Arquivo para abril, 2013

Roxy Music & UK

Posted in Programas with tags , on 24/04/2013 by Artrock

“Boa noite, o Art Rock de hoje vai trazer dois grandes grupos do rock inglês, começando com um representante do lado mais sofisticado do glam rock: o genial Roxy Music.

roxymusic

Desde o começo, o Roxy inspirou-se nas viagens do art rock dos anos 60, misturando elementos de pop-art com as linguagens visuais do cinema noir… e combinando tudo em uma música complexa onde a guitarra de Phil Manzanera estabelecia diálogos com os teclados de Brian Eno, com o sax de Andy Mackay, a bateria de Paul Thompson e, é claro, os vocais refinados de Bryan Ferry.

O som do Roxy Music misturava elementos de sonoridades que iam do vaudeville ao eletrônico e nunca perdeu o seu prestígio, mesmo depois da saída de Brian Eno, que foi substituído por Eddie Jobson do Curved Air… e os álbuns sempre receberam muita atenção da mídia, assim como uma forte resposta do público, que acompanhou a evolução do visual glitter do começo da carreira para o look sério e charme forçado dos anos 80 e até o seu retorno triunfal no ano 2000.

for your pleasure

O que era para ser apenas uma rápida excursão com alguns shows acabou se tornando uma tour mundial que duraria dois anos… na época, eles haviam anunciado que iriam parar, mas outras tours se seguiram, a última das quais foi em 2011… desde então eles continuaram com seus trabalhos solo, mas não houve conversa de separação… e, para hoje, nós selecionamos faixas dos dois primeiros álbuns, com Brian Eno nos teclados.

Vocês ouviram faixas da primeira fase do Roxy Music, quando Brian Eno usava roupas douradas e ainda tinha longos cabelos loiros… primeiro foi “Re-make/Re-model”, depois “Virginia Plain”, “The Bob (Medley)”, “Do the Strand” e “For your pleasure”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Agora teremos outro grande nome do rock britânico… o supergrupo UK, que tinha em sua formação o guitarrista Allan Holdsworth, o tecladista e violinista Eddie Jobson, o baterista Bill Bruford e John Wetton no baixo e nos vocais.

Danger Money

Formado em 77, o UK teve uma carreira curta e brilhante, lançando seu primeiro álbum no ano seguinte e atraindo um grande número de fãs, tantos pelo pedigree dos seus membros, quanto pela qualidade do seu som… mas, infelizmente, ele não tinha muitas chances de sobrevivência no cenário musical do final dos anos 70, com a ascensão do punk rock e da discomusic.

Com uma formação que incluía músicos que haviam tocado no Yes, King Crimson, Gong, Soft Machine… e Roxy Music, o UK era uma verdadeira fusão do progressivo inglês… mas, logo depois da primeira tour, ele já sofreria suas primeiras baixas, com a saída de Bruford e Holdsworth, que resolveram tentar um projeto conjunto.

UK

John Wetton ainda chamou o batera Terry Bozzio (ex-Zappa) e tentou seguir em frente com o UK, lançando o álbum “Danger Money” em 79… mas eles se separariam pouco tempo depois do álbum ao vivo “Night After Night”, ainda naquele ano… e, apesar de muitos rumores, a reunião só ocorreria em 2012, com uma tour que se estenderia por 2013… mas vamos ficar com faixas dos dois álbuns de estúdio desse grande grupo.

Vocês ouviram com o UK as faixas “In the dead of night”, “Presto vivace and reprise”, “Rendezvous”, “The only thing she needs” e “Nothing to loose”.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ROXY MUSIC

BG – EDITIONS OF YOU

RE-MAKE/RE-MODEL – 5:14

VIRGINIA PLAIN – 2:59

THE BOB (MEDLEY) – 5:49

DO THE STRAND – 4:04

FOR YOUR PLEASURE – 6:52

BG – THE BOGUS MAN

TOTAL – 24:58

UK

BG – DANGER MONEY

IN THE DEAD OF NIGHT – 5:34

PRESTO VIVACE AND REPRISE – 3:06

RENDEZVOUS 602 – 5:02

THE ONLY THING SHE NEEDS – 7:57

NOTHING TO LOOSE – 4:00

BG – CEASER’S PALACE BLUES

TOTAL: 25:39

TOTAL GERAL – 50:37

Ouça o Art Rock com o Roxy Music & UK que foi ao ar no dia 20/04/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

REPRISE: Wishbone Ash

Posted in Programas with tags on 16/04/2013 by Artrock

Olá ouvintes do Art Rock! O programa da semana passada (dia 13-04-2013), foi um reprise com o Wishbone Ash. Confiram clicando aqui!

E aqui, o link com o áudio atualizado do programa.

 

Wishbone Ash

Wishbone Ash - Clan Destiny

Wishbone Ash - Bona Fide

Wishbone Ash  - Argus

 

Giles, Giles and Fripp & Judy Dyble

Posted in Programas with tags , on 08/04/2013 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos prestigiar o ressurgimento de uma voz celebrada dos anos 60 que voltou a ser ouvida nesse novo milênio, depois de um longo esquecimento… a grande vocalista Judy Dyble…

brondesburytapes-gilesgilesfripp

 

Judith Aileen Dyble nasceu em Londres em 1949… e estava tentando a sorte com o grupo Judy and The Folkmen em 66, quando começou a colaborar com os vocais para o grupo que Ashley “Tyger” Hutchings, Richard Thompson e Simon Nicol estavam montando e que ainda não tinha nome definitivo… no fim, a sua voz ajudou a dar forma ao som que eles estavam tentando criar… e nascia assim o grande Fairport Convention.

Em 68, Judy seria a voz marcante do álbum de estreia do grupo… e, ainda naquele ano, seria convidada da genial Incredible String Band para participar do álbum “The Hangman’s Beautiful Daughter”… e, a essa altura, ela já era uma das presenças constantes nos shows da Swingin’ London junto com seus companheiros do Fairport… porém, ela logo deixaria o grupo e poria um hoje famoso anúncio na Melody Maker…

O anúncio pedia alguns músicos para trabalhar com ela e com o namorado… um certo Ian McDonald… em resposta apareceu o trio Giles, Giles and Fripp e eles gravaram algumas demos antes que Ian e Judy discutissem e ela fosse embora, deixando-o para trás com o grupo, que resolveu continuar em frente e se transformaria no King Crimson… essa não seria a última vez que eles tocariam juntos, mas, para essa primeira parte, vamos ficar com um pouco desse momento memorável da história do rock.
Vocês ouviram “Make it today”, “Plastic Pennies”, “Passages of time”, “Under the Sky”, “Murder”, “I Talk to the Wind” e “Erudite Eyes”, faixas de “Brondesbury Tapes” do Giles, Giles & Fripp com Judy Dyble nos vocais… um disco que só seria lançado em 2001 e que é uma daquelas coisas que você só ouve aqui, no Art Rock.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar trazendo a voz de Judy Dyble, uma jóia rara do folk inglês que quase se perdeu no esquecimento.

judydyble-talkingwithstrangers

Depois de ter sido a responsável pelo nascimento do King Crimson, Judy tentaria um novo projeto com Jackie McAuley, que havia tocado com vários grupos, incluindo até o Them de Van Morrison… no começo era para ser um trio, com Pete Sears no baixo, mas acabou se cristalizando no clássico formato da dupla folk… o Trader Horne… e o resultado foi o álbum “Morning Way”, uma pequena obra-prima que parecia anunciar o começo de uma grande carreira, mas que seria o único registro do grupo.

Judy não seguiria muito adiante… ela se casaria com o DJ Simon Stable, tentaria o projeto Dyble Coxhill & the Miller Brothers (também conhecido como Penguin Dust) e depois deixaria o mundo da música para trabalhar como bibliotecária por mais de vinte anos… até ser contatada pelos velhos colegas do Fairport Convention para aparecer em algumas das reuniões de aniversário do grupo.

Desde então ela voltaria aos poucos… o primeiro disco de sua nova fase, ´Enchanted Garden”, sairia em 2004 e foi uma colaboração com Simon House do Hawkwind e com Marc Swordfish do Astralasia, e renderia mais dois discos, “Spindle” e “The Whorl”… mas a surpresa viria em 2009 com “Talking with strangers”, que contou com a presença de nada menos do que Robert Fripp e Ian McDonald do King Crimson, Celia Humphris do Trees, Jacqui McShee do Pentangle e Simon Nicol do Fairport Convention…

Vocês ouviram “Neverknowing”, “C’est la vie” do Emerson, Lake & Palmer e “Harpsong”, com Judy Dyble.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

GILES, GILES & FRIPP

BG – WHY DON’T YOU JUST DROP IN

1. MAKE IT TODAY – 3:27

2. PLASTIC PENNIES – 2:18

3. PASSAGES OF TIME – 3:32

4. UNDER THE SKY – 2:49 (FAIXA 14)

5. MURDER – 2:41

6. I TALK TO THE WIND – 3:15

7. ERUDITE EYES – 6:46

BG – MYSTERY

TOTAL – 24:05

JUDY DYBLE

BG – TALKING WITH STRANGERS

1. NERVERKNOWING – 1:41

2. C’EST LA VIE – 4:15

3. HARPSONG – 19:22

BG – DREAMTIME

TOTAL – 25:18

TOTAL GERAL – 49:23

Ouça o Art Rock com o Giles, Giles and Fripp & Judy Dyble  que foi ao ar no dia 06/04/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Shadow Gallery

Posted in Programas with tags on 03/04/2013 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos vamos atender à sugestão de Assir Paiva, um ouvinte e frequentador do nosso blog, que pediu um programa com um dos grandes nomes do heavy prog americano… o Shadow Gallery.

Room V

A história desse grupo começa nos anos 80, na Pensilvânia, nos Estados Unidos, quando eles ainda usavam o nome Sorcerer e faziam o circuito local, tocando covers de Yngwie Malmsteen e Rush… na época, eles já contavam com o vocalista Mike Baker e com o baixista e vocalista Carl Cadden-James… e a formação se estabilizaria com a entrada dos guitarristas Brendt Allman e Chris Ingles, que acabaria assumindo os teclados.

Tirando um tempo para compor material próprio, o grupo acabaria adotando outro nome: Shadow Gallery, inspirado no esconderijo do protagonista da célebre graphic novel “V de Vingança” do genial Alan Moore… e, em 91, eles conseguiram um contrato com a recém-nascida Magna Carta Records, lançando na sequência o seu primeiro álbum.

tyranny

Nos anos seguintes o Shadow Gallery passou por algumas mudanças de formação, com a entrada do tecladista Gary Wehrkamp, enquanto solidificava a sua posição com trabalhos excelentes como “Carved in Stone” de 95 e “Tyranny” de 98, um álbum conceitual explorando a face mercadológica da Nova Ordem Mundial, com suas legitimidades fraudadas e militarismos desenfreados… fiquem com um pouco desse álbum e também da sua sequência de 2005, “Room V”…

Vocês ouviram “Out of nowhere”, “Hope for us”, “Ghost of a Chance”, “Manhunt” e “Encrypted”, com o Shadow Gallery.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar trazendo o grupo norte-americano Shadow Gallery, que continuou em atividade apesar da perda de um de seus membros fundadores.

 

digital-ghosts

O álbum “Room V” teve ótima repercussão e chegou a receber uma edição especial que incluía um CD bônus com uma suíte antológica… “Floydiam Memories”… em que o Shadow Gallery prestava uma homenagem ao Pink Floyd, reinterpretando temas clássicos do grupo em um medley de 24 minutos… mas esse seria o último álbum a contar com a voz de Mike Baker, que deixou nossa realidade em 29 de outubro de 2008.

Levaria um ano para o Shadow Gallery se recuperar do choque, com a entrada de Brian Ashland para os vocais e o lançamento do álbum “Digital Ghosts” em 2009… e curiosamente, seria só a partir de então que o grupo anunciaria que iriam começar a se apresentar ao vivo, algo que sempre havia sido esperado pelos fãs, mas que acabou só acontecendo depois da perda de uma das suas figuras centrais.

O álbum “Digital Ghosts” mostra que o grupo manteve em grande parte a sua sonoridade, conservando a força combinada de guitarras e teclados… mas, desde então, eles não lançaram mais trabalhos de estúdio, concentrando-se em tours… e, para essa segunda parte do programa, nós selecionamos um pouco desse que é o registro mais recente do Shadow Gallery.

Vocês ouviram “With honor”, “Pain” e “Strong”, com o Shadow Gallery.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

SHADOW GALLERY

BG – CHASED

1. OUT OF NOWHERE – 4:20

2. HOPE FOR US – 6:00

3. GHOST OF A CHANCE – 5:20

4. MANHUNT – 2:09

5. ENCRYPTED – 8:01

BG – MYSTERY

TOTAL – 25:50

SHADOW GALLERY

BG – VENON

1. WITH HONOR – 9:59

2. PAIN – 6:22

3. STRONG – 6:49

BG – TWO SHADOWS

TOTAL – 23:10

TOTAL GERAL – 49:00

Ouça o Art Rock com o Shadow Gallery que foi ao ar no dia 30/03/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *