Arquivo de julho, 2013

Happy the Man & Oblivon Sun

Posted in Programas with tags , on 31/07/2013 by Artrock

“Boa noite, hoje vamos trazer dois grupos pertencentes a uma mesma família do prog rock americano, começando com um veterano dos anos 70 que só voltou à atividade graças à renascença progressiva do final do século… o Happy the Man.

happytheman-craftyhands

O grupo surgiu em Harrisonburg, na Virgínia, em 1973… e era centrado em torno do guitarrista Stan Whitaker e do baixista Rick Kennell, que se conheceram quando ainda estavam servindo o exército… mas no começo eles só tinham uma vaga ideia, que tomaria forma com a entrada do baterista Mike Beck, do flautista e vocalista Cliff Fortney e dos tecladistas Kit Watkins e Frank Wyatt…

O nome do grupo é uma citação do célebre poema de John Dryden, traduzido das “Odes” do poeta romano Horácio… mas essa erudição e a sonoridade complexa dos seus primeiros trabalhos acabaram não ajudando o grupo, que passou despercebido em meio ao cenário musical americano do final dos anos 70… os álbuns “Happy the Man” de 77 e “Crafty Hands” de 78 foram totalmente ignorados e eles perderiam o seu contrato com a Arista Records.

Eles se separariam em 79, e o seu terceiro disco só seria lançado anos depois… felizmente, com o relançamento em CD dos seus álbuns e o renovado interesse no progressivo, eles acabariam voltando em 99… apresentaram-se no Nearfest de 2000, lançaram discos com faixas engavetadas e até um novo trabalho de estúdio, “The Muse Awakens”, de 2004… mas nós já trouxemos esse som no nosso programa, por isso vamos mais longe e selecionamos um pouco do começo da carreira do Happy the Man.

Vocês ouviram o Happy the Man com “Ibby it is”, “Steaming pipes”, “Wind up doll day wind” e “I forgot to push it”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos trazer um pouco de um dos descendentes do Happy the Man… o grupo Oblivon Sun.

oblivionsun

Depois do retorno bem sucedido em 99, e do sucesso do álbum “The Muse Awakens” entre os fãs progressivos, o Happy the Man não chegou a encerrar atividades, mas Stanley Whitaker e Frank Wyatt perceberam que seria difícil manter o grupo unido para apresentações e excursões anuais, por isso iniciaram um projeto paralelo que acabaria se transformando no Oblivion Sun…

Além de Stan Whitaker na guitarra e Frank Wyatt nos teclados, o novo grupo teria Dave Demarco no baixo, Chris Mack na bateria e mais um tecladista, Bill Plummer… e o primeiro álbum, “Oblivion Sun” de 2007, foi muito bem recebido… garantindo a sobrevivência do projeto, ainda que as formações variassem, mantendo apenas o núcleo central dos seus dois fundadores.

oblivionsun-highplaces

Stan ainda mantém uma dupla acústica junto de sua mulher, LeeAnne, e eles também lançariam em 2007 o álbum “Under the covers”… mas o Oblivion Sun continuaria em atividade, e, em 2012, sairia outro registro de estúdio: “The High Places”, com dois novos integrantes, o baterista Bill Brasso e o baixista e vocalista David Hughes… vamos ouvir um pouco desse grupo que mantém vivo o legado do Happy the Man.

Vocês ouviram com o Oblivion Sun, as faixas “The Ride”, “Noodlepoint”, “No surprises”, “Deckard” e “Dead Sea squirrels”…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

HAPPY THE MAN

BG – THE MOON, I SING

1. IBBY IT IS – 7:50

2. STEAMING PIPES – 5:30

3. WIND UP DOLL DAY WIND – 7:06

4. I FORGOT TO PUSH IT – 3:06

BG – MORNING SUN

TOTAL – 23:35

OBLIVION SUN

BG – FANFARRE

5. THE RIDE – 5:07

6. NOODLEPOINT – 3:51

7. NO SURPRISES – 3:36

8. DECKARD – 6:35

9. DEAD SEA SQUIRRELS – 6:36

BG – RE:BOOTSY

TOTAL: 25:45

TOTAL GERAL – 49:20

Ouça o Art Rock com a Happy the Man & Oblivon Sun que foi ao ar no dia 27/07/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

 

 

Novalis

Posted in Programas with tags on 25/07/2013 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos trazer um dos grandes nomes do progressivo germânico… o Novalis.

banished_bridge (1)

Formado na cidade de Hamburgo, em 71 o grupo se chamava originalmente Mosaik… e já contava em sua formação com o baixista Heino Schünzel, o tecladista Lutz Rahn e o baterista Hartwig Biereichel… mas eles logo mudariam de nome para Novalis em homenagem ao célebre pseudônimo usado pelo grande escritor e filósofo alemão, Georg Friedrich von Hardenberg, um dos maiores representantes do Romantismo germânico…

Seria como Novalis que eles conseguiriam o seu primeiro contrato… e a princípio fariam como muitos outros grupos do chamado krautrock, gravando em inglês para atingir o mercado internacional, algo que só iria mudar mais tarde, quando chegaram a incorporar até mesmo poemas do próprio Novalis, e outros grandes nomes do Romantismo, em suas composições.

Em sua sonoridade, o Novalis construía longas suítes dominadas pelos fraseados de órgão, com fortes linhas de baixo e passagens acústicas… elementos típicos do prog. alemão, mas com ênfase para a criação de climas e paisagens melódicas… e nós vamos começar com um pouco do seu trabalho de estreia… o álbum “Banish Bridge”, de 73.

Vocês ouviram o Novalis com “Banished Bridge” e “Inside of me (Inside of you)”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar trazendo o Novalis, que nunca atingiu a notoriedade de outros grupos do rock alemão, mas manteve uma carreira prolífica, com uma discografia invejável nos anos 70 e 80.

novalis

A partir de 75 o Novalis decidiu deixar de lado a perspectiva do sucesso internacional, dedicando-se a uma sonoridade voltada às nações de língua germânica… o que permitiria que o grupo explorasse em seus trabalhos a rica poética da língua alemã… e quem havia lhes sugerido isso foi produtor Achim Reichel, ex-líder do lendário grupo beat The Rattles…

No fim, isso acabou resultando em uma sucessão de álbuns brilhantes, que não tiveram tanta repercussão fora da Alemanha, mas que marcariam época no prog. rock de seu país… e eles manteriam uma posição de relativo destaque até a década de 80, quando começaram a perder terreno e acabaram se separando em meio a tentativas de mudar o seu som para sobreviver às mudanças do mercado musical.

sommerabend

O último registro do Novalis foi uma coletânea de gravações ao vivo lançada em 93… época em que, felizmente, muitos dos seus trabalhos clássicos estavam sendo relançados em CD pela Repertoire Records… e, para essa segunda parte do programa, nós selecionamos faixas dos álbuns “Novalis” de 75 e “Sommerabend” de 76…

Com o Novalis, vocês ouviram “Impressionen” e “Sommerabend”…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

NOVALIS

BG – HIGH EVOLUTION

1. BANISHED BRIDGE – 17:11

2. INSIDE OF ME (INSIDE OF YOU) – 6:39

BG – LAUGHING

TOTAL – 23:40

NOVALIS

BG –SONNENGEBLECHT

3. IMPRESSIONEN – 8:59

4. SOMMERABEND – 18:19

BG – AUFBRUCH

TOTAL: 27:18

TOTAL GERAL – 50:58

Ouça o Art Rock com a Novalis que foi ao ar no dia 20/07/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

REPRISE: Kansas

Posted in Programas with tags on 17/07/2013 by Artrock

Olá ouvintes do Art Rock! O programa da semana passada (dia 13-07-2013), foi um reprise com o Kansas. Confiram este programa clicando aqui!

Se preferir você também pode baixar o áudio do programa clicando aqui.

leftoverture

point-of-know-return

theres-know-place-like-home


 

Queensrÿche

Posted in Programas with tags on 10/07/2013 by Artrock

“Boa noite, o programa de hoje é para um dos nossos ouvintes mais fiéis, nosso amigo Almir Octavio Santos… com um dos mais importantes grupos do heavy progressivo desde o seu surgimento nos anos 80, o grande Queensrÿche!

geoff_tate_queensryche_frequency_unknown

O Queensrÿche foi formado em Bellevue, perto de Seatle, no estado de Washington, em 1982… na sua origem, o grupo se chamava The Mob e contava com os guitarristas Chris DeGarmo e Michael Wilton, mas foi só a partir da entrada do vocalista Geoff Tate que o seu som começou a tomar forma… e eles acabaram adotando um novo nome, tirado da faixa “Queen of the Reich”, de sua primeira demo tape…

Nessa época, o rock mais pesado era dominado pelos grupos trash e speed, mas o som do Queensrÿche soava bem diferente em seu primeiro álbum, “The Warning”, de 84… com elementos progressivos que ficaram ainda mais claros em “Rage for order” de 86… e ele abraçaria de vez o heavy-prog nos clássicos álbuns “Operation Mindcrime” de 88 e “Empire”, o duplo de 1990… ambos trabalhos conceituais com temas politizados e críticos que não estariam deslocados no Pink Floyd da fase “The Wall” e “Final Cut”…

Já trouxemos o Queensrÿche outras vezes aqui no Art Rock… mas, em 2013, o grupo se dividiu em dois, ambos usando o mesmo nome… e nessa primeira parte vamos ouvir um pouco do primeiro álbum lançado depois dessa divisão: “Frequency Unknown”… com o Queensrÿche do vocalista Geoff Tate, que conta em sua formação com o baixista Rudy Sarzo e com o baterista Simon Wright, ambos veteranos de muitos grupos… e também com dois antigos colegas de Geoff no seu primeiro grupo, o Myth

Vocês ouviram o Queensrÿche de Geoff Tate com “Give it to you”, “In the hands of God”, “Life without you”, “Everything” e “The weight of the World”.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E nós vamos continuar trazendo o Queensrÿche, agora com um pouco do outro grupo que está usando o nome… e que tem como vocalista Todd La Torre (ex-Crimson Glory).

queensryche_queensryche

Depois do mal sucedido álbum “Dedicated to Chaos” de 2011, o grupo entrou em uma crise interna… enquanto Geoff Tate preparava um álbum solo, os demais integrantes iniciaram um projeto, tendo Todd La Torre nos vocais… o grupo seria chamado Rising West, mas a crise continuou crescendo e culminou com a ruptura, e os membros originais, o guitarrista Michael Wilton, o baixista Eddie Jackson e o batera Scott Rockenfield anunciaram que iriam continuar usando o nome Queensrÿche.

A essa altura, Geoff Tate também já havia anunciado um novo Queensrÿche… e ele lançaria o seu álbum ainda em abril de 2013, começando também a “Operation: Mindcrime Anniversary Tour”, em comemoração aos 25 anos do clássico do grupo… e, enquanto rolavam os processos legais para ver quem tinha o direito ao uso do nome, seus antigos colegas lançavam em junho o álbum “Queensrÿche”… com o novo vocalista.

Tanto nos sites, como nas capas dos discos, posters e decorações de palco… ambos estão usam o mesmo nome e até o mesmo símbolo… mas o resultado da decisão judicial fica para outro programa, por hoje vamos fechar ouvindo um pouco da edição especial do álbum “Queensrÿche”, que inclui versões ao vivo para clássicos do começo da carreira do grupo…

Com o Queensrÿche vocês ouviram “X2”, “Where dreams go to die”, “In this light”, “Midnight lullaby”, “A world without you”, “Open road”, “Queen of the Reich” e “En force”…

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

QUEENSRYCHE

BG – FALL

1. GIVE IT TO YOU – 4:36

2. IN THE HANDS OF GOD – 3:49

3. LIFE WITHOUT YOU – 4:42

4. EVERYTHING – 4:28

5. THE WEIGHT OF THE WORLD – 6:16

BG – SILENT LUCIDITY

TOTAL – 23:52

QUEENSRYCHE

BG – REDEMPTION

6. X2

7. WHERE DREAMS GO TO DIE – 4:26

8. IN THIS LIGHT – 3:23

9. MIDNIGHT LULLABY – 0:56

10. A WORLD WITHOUT – 4:11

11. OPEN ROAD – 3:54

12. QUEEN OF THE REICH – 4:35

13. EN FORCE – 4:21

BG – FALLOUT

TOTAL: 26:56

TOTAL GERAL – 50:48

Ouça o Art Rock com a Queensrÿche que foi ao ar no dia 06/07/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Joey Covington (Jeffersons Airplane & Starship)

Posted in Programas with tags , , on 05/07/2013 by Artrock

“Boa noite, no programa de hoje vamos homenagear um baterista que deixou a sua marca na era psicodélica… e que atravessou a barreira do hiperespaço em junho de 2013… Joey Covington do Hot Tuna e Jefferson Airplane…

114866562

Joseph Edward Michno era da Pensilvânia, e ele tocou em muitos grupos da costa leste até resolver se mudar para a Califórnia em 67… em pleno Summer of Love… foi nessa época que ele mudou seu nome para Covington, enquanto continuava sem um grupo certo, tocando com muita gente e se tornando bem conhecido no cenário do rock psicodélico de San Francisco.

Mas só em 69 ele ganharia uma posição de destaque, primeiro como o baterista da primeira formação do genial Hot Tuna, o grupo formado por Jorma Kaukonen e Jack Casady, ambos do grande Jefferson Airplane… Joey gravaria com eles, mas o material nunca seria lançado pela gravadora… e ele acabaria sendo chamado para ajudar o Airplane a terminar as gravações do álbum “Volunteers”, substituindo Spencer Dryden em algumas faixas.

1971_Jefferson_Airplane_Bark

Joey seria confirmado na baterista para o disco seguinte, “Bark” de 71… mas, apesar do sucesso, o álbum era primeiro sem o vocalista Marty Balin, e marcava o começo de uma queda que seria confirmada depois de “Long John Silver”, de 72… em meio a projetos solo e à consolidação do próprio Hot Tuna, o Jefferson Airplane se separaria pouco depois do lançamento desse trabalho, e Joey deixaria o grupo antes mesmo do fim das gravações… vamos ouvir um pouco da sua passagem pelo velho avião psicodélico!

Vocês ouviram o Jefferson Airplane com “When the Earth moves again”, “Crazy Miranda”, “Pretty as you feel”, “Law man”, “Twilight double leader” e “The Son of Jesus”… e essa última é para os que acham que o “Código de Da Vinci” era um trabalho completamente original.

A gente volta já…

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

E agora vamos ouvir um álbum clássico que já trouxemos algumas vezes aqui no programa… o genial “Blows against the Empire”, de Paul Kantner & The Jefferson Starship!

jeffersonairplane09

Considerado um dos mais importantes trabalhos da era psicodélica, esse álbum conceitual sobre uma fuga para as estrelas reuniu os membros do Airplane, Grateful Dead, Quicksilver Messenger Service, Eletric Flag e até do Crosby, Stills & Nash… e tinha Joey Covington como um dos seus bateristas, juntamente com Mickey Hart e Bill Kreutzmann…

Em “Blows against the Empire” a linguagem da ficção científica comunicava a ideia de que o sonho, neste mundo, podia estar acabando, mas que as ideias não morrem e que o futuro guardava a esperança de outros mundos… e a força dessa mensagem otimista, através da música de Paul Kantner e Grace Slick, renderia a esse álbum uma indicação para o prêmio Hugo, um dos mais prestigiados da literatura de ficção.

O grupo formado para essa gravação se tornaria conhecido como a Planet Earth Rock and Roll Orchestra… e se reuniria novamente para o álbum “If I could only remember my name” de David Crosby… mas a era da psicodelia como força dominante do rock já estava passando… vamos ouvir um pouco desse disco seminal, que foi um dos derradeiros libelos da contracultura.

Com Paul Kantner & The Jefferson Starship vocês ouviram “Mau mau (Amerikon)”, “Let’s Go Together”, “Sunrise”, “Hijack” e “Have you seen the stars tonight” …

O Art Rock fica por aqui… o programa teve a produção de Vidal Costa e de Beto Bittencourt, a apresentação de Vidal Costa e a edição de Abílio Henrique… obrigado pela audiência e continuem na É Paraná, 97.1… visite o nosso Blog em https://artrock.wordpress.com… que foi idealizado e é administrado pela nossa querida amiga Ana Barbara Vicentin Volpão… lá você pode fazer downloads do conteúdo do programa e também deixar o seu recado… até a semana que vem.”

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

JEFFERSON AIRPLANE

BG – WILD TURKEY

1.WHEN THE EARTH MOVES AGAIN – 3:57

2. CRAZY MIRANDA – 3:26

3. PRETTY AS YOU FEEL – 4:34

4. LAW MAN – 2:45

5. TWILIGHT DOUBLE LEADER – 4:45

6. THE SON OF JESUS – 5:30

BG – FEELS SO GOOD

TOTAL – 24:56

JEFFERSON STARSHIP

BG – STARSHIP

7. MAU MAU (AMERIKON) – 6:37

8. LET’S GO TOGETHER – 4:23

9. SUNRISE – 1:54

10. HIKACK – 8:18

11. HAVE YOU SEEN THE STARS TONITE – 3:45

BG – A CHILD IS COMING

TOTAL: 24:58

TOTAL GERAL – 49:54

Ouça o Art Rock com a Joey Covington (Jeffersons Airplane & Starship) que foi ao ar no dia 29/06/2013, clicando aqui.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *