Arquivo para janeiro, 2014

Dead Can Dance & Beth Gibbons

Posted in Programas with tags , on 30/01/2014 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos trazer dois trabalhos recentes de representantes de uma geração de músicos que viu o pop e o rock se fragmentarem em estilos com nomes diferentes, criados por uma crítica musical que fugia dos rótulos convencionais.

Dead Can Dance - Anastasis - Front

Vamos começar com um dos grupos que melhor ilustra essa fuga dos formatos clássicos, o Dead Can Dance… um dos mais singulares exemplos do chamado dark wave, a variante sombria e melancólica do new wave, que teve suas origens no movimento pós-punk e reúne bandas com sonoridades diferentes sob uma bandeira comum… chegando a ser usado para descrever do Bauhaus ao Cocteau Twins.

E um caso a parte é o Dead Can Dance, que foi formado em Melbourne pela australiana Lisa Gerrard e pelo inglês Brendan Perry em 1981… que se mudariam para Londres no ano seguinte, lançando seu primeiro álbum em 84, um trabalho dominado por uma sonoridade etérea, que ganharia contornos quase medievais no EP “Garden of the Arcane Delights” ou no segundo álbum, “Spleen and Ideal” de 85.

Tornando-se cultuado no circuito alternativo, o grupo se separaria em 98, com Lisa e Brendan iniciando outros projetos e colaborações… mas eles voltariam, primeiro em 2005 e, mais recentemente, em 2012, lançando o álbum “Anastasis”… seu primeiro registro de estúdio em mais de 15 anos… e que nós selecionamos para essa primeira parte do Art Rock de hoje.

Com o Dead Can Dance vocês ouviram “Anabasis”, “Opium”, “Return of the She-King” e “All in Good Time”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um trabalho solo de uma vocalista inglesa da geração dos anos 90, o álbum “Out of Season” de Beth Gibbons & Rustin Man…

Beth Gibbons - Out of Season

Conhecida como vocalista do grupo Portishead, Beth Gibbons contribui muito para a distinção do som do grupo, em meio a outros representantes do chamado trip hop, outra das designações que passaram a dividir o mundo do rock em nichos cada vez mais restritos, destinados a públicos segmentados, mais facilmente manipuláveis pela indústria musical.

Formado em 91, o Portishead não é um grupo muito prolífico… na primeira fase da sua carreira seriam lançados apenas dois álbuns de estúdio: “Dummy”, em 94 e “Portishead” de 97… depois disso houve uma breve separação, com um retorno somente em 2005… e foi durante esse período que Beth Gibbons gravaria seu álbum solo, uma colaboração com Paul Webb, ex-baixista do Talk Talk, que usou o pseudônimo Rustin Man.

Com uma sonoridade que mistura influências de jazz e folk, o álbum “Out of Season” saiu em 2002 e tem participações de integrantes do Portishead e do Talk Talk… mas é bem diferente de ambos, mostrando a variada gama de possibilidades dos músicos dessa geração difícil de categorizar… vamos ouvir um pouco desse único disco solo de Beth Gibbons…

Vocês ouviram Beth Gibbons & Rusty Man com “Mysteries”, “Tom the Model”, “Show”, “Sand River”, “Resolve”, “Drake”… essa última uma homenagem ao grande Nick Drake…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

DEAD CAN DANCE

BG – KIKO

1. ANABASIS – 6:50

2. OPIUM – 5:45

3. RETURN OF THE SHE-KING – 7:51

4. ALL IN GOOD TIME – 6:38

BG – CHILDREN OF THE SUN

TOTAL – 27:04

BETH GIBBONS

BG – SPIDER MONKEY

5. MYSTERIES – 4:39

6. TOM THE MODEL – 3:42

7. SHOW – 4:26

8. SAND RIVER – 3:49

9. RESOLVE – 2:51

10. DRAKE – 3:54

BG – ROMANCE

TOTAL: 23:20

TOTAL GERAL – 50:24

Ouça o Art Rock com a Dead Can Dance & Beth Gibbons que foi ao ar no dia 25/01/2014, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

 

Anúncios

Reprises de Janeiro

Posted in Programas with tags , , , on 23/01/2014 by Artrock

Olá ouvintes do Art Rock!

Os programas que foram ao ar pela rádio, no final de 2013 e começo de janeiro de 2014, foram reprises. Abaixo segue cada um deles para vocês que acompanham o nosso blog. Boas audições!!!

– Dia 28/12/13 foi ao ar a  Incredible String Band. (link para o arquivo de áudio reprisado aqui)

   hangmansbeautifuldaughter
ontinuous-performance1
– Dia 04/01/14 foi com o Affinity e o Stone the Crows. (link para o arquivo de áudio reprisado aqui)
affinity
– Dia 11/01/14 tivemos o Steve Hackett.  (link para o arquivo de áudio reprisado aqui)
genesisrevisitedii

Rainbow

Posted in Programas with tags on 23/01/2014 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos um programa com o grupo formado pelo genial guitarrista Ritchie Blackmore em 1975… o Rainbow, que se tornaria um dos mais respeitados descendentes do grande Deep Purple.

rainbow_rising

A história do Rainbow começou com a saída de Ritchie Blackmore do Deep Purple, em meio às desavenças durante as tours do álbum “Stormbringer”, o segundo da 3ª. formação do grupo… com o crescimento dos novos integrantes, David Coverdale e Glenn Hughes, Blackmore decidiu que estava na hora de começar um trabalho solo, pensando nos membros do grupo Elf para compor a sua banda de apoio.

O Elf havia aberto shows para o Purple, e o seu vocalista, Ronnie James Dio, tinha uma voz poderosa e uma sensibilidade que se afinava com a de Blackmore… e logo o guitarrista estava lançando o primeiro álbum com o novo grupo… e “Ritchie Blackmore’s Rainbow” de 75 seria considerado um retorno ao rock pesado, e recebido com entusiasmo pelos fãs.

rainbow-on-stage

A sonoridade do novo grupo mesclava um andamento quase medieval com o peso e a força da guitarra de Ritchie, tendo o contraponto perfeito na voz de Dio, que já tinha uma poética dominada por imagens que passavam da fantasia para a história, criando um formato que seria alicerce para o folk metal das gerações futuras… vamos conferir um pouco desses primeiros trabalhos do Rainbow.

Com o Rainbow vocês ouviram “Tarot Woman”, “Light in the Black” e “Still I’m Sad”, essa última, uma versão ao vivo para a faixa clássica dos Yardbirds.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um pouco da fase menos celebrada do Rainbow, depois da saída de Ronnie James Dio, quando o grupo mudou a direção do seu som.

Rainbow_down_to_earth

Depois da saída de Dio em 79, o grupo passou por uma reformulação e o vocal ficou para o britânico Graham Bonnet, que possuía um alcance de 4 oitavas, mas que tinha um estilo mais contemporâneo… tanto no cabelo curto como nas letras… e a força da sua voz até teria conseguido vencer a resistência dos fãs, mas ele acabaria saindo depois de um único álbum, “Down to Earth” de 1980.

A essa altura Blackmore estava procurando um som mais acessível, trazendo o vocalista americano Joe Lynn Turner, do grupo Fandango… que se mostrou muito mais maleável e acabaria acompanhando Ritchie em vários álbuns, incluindo uma participação na dupla folk que o guitarrista montaria com sua mulher Candice nos anos 90…

Rainbow_Difficult_To_Cure

No Rainbow, Joe Lynn Turner gravaria álbuns de grande sucesso, embora não muito apreciados pelos fãs… mas em retrospecto, eles tiveram bons momentos, em que o virtuosismo de Blackmore manteve o grupo entre os grandes nomes do rock, até encerrar atividades com a volta do Deep Purple em 84… o retorno em 95 não iria muito longe, pois logo Ritchie formaria o Blackmore’s Night e, desde então, o Rainbow permanece apenas uma memória…

Vocês ouviram o Rainbow com “Eyes of the World”, “Love’s no Friend”, “Spotlight Kid”, “Vielleicht Das Nachste Mal (Maybe Next Time)” e “Difficult to Cure”… essa última a famosa versão blackmoriana da 9ª. sinfonia de Beethoven.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

RAINBOW

BG – STARSTRUCK

1. TAROT WOMAN – 6:11

2. LIGHT IN THE BLACK – 8:11

3. STILL I’M SAD (LIVE) – 10:10

BG – STARGAZER

TOTAL – 24:32

RAINBOW

BG – ALL NIGHT LONG

4. EYES OF THE WORLD – 6:42

5. LOVE’S NO FRIEND – 4:55

6. SPOTLIGHT KID – 4:56

7. VIELLEICHT DAS NACHSTE MAL (MAYBE NEXT TIME) – 3:19

8. DIFFICULT TO CURE (LIVE) – 5:52

BG – CAN’T HAPPEN HERE

TOTAL: 26:17

TOTAL GERAL – 50:49

Ouça o Art Rock com a Rainbow que foi ao ar no dia 18/01/2014, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *