Arquivo de Alice Cooper

Alice Cooper & Lacrimosa

Posted in Programas with tags , on 28/10/2012 by Artrock

“Boa noite, hoje vamos trazer no programa um pouco do lado mais sombrio do rock… para entrar no clima do Halloween que se aproxima…

E vamos começar com o indefectível Vincent Furnier… mais conhecido pelo seu nome de guerra… Alice Cooper… que dispensa maiores apresentações, pois se mantém como uma das figuras mais emblemáticas do chamado “rock horror”… e continua em plena atividade, depois de mais de quatro décadas de uma carreira em que nos ofereceu uma viajem singular por um mundo de imagens estranhas, que iam do burlesco ao bizarro…

Desde que adotou a identidade da bruxa Alice Cooper… essa figura se tornou uma referência do macabro no rock, misturando uma forte carga visual, com recursos teatrais e cinematográficos… e isso era bem visível em seu clássico álbum “Welcome to my nightmare” de 75, um trabalho conceitual em que ele nos conduz pelos pesadelos do garoto Steven… um de seus mais duradouros personagens.

A tia Alice voltaria a nos falar de Steven em outro disco conceitual… “The last temptation” de 94, feito em parceria com o genial Neil Gaiman… e em 2011 ele surpreenderia com o álbum “Welcome 2 my nightmare”, uma continuação direta do primeiro… contando com a participação de Dennis Dunaway, Neal Smith e Michael Bruce, todos membros originais do grupo de Alice Cooper, além do piano e da produção do genial Bob Ezrin, responsável pelos seus melhores trabalhos…

Vocês ouviram Alice Cooper com “I am made of you”, “The Nightmare returns”, “Last man on Earth”, “The congregation”, “I’ll bite your face off”, “Underture” e “We gotta get out of this place”… uma cover genial grupo The Animals.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer uma dupla gótica que pertence a uma categoria à parte no rock contemporâneo, o grupo germânico Lacrimosa.

O grupo surgiu em 89, desenvolvendo uma sonoridade em que convergem elementos da música sinfônica, do rock pesado gótico e do prog. rock, em um conjunto centrado nas figuras de Tilo Wolff e da finlandesa Anne Nurmi… ambos contribuindo com vocais que vão do solene ao sombrio… e com o restante da formação sendo formada sempre por músicos convidados pertencentes tanto ao mundo da música erudita quanto ao do rock pesado.

O nome do grupo foi inspirado na famosa passagem do Réquiem de Mozart… uma escolha que já anunciava suas intenções… as influências clássicas já os levaram a gravar trabalhos com orquestras como as Sinfônicas de Londres e de Barmbeker… e em seus álbuns eles já contaram com a participação de centenas de músicos nos arranjos orquestrais…

Tendo se mudado para a Suíça, o Lacrimosa mantém uma posição de destaque no cenário gótico… seu mais recente trabalho foi o álbum “Revolution” de 2012… e, como sempre, a ilustração da capa é da autoria do próprio Tilo Wolff, responsável também pela estética visual que sempre acompanhou o grupo… mas, para o programa de hoje nós selecionamos material extraído de “Echos” de 2003 e de “Lichgestalt” de 2005…

Vocês ouviram “Durch nacht und flut”, “Apart”, “Malina” e “My last goodbye”, com o Lacrimosa…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… tenham um bom Halloween e até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ALICE COOPER

BG – A RUNNAWAY TRAIN

1. I AM MADE OF YOU – 5:32

2. THE NIGHTMARE RETURNS – 1:16

3. LAST MAN ON EARTH – 3:47

4. THE CONGREGATION – 3:59

5. I’LL BITE YOUR FACE OFF – 4:26

6. THE UNDERTURE – 4:37

7. WE GOTTA GET OUT OF THIS PLACE – 3:09

BG – I GOT GET OUT OF HERE

TOTAL – 26:44

LACRIMOSA

BG – KELCH DER LIEBE

1. DURCH NACHT UND FLUT – 6:05

2. APART – 4:19

3. MALINA – 4:50

4. MY LAST GOODBYE – 8:11

BG – SAPHIRE

TOTAL – 23:25

TOTAL GERAL – 50:09

Ouça o Art Rock com o Alice Cooper & Lacrimosa que foi ao ar no dia 27/10/2012, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Premiata Forneria Marconi

Posted in Programas with tags on 18/10/2011 by Artrock

” Boa noite, o programa de hoje será dedicado ao decano do progressivo italiano… o Premiata Forneria Marconi.

Esse grande grupo foi fundado em meados dos anos 60, com o nome de I Quelli… e já havia lançado muitos compactos e um LP, usando também o nome The Krel (inspirado na raça alienígena do filme “O planeta proibido”) e começando a explorar as possibilidades do insipiente rock progressivo… a essa altura eles já eram bem conhecidos e chegaram a tocar no Festival de San Remo de 1970… contando em sua formação com Franz Di Cioccio, Franco Mussida, Flavio Premoli e Mauro Pagani…

E com a nova década veio um novo nome… Premiata Forneria Marconi, ao mesmo tempo em que eles abraçavam de vez a música progressiva e passaram a se tornar uma verdadeira referência do estilo em seu país depois do sucesso local do seu primeiro álbum, “Storia di um Minuto”, de 72… mas foi depois do segundo trabalho, “Per un amico”, que a carreira do Premiata realmente decolou, pois o grupo foi descoberto por Greg Lake, que os levou para Londres e os apresentou ao poeta Pete Sienfield.


Com a ajuda de Sienfield, que era o autor das letras do King Crimson e produtor do Roxy Music, o grupo encurtaria o seu nome para PFM e lançaria “Pictures of Ghosts”, uma versão em inglês para o seu segundo álbum… e, com isso, eles seriam lançados no mercado internacional… vamos ouvir um pouco desse começo de carreira do Premiata Forneria Marconi…

Vocês ouviram o Premiata Forneria Marconi com “Dove… quando”, partes 1 e 2, depois foi “River of Life”, “Celebration” e “Dolcissima Maria”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora Vamos continuar com o prog. italiano, trazendo mais um pouco da carreira do grande Premiata Forneria Marconi.

O PFM também seria outro dos muitos grupos que sofreram com a comercialização sem fronteiras do rock a partir do final dos anos 70, e ele chegou a se separar por um tempo depois do álbum “Miss Baker” de 1987… mas o seu legado seria retomado nos anos 90, com trabalhos consistentes como o genial “Ulisses” de 97, onde recontam viagem de seus integrantes durante os dez anos em que ficaram longe do Premiata.


E o grupo continua em plena atividade, com excursões frequentes, incluindo encontros geniais como a apresentação confirmada para novembro no Italian Progressive Rock Festival, no Japão… junto do Goblin, Arte & Mestieri e Balletto di Bronzo… um evento internacional em terras nipônicas, que demonstra bem o impacto que as bandas italianas tiveram no prog. rock.

Para essa segunda parte do programa, vamos trazer um pouco do mais recente trabalho do PFM, o álbum “La Buona Novella”, de 2010, uma regravação de um disco clássico de um velho amigo do grupo, o lendário o músico e poeta Fabrizio de Andre, que havia colaborado com o Premiata no final dos anos 70… “La Buona Novella” é um trabalho conceitual, inspirado na vida de Cristo, como é contada nos Evangelhos Apócrifos…

Vocês ouviram o PFM com “Universo e Terra”, “Il retorno di Giuseppe”, “Il sogno di Maria” e “Laudate Hominen”… um libelo para nos lembrar que os Deuses é que são filhos dos homens, que os criam para justificar suas ações, sejam boas ou más.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… nós agradecemos à Silvana, nossa ouvinte mais que especial, pela inspiração para esse programa… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

PFM

BG –MR. 9 ‘TILL 5

1. DOVE… QUANDO 1 – 4:07

2. DOVE… QUANDO 2 – 6:00

3. RIVER OF LIFE – 7:00

4. CELEBRATION – 3:52

5. DOLCISSIMA MARIA – 4:08

BG – IL BANCHETO

TOTAL – 25:07

PFM

BG – IL TESTAMENTO DI TITO

1. UNIVERSO E TERRA – 2:26

2. IL RITORNO DI GIUSEPPE – 9:12

3. IL SOGNO DI MARIA – 5:55

4. LAUDATE HOMINEN – 6:37

BG – MARIA NELLA BOTTEGA DI UM FALEGNAME

TOTAL – 24:10

TOTAL GERAL: 49:17

Ouça o Art Rock com o Premiata Forneria Marconi que foi ao ar no dia 15/10/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Hot Tuna

Posted in Programas with tags , on 28/06/2011 by Artrock

” Boa noite, no programa de hoje teremos uma das lendas vivas do rock americano, o genial Hot Tuna, que acabou de lançar um novo álbum… “Steady as she goes”… e continua em plena forma depois de mais de quatro décadas de carreira!


O Hot Tuna surgiu em 69, quando o guitarrista Jorma Kaukonen e o baixista Jack Casady resolveram que precisavam de mais liberdade para explorar outros estilos musicais, principalmente o blue-grass e o blues-rock… mas eles não chegaram na época a deixar o grande Jefferson Airplane… a princípio, os dois grupos conviveram sem problemas, chegando até a fazer shows e excursões juntos…

O nome original do grupo era para ser Hot Sh*t, mas eles mudaram para Hot Tuna por insistência da gravadora RCA e lançariam em 1970 o seu primeiro álbum, um registro ao vivo gravado na New Orleans House, em Berkeley na California…  o disco não teve grande repercussão, mas eles seguiram em frente e logo seus trabalhos estavam sendo mais bem recebidos do que os do próprio Jefferson Airplane, que acabariam deixando de vez em 1974.

 


Além dos trabalhos acústicos, o Hot Tuna teria uma série de discos clássicos, no começo contando com o violino de Papa John Creach… e sempre cruzando influências, ora mais voltado para os blues… ora para o som mais pesado… e eles só se separariam no final da década, depois do estupendo duplo ao vivo “Double Dose” de 78… mas, para essa primeira parte do programa, nós selecionamos material dos álbuns “Burgers”, “Phosphorecent Rat” e “America’s Choice”…

Vocês ouviram “I see the light”, “Easy now”, “Corners without exits”, “Ode to Billy Dean”, “Sunny day strut” e “Sleep Song”, com o Hot Tuna.

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer uma das surpresas de 2011, o novo álbum do Hot Tuna… “Steady as she goes”, o primeiro disco de estúdio do grupo desde os anos 90…

Depois da separação, Jorma & Jack seguiram para outros projetos, mas voltariam a se reunir nos anos 80, depois de uma série de iniciativas mal sucedidas como os grupos SVT e Vital Parts, além do projeto KCB, que envolvia outros membros da família do Jefferson Airplane… no fim, eles acabaram sendo o foco para uma volta do próprio Airplane, que começou com a participação dos velhos companheiros nos shows do renascido Hot Tuna a partir de 1987…


E depois de excursionar com o Airplane, Jorma & Jack seguiram em frente com o Hot Tuna, lançando o álbum “Pair a disse found” em 1990… mas esse seria o último registro de estúdio do grupo pelas duas décadas seguintes, apesar de continuarem a se apresentar com frequência… enquanto Kaukonen lançava uma série de discos acústicos geniais e Casady colaborava com as novas investidas do velho Jefferson…

Nos últimos anos, Jorma vinha mantendo o mesmo ritmo de lançamentos solo, além dos seus lendários encontros para guitarristas… o guitar camp no Fur Peace Ranch, sua fazenda em Ohio… o que ninguém esperava era um novo álbum de estúdio do Hot Tuna… “Steady as she goes”, que conta com a colaboração do excelente Larry Campbell na produção e guitarra rítmica… um belo trabalho que vocês vão poder conferir aqui no Art Rock…



Vocês ouviram o Hot Tuna com “Angel of Darkness”, “Second chances”, “A little faster”, “Mourning interrupted” e “Smokerise journey”… faixas do álbum “Steady as she goes” de 2011…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

HOT TUNA (THEN)

BG – SEA CHILD

1. I SEE THE LIGHT – 4:16

2. EASY NOW – 5:11

3. CORNERS WITHOUT EXITS – 3:39

4. ODE TO BILLY DEAN – 4:52

5. SUNNY DAY STRUT – 3:16

6. SLEEP SONG – 4:25

BG – THE GREAT DIVIDE REVISITED

TOTAL – 25:39

HOT TUNA (NOW)

BG – EASY NOW REVISITED

1. ANGEL OF DARKNESS – 4:44

2. SECOND CHANCES – 4:21

3. A LITTLE FASTER – 4:57

4. MOURNING INTERRUPTED – 5:06

5. SMOKERISE JOURNEY – 4:28

BG – CHILDREN OF ZION

TOTAL – 23:36

TOTAL GERAL: 49:15

Ouça o Art Rock com o Hot Tuna que foi ao ar no dia 14/05/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Diagonal & Blood Ceremony

Posted in Programas with tags on 22/06/2011 by Artrock

” Boa noite, hoje teremos um programa dedicado às novas gerações progressivas, começando com um grupo inglês que ainda está no início de carreira… o Diagonal.


Parecendo ter saído do final dos anos 60, o Diagonal resgata de forma primorosa a força estética do momento de transição entre a psicodelia e rock progressivo… e eles pegaram o cenário do prog. britânico de surpresa em 2008, quando lançaram seu genial álbum de estreia, em que exploram toda uma gama de possibilidades sonoras que há muito pareciam relegadas às coleções de grandes bandas da história do rock e raridades quase esquecidas…

O Diagonal é formado pelo tecladista e vocalista Alex Crispin, os guitarristas David Wileman e Nicholas Richards, o saxofonista Nicholas Whittaker, o baixista Daniel Pomlett, o tecladista Ross Hossak e o baterista Luke Foster… mas as posições dos integrantes dentro do grupo são flexíveis… pois todos trabalham com muitos instrumentos, inclusive percussões e sintetizadores, ajudando a compor uma tapeçaria sonora onde as referências se associam livremente…

O grupo parece estar sobrevivendo bem às dificuldades dos primeiros anos, com apresentações bem recebidas com outras bandas da nova geração, como o Astra e o Litmus… ou ainda seu memorável show com a renascida lenda do acid-folk, o Comus, agora em abril de 2011… vamos ouvir um pouco do álbum “Diagonal”, de 2008… que, até o momento, foi o único registro de estúdio desse grupo promissor…

Vocês ouviram “Semipermeable men-brain” e “Pact”, com o Diagonal…

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos pegar mais pesado, trazendo um grupo que mistura a força e a temática do Black Sabbath com os climas folk e a flauta do Jethro Tull…


Estamos nos referindo ao Blood Ceremony, um quarteto canadense que lançou seu primeiro trabalho em 2008, um álbum homônimo em que desenvolveram uma sonoridade influenciada pelo rock pesado dos anos 70, mas com uma clara referência ao folk rock devido à figura da vocalista, flautista e organista Alia O’Brien e também do guitarrista Sean Kennedy…

O grupo ainda contava na sua formação original com o baterista Andrew Haust e o baixista Chris Landon… mas este último seria substituído por Lucas Gadke para o segundo álbum, “Living with the ancients”, que saiu no começo de 2011 e manteve a mesma proposta musical, onde os riffs de guitarra, os temas místicos e as referências ao paganismo se cruzam com os climas criados pela flauta e pelo órgão hammond de Alia O’Brien…

Na época em que surgiu, o Blood Ceremony chegou a ser descrito como o encontro entre o peso do Pentagram e a leveza do Pentangle… e talvez a lembrança dessas duas bandas lendárias seja propícia… pois o seu som faz parte de um amplo resgate do legado das bandas fundadoras das linhagens do rock pesado e do progressivo… vamos ouvir um pouco dos dois álbuns desse jovem grupo canadense.

Vocês ouviram o Blood Ceremony com “A wine of wizardry”, “The rare Lord”, “Hymn to Pan”, “The Hermit”, “Night of Augury” e “The witch’s dance”.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

DIAGONAL

BG – CANNON MISFIRE

1. SEMIPERMEABLE MEN-BRAIN – 10:54

2. PACT – 14:00

BG – DEATHWATCH

TOTAL – 24:54

BLOOD CEREMONY

BG – DAUGHTER OF THE SUN

1. A WINE OF WIZARDRY – 1:41

2. THE RARE LORD – 6:22

3. HYMN TO PAN – 7:54

4. THE HERMIT – 2:35

5. NIGHT OF AUGURY – 6:05

6. THE WITCH’S DANCE – 0:40

BG – MORNING OF THE MAGICIANS

TOTAL – 24:17

TOTAL GERAL: 49:12

Ouça o Art Rock com o Diagonal & Blood Ceremony que foi ao ar no dia 07/05/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

 

Alice Cooper

Posted in Programas with tags on 31/05/2011 by Artrock

” Boa noite, hoje teremos no programa uma das atrações internacionais a visitar o Brasil em 2011… o lendário psicótico do rock… Alice Cooper…


A banda de Vincent Damon Fournier havia tentado muitos nomes e eles até chegaram a gravar alguns compactos… mas nunca chamaram a atenção como The Spiders ou The Nazz… foi só quando se mudaram para a California que as coisas começaram a mudar, pois foram descobertos pelo grande Frank Zappa… e, além disso, também tomaram uma decisão importante: mudar o nome do grupo para Alice Cooper, inspirados em uma bruxa do séc. XVII…

Mas ainda levaria algum tempo para que eles realmente saíssem do anonimato… para isso eles tiveram de se mudar para Detroit, uma das mecas do rock pesado nos Estados Unidos… investindo a partir de então em uma estética bizarra, dominado pela figura do seu endiabrado vocalista… que, a essa altura, já havia adotado a identidade da bruxa Alice Cooper, mergulhando em uma viagem gótica, que marcaria os anos 70…


Além das roupas extravagantes e comportamentos desregrados, o grupo tinha shows memoráveis, com encenações escatológicas e cenas de tortura e decapitação… tudo isso tornaria Alice Cooper um dos fenômenos da década, com álbuns antológicos como “Love it to Death” e “Killer”, ambos de 71, “School’s Out” de 72 e “Billion Dollar Babies”, de 73… e nós vamos começar o programa trazendo um pouco dessa fase clássica da velha Tia Alice…

Vocês ouviram o Alice Cooper, com “Hallowed be my name”, “Ballad of Dwight Fry”, “Desperado”, “Dead babies” e “Killer”…

A gente volta já.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

 E nós vamos continuar trazendo um pouco dessa lenda do rock que continua em plena atividade no século XXI… o indefectível Alice Cooper.

Infelizmente o sucesso do grupo acabou se concentrando no seu vocalista, levando o resto do grupo a debandar… os guitarristas Glenn Buxton e Michael Bruce, o baixista Dennis Dunnaway e o batera Neal Smith não gostavam muito de toda aquela atenção dada ao seu velho amigo Vincent, que tinha se tornado a tia Alice… no fim todos deixaram o grupo, que só não terminou porque, a essa altura, a lenda de Alice Cooper já tinha criado vida própria…

Ele continuou em frente, mas com menos impacto… só em 86 ele voltaria com força total, depois de ser convidado para fazer o tema de “Sexta-feira 13 VI”… e ele não pararia mais… seu último registro de estúdio foi o álbum “Along Came a Spider”, de 2008, um trabalho conceitual que acompanha a história de um serial killer que se apaixona por uma de suas vítimas… um tema que é a cara do velho Alice Cooper…

Depois disso começou a trabalharia em uma continuação para o clássico álbum de 75, “Welcome to my nightmare”… mas isso fica para outro Art Rock… para hoje nós selecionamos faixas do genial “The Last Temptation”, de 94, outro disco conceitual, que foi uma parceria com o gênio dos quadrinhos Neil Gaiman, criador de Sandman… que renderia ainda uma graphic novel em três partes e teria como convidado o tecladista Derek Sherinian, do Dream Theatre.

Vocês ouviram Alice Cooper “Nothing is free”, “Lost in America”, “Stolen Prayer”, “It’s me” e “Cleansed by fire”… todas do album “The Last Temptation”, de 94.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ALICE COOPER

BG – I’M EIGHTEEN

1. HALLOWED BE MY NAME – 2:29

2. BALLAD OF DWIGHT FRY – 6:33

3. DESPERADO – 3:27

4. DEAD BABIES – 5:45

5. KILLER – 6:58

BG – LONG WAY TO GO

TOTAL – 25:12

ALICE COOPER

BG –     BAD PLACE ALONE

1. NOTHING IS FREE – 5:01

2. LOST IN AMERICA – 3:54

3. STOLEN PRAYER – 5:37

4. IT’S ME – 4:34

5. CLEANSED BY FIRE – 6:13

BG – SIDESHOW

TOTAL – 25:19

TOTAL GERAL: 50:31

Ouça o Art Rock com o Alice Cooper que foi ao ar no dia 09/04/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *