Arquivo para setembro, 2018

Electric Mud

Posted in Programas with tags on 28/09/2018 by Art Rock

“Boa noite, hoje no programa vamos trazer um grupo da nova geração do progressivo germânico, o Electric Mud, que foi uma indicação do nosso amigo Rubens Sílvio…

Na verdade, esse não foi o primeiro grupo alemão a se inspirar no nome de um dos álbuns clássicos do grande patriarca Muddy Waters… o primeiro Electric Mud foi um pioneiro do lado mais pesado do krautrock e havia lançado um único álbum em 71… mas, para o programa de hoje, nós vamos trazer um grupo muito mais recente, que evoluiu a partir da dupla formada por Hagen Bretschneider e Lennart Hüper…

Os dois haviam começado a explorar os limites do rock em 2011, e o seu primeiro trabalho conjunto foi o álbum “Dead Cat on a Railroad Track”, lançado em 2013, um material construído apenas por guitarra e baixo acompanhado de drum machine… o resultado foi bem recebido e a dupla de Hannover lançaria em 2015 o álbum “Lunatic Asylum”, que contava com Nico Walser na guitarra e sintetizadores.

Deixando de lado uma proposta originalmente calcada no blues rock o que emergiria com o tempo seria uma sonoridade que eles chamaram de pós-progressivo… e nós vamos começar o programa de hoje trazendo um pouco do álbum “Wrong Planet” de 2016… mas primeiro, uma surpresa que o nosso amigo Rubens Sílvio nos ajudou a conseguir: uma mensagem do Electric Mud para os ouvintes do nosso programa…

Vocês ouviram “Foreign Fields”, “Liquid Sky”, “Deep Sand” e “Empire of the Sun” com o Electrick Mud.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar agora trazendo um trabalho mais recente do Electric Mud… seu álbum de 2018, “The Deconstruction of Light”.

A boa recepção do álbum “Wrong Planet”, mostrava bem que ainda existe espaço para um rock instrumental, com paisagens sonoras que formam um conjunto próprio, onde os prog heads veteranos podem reconhecer a amálgama de muitas influências… de grupos britânicos como o Pink Floyd e o King Crimson aos germânicos do Tangerine Dream e do Cluster…

E o Electric Mud voltaria à carga com o álbum “The Deconstruction of Light” de 2018, mantendo a sua atitude independente, sem se subordinar às expectativas há muito desgastadas da antiquada e conservadora tirania mercadológica… felizmente o cenário alternativo continua capaz de produzir iniciativas surpreendentes.

Foi na divulgação do álbum “The Deconstruction of Light” que esse grupo chegou ao alcance do nosso colega Rubens Sílvio, que nos propiciou o material selecionado para o programa de hoje e também o contato para a mensagem que eles enviaram para o nosso programa… vamos conferir um pouco desse belo registro do Electric Mud.

Vocês ouviram o Electric Mud com “Black Dog”, “Suburban Wasteland Blues” e “Heads in Beds”.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ELECTRIC MUD

BG – WRONG PLANET

1. FOREIGN FIELDS – 6:20

2. LIQUID SKY – 8:48

3. DEEP SAND – 4:37

4. EMPIRE OF THE SUN – 5:03

BG – RABBIT HOLE

TOTAL: 24:47

ELECTRIC MUD

BG – CANARY IN A CATHOUSE

1. BLACK DOG – 5:46

2. SUBURBAN WASTELAND BLUES – 4:03

3. HEADS IN BEDS – 11:50

BG – THROUGH THE GATES

TOTAL: 21:39

TOTAL GERAL – 46:26

Ouça o Art Rock com Electric Mud que foi ao ar no dia 22/09/2018, clicando aqui.

Strawberry Alarm Clock

Posted in Programas with tags on 21/09/2018 by Art Rock

“Boa noite, no programa de hoje uma figura importante do rock norte americano que atravessou a barreira do hiperespaço em agosto de 2018, o guitarrista Ed King, do Lynyrd Skynyrd.

Edward Calhoun King era um nome conhecido para os fãs do Southern Rock por sua passagem pelo grande Lynyrd Skynyrd, onde dividiu a posição de guitarrista com Allen Collins e Gary Rossington… mas ele havia entrado em 72 para substituir o baixista Leon Wilkeson, e foi só quando este voltou que King passou para a guitarra, ajudando a dar forma à sonoridade do grupo em seus clássicos primeiros álbuns.

Mas Ed King já era uma figura respeitada no rock… na verdade, ele conheceu aqueles garotos do Sul quando eles abriram shows para uma das lendas do rock psicodélico californiano: o Strawberry Alarm Clock, onde King era guitarrista e já mostrava a sua versatilidade, assumindo ocasionalmente o baixo…

O Strawberry Alarm Clock havia surgido em 66, da união de dois grupos da área de Los Angeles, o Thee Sixpence e o Waterfyrd Traene… e desde o começo eles chamaram a atenção graças ao hino “Incense and Peppermints”, que também foi o nome do primeiro álbum do grupo, lançado em 1967… para esse programa nós selecionamos um pouco do som psicodélico desse começo da carreira de Ed King…

Vocês ouviram “The World’s on Fire”, “Birds in my Tree”, “Strawberries Mean Love”, “Hummin’ Happy”, “Incense and Peppermints”, “They Saw the Fat One Coming” e “Sit With the Guru”, com o Strawberry Alarm Clock.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Vamos continuar lembrando o guitarrista Ed King, com faixas do seu primeiro grande grupo, o Strawberry Alarm Clock.

Apesar do sucesso da primeira fase da sua carreira, o Strawberry Alarm Clock acabou sendo um dos muitos grupos psicodélicos que perdeu terreno nos anos 70… eles não voltariam a gravar depois do álbum “Good Morning Starshine” de 69, ainda que continuassem a se apresentar e excursionar nos anos seguintes.

Foi numa dessas tours que Ed King fez amizade com os garotos do Lynyrd Skynyrd e ele optou por continuar com eles depois que o Strawberry Alarm Clock encerrou atividades em 71… mas ele não ficaria muito tempo com eles, deixando o Skynyrd em 75 depois de participar dos clássicos álbuns “Pronounced ‘Lĕh-‘nérd ‘Skin-‘nérd”, “Second Helping” e “Nuthin’ Fancy”.

Ed seria um dos responsáveis pela volta do Lynyrd Skynyrd nos anos 80 e continuaria com eles até 96 quando saiu por problemas de saúde… curiosamente, ele não participou do retorno do Strawberry Alarm Clock em 2001, nem do álbum “Wake Up Where You Are” que eles lançaram em 2012… só se reuniria com seus velhos companheiros para um único show em 2007… vamos lembrar mais um pouco dos seus tempos de psicodelia…

Vocês ouviram o Strawberry Alarm Clock com “Black Butter – Past, Present and Future”, “Sea Shell”, “Blues for a Young Girl Gone”, “A Million Smiles Away”, “Small Package” e “Miss Atraction”.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

STRAWBERRY ALARM CLOCK

BG – RAINY DAY MUSHROOM PILLOW

1. THE WORLD’S ON FIRE – 8:26

2. BIRDS IN MY TREE – 1:55

3. STRAWBERRIES MEAN LOVE – 3:02

4. HUMMIN’HAPPY – 2:29

5. INCENSE AND PEPPERMINTS – 2:51

6. THEY SAW THE FAT ONE COMING – 3:28

7. SIT WITH THE GURU – 3:05

BG – PASS TIME WITH THE SAC

TOTAL: 25:16

STRAWBERRY ALARM CLOCK

BG – SHALLOW IMPRESSIONS

1. BLACK BUTTER – PAST – 2:26

2. BLACK BUTTER – PRESENT – 2:09

3. BLACK BUTTER – FUTURE – 1:31

4. SEA SHELL – 3:02

5. BLUES FOR A YOUNG GIRL GONE – 2:32

6. A MILLION SMILES AWAY – 2:38

7. SMALL PACKAGE – 3:56

8. MISS ATRACTION (SINGLE VERSION) – 2:42

BG – CHANGES

TOTAL: 20:56

TOTAL GERAL – 46:12

Ouça o Art Rock com Strawberry Alarm Clock que foi ao ar no dia 15/09/2018, clicando aqui.

Tangerine Dream

Posted in Programas with tags on 17/09/2018 by Art Rock

“Boa noite, hoje no programa teremos um pouco do esforço de sobrevivência de um grupo lendário, o Tangerine Dream, após a perda do seu genial líder, Edgar Froese…

Não há fã de progressivo que não conheça esse grande decano do kraut rock… desde o seu surgimento em 67, o Tangerine Dream desbravou os caminhos então ainda desconhecidos da música eletrônica, enveredando pelas nem sempre serenas paisagens siderais ao mesmo tempo que a humanidade fazia suas primeiras investidas no oceano cósmico…

E, enquanto o ânimo para as explorações espaciais pareceu se perder, recolhendo-se para viagens mais tímidas, o grupo de Edgar Froese seguiu inabalável e chegou ao nosso desacorçoado século XXI sem fraquejar, mantendo um ritmo invejável de lançamentos e tours sem dar sinais de pensar em parar.

Mas, em 20 de janeiro de 2015, o velho viajante Edgar Froese encontrou o portal quântico que separa os planos do multiverso e deixou para trás a nossa insípida realidade… para muitos isso significaria o fim, mas a natureza trans-humana do Tangerine Dream não se deixaria abalar pelo partida de seu fundador para explorar novas realidades… confiram um pouco do que eles andaram fazendo…

Vocês ouviram “Roll the seven twice”, “Identity Proven Matrix” e “Non Locality Destination” com o Tangerine Dream.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar trazendo um pouco do trabalho do Tangerine Dream… que agora continua sem o gênio criativo de Edgar Froese.

Todos esperavam que o velho Tangerine encerrasse atividades… o próprio Jerome Froese, filho de Edgar, que havia participado do grupo de 1990 a 2006, chegou a declarar que não havia mais sentido em continuar sem o seu pai… mas os membros remanescentes da última formação ganharam o apoio de Bianca Froese-Acquaye e resolveram seguir em frente.

Artista plástica, fotógrafa e produtora, Bianca já havia colaborado em outras ocasiões com o Tangerine Dream… e, como viúva de Edgar Froese, ela passou a defender que a melhor maneira de celebrar o legado era prosseguir com o trio formado por Thorsten Quaeschining nos teclados, bateria, guitarra e vocais, Ulrich Schauss nos sintetizadores e sequenciadores e Hoshiko Yamane nos violinos, violas e cellos elétricos.

Primeiro eles prepararam o EP “Quantum Key” seguido no final de 2017 pelo álbum “Quantum Gate”… ambos se baseavam em um conceito desenvolvido por Edgar Froese e contêm composições e algumas partes gravadas por ele… o álbum foi um dos selecionados para os Progressive Music Awards, nas categorias de Melhor Banda e álbum do ano… e o trio mantém-se ativo no circuito de festivais, dando indícios de que a sua hipnótica sonoridade eletrônica pode ainda estar longe de se encerrar.

Vocês ouviram o Tangerine Dream com “Tear down the Grey Skies”, “Electron Bonfire” e “Drowning in Universes”.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… …tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

TANGERINE DREAM

BG – IT IS TIME TO LEAVE WHEN EVERYONE IS DANCING

1. ROLL THE SEVEN TWICE – 6:25

2. IDENTIY PROVEN MATRIX – 5:18

3. NON LOCALITY DESTINATION – 10:00

BG – GRANULAR BLANKETS

TOTAL: 21:44

TANGERINE DREAM

BG – MIRAGE OF REALITY

1. TEAR DOWN THE GREY SKIES – 6:17

2. ELECTRON BONFIRE – 5:05

3. DROWNING IN UNIVERSES – 11:07

BG – PROTON BONFIRE

TOTAL: 22:29

TOTAL GERAL – 44:14

Ouça o Art Rock com  Tangerine Dream que foi ao ar no dia 08/09/2018, clicando aqui.

Heather Findlay

Posted in Programas with tags on 05/09/2018 by Art Rock

“Boa noite, hoje teremos no programa um pouco dos trabalhos recentes de Heather Findlay a ex-vocalista do grupo Mostly Autumn…

Durante a sua longa fase como membro do Mostly Autumn, Heather Findlay era celebrada como uma das grandes vozes do rock inglês contemporâneo, em particular do folk e do progressivo… mas, depois que deixou o grupo em 2010, ela diminuiu um pouco o seu ritmo de trabalho, lançando apenas o EP “The Phoenix Suite” em 2011, em vez de um álbum completo como os fãs esperavam.

Na sequência, Heather lançaria dois álbuns ao vivo: “Live at the Café 68” e “Songs from the old kitchen”… o que parecia mesmo mostrar que ela estava passando por uma crise criativa… só em 2014 ela anunciaria um novo projeto, o grupo anglo-americano Mantra Vega, que nós já trouxemos aqui no Art Rock… mas ele não foi muito adiante e, em 2016 sairia o álbum “I am Snow” com a Heather Findlay Band…

Além de Heather Findlay nos vocais, guitarra e outros instrumentos, a banda conta com os guitarristas Martin Ledger e Isaac McInnis, o baixista Stuart Fletcher, o baterista Henry Rogers, a tecladista Sarah Dean e ainda com a presença de outra ex-integrante do Mostly Autumn, a flautista Angela Gordon… vamos conferir um pouco desse belo exemplo do folk progressivo.

Vocês ouviram “I am Snow”, “Dark Eyes / The Dreamer’s Wake”, “Winter Winds” e “Shrinking Violet” com a Heather Findlay Band.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir o registro mais recente de Heather Findlay… “Aces & Eights – A Night In The Saloon Bar” de 2018… um show acústico lançado em CD e DVD.

Depois de “I am Snow” Heather continuou se apresentando com versões diferentes de sua banda… como no quarteto que lançou o single “Horse Feathers” no final de 2017, contendo versões para as músicas tradicionais “Gaudete” e “The Snows They Melt The Soonest”.

Seguindo essa mesma proposta ela já havia se apresentado em abril daquele ano com o Heather Findlay Trio, que contava com a própria Heather na guitarra e vocais, Sarah Dean na harpa e Martin Ledger nas guitarras… e o resultado foi filmado, capturando a atmosfera de tons avermelhados da iluminação, que acentua o clima intimista do show.

A versão em CD traz os highlights dessa noite memorável, disponível na íntegra no DVD lançado simultaneamente em junho de 2018… e é um pouco desse belo registro: “Aces & Eights – A Night In The Saloon Bar”, que nós selecionamos para essa segunda parte do programa de hoje.

Vocês ouviram “Mountain Spring”, “Magnolia Half Moon”, “Unoriginal Sin” e “Evergreen” com o Heather Findlay Trio.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

HEATHER FINDLAY BAND

BG – BITTERNESS BURNT

1. I AM SNOW – 6:55

2. DARK EYES / THE DREAMER’S WAKE – 6:39

3. WINTER WINDS – 2:18

4. SHRINKING VIOLET – 8:27

BG – DAY THIRTEEN: SIGN

TOTAL: 24:19

HEATHER FINDLAY TRIO

BG – I’VE SEEN YOUR STAR

1. MOUNTAIN SPRING – 6:04

2. MAGNOLIA HALF MOON – 4:51

3. UNORIGINAL SIN – 5:37

4. EVERGREEN – 9:12

BG – YELLOW TIME

TOTAL: 25:45

TOTAL GERAL – 50:04

Ouça o Art Rock com Heather Findlay Band que foi ao ar no dia 25/08/2018, clicando aqui.

Stick Men

Posted in Programas with tags on 04/09/2018 by Art Rock

“Boa noite, o programa de hoje vamos trazer uma colaboração do nosso companheiro Rubens Silvio, que nos conseguiu um material imperdível de um grupo que os nossos ouvintes já conhecem muito bem, os Stick Men de Pat Mastelotto, Markus Reuter & Tony Levin…

Como trouxemos recentemente no programa esse trio pertencente à nobre família crimsoniana, acho que podemos dispensar as apresentações… basta lembrar que ele surgiu em 2007 a partir de um álbum solo do grande baixista Tony Levin, em que ele mergulhava nas suas alugações com a natureza polimórfica do chapman stick…

Esse instrumento singular foi uma criação do músico de jazz Emmett Chapman, para usar com o seu método de “mãos livres” (free hands) em que a manipulação é feita com os dedos de ambas as mãos por meio da técnica de tapping… diretamente no braço e não no corpo da guitarra.

Chappman começou em 69 a evoluir o conceito, desenvolvendo uma guitarra de nove cordas que chamou de “freedom guitar”… mas em 74 ele apresentou para o público o primeiro Stick, que foi logo abraçado por feras como Alphonso Johnson do grupo Weather Report… e também por um então jovem baixista chamado Tony Levin que se tornaria um grande entusiasta e, anos mais tarde, criaria o trio Stick Men só para explorar as muitas viagens possíveis com essa ferramenta sonora…

Vocês ouviram “Hide in the Trees”, “Larks tongues in aspic – part two”, que é a segunda parte do tema crimsoniano do nosso programa… e, para fechar, “Red” outra clássica do King Crimson Club ” com os Stick Men & David Cross, ao vivo no Carioca Club em São Paulo!

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar com o grupo Stick Men, trazendo mais um pouco da memorável apresentação deles com David Cross, no Carioca Club em São Paulo, em 24 de agosto de 2018.

O show foi registrado nesse bootleg que vocês estão conferindo aqui no Art Rock… foi a primeira apresentação da tour sul americana do grupo, na qual eles teriam a companhia do genial violinista David Cross… outro representante da família do King Crimson.

O show no Club Carioca de São Paulo teve uma atmosfera bem contemporânea, pois o visual mais hard edge do ambiente era bem diferente da sóbria e adornada e quase duas vezes centenária sala do Teatro Municipal São Caetano de Niteroi, onde acabou sendo realizado o segundo concerto da excursão, que originalmente era para ser no Rio de Janeiro.

A presença de David Cross contribuiu para tornar ainda mais crimsoniano o som do grupo… e essa não foi a primeira vez que o violinista participou dos Stick Men, que já tinha realizado uma tour anterior com ele, registrada no álbum “Midori”, gravado ao vivo em Tokyo e disponível apenas em formato digital… felizmente, essa nova colaboração memorável foi também registrada, dessa vez como um bootleg, que graças ao nosso amigo Rubens Sílvio, estamos trazendo aqui para os ouvintes do Art Rock!

Vocês ouviram “Mantra”, “Prog Noir” e “Open” com os Stick Men.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

STICK MEN

BG – CUSP

1. HIDE IN THE TREES – 6:45

2. LARKS’TONGUES IN ASPIC – PART TWO – 6:18

3. RED – 6:20

BG – SWIMMING IN TEA

TOTAL: 24:43

STICK MEN

BG – SCHATTENHAFT

1. MANTRA 5:25

2. PROG NOIR – 6:15

3. OPEN – 13:20

BG – SHADES OF STARLESS

TOTAL: 25:00

TOTAL GERAL – 49:43

Ouça o Art Rock com Stick Men que foi ao ar no dia 01/09/2018, clicando aqui.

Emerald Dawn & Evership

Posted in Programas with tags , on 04/09/2018 by Art Rock

“Boa noite, hoje teremos no programa dois grupos recentes que mostram que o paradigma progressivo está longe de ter sido superado… e vamos começar com os escoceses do Emerald Dawn.

O grupo foi formado em Edinburgo, e era originalmente uma dupla de multi-instrumentistas… Tree Stewart nos teclados, flauta, guitarra, percussão e vocais e Ally Carter nas guitarras, sintetizadores, sax, teclados e vocais… mas, quando decidiram se mudar para a Inglaterra e se fixar na região de Cornwall, eles acabaram acrescentando o baterista Tom Jackson… e foi com essa formação que gravaram o primeiro álbum “Search for the Lost Key”, lançado de forma limitada em 2014.

O álbum já mostrava as influências do Pink Floyd, Camel, Steve Hackett, e também de grupos da geração neoprogressiva dos anos 80… e eles continuariam a desenvolver a sua proposta acrescentando o baixista Jayjay Quick para a gravação do seu segundo álbum, “Visions”, que sairia em 2017 pela World’s End Records e já os mostrava dando um passo adiante com a ambiciosa faixa “Music Noire”, de mais de 20 minutos!

Na formação mais recente do Emerald Dawn o baixo foi assumido por David Greenaway… e o grupo continua se esforçando para encontrar o seu caminho no cenário do prog rock britânico contemporâneo… vamos conferir um pouco dos seus dois registros de estúdio, “Search for the Lost Key” e “Visions”…

Vocês ouviram “In search of the lost key”, “A vision left unseen” e “Waves”, com o Emerald Dawn…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Nessa segunda parte do programa vamos conferir o som de um grupo progressivo nascido em Nashville, Tennessee, a capital da country music.

Estamos nos referindo ao Evership, uma criação do produtor e multi-instrumentista Shane Atkinson, um veterano que havia tocado em várias bandas nos anos 80 e 90 e que também trabalhava como compositor para temas de comerciais, trilhas de cinema e teatro… além disso, ele chegou a gravar dois álbuns com o grupo de rock alternativo Curious Fools, acabando por se desapontar e deixar de lado a música por um tempo.

Mas ele nunca deixou de compor… e, em 2005, resolveu começar aos poucos um novo projeto que evoluiria para se transformar no Evership… só que levaria um bom tempo… ele passaria anos selecionando as faixas para o que seria o primeiro álbum, começando a gravação das demos em 2009 e reunindo músicos para o empreendimento… na verdade, as gravações demorariam para começar e as formações do grupo também iriam mudando enquanto isso.

Em meio às mudanças, algumas posições centrais se firmaram, com Beau West nos vocais, Jaymi Millard no baixo e Rob Higginbotham na guitarra… Shane Atkinson cuidaria dos teclados e bateria e o seu irmão James assumiria a outra guitarra… mas, apesar de todas as dificuldades o projeto finalmente foi bem sucedido com o lançamento em 2016 do álbum “Evership”, que foi um dos dez álbuns do ano do site ProgArchives…

Com o Evership vocês ouviram “Silver Light” e “Flying Machine”.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

EMERALD DAWN

BG – BEYOND THE WALL

1. IN SEARCH OF THE LOST KEY – 11:06

2. A VISION LEFT UNSEEN – 7:00

3. WAVES – 8:38

BG – BURIDAN’S LAMENT

TOTAL: 26:44

EVERSHIP

BG – EVERMORE

4. SILVER LIGHT – 9:26

5. FLYING MACHINE – 13:44

BG – ULTIMA THULE

TOTAL: 22:10

TOTAL GERAL – 49:54

Ouça o Art Rock com Emerald Dawn & Evership que foi ao ar no dia 18/08/2018, clicando aqui.