Arquivo de abril, 2015

O Terço & Bixo da Seda

Posted in Produto Nacional, Programas with tags , on 27/04/2015 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos atender ao pedido do nosso ouvinte Walber França que nos pediu um programa com o prog. nacional dos ano 70… e nós vamos começar com um grande sobrevivente… O Terço!

o terço - criaturas da noite

Essa verdadeira lenda do rock nacional surgiu como power-trio ainda nos anos 60… mas eles só gravariam o seu primeiro álbum em 1970… no começo eles ainda exploravam a vertente mais psicodélica, mas estiveram entre os primeiros grupos a abraçar o progressivo, já sensível em seu álbum “Terço” de 73… e que explodiria de vez no clássico “Criaturas da noite” de 75, uma verdadeira joia do prog nacional, com arranjos do grande maestro Rogério Duprat.

A formação clássica do grupo, com Sérgio Hinds na guitarra, Flávio Venturini nos teclados, Luiz Moreno na bateria e Sérgio Magrão no baixo ainda seria responsável por mais um grande trabalho, “Casa Encantada” de 76… mas mesmo as mudanças que se seguiriam nos anos seguintes não distanciariam o Terço dos caminhos progressivos, embora explorando muitas variações em meio a separações e retornos.

o terço - casa encantada

Em 2001 a formação mais famosa do Terço fez um concerto no DirectTV Hall em São Paulo… infelizmente, Luiz Moreno deixaria o nosso plano da realidade pouco depois, mas o trio de Hinds, Venturini e Magrão levariam adiante o retorno do grupo… nós já trouxemos faixas dessa fase mais recente no programa… por isso hoje vamos trazer um pouco dos seus anos de glória, na década de 70!

Com O Terço vocês ouviram “Criaturas da noite”, “Jogo das pedras”, “1974”, “Flor de la noche” e “Sentinela do abismo”.

A gente volta já.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora trazer outra preciosidade do progressivo nacional… o grupo gaúcho Bixo da Seda…

O nome do grupo não tem nada a ver com a lagartas, casulos ou tecidos finos… mas sim com aquele papelzinho que se usa para fazer um certo tipo de cigarro… e essa história começa com Zé Vicente, o filho do governador Leonel Brizola, que era guitarrista e resolveu montar uma banda de rock junto dos integrantes do grupo Liverpool… os irmãos Mimi e Marcos Lessa, na guitarra e baixo, Edinho Espíndola na bateria e Fughetti Luz nos vocais…

bixo da seda - estação elétrica

No fim, o próprio Brizola acabaria deixando o grupo… e o Bixo se firmaria com a entrada de Renato Ladeira (ex-Bolha) para os teclados… com essa formação eles começaram a se apresentar nos festivais e a ganhar fama por suas performances… e foi então que gravariam o álbum “Estação Elétrica” de 76… um trabalho que marcaria época, mas acabaria sendo o único registro do grupo.

Eles ainda seguiriam adiante por mais 3 anos… mas a ascensão da discoteca acabou selando o seu destino… diante do desinteresse em trabalhos progressivos, e precisando trabalhar, Mimi, Marcos e Edinho foram para a banda de apoio das Frenéticas… um fim melancólico para grandes músicos que mergulhariam na obscuridade… vamos conferir um pouco do primeiro e único álbum do Bixo da Seda…

Vocês ouviram o Bixo da Seda com “Vênus”, “Já Brilhou”, “Bicho da seda”, “De ouro” e “Gigante”.

O Art Rock fica por aqui… o programa tem a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

O TERÇO

BG – HEY AMIGO

1. CRIATURAS DA NOITE – 3:42

2. JOGO DAS PEDRAS – 3:27

3. 1974 – 12:24

4. FLOR DE LA NOCHE – 3:37

5. SENTINELA DO ABISMO – 2:21

BG – VOLTE NA PRÓXIMA SEMANA

TOTAL – 25:29

BIXO DA SEDA

BG – É COMO TERIA QUE SER

6. VÊNUS – 4:17

7. JÁ BRILHOU – 5:11

8. BICHO DA SEDA – 3:21

9. DE OURO – 4:53

10. GIGANTE – 6:03

BG – TREM

TOTAL: 23:44

TOTAL GERAL – 50:12

Ouça o Art Rock com o O Terço & Bixo da Seda que foi ao ar no dia 25/04/2015, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Styx & Kiss

Posted in Programas with tags , on 27/04/2015 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos trazer dois momentos do rock dos anos 70, começando com um grupo que viveu na fronteira entre o heavy, o pop e o progressivo.

styx - grande illusion

Estamos nos referindo ao Styx, que surgiu no começo da década de 60 na garagem dos irmãos Chuck e John Panozzo, em Chicago… na época eles se chamavam The Tradewinds e tocavam com o vizinho, Dennis DeYoung… mas seria só na virada para os anos 70, com a entrada do guitarrista James Young, que o grupo começou a tomar forma definitiva… e conseguiriam um contrato em 72 com a Wooden Nickel Records.

styx - pieces of eight

Adotando o nome Styx, tirado do mitológico rio que conduz ao inferno, eles lançaram seu primeiro álbum ainda em 72… e já começaram a chamar a atenção, mas seria só a partir de 77, depois da entrada de Tommy Shaw, que eles se tornariam um dos grandes nomes do rock americano… e conseguiriam a proeza de ter quatro álbuns multiplatinados consecutivos… no final dos anos 70 e começo dos 80.

styx - paradise theater

O clima dominado pela dramaticidade de suas faixas levaria o Styx a ser considerado um dos pais do chamado pomp rock… e eles continuam em plena atividade, embora seu último registro de estúdio seja “Big Bang Theory” de 2005… mas, para o program de hoje, nós selecionamos faixas dos seus álbuns mais famosos: “The Grand Illusion” de 77, “Pieces of Eight” de 78 e “Paradise Theatre” de 81.

Vocês ouviram o Styx com “The Grand Illusion”, “Man in the wilderness”, “Renegade”, “AD 1928”, “Rockin the Paradise” e “Snowblind”.

A gente volta já.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora trazer outra sugestão do nosso amigo e colaborador, Almir Octávio… um trabalho que mostra o lado progressivo de um famoso grupo de mascarados… o Kiss!

kiss - music from the elder

Estamos nos referindo ao álbum “Music from: The Elder”, lançado em 81 e que foi um dos mais mal sucedidos trabalhos do Kiss, a tal ponto que eles nem sequer chegaram a excursionar para promovê-lo… tudo isso apesar de ser o seu disco mais ambicioso: um álbum conceitual com faixas que mostravam uma clara influência progressiva, tanto na temática como nos arranjos orquestrais.

Depois de dois álbuns fracos que flertavam até com a disco music, o Kiss havia prometido um trabalho mais radical… e chamaram o grande Bob Ezrin para a produção… ele tinha sido o mentor do melhor álbum do grupo, “Destroyer” de 76, mas havia acabado de produzir o genial The Wall para o Pink Floyd e o seu entusiasmo pelo progressivo contagiou o Kiss.

Lou Reed colaboraria com as letras para algumas faixas e o disco seria gravado em total sigilo, na certeza de que iria mostrar aos críticos que o Kiss sabia ser uma banda séria… e muitos críticos até gostaram do trabalho, mas os fãs esperavam outra coisa e ele foi completamente repudiado… Ace Frehley acabaria desistindo do grupo e, embora apareça na capa do disco seguinte, “The Elder” seria sua última participação real com o Kiss até os anos 90… vamos conferir um pouco desse álbum incompreendido…

Vocês ouviram o Kiss com “Fanfarre”, “Just a boy”, “Odissey”, “Only you”, “Under the rose”, “Dark Light” e “A world without heroes”… todas extraídas do álbum “Music from: The Elder”, que agora recebeu uma versão com a ordem correta das faixas…

O Art Rock fica por aqui… o programa tem a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… nós agradecemos a colaboração do nosso amigo Almir Octávio, que cedeu o material para o programa de hoje… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

STYX

BG – MISS AMERICA

1. THE GRAND ILLUSION – 4:38

2. MAN IN THE WILDERNESS – 5:51

3. RENEGADE – 4:16

4. AD 1928 – 1:07

5. ROCKIN THE PARADISE – 3:35

6. SNOWBLIND – 5:00

BG – SING FOR THE DAY

TOTAL – 24:27

KISS

BG – I

7. FANFARRE – 1:22

8. JUST A BOY – 2:25

9. ODISSEY – 5:49

10. ONLY YOU – 4:17

11. UNDER THE ROSE – 4:52

12. DARK LIGHT – 4:19

13. A WORLD WITHOUT HEROES – 2:41

BG – ESCAPE FROM THE ISLAND

TOTAL: 25:45

TOTAL GERAL – 50:12

Ouça o Art Rock com o Styx & Kiss que foi ao ar no dia 18/04/2015, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Robert Plant

Posted in Programas with tags on 27/04/2015 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos no programa o grande Robert Plant, que continua a ser uma das vozes essenciais da história do rock…

fate-of-nations-5159898060680

Já trouxemos Robert Anthony Plant muitas vezes no nosso programa… e é claro que o vocalista do Led Zeppelin dispensa maiores apresentações, pois a sua lenda é parte da própria argamassa que sustenta a Torre de Babel que é o rock and roll… uma história que começa nos anos 60 e se estende através das décadas, para ver o que já foi chamado de barulho se converter na expressão poética e musical do anseio de liberdade…

dreamland

Bob Plant tem uma carreira solo vitoriosa, com álbuns em que explorou as possibilidades do rock em várias direções e chegou a destinos sempre diferentes, ligados apenas pela sua voz e pela sua sensibilidade… e, para o programa de hoje, nós selecionamos um pouco da fase anunciada pelo seu álbum “Fate of nations” de 93…

mighty rearranger

Nesse trabalho clássico, o velho Plant já acrescentava elementos de folk psicodélico dos anos 60/70, em arranjos com pitadas de rock, pop e blues… uma viagem que ele levaria adiante anos mais tarde, a partir dos álbuns “Dreamland” de 2002 e “Mighty ReArranger” de 2005… e é um pouco desses grandes trabalhos que nós selecionamos para a primeira parte do Art Rock de hoje…

Vocês ouviram Robert Plant… primeiro foi uma versão para “If I were a Carpenter” de Tim Hardim… depois foi “The Greatest Gift”, “Darkness, darkness” (que foi uma cover dos Youngbloods), “Shine it all around” e “Mighty Rearranger”.

A gente volta já.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Voltamos agora com um pouco do álbum “Lullaby and the Ceaseless Roar”, que Robert Plant lançou em 2014 e que rendeu uma das suas tours mais extensas, percorrendo o mundo todo e chegando até ao Brasil, em 2015.

lullaby and the ceaseless roar

Considerado pela crítica um dos melhores álbuns de 2014, “Lullaby and the Ceaseless Roar” foi o primeiro registro de estúdio de Plant com o grupo The Sensational Space Shifters, que ele havia montado para a sua excursão de 2012 e inclui os guitarristas Justin Adams e Liam Tyson e também a cantora galesa Julie Murphy…

Plant já havia gravado com esse grupo de apoio o álbum “Live in London July ‘12”… que mostrava um repertório onde faixas do Led Zeppelin eram reinterpretadas em conjunto com outras da sua carreira solo… e o ritmo de shows só aumentou depois disso, incluindo em 2015 uma série de apresentações em festivais como o Lollapalooza e o Bottlerock, além de shows de homenagem ao lendário Lead Belly.

Com uma carreira mais movimentada que a de seus companheiros do Led, Plant não parece estar pensando em se aposentar tão cedo… e trabalhos como “Lullaby and the Ceaseless Roar” mostram que ele se mantém criativo, cinco décadas depois de começar sua carreira cantando em bandas de blues na velha Swingin’ London nos distantes anos 60… vamos conferir mais esse excelente álbum de Robert Plant…

Vocês ouviram “Embrace another fall”, “Turn it up”, “Somebody there”, “House of love” e “Up on the hollow hill”, com Robert Plant and The Sensational Space Shifters.

O Art Rock fica por aqui… o programa tem a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ROBERT PLANT

BG – COME INTO MY LIFE

1. IF I WERE A CARPENTER – 3:45

2. THE GREATEST GIFT – 6:52

3. DARKNESS DARKNESS – 7:11

4. SHINE IT ALL AROUND – 4:03

5. MIGHTY REARRANGER – 4:25

BG – CALLING TO YOU

TOTAL – 26:16

ROBERT PLANT

BG – LITTLE MAGGIE

6. EMBRACE ANOTHER FALL – 5:52

7. TURN IT UP – 4:05

8. SOMEBODY THERE – 4:32

9. HOUSE OF LOVE – 5:07

10. UP ON THE HOLLOW HILL – 4:35

BG – ARBADEN (MAGGIE’S BABY)

TOTAL: 24:12

TOTAL GERAL – 50:28

Ouça o Art Rock com o Robert Plant que foi ao ar no dia 11/04/2015, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Roxy Music

Posted in Programas with tags on 13/04/2015 by Artrock

“Boa noite, hoje teremos um programa dedicado a um dos grandes grupos dos anos 70, o Roxy Music, responsável pelo lado mais celebrado do Glam Rock…

stranded

O grande Roxy é presença frequente aqui no Art Rock… mas, para quem não sabe, ele começou em 1970 quando um ex-professor de cerâmica chamado Bryan Ferry resolveu levar adiante um projeto dos seus tempos de Art College, junto do seu velho amigo, o baixista Graham Simpson… o grupo The Gas Board.

country-life

Bryan colocou anúncio para um tecladista, mas quem apareceu foi o saxofonista Andy Mackay, que traria para o grupo genial Brian Eno, enquanto outro anúncio trouxe Paul Thompson para a bateria… a essa altura eles já eram o Roxy Music, e o seu primeiro guitarrista seria ninguém menos que David O’List, do grande The Nice de Keith Emerson… também conseguido na base do anúncio na Melody Maker.

flesh-and-blod

Essa versão do Roxy não duraria muito… e seria com Phil Manzanera na guitarra que eles tomariam forma definitiva, tornando-se um dos mais bem sucedidos grupos do rock inglês, com um som único, que cruzava as fronteiras entre os estilos musicais e traduzia toda a riqueza sonora da década de 70… e, para essa primeira parte, nós selecionamos faixas extraídas dos álbuns da sua fase intermediária, depois da saída de Brian Eno, substituído pelo multi-instrumentista Eddie Jobson, ex-Curved Air.

Vocês ouviram “Serenade”, “The Thrill of it All”, “Praire Rose”, “Love is the Drug” e “Both Ends Burning” com o Roxy Music.

A gente volta já.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Vamos continuar com o Roxy Music, que voltou a se apresentar em 2001 depois de um longo silêncio, mas sem novos registros de estúdio…

A entrada de Eddie Jobson, em 73, acabou consolidando o Roxy Music naquela que se tornaria a sua formação mais duradoura… responsável por grandes álbuns e também pela ascensão do grupo, principalmente depois do sucesso de faixas clássicas como “Street Life” de “Love is the Drug”… e foi também a época em que todos começaram a experimentar com trabalhos solo e projetos paralelos…

manifesto

Em 76 eles se separariam, mas voltariam dois anos depois com um novo álbum, “Manifesto”, sem Eddie Jobson e contando apenas com Ferry, Thompson, McCay e Manzanera… foi o começo de uma nova fase, que mostraria o grupo tentando se conservar fiel ao seu estilo, em meio à força do punk rock e da disco music… e eles pareciam ter se reencontrado com o álbum “Avalon” de 82… mas ele acabaria sendo o último registro de estúdio do Roxy Music.

avalon

Uma reunião foi organizada em 2001, quando estavam comemorando os 30 anos do grupo… e eles voltariam a se apresentar juntos muitas vezes desde então… mas as gravações desta época não renderiam um novo trabalho de estúdio e acabariam sendo aproveitadas no álbum “Olympia” de Bryan Ferry… vamos fechar com um pouco do último período criativo do Roxy Music, entre 78 e 82…

siren

Vocês ouviram “Angel Eyes”, “Stranger through the years”, “My only love”, “More than this”, “Avalon” e “Tara”… com o Roxy Music.

O Art Rock fica por aqui… o programa tem a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

ROXY MUSIC

BG –A SONG FOR EUROPE

1. SERENADE – 3:00

2. THE THRILL OF IT ALL – 6:25

3. PRAIRE ROSE – 5:13

4. LOVE IS THE DRUG – 4:11

5. BOTH ENDS BURNING – 5:16

BG – STREET LIFE

TOTAL – 24:05

ROXY MUSIC

BG – RUNNING WILD

6. ANGEL EYES – 4:13

7. STRANGER THROUGH THE YEARS – 6:14

8. MY ONLY LOVE – 5:19

9. MORE THAN THIS – 4:31

10. AVALON – 4:17

11. TARA – 1:47

BG – TAKE A CHANCE WITH ME

TOTAL: 26:21

TOTAL GERAL – 50:26

Ouça o Art Rock com a Roxy Music que foi ao ar no dia 04/04/2015, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Karnataka

Posted in Programas with tags on 01/04/2015 by Artrock

“Boa noite… hoje vamos trazer uma colaboração do nosso amigo Almir Octávio, um ouvinte desde os primeiros programas, e que sempre nos passa algum material genial… e dessa vez é o novo álbum do grupo britânico Karnataka.

  karnatak-karnataka

Já trouxemos outras vezes no programa esse grupo do País de Gales, mas sempre vale lembrar que ele foi formado em 97, com o nome inspirado em uma província da Índia… e ele surgiu quando Ian e Rachel Jones se juntaram ao tecladista Jonathan Edwards para gravar algumas faixas que eles estavam acostumados a tocar em outros grupos… e logo entrariam o guitarrista Paul Davies e o baterista Gavin Griffiths e nascia o Karnataka.

Apesar de baixista, Ian Jones assumiu desde cedo a liderança do grupo, sendo o seu principal compositor… mas o grande destaque do álbum “Karnataka” de 98 seria para a bela voz de Rachel Jones, que logo atraiu a atenção da mídia, sendo considerada uma das melhores vocalistas da geração progressiva dos anos 90.

karnataka-storm

A partir do segundo trabalho, “The Storm” de 2000, o grupo já havia se tornado um dos contratados da Classic Rock Society e a sua posição parecia ter se consolidado com o álbum seguinte, “Delicate Flame of Desire” de 2003… mas ele acabaria sendo o último registro de estúdio com a formação original… vamos conferir um pouco dos dois primeiros trabalhos do Karnataka…

Vocês ouviram com o Karnataka as faixas “Tell me why”, “Untill next time”, “I should have known” e “Writing on the wall”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Vamos continuar trazendo um pouco do Karnataka… que se separaria depois do álbum ao vivo “Strange Behaviour” de 2004, e só voltaria depois de alguns anos de silêncio.

A saída de Rachel Jones acabou significando o fim prematuro do Karnataka, justamente quando estavam no auge, depois de sua tour mais bem sucedida… enquanto Ian formava o Chasing the Monsoon e Rachel voltava para a faculdade, os demais integrantes, Paul, Jonathan e Gavin formavam o Panic Room com a vocalista Anne-Marie Helder que tocara como convidada em “Delicate Flame of Desire”…

karnataka-secrets-of-angels

Rachel acabaria se casando com o guitarrista Mathew Cohen do grupo The Reasoning, tornando-se sua vocalista… mas o Karnataka voltaria aos poucos à vida, com Ian Jones reunindo uma formação inteiramente nova e trazendo Lisa Fury para os vocais… demorou um pouco, mas eles lançariam em 2010 o álbum “The Gathering Light”, que seria bem recebido pela crítica e pelos fãs.

Mas Lisa deixaria o grupo pouco depois, sendo substituída por Hayley Griffiths… e a formação se estabilizaria em torno dos guitarristas Enrico Pinna e Colin Mold, e do tecladista Cagri Tozluoglu… eles excursionaram bastantes para se apresentar aos fãs e em 2015 estavam prontos para um novo álbum… “Secrets of Angels”, que vocês vão poder conferir a partir de agora…

Vocês ouviram o Karnataka com “Road to Cairo”, “Because of you”, “Poison Ivy”, “Borderline” e “Fairytale Lies” …

O Art Rock fica por aqui… o programa tem a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… nós agradecemos a colaboração do nosso amigo Almir Octávio, que cedeu o material para o programa de hoje… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o Blog do Art Rock em https://artrock.wordpress.com… ele foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

KARNATAKA

BG – LOVE AND AFFECTION

1. TELL ME WHY – 4:46

2. UNTILL NEXT TIME – 7:50

3. I SHOULD HAVE KNOWN – 6:16

4. WRITING ON THE WALL – 5:21

BG – THE JOURNEY

TOTAL – 24:13

KARNATAKA

BG – FORBIDDEN DREAMS

5. ROAD TO CAIRO – 5:27

6. BECAUSE OF YOU – 4:53

7. POISON IVY – 4:15

8. BORDELINE – 6:20

9. FAIRYTALE LIES – 4:59

BG – FEELS LIKE HOME

TOTAL: 25:54

TOTAL GERAL – 50:07

Ouça o Art Rock com a Karnataka que foi ao ar no dia 28/03/2015, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *