o grupo The Jaybirds, que já contava com o seu amigo, o baixista Leo Lyons… e mais tarde o baterista Ric Lee… e eles se mudariam para Londres em 66, mudando de nome algumas vezes, antes de adotar Ten Years After… e assim começava uma das maiores lendas do blues-rock britânico.

A essa altura, Alvin Lee, além da guitarra, já havia assumido também o vocal, e o quarteto impressionava por suas performances viscerais… o suficiente para conseguir um contrato com a Decca e um trio de álbuns indispensáveis: “Ten Years After”, “Undead” e “Stonehenge”… lançados em menos de dois anos e preparando o terreno para o que seria a ascensão definitiva do grupo, depois do Newport Jazz Festival e, é claro, da sua apresentação alucinante no Festival de Woodstock.

Depois disso, o Ten Years After se tornaria um dos grandes nomes do rock, sempre se recusando a ceder às pressões das gravadoras para buscar o sucesso fácil… em 71 eles iriam para a Columbia Records… e continuariam com outra série de discos clássicos… só em 74 o grupo se separaria, e eles levariam muito tempo para voltar… vamos conferir faixas dos álbuns “Cricklewood Green” e “A Space in Time”.

Vocês ouviram “50,000 miles beneath my brain”, “Love like a man”, “One of these days” e “I’d love to change the World” com o Ten Years After.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar homenageando o grande Alvin Lee, que seguiu em frente depois da separação do Ten Years After, com muitos outros projetos nas décadas seguintes.

Ten Years After - A Space In Time

Na verdade, Alvin Lee havia lançando em 73 o aclamado álbum “On the road to freedom”, gravado em colaboração com Mylon LeFevre… e tendo como convidados George Harrison, Steve Winwood, Jim Capaldi, Mick Fleetwood e Ronnie Wood… mas foi só depois do fim do Ten Years After que ele assumiria uma carreira solo… sempre mantendo a sua posição como um dos grandes guitarristas da sua geração.

Ele criaria a sua Alvin Lee & Company e lançaria o álbum duplo “In Flight” ainda em 74, seguido de outros excelentes trabalhos… só em 83 ele voltaria a se reunir com Leo Lyons, Ric Lee e Chick Churchill para uma apresentação no Reading Festival, e novamente em 88, para o álbum “About Time”… mas o grupo não permaneceria com a sua formação original… em 2003 o Ten Years After voltaria com álbuns e tours, mas tendo Joe Gooch como seu guitarrista.

Como sempre, Alvin Lee não havia tido interesse em um trabalho meramente comercial, fazendo tours e lançando discos para satisfazer os interesses das gravadoras… e foi isso que ele disse nos encartes de seu último álbum, que saiu em 2012… ele tinha uma tour acertada para 2013, incluindo um show antológico junto de Johnny Winter no Olympia de Paris… mas essa reunião vai ter que ficar para um outro plano temporal… ouçam agora um pouco do seu trabalho final: “Still on the road to freedom”…

Ten Years After - Criklewood green

Vocês ouviram “Still on the road to freedom”, “Midnight creeper”, “Blues got me so bad”, “Song of the Red Rock Mountain”, “Nice & easy”, “Back in ‘69”, “Rock You” e “Love like a man 2”… com Alvin Lee que, como lembrou o nosso amigo Beto, finalmente está a caminho de casa…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

TEN YEARS AFTER

BG – WORKING ON THE ROAD

50,000 MILES BENEATH MY BRAIN – 7:38

LOVE LIKE A MAN – 7:38

ONE OF THESE DAYS – 5:50

I’D LOVE TO CHANGE THE WORLD – 3:44

BG – SUGAR THE ROAD

TOTAL – 24:50

ALVIN LEE

BG – SAVE MY STUFF

STILL ON THE ROAD TO FREEDOM – 4:25

MIDNIGHT CREEPER – 4:13

BLUES GOT ME SO BAD – 2:11

SONG OF THE RED ROCK MOUNTAIN – 2:06

NICE & EASY – 3:09

BACK IN ’69 – 2:39

ROCK YOU – 1:36

LOVE LIKE A MAN – 6:52 (4:32 silêncio até 5:32)

BG – GOING HOME

TOTAL – 24:51

TOTAL GERAL – 49:41

Ouça o Art Rock com o Ten Years After & Alvin Lee que foi ao ar no dia 09/03/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Alex Harvey

Posted in Programas with tags on 06/03/2013 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos lembrar um pouco de um escocês que deixou a sua marca na história do rock… o lendário Alex Harvey.

AlexHarveyBand-ImpossibleDream

Nascido em Glasgow, Alex Harvey começou sua carreira tocando em bandas de skiffle… desde o começo a sua figura carismática sempre foi o centro das atenções, como na Alex Harvey’s Big Soul Band, grupo que ele liderou de 1958 até 65… e ele já tinha uma longa carreira quando resolveu tentar alguns discos solo no final da década de 60… sem conseguir muita repercussão.

Nessa época ele ajudou na formação do grupo Stone The Crows, apresentando o seu irmão mais novo, Leslie Harvey, para a vocalista Maggie Bell… que tinha sido descoberta ao subir no palco e soltar a voz em um show do próprio Alex Harvey… mas, embora ele já tivesse passado por vários projetos por mais de dez anos, o sucesso continuava distante.

Só em 72 ele iria dar uma reviravolta em sua carreira, formando a Sensational Alex Harvey Band com os membros do grupo progressivo Tear Gas… Zal Cleminson na guitarra, Chris Glen no baixo e Hugh e Ted McKenna nos teclados e bateria… e dessa vez a mistura de rock, soul e blues ganhava a ajuda da estética glitter, uma atitude debochada e teatral que combinavam perfeitamente com a voz e com a interpretação do velho Alex… vamos conferir um pouco do álbum “Impossible Dream” de 74.

Vocês ouviram “The Hot City Symphony”, “Tomahawk Kid” e “Anthem”, com The Sensational Alex Harvey Band.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar com a Sensational Alex Harvey Band, que tentou seguir em frente mesmo depois que Alex resolveu tentar outros projetos no final dos anos 70.

AlexHarveyBand-RockDrill

Em 76 o grupo estava no auge, com álbuns de grande sucesso, ainda que com pouca repercussão fora do mercado europeu… em 76 Alex deixou o grupo, que lançaria o álbum “Fourplay” como “SAHB… without Alex”, mas ele voltaria para gravar o excelente “Rock Drill”, que seria lançado no final de 77 e novamente em 78, devido à decisão de trocar a faixa “No complaints department” por “Mr Blackhouse”.

Inspirada no poema “The Ladies” de Rudyard Kipling, a faixa “No complaints department” era um lamento sem esperança, em que Alex falava sobre a morte de amigos e do seu irmão… e a decisão de retirar a faixa acabou comprometendo o álbum, que teve que ser recolhido… no fim, este seria o último registro da Sensational Alex Harvey Band, que se separaria pouco depois.

Alex Harvey lançaria mais dois álbuns, mantendo-se como uma figura celebrada do rock britânico, mas não por muito tempo… ele deixaria o nosso plano da realidade em 1982… e só em 2004 a SAHB voltaria a se reunir, lançando o álbum ao vivo “Zalvation”… mas ele fica para outro Art Rock… vamos fechar com faixas do clássico álbum “Rock Drill”, incluindo é claro a rara “No complaints department”…

Vocês ouviram a Sensational Alex Harvey Band com “Rock drill”, “The dolphins”, “Rock’n’roll”, “King Kong” e “No complaints department” …

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ALEX HARVEY

BG – RIVER OF LOVE

THE HOT CITY SYMPHONY – 13:21

TOMAHAWK KID – 4:38

ANTHEM – 7:56

BG – WEIGHTS MADE OF LED

TOTAL – 25:55

ALEX HARVEY

BG – NIGHTMARE CITY

ROCK DRILL – 6:24

THE DOLPHINS – 6:09

ROCK’N’ROLL – 3:39

KING KONG – 3:16

NO COMPLAINTS DEPARTMENT – 5:05

BG – WHO MURDERED SEX?

TOTAL – 24:33

TOTAL GERAL – 50:28

Ouça o Art Rock com o Alex Harvey que foi ao ar no dia 02/03/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *