Arquivo de julho, 2011

Tempus Fugit

Posted in Produto Nacional, Programas with tags on 27/07/2011 by Artrock

” Boa noite, hoje vamos trazer no programa um dos grandes grupos do progressivo brasileiro da geração dos anos 90… o Tempus Fugit.


Com o nome tirado da expressão latina que nos lembra que o Tempo Urge, esse excelente grupo carioca nasceu em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio, em 1992, e é dono de um rock sinfônico de grande qualidade, que já mostraria toda a sua força em uma demo-tape lançada em 96… um trabalho muito bem recebido, em meio à Renascença Progressiva dos anos 90, e que acabaria abrindo o caminho para um primeiro álbum… “Tales From A Forgotten World”… lançado em 97.

Na época, a formação do grupo contava com o tecladista André Mello, o guitarrista Henrique Simões, o baixista Bernard e o baterista Ary Moura… e eles chegaram a abrir para o Pendragon nos shows do grupo no Brasil, em 98… a essa altura, a Rock Symphony já havia lançado um CD ao vivo com o grupo… e eles estavam preparando mais um trabalho… “The Dawn After the Storm”, que sairia em 99 e ganharia distribuição internacional pelo selo Musea.

Para o segundo disco, o Tempus Fugit contaria com um novo baixista, André Ribeiro, mas a sua rica musicalidade, onde os diálogos de teclado e guitarra formam as paisagens sonoras em que são construídas as imagens poéticas do grupo, sempre em inglês… e é um pouco desse grande álbum, e também do disco de estreia, que nós selecionamos para essa primeira parte do Art Rock de hoje…

Vocês ouviram o “The Goblin’s Trail”, “War God”, “Daydream” e “Preludio de Sevilla” com o Tempus Fugit.

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos trazer mais um pouco do Tempus Fugit, que lançou em 2008 o álbum “Chessboard”, outro belo trabalho que mostra a força do progressivo nacional.


Nesse trabalho, o Tempus Fugit contou com a mesma formação do seu registro anterior, e a coesão do grupo é sensível, mostrando uma sonoridade amadurecida, mas sem perder a força e a identidade… construindo uma tapeçaria rica de influências, que vão dos nomes tradicionais do progressivo, como Yes e Genesis… até o kraut rock do Eloy e do Anyone´s Daughter…

O disco demorou quase uma década para sair, e acabou sendo lançado saiu em uma edição esmerada pelo selo Masque Records, que também relançou “Tales From A Forgotten World” em edição expandida e remasterizada… o contrato com a Masque, especializada em progressivo e prog metal, possibilitou ao Tempus Fugit recuperar um pouco da sua projeção no cenário progressivo nacional, com uma boa divulgação do álbum “Chessboard”… claro que dentro dos limites do alcance desse tipo de trabalho.

Infelizmente, a realidade das rádios brasileiras e do nosso mercado fonográfico continua sendo muito difícil para grupos dedicados à uma música mais elaborada… mas, enquanto for possível, vamos continuar divulgando desses grandes grupos nacionais que não estão atrás de sucessos efêmeros e se preocupam em realizar uma música atemporal… e, nessa segunda parte do programa, vocês ficam com um pouco do álbum “Chessboard” do Tempus Fugit…

Vocês ouviram o Tempus Fugit com as suítes “Pontos de Fuga” e “Chessboard”…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

TEMPUS FUGIT

BG – THE FORTRESS

1. THE GOBLIN’S TRAIL – 7:17

2. WAR GOD – 6:12

3. DAYDREAM – 8:34

4.PRELUDIO DE SEVILLA – 2:09

BG – THE SIGHT

TOTAL – 25:01

TEMPUS FUGIT

BG – UNFAIR WORLD

1.PONTOS DE FUGA PARTS I & II – 4:39

2.CHESSBOARD PARTS I & II – 19:30

BG – THE PRINCESS PART I

TOTAL – 24:09

TOTAL GERAL: 49:10

Ouça o Art Rock com o Tempus Fugit que foi ao ar no dia 18/06/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Forest & Jade

Posted in Programas with tags , on 20/07/2011 by Artrock

” Boa noite, no programa de hoje vamos trazer dois grupos lendários do Acid Folk… o movimento que misturava a tradição musical britânica com a psicodelia dos anos 60…

Vamos começar com o Forest, que originalmente se chamava The Foresters of Walesby e foi um grupo formado em 66 pelos irmãos Martin e Adrian Welham, junto de seu amigo de escola Dez Allemby… na época, eles se apresentavam nos pubs de Lincolnshire até se mudarem para Birmingham e começarem a se tornar mais reconhecidos, em parte graças ao interesse pelo folk psicodélico gerado a partir da incomparável Incredible String Band…

O genial John Peel gostou do grupo e os trouxe para se apresentar na BBC Radio One… mas eles só se tornaram mais famosos depois de assinar com o recém criado selo Harvest e lançar em 69 o álbum “Forest”, em que mostravam uma abordagem quase medieval do folk rock, incluindo o aspecto instrumental e as harmonias em contraponto… e sua sonoridade plena de lirismo renderia ainda outra mini-obra-prima… o álbum “Full Circle” de 1970.

Mas, apesar de celebrados no circuito das bandas folk inglesas, eles não chegaram a se firmar e em 71 Dez Allemby sairia do grupo, que recrutaria Dave Paton e Dave Stubbs para o seu lugar e tentaria seguir em frente, se apresentaria no Pinkpop Festival da Holanda, mas acabando por se separar em 72… só em 2002 voltaríamos a ouvir falar dos Welham, agora Martin e seu filho Tom com o seu grupo The Story, que já lançou três álbuns… mas isso para outro programa, hoje nós vamos ouvir um pouco dos dois únicos álbuns do Forest…

Vocês ouviram o Forest com “Bad Penny”, “Sylvie (we’d better not pretend)”, “A fantasy you”, “Fading light”, “Bluebell”, “Graveyard” e “Famine song”.

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora teremos mais um pouco de acid folk, trazendo dessa vez um dos grupos mais influentes do estilo, responsável por pelo menos um sucessor atual, o genial Circulus, que nós trouxemos há algum tempo aqui no Art Rock.


Estamos nos referindo ao Jade, da gloriosa vocalista Marian Segal… um daqueles grandes grupos de um disco só… o excelente álbum “Fly on strangewings”… um trabalho que impressionaria muita gente, mas que acabaria sendo o seu único registro, pois eles se separariam menos de um ano depois.

O Jade começou a partir do duo folk formado por Marian Segal e Dave Waite, que já se apresentava no circuito underground de Londres em meados dos anos 60… já na época o talento de Marian como compositora e vocalista chamava a atenção, e eles resolveram montar um grupo, chamando o tecladista Rod Edwards e gravando seu único álbum com a ajuda de outros músicos, incluindo Pete Sears, John Wetton e Terry Cox.

Depois disso, a vocalista seguiu com a sua Marian Segal Band até 75… mantendo desde então uma modesta carreira solo e mudando o nome para Marianne em 89… ela continuou sem pretensões até ser resgatada da obscuridade pelo grupo Circulus, com quem gravaria em 2005, tendo sido, desde então, redescoberta pela nova geração de folk rockers… vamos ouvir um pouco do Jade e de seu solitário álbum… “Fly on strangewings”, de 1970…

Vocês ouviram o Jade com “Amongst anemones”, “Fly on strange wings”, “Bad Magic”, “Clippership”, “Fly me to the North”, “Setember song” e “Love me somebody”… essa última, uma cover do grande Free…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… Até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

FOREST

BG – LOVEMAKERS’ WAYS

1. BAD PENNY – 2:38

2. SYLVIE (WE’D BETER NOT PRETEND) – 3:49

3. A FANTASY YOU – 2:46

4. FADING LIGHT – 4:27

5. BLUEBELL – 3:10

6. GRAVEYARD – 5:46

7. FAMINE SONG – 2:12

BG – HAWK THE HAWKER

TOTAL – 24:48

JADE

BG – CIRCLE AROUND THE SUN

1. AMONGST ANEMONES – 3:56

2. FLY ON STRANGEWINGS – 4:25

3. BAD MAGIC – 3:19

4. CLIPPERSHIP – 2:48

5. FLY ME TO THE NORTH – 3:23

6. SETEMBER SONG – 3:32

7. LOVE ME SOMEBODY – 2:59

BG – BULLSEYE ON A RAINY NIGHT

TOTAL – 24:42

TOTAL GERAL: 49:30

Ouça o Art Rock com o Forest & Jade que foi ao ar no dia 11/06/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Alan Parsons

Posted in Programas with tags , on 12/07/2011 by Artrock

“Boa noite, hoje vamos atender a pedidos e trazer uma grande figura do rock dos anos 70, que anda meio esquecido do público brasileiro, apesar de continuar em plena atividade… o músico, produtor e engenheiro de som, Alan Parsons…


Ele começou sua carreira como engenheiro de som da EMI inglesa e chegou a trabalhar no último álbum dos quatro cabeludos de Liverpool… o “Abbey Road”… depois disso, ele seguiria Paul McCartney, trabalhando nos primeiros discos dos Wings… mas a sua carreira só iria decolar mesmo depois da sua colaboração no indispensável “Dark side of the Moon” do Pink Floyd.

Ele continuaria trabalhando com produção e engenharia de áudio, envolvendo-se com o grupo Pilot e também com Al Stewart, mas acabaria montando o Alan Parsons Project junto do compositor Eric Woolfson… e o resultado dessa parceria sairia já em 75… o álbum “Tales of Mystery and Imagination”, um disco conceitual baseado na obra do grande Edgar Allan Poe.


O álbum foi muito bem recebido, e Alan Parsons se tornou um dos nomes do rock da década de 70, com trabalhos marcantes como “I Robot” de 77 e “Piramid” de 78… que fizeram muito sucesso em uma época em que o progressivo já estava sendo totalmente ignorado pelas grandes gravadoras… vamos conferir um pouco desses clássicos do Alan Parsons Project…

Vocês ouviram o Alan Parsons Project com “I Robot”, “Genesis Ch.1 V.32”, “Voyager”, “What goes up”, “Hypergammaspaces” e “Lucifer”.

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Voltamos com mais um pouco de Alan Parsons, que continua ativo, envolvendo-se com a produção do documentário “The Art and Science of Sound Recording”, além de continuar se apresentando com a Live Project Band…

Como muitos outros músicos com inclinações progressivas, Alan Parsons usou, nos anos 80, da estratégia de comercializar o seu som para garantir a sua sobrevivência em um mercado que estava cada vez menos interessado em trabalhos ambiciosos ou composições complexas… e ele foi muito bem sucedido, com discos pop como “Eye in the Sky”, de 82, chegaram a vender milhões de cópias.

Infelizmente ele acabou alienando os seus fãs mais progressivos… e foi caindo na obscuridade tão logo o brilho efêmero do sucesso começou a apagar-se, durante a década de 90… mas ele não deixou de lado o mundo da música, continuando a lançar álbuns como “On Air” de 96 e “The Time Machine” de 99.

Em 2007, Alan Parsons lançaria “A Valid Path”, que contava com a colaboração do amigo David Gilmour e também do seu filho Jeremy Parsons… e ele ganharia um Grammy com esse trabalho, seguindo em uma tour que renderia em 2010 o álbum ao vivo “Eye to Eye: Live in Spain”… vamos fechar com um pouco do álbum “A Valid Path” e também uma faixa do seu documentário “The Art and Science of Sound Recording”…

Vocês ouviram Alan Parsons com “Return to Tunguska”, “More lost without you”, “L’Arc en Ciel”, “A recurring dream within a dream” e “Alpha Centauri”… essa última uma faixa extraída do documentário “The Art and Science of Sound Recording”…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ALAN PARSONS PROJECT

BG – BREAKDOWN

1.    I ROBOT – 6:01

2.    GENESIS CH.1 V.32 – 3:13

3.    VOYAGER – 2:14

4.    WHAT GOES UP – 3:57

5.    HYPERGAMMASPACES – 4:21

6.    LUCIFER – 4:59

BG – DAMNED IF I DO

TOTAL – 24:45

ALAN PARSONS

BG – MAMMAGAMMA 04

1.    RETURN TO TUNGUSKA – 8:48

2.    MORE LOST WITHOUT YOU – 3:20

3.    L’ARC EN CIEL – 5:26

4.    A RECURRING DREAM WITHIN A DREAM – 4:07

5.    ALPHA CENTAURI – 3:17

BG – CHOMOLUNGMA

TOTAL – 24:58

TOTAL GERAL: 49:43

Ouça o Art Rock com o Alan Parsons que foi ao ar no dia 04/06/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Roger Waters & Van der Graaf Generator

Posted in Programas with tags , on 05/07/2011 by Artrock

“Boa noite, hoje vamos trazer duas lendas do rock progressivo que estão em plena atividade e com boas novas para os seus fãs…

Vamos começar com Roger Waters… o baixista do grande Pink Floyd… que está em plena tour mundial, com uma apresentação antológica do clássico “The Wall”, cheia de efeitos extraordinários na projeção sobre o lendário muro que se ergue durante do show para ser derrubado no seu clímax… e, como se isso tudo não fosse o suficiente, essa nova excursão de Roger já trouxe uma das surpresas do ano… uma reunião com Nick Mason & David Gilmour durante a apresentação do último dia 12 de maio…

Essa foi a primeira vez que os três membros restantes do Pink Floyd tocaram juntos desde o Live 8, em 2005… embora Roger e David tenham tocado juntos em um show beneficente em julho de 2010… mas esse novo encontro, agora com o batera Nick Mason, dá esperança de que um retorno do Floyd possa acontecer… principalmente depois que foi anunciada a nova série de relançamentos dos álbuns clássicos do grupo em edições com faixas extras, em uma super-boxset intitulada “Why Pink Floyd…?”

Essa caixa destinada a levar muitos colecionadores à falência vai sair em três edições… de descoberta, só com os discos, de imersão com CD, DVD, Blu-ray e acessórios… e ainda experiência, com os álbuns lançados em formato clássico e com um disco extra de material inédito… mas enquanto isso não chega para nós, vamos ouvir um pouco de “Is it the fifth”, uma coletânea extraoficial de Roger Waters, que reúne faixas de compacto e temas de trilha sonora…

Vocês ouviram Roger Waters, com “Get back to radio”, “Hello (I love you)”, “To kill the child” e “Leaving Beirut”… faixas da coletânea bootleg “Is it the fifth”, de 2010…

A gente volta já!

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora teremos no programa outra bela surpresa de 2011… o novo álbum do genial Van Der Graaf Generator de Peter Hammill…

O grande Van Der Graaf é figura frequente no Art Rock e dispensa maiores apresentações, pois é um dos nomes consagrados do prog. inglês dos anos 70, com álbuns clássicos como “Pawn Hearts”, “Godbluff” e “Still life”, entre outros… mas o seu retorno em 2005 surpreendeu até mesmo os seus fãs mais fervorosos, pois foi uma volta totalmente inesperada… e ainda por cima com o brilhante álbum-duplo “Present”, um trabalho digno da sua fase mais celebrada.

Em 2006 o saxofonista David Jackson deixou o grupo, mas o restante da formação clássica resolveu seguir em frente… e o álbum “Trisector” de 2008 seria gravado pelo trio formado por Peter Hammill na guitarra e vocais, Hugh Banton na bateria e Guy Evans no baixo… mas o resultado manteve a mesma sonoridade tensa, em que a melodia parece sempre a ponto de se romper em meio às intervenções marcantes da voz sempre angustiada de Hammill.

E eles estão aí com outro grande trabalho… “A Grounding in Numbers”… um álbum mais coeso do que o anterior, conservando a mesma poética truncada que combina perfeitamente com uma sonoridade que nega à ser prisioneira de definições e qualificações fáceis… e essa é justamente a essência do velho Van der Graaf Generator… e o que faz com que ele ainda seja essencial…

Vocês ouviram o Van der Graaf Generator com “Your time starts now”, “Mathematics”, “Highly strung”, “Bunsho”, “Medusa” e “Mr. Sands”… faixas do seu álbum “A grounding in numbers” de 2011.

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência, tenham uma boa noite e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… Até a semana que vem. “

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ROGER WATERS

BG – GOING TO LIVE IN L.A.

1. GET BACK TO RADIO – 4:43

2. HELLO (I LOVE YOU) – 4:33

3. TO KILL THE CHILD – 3:32

4. LEAVING BEIRUT – 12:31

BG – LOST BOYS CALLING

TOTAL – 25:19

VAN DER GRAAF GENERATOR

BG – ALL OVER THE PLACE

1. YOUR TIME STARTS NOW – 4:14

2. MATHEMATICS – 3:38

3. HIGHLY STRUNG – 3:36

4. BUNSHO – 5:02

5. MEDUSA – 2:12

6. MR SANDS – 5:22

BG – SPLINK

TOTAL – 24:04

TOTAL GERAL: 49:23

Ouça o Art Rock com o Roger Waters Van der Graaf Generator que foi ao ar no dia 28/05/2011, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *