Arquivo para Ozric Tentacles

Ozric Tentacles

Posted in Programas with tags on 05/06/2015 by Artrock

“Boa noite, nosso programa de hoje será com o Ozric Tentacles, que lançaram em 2015 um álbum duplo… mostrando toda a sua vitalidade, depois de mais de 30 anos de carreira.

ozric tentacles - technicians of the sacred

Os Ozrics surgiram no Stonehenge Free Festival de 1983, por iniciativa do guitarrista e tecladista Ed Wynne, juntamente do seu irmão Roly, que era baixista… na época, eles tocavam no grupo Bolshem People e, ao se transformarem no Ozric Tentacles, conservariam a estratégia de se apresentar em festivais e ficar no circuito de bares underground e lançar gravações em fita cassete antes de se arriscarem com um CD.

Só em 89 eles fundariam a Dovetail Records e lançariam o álbum “Pungent Effulgent”… mas o trabalho seguinte, “Erpland” de 90 foi o disco que os colocou no mapa, e muitos o consideram como o primeiro do chamado movimento Crusty… como ficou conhecida na Inglaterra a reação neo-hippie ou neopsicodélica da década de 90.

Já trouxemos esse grupo muitas vezes no programa, desde os tempos em que havia mais membros da formação original… atualmente, só Ed Wynne permanece… mas, para o programa de hoje, nós selecionamos faixas do álbum “Technicians of the Sacred”, o seu primeiro duplo de estúdio desde os anos 90… confiram um pouco desse belo trabalho do Ozric Tentacles.

Você ouviram com o Ozric Tentacles, com “The high pass”, “Far Memory” e “Switchback”…

A gente volta já.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Voltamos com o grupo inglês Ozric Tentacles, um dos grandes representantes da progressividade contemporânea…

Mantendo o seu foco na música instrumental, o Ozric Tentacles nunca esteve interessado em alcançar uma grande repercussão no mercado musical, preferindo seguir o seu caminho sem a pressão das grandes gravadoras… mas isso não os impediria de conquistar o reconhecimento do renovado público progressivo a partir da década de 90…

Desde então, o grupo mudaria de formação muitas vezes, mas não passaria por períodos de inatividade… ao contrário: os Ozrics estão entre mais consistentes, tanto no ritmo como na qualidade de seus lançamentos, com excelentes trabalhos em suas muitas fases… como os álbuns “Strangeitude” de 91, “Jurassic Shift” de 93, “Waterfall Cities” de 99 ou “Spirals in Hyperspace” de 2004.

“Technicians of the Sacred” é o 15º. álbum de estúdio do grupo… e faziam 25 anos desde a última vez que eles haviam investido em um trabalho duplo que não fosse de gravações ao vivo… mas Ed Wynne continua buscando aumentar sua gama de intesses e influências, e o resultado é uma música de múltiplas camadas e sub-leituras… uma verdadeira tapeçaria progressiva…

Com o Ozric Tentacles vocês ouviram “Epiphlioy”, “Butterfly garden” e “Smiling potion”.

O Art Rock fica por aqui… o programa tem a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

OZRIC TENTACLES

BG – CHANGA MASALA

1. THE HIGH PASS – 8:24

2. FAR MEMORY – 7:12

3. SWITCHBACK – 10:13

BG – ZINGBONG

TOTAL – 25:48

OZRIC TENTACLES

BG – ZENLIKE CREATURE

4. EPIPHLIOY – 11:50

5. BUTTERFLY GARDEN – 5:04

6. SMILING POTION – 7:12

BG – RUBBING SHOULDERS WITH THE ABSOLUTE

TOTAL: 24:06

TOTAL GERAL – 49:54

Ouça o Art Rock com Ozric Tentacles que foi ao ar no dia 30/05/2015, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Anúncios

Ozric Tentacles & Fruitcake – Reprise de Carnaval

Posted in Programas with tags , on 27/02/2012 by Artrock

Reprisamos o programa com o Ozric Tentacles & Fruitcake neste feriado de carnaval que passou. Confiram:

Ozric Tentacles & Fruitcake, que foi ao ar dia 04/10/2009.

Ozric Tentacles & Fruitcake

Posted in Programas with tags , on 11/10/2009 by Artrock

“Boa noite, vamos começar o programa de hoje com, o Ozric Tentacles, um grupo inglês surgido em pleno movimento neo-progressivo, mas que só se tornou realmente conhecido muito tempo depois, durante os anos 90…

arborescence

Fundado em 83, o Ozric Tentacles perma¬neceu no circuito de bares underground de Londres durante muitos anos, chegando a lançar 6 álbuns completos apenas em fita cassete… distribuídos aos interessados depois de seus apresentações… foi só em 1990 que eles conseguiram um contrato de verdade, lançando seu primeiro CD, “Erpland”, que muitos consideram o primeiro do chamado movimento Crusty… nome que os ingleses deram para a investida neo-hippie da década passada.

Com o tempo o guitarrista Ed Wynne foi assumindo a liderança do grupo, mas mesmo assim o som continuou cruzando fraseados de guitarra e teclados e mesclando influências que vão do rock lisérgico ao eletrônico, passando é claro pelo progressivo e até new age em alguns momentos… e seus alguns de seus primeiros trabalhos chegaram a ser lançados em CD, quando o grupo se tornou um dos grandes do prog. dos anos 90.

strangeitude

Já tendo passado dos 25 anos de estrada, o Ozric Tentacles continua em plena atividade, e seu trabalho mais recente é o álbum “The Yum Yum Tree”, em que o grupo acrescenta mais influências eletrônicas ao seu som, sem perder é claro as raízes progressivas… mas esse novo trabalho dos Ozrics fica para outro programa, para hoje nós selecionamos faixas de seus álbuns “Strangeitude” de 91, e “Arborescence” de 94.

Você ouviram “Sploosh!”, “Live Trobbe”, “Al-Salooq” e “Miriapod” com o Ozric Tentacles.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer um grupo norueguês da geração progressiva dos anos 90… o Fuitcake.

As origens do grupo estão com o baterista Pål Søvic e com o baixista e tecladista Tore Bø, que montaram em 1990 o Stinking Rich… que passaria por muitas mudanças antes de ter material para gravar um primeiro disco… a essa altura eles já haviam eles adotado o nome The Fool, mas acabariam trocando mais uma vez, e seria como Fruitcake que eles gravariam o álbum “The Fool Tapes”, lançado por um selo local norueguês em 92, em uma edição de apenas 500 cópias.

howtomakeit

Assumindo os vocais, Søvic acabou colaborando para encaixar som do grupo em uma categoria diferente de seus colegas escandinavos do Ånglagard ou do Anekdoten… procurando em vez disso uma síntese mais rica em aspectos melódicos e climas de teclado e guitarras… mas, infelizmente, a carreira do Fruitcake continuaria conturbada pelas constantes mudanças de formação, como a que foi causada pela saída do guitarrista Steffen Holthe, para o serviço militar.

Apesar das mudanças de pessoal, a proposta continuou a mesma graças à liderança de Pål Søvic… e, depois de quase desaparecer em 97, o grupo se estabilizou… lançando a partir de então quatro ótimos álbuns… nós selecionamos para o programa de hoje faixas do seu segundo trabalho, “How to Make it”, de 94… que foi o primeiro a contar com uma boa distribuição e chamou a atenção para o som do Fruitcake.

Vocês ouviram o Fruitcake com “How to make it?”, “Inside our place”, “Fly away”, “Stone of light”, “Earl grey” e “The inflated man”.

Art Rock fica por aqui, obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na Paraná Educativa, 97,1…

Visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com, que é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você vai poder fazer downloads do conteúdo do programa e deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

OZRIC TENTACLES

1. SPLOOSH! – 6:28

2. LIVE TROBBE – 7:16

3. AL-SALOOQ – 5:03

4. MIRIAPOD – 6:00

TOTAL: 24:47

FRUITCAKE

1. HOW TO MAKE IT? – 3:38

2. INSIDE OUR PLACE – 3:28

3. FLY AWAY – 7:30

4. STONE OF LIGHT – 4:36

5. EARL GREY – 3:05

6. THE INFLATED MAN – 3:02

TOTAL – 25:19

Total geral: 50:06

Ouça o Art Rock com Ozric Tentacles & Fruitcake, que foi ao ar no dia 04/10/2009, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *