Arquivo para julho, 2018

Gillan Band

Posted in Programas with tags on 20/07/2018 by Art Rock

“Boa noite, no programa de hoje vamos trazer um projeto de vida curta, que foi formado por um dos maiores vocalistas da história do rock…

Estamos nos referindo à Ian Gillan Band, a investida de jazz rock que Ian Gillan tentou depois da sua saída do Deep Purple… na verdade, ele a princípio chegou a declarar que ia deixar a música de lado… mas acabou mudando de ideia, depois da sua malograda tentativa de reformar um hotel em Stoke-on-trent, no condado de Staffordshire, decorando-o com banheiros roxos e uma piscina em forma de guitarra…

Ele também havia montado seu próprio estúdio de gravação e, em 75, recrutou o guitarrista Ray Fenwick, o baixista John Gustafson, o tecladista Mike Moran e o baterista Mark Nauseef… para a produção ele chamou o amigo Roger Glover, e a Ian Gillan Band lançaria em 76 o seu primeiro álbum; “Child in Time”.

Mas a surpresa ficou por conta da sonoridade jazzística que não parecia em nada com o peso do Deep Purple, mesmo na versão para a clássica faixa “Child in Time”, uma das mais conhecidas músicas do grande DP… e o álbum “Clear Air Turbulance” de 77 seguiu a mesma linha… vamos conferir um pouco desses dois belos trabalhos da Ian Gillan Band.

Vocês ouviram “Down the Road”, “Child in Time”, “Clear air turbulance” e “Over the hill” com a Ian Gillan Band.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos trazer mais um pouco da Ian Gillan Band, que gravaria apenas três álbuns antes de encerrar atividades em 78.

O álbum “Clear Air Turbulance” já contava com o tecladista Colin Towns, e era ainda mais voltado para o jazz fusion, o que não agradou aos fãs de Gillan, apesar de ser muito bem recebido no Japão, onde o público estava mais aberto para essas explorações sonoras e não se importava tanto com rótulos… na Europa ele chegou a ser um trabalho elogiado, mas não vendeu tanto quanto seria de se esperar.

Era a segunda metade dos anos 70… a Inglaterra estava vivendo o Furacão Punk e o som da Ian Gillan Band parecia deslocado, pelo menos era isso que ele parecia para os executivos da Island Records… e nem mesmo a investida mais pesada com o álbum “Scarabus”, no final de 77 ajudou a impedir que eles perdessem o contrato com a gravadora.

Em 78 ainda seria lançado o álbum ao vivo “Live at the Budokan”, gravado no Japão… mas a essa altura Ian Gillan já havia montado um grupo de heavy metal com o nome encurtado para Gillan, e ganhando bastante repercussão nos anos seguintes até o retorno do vocalista para o primeiro time, primeiro com o Black Sabbath e depois é claro com a volta do Deep Purple… mas vamos fechar essa segunda parte do programa com mais um pouco dos seus devaneios jazzísticos com a Ian Gillan Band…

Com a Ian Gillan Band, vocês ouviram “Scarabus”, “Poor Boy Hero”, “Pre-release”, “Apathy”, “Fool’s Mate” e “Reaching out”.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Reinaldo Vilas-Boas… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

IGB

BG – MONEY LENDER

1. DOWN THE ROAD – 3:30

2. CHILD IN TIME – 7:27

3. CLEAR AIR TURBULANCE – 7:34

4. OVER THE HILL – 7:20

BG – ANGEL MANCHENIO

TOTAL: 25:51

IGB

BG – TWIN EXHAUSTED

1. SCARABUS – 4:54

2. POOR BOY HERO – 3:09

3. PRE-RELEASE – 4:24

4. APATHY – 4:17

5. FOOL’S MATE – 4:19

6. REACHING OUT – 3:44

BG – MERCURY HIGH

TOTAL: 24:47

TOTAL GERAL – 50:38

Ouça o Art Rock com Gillan Band que foi ao ar no dia 14/07/2018, clicando aqui.

Il Bacio Della Medusa

Posted in Programas with tags on 12/07/2018 by Art Rock

“Boa noite, hoje teremos um programa especial, trazendo o som de um dos grandes nomes da nova geração do progressivo italiano… Il Bacio Della Medusa.

O BDM foi formado em 2002 pelo vocalista e guitarrista acústico Simone Cecchini, junto do baterista Diego Petrini e do baixista Federico Caprai, ambos ex-integrantes do grupo Ornithos, de onde também viria mais tarde a flautista e saxofonista Eva Morelli… e eles gravariam em 2004 o seu primeiro álbum, que já contava também com a guitarra elétrica de Simone Brozzetti.

O álbum “Il Bacio della Medusa” já mostrava bem o potencial do grupo e o contrato com a Black Widow Records garantiu o lançamento em 2008 de mais um belo trabalho… “Discesa agl’inferi d’un giovane amante”, um álbum conceitual que aponta para a tradição da ópera rock e foi muito bem recebido pela crítica e pelo público no cenário progressivo europeu.

E eles repetiram a dose em 2012 com “Deus Lo Vult”, outro primoroso álbum conceitual, dessa vez inspirado no tema das Cruzadas e contando a desafortunada aventura do cavaleiro Simplicio na guerra pela Terra Santa… vamos começar a conferir a poderosa sonoridade do Il Bacio Della Medusa… mas antes, uma surpresa e um presente para você que curte o Art Rock: uma mensagem especial dos membros do BDM para os ouvintes do nosso programa…

Vocês ouviram “Cantico del poeta errante”, “Ricordi del supplizio”, “Simplicio” e “Deus lo Vult” com Il Bacio Della Medusa.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Continuamos com o genial Il Bacio Della Medusa, trazendo agora um pouco do álbum “Seme”, lançado em 2018.

Em 2016, o BDM, lançaria o álbum ao vivo “Il Bacio Della Medusa Live”… e, no ano seguinte, o grupo passou a contar com mais um guitarrista, Simone Matteucci… e eles começaram a trabalhar em um novo álbum que procuraria explorar novas possibilidades sonoras, sem deixar de lado a sua proposta musical que mescla riffs e climas pesados com passagens acústicas e fraseados de flauta.

O álbum “Seme” saiu em junho de 2018 e mostra o grupo disfrutando da diversidade propiciada pelos diálogos das guitarras dos três Simones com os demais integrantes, e um pouco mais de destaque para as passagens de teclado que, curiosamente, ficam a cargo do baterista Diego Petrini…

Estávamos devendo a algum tempo trazer esse grande grupo para os nossos ouvintes… e agradecemos ao nosso colega, o Rubens Sílvio, da RST Rádio Rock, que não só forneceu o álbum “Seme” para trazermos nessa segunda parte do Art Rock de hoje, como também nos propiciou o contato com os membros do grupo, que nos mandaram a mensagem que vocês puderam ouvir na abertura do programa… confiram um pouco de “Seme” com Il Bacio Della Medusa.

Com Il Bacio Della Medusa vocês ouviram “La sonda”, “Sudamerica”, “Il sentiero di luce” e “Animaemotica”.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… nós agradecemos ao nosso amigo Rubens Silvio da RST Radio Rock e em especial aos integrantes do Il Bacio Della Medusa… tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

BDM

BG – MELENCOLIA

1. CANTICO DEL POETA ERRANTE – 8:22

2. RICORDI DEL SUPPLIZIO – 6:27

3. SIMPLICIO – 4:27

4. DEUS LO VULT – 7:15

BG – NOSTALGIA PENTIMENTO E RABBIA

TOTAL: 26:31

BDM

BG – 5 E 1_4 … FUORI DALLA FIESTRA IL TEMPO È DISPARI

1. LA SONDA – 5:54

2. SUDAMERICA – 8:51

3. IL SENTIERO DI LUCE – 5:46

4. ANIMAEMOTICA – 3:27

BG – UTHOPIA… IL NON LUOGO

TOTAL: 23:58

Ouça o Art Rock com Il Bacio Della Medusa que foi ao ar no dia 07/07/2018, clicando aqui.

Sol Invictus & Circulus

Posted in Programas with tags , on 05/07/2018 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos explorar as nem sempre bucólicas paisagens do neo-folk britânico, começando com um grupo veterano que já passou das três décadas de carreira, o Sol Invictus.

Mostrando a natureza infinitamente polimórfica do rock, alguns grupos fundadores do movimento neo-folk podem traçar suas origens ao punk rock… esse é o caso do Sol Invictus, cujo fundador, Tony Wakeford, era o baixista do grupo punk Crisis, onde também tocava o guitarrista Douglas Pearce, com quem ele formaria em 81 o Death in June, considerado um dos catalizadores do ressurgimento do folk rock inglês.

Como outros punk rockers desiludidos Tony Wakeford acabaria seguindo caminho do radicalismo de direita, o que o levaria a ser convidado a sair do Death in June em 84… logo depois ele formaria o projeto Above the Ruins… mas essa fase funesta não iria longe… em 87 ele formaria o Sol Invictus, cujo nome celebrava o deus solar romano e já indicava a nova direção que ele tomaria em sua música.

Descrito como folk noir e até apopcalyptic-folk, o Sol Invictus é dono de uma carreira prolífica em que os elementos políticos foram dando lugar à exploração do rico legado do paganismo que já é anunciado no nome do grupo… Tony Wakeford também gravaria com o Nurse With Wound e com o Current 93, fundaria o Orchestra Noir e manteria ainda uma movimentada carreira solo… mas, nessa primeira parte do programa, vocês ficam com um pouco do som singular do Sol Invictus.

Vocês ouviram o Sol Invictus com “Amongst the Ruins”, “Death of the West”, “Time Flies”, “Remember and Forget”, “Gods”, “We are the Dead Men” e “The Edge Beckons”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar com o folk inglês, mas agora com um grupo que já trouxemos no programa há muito tempo, o Circulus.

O Circulus paga tributo ao folk psicodélico dos anos 60, influenciado por grandes nomes como o Fairport Convention, o Steeleye Span e o Pentangle… mas também do genial Jade, de Dave Waite & Marianne Segal, sendo que nesse último caso eles levaram sua admiração um passo adiante, chegando a colaborar no álbum de retorno da cantora, lançado em 2007.

Centrado em torno do multi-instrumentista Michael Tyak, o Circulus surgiu em 97 e lançaria três belos trabalhos até 2009… depois disso, o grupo não voltaria a lançar novos trabalhos de estúdio, apesar de possuírem seu próprio selo, a Mythical Cake Records…

Com uma sonoridade que eles mesmo descrevem como medieval space rock ou barroque & roll , o Circulus anunciou um novo álbum de estúdio em 2018… mas esse trabalho fica para outro Art Rock, para fechar o programa de hoje nós selecionamos faixas do álbum “Thoughts Become Reality” de 2009, o último da primeira fase do grupo.

Com o Circulus vocês ouviram “Transmuting Power”, “Guide our Way”, “Michaels Garden”, “Packingtons Pound”, “Tristan Laments” e “Kalenda Maya”.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Araly Moser… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

SOL INVICTUS

BG – THE BLADE

1. AMONGST THE RUINS – 2:53

2. DEATH OF THE WEST – 2:10

3. TIME FLIES – 6:50

4. REMEMBER AND FORGET – 3:43

5. GODS – 5:14

6. WE ARE THE DEAD MEN – 2:08

7. THE EDGE BECKONS – 3:34

BG – PETALS FROM A ROSE

TOTAL: 26:32

CIRCULUS

BG – SUMMER IS INCUMEN IN

1. TRANSMUTING POWER – 4:32

2. GUIDE OUR WAY – 3:34

3. MICHAELS GARDEN – 3:11

4. PACKINGTONS POUND – 3:43

5. TRISTAN LAMENTS – 4:09

6. KALENDA MAYA – 4:17

BG – TROTTO

TOTAL: 23:27

TOTAL GERAL – 49:59

Ouça o Art Rock com Sol Invictus & Circulus que foi ao ar no dia 30/06/2018, clicando aqui.