Archive for the Programas Category

Roger Waters

Posted in Programas with tags on 01/11/2018 by Art Rock

“Boa noite, como não podia deixar de ser, o programa de hoje será com uma figura genial que está excursionando pelo Brasil, com shows em várias cidades, inclusive Curitiba… o grande poeta da angústia e do existencialismo, Roger Waters do Pink Floyd.

Naturalmente não é preciso perder tempo apresentando essa figura genial, pois não há fã do rock, e em especial do progressivo, que não tenha álbuns do Pink Floyd entre os seus favoritos… e, desde a saída de Syd Barrett em 1968, Roger Waters acabaria assumido o controle do grupo, tornando-se a grande força criativa por trás de álbuns clássicos como “The Dark Side of the Moon”, “Wish You Were Here”, “Animals” e “The Wall”.

Apesar de terem menos impacto do que suas obras-primas com o Floyd, os trabalhos solo de Roger mantiveram a sua proposta criativa, com climas sonoros que conduzem narrativas cheias de conteúdo crítico, sempre trabalhando temas que se entrelaçam com as muitas faces da nossa angustiante realidade… foi assim com “Amused to Death” de 92 e novamente com “Is This the Life We Really Want” de 2017, seu primeiro álbum de estúdio em 25 anos.

Depois de realizar a mais bem sucedida excursão solo da história do rock… a “Wall Live” tour entre 2010 e 2013… Roger resolveu voltar à carga para condenar a ascensão dos movimentos autoritários no mundo… sempre político, ele não poderia ficar de fora dessa briga e a tour “Us + Them” foi o resultado… vamos começar conferindo um pouco de um bootleg gravado no final de 2016, no começo dessa tour memorável…

Vocês ouviram Roger Waters com “Money”, “Us and Them” e “Pigs (Three Different Ones)”… três curtos momentos de um show de quase três horas no Desert Trip Music Festival, realizado no Indio Empire Polo Club, na Califórnia, em 9 de outubro de 2016.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vocês vão poder conferir um pouco do álbum “Is This the Life We Really Want”, que Roger Waters lançou em 2017, mais um belo libelo desse grande músico que é responsável por alguns dos momentos mais marcantes do rock dos anos 70…

Desde o começo, a tour “Us + Them” causou grande polêmica, pois aparentemente muitos tinham resolvido esquecer qual era o posicionamento político de Roger Waters, sua defesa intransigente da democracia acima de tudo e da crítica implacável que ele sempre havia feito a qualquer forma de autoritarismo ou totalitarismo.

Durante os shows nos Estados Unidos sua crítica mordaz foi voltada claramente para os extremismos do recém-eleito presidente Donald Trump… e, em sua passagem pelo Brasil, Roger repetiu a dose, atraindo a antipatia de muitos que parece que também não sabiam do seu ativismo… foi vaiado, mas também foi muito aplaudido, mostrando que, onde quer que vá, encontra plateias dividas em seu posicionamento como indivíduos, mas unidas na sua apreciação pelo talento desse grande nome do rock.

Roger Waters nunca escondeu suas posições… ele celebrou a queda do Muro de Berlin, mas foi a Israel criticar o Muro da Cisjordânia, sua luta sempre foi contra a opressão das liberdades em quaisquer sistemas políticos ou econômicos… ele não está de um lado ou de outro, aliás, esse é o tema dessa excursão: não existe isso de Nós e Eles… ele prefere Nós + Eles…isso é: todos… o que ele critica é a defesa da violência, da exclusão, do preconceito… e esse é também o tema do álbum “Is This the Life We Really Want”…

Vocês ouviram “Déjà Vu”, “The Last Refugee”, “Broken Bones”, “Smell the Roses” e “Wait for Her” com o genial Roger Waters.

O Art Rock fica por aqui, o programa foi criado por Vidal Costa e Beto Bittencourt, a produção e a apresentação foram de Vidal Costa e a edição de Reinaldo Vilas Boas… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ROGER WATERS

BG – LIFT ME UP

1. MONEY – 6:25

2. US AND THEM – 7:57

3. PIGS (THREE DIFFERENT ONES) 11:30

BG – RHYTHM OF LOVE

TOTAL: 25:52

ROGER WATERS

BG – BIRD IN A GALE

1. DÉJÀ VU – 4:28

2. THE LAST REFUGEE – 4:15

3. BROKEN BONES – 4:57

4. SMELL THE ROSES – 5:18

5. WAIT FOR HER – 4:56

BG – THE MOST BEAUTIFUL GIRL

TOTAL: 23:53

TOTAL GERAL – 49:45

Ouça o Art Rock com Roger Waters que foi ao ar no dia 27/10/2018, clicando aqui.

Yes featuring Anderson, Rabin and Wakeman

Posted in Programas with tags on 29/10/2018 by Art Rock

“Boa noite, hoje teremos um programa com uma das metades essenciais que formam um grande grupo que segue dividido…

Estamos nos referindo ao incomparável Yes, que não encerrou atividades, mas que sofreu uma metamorfose depois que o último integrante da formação original do grupo, o baixista Chris Squire, deixou a nossa realidade em 2015… nessa época eles estavam em tour promovendo o álbum “Heaven & Earth” de 2014, tendo Jon Davidson nos vocais, e seguiram em frente com Billy Sherwood assumindo o lugar de Chris.

Enquanto isso, Jon Anderson, que havia deixado o grupo em 2008, estava envolvido com sua carreira solo e também com um projeto que já vinha se arrastando desde 2010 de um trio com seus antigos companheiros Trevor Rabin e Rick Wakeman… essa união já havia gerado muita expectativa, mas os conflitos de agenda dos músicos dificultavam o progresso das gravações e o novo grupo nunca parecia sair do papel.

Só em 2016 eles conseguiram se organizar e a tour “An Evening of Yes Music and More” com Anderson, Rabin and Wakeman teve ótima repercussão, motivando os músicos a seguir em frente com o projeto… e então, em 2017, Jon Anderson anunciou que eles passariam a usar o nome Yes featuring Anderson, Rabin and Wakeman… e vocês vão poder conferir agora um pouco do álbum ao vivo gravado por essa nova versão do Yes em 25 de março de 2017 em Manchester, na Inglaterra.

Vocês ouviram o Yes featuring Anderson, Rabin and Wakeman com “I’ve Seen All Good People”, “Heart of the Sunrise” e “Changes”…

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Vamos continuar trazendo um pouco do primeiro álbum do outro Yes… que conta em sua formação com os vocais de Jon Anderson, a guitarra de Trevor Rabin e os teclados de Rick Wakeman.

O nome Yes, legalmente, é uma propriedade conjunta de Jon Anderson, Chris Squire, Steve Howe e Alan White… mas, quando deixou o grupo pela primeira vez, Jon Anderson concordou em não criar problemas para os ex-companheiros… e esse acordo informal foi mantido quando ele saiu novamente do grupo em 2008…

Para todos os efeitos, o grupo que tivesse Chris Squire em sua formação usaria com exclusividade o nome Yes… mas esse acordo, é claro, deixou de valer quando Chris atravessou a barreira do hiperespaço em 2015 e Jon Anderson declarou que havia conversado com a viúva dele e que ela própria havia lhe dado a sugestão de usar o nome no seu grupo com Rabin e Wakeman…

E assim, tanto o álbum “Live at the Apollo” como a excursão mundial “Quintessential Yes: The 50th Anniversary Tour” de 2018 seriam creditadas a Yes featuring Anderson, Rabin and Wakeman… ficou consolidada assim a divisão do decano do progressivo que passa a estar dividido em dois grupos diferentes… vamos continuar ouvindo um pouco do álbum ao vivo e fechar com a primeira faixa de estúdio “Fragile”, baseada num tema composto por Trevor Rabin para os End Tittles da série de TV “Agent X” de 2015…

Vocês ouviram “Long Distance Runaround / The Fish”, “Make it Easy / Owner of a Lonely Heart” e “Fragile” com o Yes featuring Anderson, Rabin and Wakeman.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

YES FEATURING ANDERSON, RABIN AND WAKEMAN

BG – LIFT ME UP

1. I’VE SEEN ALL GOOD PEOPLE – 7:43

2. HEART OF THE SUNRISE – 11:26

3. CHANGES – 7:00

BG – RHYTHM OF LOVE

TOTAL: 26:09

YES FEATURING ANDERSON, RABIN AND WAKEMAN

BG – AND YOU AND I

1. LONG DISTANCE RUNAROUND / THE FISH – 6:18

2. MAKE IT EASY / OWNER OF A LONELY HEART – 9:46

3. FRAGILE – 5:24

BG – ROUNDABOUT

TOTAL: 21:27

TOTAL GERAL – 47:37

Ouça o Art Rock com Yes featuring Anderson, Rabin and Wakeman que foi ao ar no dia 20/10/2018, clicando aqui.

REPRISE: Alan Parsons Project

Posted in Programas with tags on 17/10/2018 by Art Rock

Olá ouvintes do Art Rock! O programa de 13-12-2018, foi um reprise com o Alan Parsons ProjectConfiram este programa clicando aqui!

Vocês também podem acessar o link do programa diretamente aqui.

 

Jefferson Airplane & Jefferson Starship

Posted in Programas with tags , on 17/10/2018 by Art Rock

“Boa noite, hoje no programa vamos lembrar outro explorador cósmico que deixou para trás a nossa acabrunhada realidade e seguiu viagem… Marty Balin do grande Jefferson Airplane.

 

Marty já havia lançado dois compactos no comecinho dos anos 60 e, quando resolveu transformar uma velha pizzaria no nightclub The Matrix, em 64, e ele começou a procurar músicos para formar o grupo residente do clube… primeiro foi Paul Kantner e Signe Anderson, depois foi Jorma Kaukonen… e, finalmente, Skip Spence e Jack Casady… enquanto isso, o som expandia do folk para agregar toda uma gama de outras possibilidades e começava assim a viagem do Jefferson Airplane.

O nome foi uma sugestão de Jorma Kaukonen e logo eles estavam chamando atenção no cenário do rock de San Francisco, assinando um contrato com a RCA e lançando em 66 o álbum “Jefferson Airplane Takes Off”… com o tempo, Skip Spence sairia para formar o Moby Grape e foi substituído por Spencer Dryden… e Signe Anderson daria o lugar para a poderosa Grace Slick… mas Marty Balin seguiria como o eixo fundador do grupo.

Sua voz dialogava com a de Grace em meio às outras e ajudava a construir a delicada tensão que ecoava nas faixas clássicas do Airplane… na sua fase mais celebrada, durante dos anos 60, o grupo mostrava sua natureza legitimamente caleidoscópica, com uma sonoridade onde a harmonia se construía na pluralidade… uma estrela de muitas pontas… dessa vez o destaque será para aquela que se chamava Marty Balin.

Vocês ouviram o Jefferson Airplane com “Blues from an airplane”, “It’s no secret”, “Tobacco Road”, “Today”, “Plastic Fantastic Lover”, “Young girl Sunday blues”, “If you feel”, “Turn my life down” e “Volunteers”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos trazer mais um pouco de Marty Balin, que foi uma das vozes da psicodelia dos anos 60… que em 2018 deixou de acompanhar o mísero e desinteressante reality show em que se transformou a nossa pálida realidade.

Em 1971 Marty Balin saiu para formar o grupo Bodacious, que teve vida curta e lançou apenas um álbum em 73… enquanto isso, Paul Kantner e Grace Slick faziam o Airplane passar por uma metamorfose e ele voltaria em 75 como o Jefferson Starship… e eles convidariam Marty para participar do novo projeto, que se tornaria um dos mais bem sucedidos grupos dos anos 70 e seguiria em meio a mudanças, decadências e recuperações pelas décadas seguintes.

Nos anos 80, Balin lançou álbuns solo com relativo sucesso ao mesmo tempo em que voltava, a partir de 86, a colaborar com Paul Kantner, primeiro no KBC e depois nos álbuns “Windows of Heaven” e no excepcional “Jefferson’s Tree of Liberty” do Jefferson Starship.

Em março de 2016 ele estava no meio de uma tour quando teve que se hospitalizar para uma cirurgia de emergência… mas a propalada ciência médica dos Estados Unidos não é para todos… o velho hippie ainda fez seu último protesto processando o hospital, mas o tedioso e sombrio século XXI foi mais forte e ele deixou esse plano da realidade em 2018… vamos conferir um pouco do seu trabalho como tripulante do Jefferson Starship.

Vocês ouviram o Jefferson Starship com “Caroline”, “There will be love”, “St. Charles” e “See the light”, essa última extraída do álbum “Windows of Heaven” de 1998.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

JEFFERSON AIRPLANE

BG – SHE HAS FUNNY CARS

1. BLUES FROM AN AIRPLANE – 2:10

2. IT’S NO SECRET – 2:38

3. TOBACCO ROAD – 3:28

4. TODAY – 2:58

5. PLASTIC FANTASTIC LOVER – 2:33

6. YOUNG GIRL SUNDAY BLUES – 3:36

7. IF YOU FEEL – 3:21

8. TURN MY LIFE DOWN – 2:55

9. VOLUNTEERS – 2:03

BG – THE HOUSE AT POONEIL CORNERS

TOTAL: 25:42

JEFFERSON STARSHIP

BG – RIDE THE TIGER

1. CAROLINE – 7:30

2. THERE WILL BE LOVE – 5:05

3. ST. CHARLES – 6:41

4. SEE THE LIGHT – 3:32

BG – MIRACLES

TOTAL: 22:08

TOTAL GERAL – 46:48

Ouça o Art Rock com Jefferson Airplane & Jefferson Starship que foi ao ar no dia 06/10/2018, clicando aqui.

Uriah Heep

Posted in Programas with tags on 05/10/2018 by Art Rock

“Boa noite, no programa de hoje teremos uma colaboração do nosso amigo e ouvinte de primeira hora, Almir Octávio, que nos conseguiu o lançamento de 2018 do grande decano do heavy prog, o incansável Uriah Heep.

O velho Heep é uma presença frequente aqui no Art Rock… e, é claro, são desnecessárias quaisquer apresentações do grupo, pois ele também costuma estar presente nas coleções da maioria dos roqueiros das muitas tribos… nem que sejam apenas os álbuns da sua fase clássica, nos distantes anos 70, quando estava entre os grandes nomes do rock pesado.

E nós vamos começar o programa de hoje trazendo justamente um pouco dessa fase celebrada do Uriah Heep, quando os vocais insuperáveis de David Byron se combinavam perfeitamente com os teclados de Ken Hensley, a guitarra de Mick Box, a bateria de Lee Kerslake e o baixo de Gary Thain.

Essa formação seria responsável por quatro dos melhores álbuns do Uriah Heep… e nós selecionamos faixas de dois deles, o genial “Demons and Wizards” de 72, que muitos consideram o ponto alto da carreira do grupo, e também de “Sweet Freedom”, o famoso álbum da capa vermelha, de 1973, ambos relançados em versões expandidas e com faixas bônus…

Vocês ouviram o Uriah Heep com “The Wizard”, “Easy Livin’”, “Rainbow Demon”, “One Day”, “If I had the Time” e “Pilgrin”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós continuamos com o Uriah Heep, agora trazendo um pouco do seu álbum de 2018, “Living the Dream”.

Fazia algum tempo que o Heep não atendia aos seus fãs com um trabalho novo… seu último registro de estúdio havia sido o álbum “Outsider”, de 2014, que chegou até a sair em uma edição especial em vinil branco… desde então, eles haviam se mantido ativos no circuito de shows, com apresentações frequentes e também preparando uma coletânea dupla de faixas clássicas regravadas pela sua formação atual, com o vocalista Bernie Shaw e o tecladista Phil Lanzon, que estão no grupo desde 1986…

Para muitos parecia que eles estavam em vias de se aposentar… mas, mesmo mantendo apenas o guitarrista Mick Box como sobrevivente da formação original, o grupo não perdeu nada da sua energia e, principalmente, da dedicação aos seus fãs, os famosos heepsters.

Lançado em setembro de 2018, o álbum “Living the Dream” é o 25o. da longa carreira do Uriah Heep, que nunca encerrou atividades e tem orgulho de colocar em seu ônibus de excursão a frase: “Desde 69 e ainda na estrada”… e agora vocês vão poder conferir essa prova de resistência do grupo de Mick Box…

Vocês ouviram o Uriah Heep com “Grazed by Heaven”, “Take Away my Soul”, “Waters Flowin’” e “It’s All Been Said”…

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… nós agradecemos ao nosso amigo Almir Octávio pelo material que tocamos na segunda parte de programa… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

URIAH HEEP

BG – CIRCLE OF HANDS

1. THE WIZARD – 2:59

2. EASY LIVIN’ – 2:36

3. RAINBOW DEMON – 4:26

4. ONE DAY – 2:47

5. IF I HAD THE TIME – 5:38

6. PILGRIN – 7:10

BG – PARADISE

TOTAL: 25:35

URIAH HEEP

BG – FALLING UNDER YOUR SPELL

1. GRAZED BY HEAVEN – 4:32

2. TAKE AWAY MY SOUL – 6:13

3. WATERS FLOWIN’- 4:28

4. IT’S ALL BEEN SAID – 6:01

BG – DREAMS OF YESTERYEAR

TOTAL: 21:13

TOTAL GERAL – 46:48

Ouça o Art Rock com Uriah Heep que foi ao ar no dia 29/09/2018, clicando aqui.

Electric Mud

Posted in Programas with tags on 28/09/2018 by Art Rock

“Boa noite, hoje no programa vamos trazer um grupo da nova geração do progressivo germânico, o Electric Mud, que foi uma indicação do nosso amigo Rubens Sílvio…

Na verdade, esse não foi o primeiro grupo alemão a se inspirar no nome de um dos álbuns clássicos do grande patriarca Muddy Waters… o primeiro Electric Mud foi um pioneiro do lado mais pesado do krautrock e havia lançado um único álbum em 71… mas, para o programa de hoje, nós vamos trazer um grupo muito mais recente, que evoluiu a partir da dupla formada por Hagen Bretschneider e Lennart Hüper…

Os dois haviam começado a explorar os limites do rock em 2011, e o seu primeiro trabalho conjunto foi o álbum “Dead Cat on a Railroad Track”, lançado em 2013, um material construído apenas por guitarra e baixo acompanhado de drum machine… o resultado foi bem recebido e a dupla de Hannover lançaria em 2015 o álbum “Lunatic Asylum”, que contava com Nico Walser na guitarra e sintetizadores.

Deixando de lado uma proposta originalmente calcada no blues rock o que emergiria com o tempo seria uma sonoridade que eles chamaram de pós-progressivo… e nós vamos começar o programa de hoje trazendo um pouco do álbum “Wrong Planet” de 2016… mas primeiro, uma surpresa que o nosso amigo Rubens Sílvio nos ajudou a conseguir: uma mensagem do Electric Mud para os ouvintes do nosso programa…

Vocês ouviram “Foreign Fields”, “Liquid Sky”, “Deep Sand” e “Empire of the Sun” com o Electrick Mud.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar agora trazendo um trabalho mais recente do Electric Mud… seu álbum de 2018, “The Deconstruction of Light”.

A boa recepção do álbum “Wrong Planet”, mostrava bem que ainda existe espaço para um rock instrumental, com paisagens sonoras que formam um conjunto próprio, onde os prog heads veteranos podem reconhecer a amálgama de muitas influências… de grupos britânicos como o Pink Floyd e o King Crimson aos germânicos do Tangerine Dream e do Cluster…

E o Electric Mud voltaria à carga com o álbum “The Deconstruction of Light” de 2018, mantendo a sua atitude independente, sem se subordinar às expectativas há muito desgastadas da antiquada e conservadora tirania mercadológica… felizmente o cenário alternativo continua capaz de produzir iniciativas surpreendentes.

Foi na divulgação do álbum “The Deconstruction of Light” que esse grupo chegou ao alcance do nosso colega Rubens Sílvio, que nos propiciou o material selecionado para o programa de hoje e também o contato para a mensagem que eles enviaram para o nosso programa… vamos conferir um pouco desse belo registro do Electric Mud.

Vocês ouviram o Electric Mud com “Black Dog”, “Suburban Wasteland Blues” e “Heads in Beds”.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ELECTRIC MUD

BG – WRONG PLANET

1. FOREIGN FIELDS – 6:20

2. LIQUID SKY – 8:48

3. DEEP SAND – 4:37

4. EMPIRE OF THE SUN – 5:03

BG – RABBIT HOLE

TOTAL: 24:47

ELECTRIC MUD

BG – CANARY IN A CATHOUSE

1. BLACK DOG – 5:46

2. SUBURBAN WASTELAND BLUES – 4:03

3. HEADS IN BEDS – 11:50

BG – THROUGH THE GATES

TOTAL: 21:39

TOTAL GERAL – 46:26

Ouça o Art Rock com Electric Mud que foi ao ar no dia 22/09/2018, clicando aqui.

Strawberry Alarm Clock

Posted in Programas with tags on 21/09/2018 by Art Rock

“Boa noite, no programa de hoje uma figura importante do rock norte americano que atravessou a barreira do hiperespaço em agosto de 2018, o guitarrista Ed King, do Lynyrd Skynyrd.

Edward Calhoun King era um nome conhecido para os fãs do Southern Rock por sua passagem pelo grande Lynyrd Skynyrd, onde dividiu a posição de guitarrista com Allen Collins e Gary Rossington… mas ele havia entrado em 72 para substituir o baixista Leon Wilkeson, e foi só quando este voltou que King passou para a guitarra, ajudando a dar forma à sonoridade do grupo em seus clássicos primeiros álbuns.

Mas Ed King já era uma figura respeitada no rock… na verdade, ele conheceu aqueles garotos do Sul quando eles abriram shows para uma das lendas do rock psicodélico californiano: o Strawberry Alarm Clock, onde King era guitarrista e já mostrava a sua versatilidade, assumindo ocasionalmente o baixo…

O Strawberry Alarm Clock havia surgido em 66, da união de dois grupos da área de Los Angeles, o Thee Sixpence e o Waterfyrd Traene… e desde o começo eles chamaram a atenção graças ao hino “Incense and Peppermints”, que também foi o nome do primeiro álbum do grupo, lançado em 1967… para esse programa nós selecionamos um pouco do som psicodélico desse começo da carreira de Ed King…

Vocês ouviram “The World’s on Fire”, “Birds in my Tree”, “Strawberries Mean Love”, “Hummin’ Happy”, “Incense and Peppermints”, “They Saw the Fat One Coming” e “Sit With the Guru”, com o Strawberry Alarm Clock.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Vamos continuar lembrando o guitarrista Ed King, com faixas do seu primeiro grande grupo, o Strawberry Alarm Clock.

Apesar do sucesso da primeira fase da sua carreira, o Strawberry Alarm Clock acabou sendo um dos muitos grupos psicodélicos que perdeu terreno nos anos 70… eles não voltariam a gravar depois do álbum “Good Morning Starshine” de 69, ainda que continuassem a se apresentar e excursionar nos anos seguintes.

Foi numa dessas tours que Ed King fez amizade com os garotos do Lynyrd Skynyrd e ele optou por continuar com eles depois que o Strawberry Alarm Clock encerrou atividades em 71… mas ele não ficaria muito tempo com eles, deixando o Skynyrd em 75 depois de participar dos clássicos álbuns “Pronounced ‘Lĕh-‘nérd ‘Skin-‘nérd”, “Second Helping” e “Nuthin’ Fancy”.

Ed seria um dos responsáveis pela volta do Lynyrd Skynyrd nos anos 80 e continuaria com eles até 96 quando saiu por problemas de saúde… curiosamente, ele não participou do retorno do Strawberry Alarm Clock em 2001, nem do álbum “Wake Up Where You Are” que eles lançaram em 2012… só se reuniria com seus velhos companheiros para um único show em 2007… vamos lembrar mais um pouco dos seus tempos de psicodelia…

Vocês ouviram o Strawberry Alarm Clock com “Black Butter – Past, Present and Future”, “Sea Shell”, “Blues for a Young Girl Gone”, “A Million Smiles Away”, “Small Package” e “Miss Atraction”.

O Art Rock fica por aqui, o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na Paraná Educativa, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin, lá você poderá fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… … tenham uma boa noite e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

STRAWBERRY ALARM CLOCK

BG – RAINY DAY MUSHROOM PILLOW

1. THE WORLD’S ON FIRE – 8:26

2. BIRDS IN MY TREE – 1:55

3. STRAWBERRIES MEAN LOVE – 3:02

4. HUMMIN’HAPPY – 2:29

5. INCENSE AND PEPPERMINTS – 2:51

6. THEY SAW THE FAT ONE COMING – 3:28

7. SIT WITH THE GURU – 3:05

BG – PASS TIME WITH THE SAC

TOTAL: 25:16

STRAWBERRY ALARM CLOCK

BG – SHALLOW IMPRESSIONS

1. BLACK BUTTER – PAST – 2:26

2. BLACK BUTTER – PRESENT – 2:09

3. BLACK BUTTER – FUTURE – 1:31

4. SEA SHELL – 3:02

5. BLUES FOR A YOUNG GIRL GONE – 2:32

6. A MILLION SMILES AWAY – 2:38

7. SMALL PACKAGE – 3:56

8. MISS ATRACTION (SINGLE VERSION) – 2:42

BG – CHANGES

TOTAL: 20:56

TOTAL GERAL – 46:12

Ouça o Art Rock com Strawberry Alarm Clock que foi ao ar no dia 15/09/2018, clicando aqui.